REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

A relevância dos papéis gerenciais para a minimização das distrações no trabalho

RC: 132765
244
5/5 - (10 votes)
DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/administracao/papeis-gerenciais

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

FRANCO, Amanda da Silva [1], SOUZA, Thiago Inacio Pacheco e[2], NOGUEIRA, Enrique de Moura [3], ROBERTO, José Carlos Alves [4]

FRANCO, Amanda da Silva. Et al. A relevância dos papéis gerenciais para a minimização das distrações no trabalho. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano. 07, Ed. 11, Vol. 10, pp. 65-69. Novembro de 2022. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/administracao/papeis-gerenciais, DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/administracao/papeis-gerenciais

RESUMO

Uma vez que as distrações afetam a atenção e prejudicam o desempenho comportamental em tarefas ou atividades laborais, este artigo se propôs a investigar: de que forma a gestão pode contribuir para a diminuição das distrações nos ambientes de trabalho? Logo, estabeleceu-se como objetivo geral mostrar a relevância dos papéis gerenciais na minimização das distrações no trabalho. Para tanto, realizou-se uma pesquisa bibliográfica, caracterizada como qualitativa, quanto à sua natureza, e como descritiva, quanto aos seus fins. Dessa forma, como conclusão, identificou-se que por meio de seus papéis gerenciais, o gestor é capaz de contribuir para a minimização das distrações ao alocar e motivar os seus cooperadores, além de identificar e lidar com fontes de distrações.

Palavras-chave: Papéis gerenciais, Distração, Trabalho, Organização.

1. INTRODUÇÃO 

As distrações que ocorrem diariamente em ambientes de trabalho podem afetar a vida profissional, pessoal e social de cada pessoa, além de interferir, de forma negativa, no comportamento do profissional e em suas relações interpessoais.

Com base nestas informações, este estudo visou investigar: de que forma a gestão pode contribuir para a diminuição das distrações nos ambientes de trabalho? Tendo como objetivo geral mostrar a relevância dos papéis gerenciais na minimização das distrações no trabalho.

Diante disso, para o alcance do objetivo geral, definiu-se como objetivos específicos: pontuar alguns fatores responsáveis por causar estas distrações e demonstrar como os papéis gerenciais contribuem para a minimização desse problema.

Logo, com esse propósito, realizou-se uma pesquisa bibliográfica, caracterizada como qualitativa, quanto à sua natureza, e como descritiva, quanto aos seus fins.

2. AS DISTRAÇÃO E O SEU IMPACTO NO RENDIMENTO OPERACIONAL

De acordo com Zickerick et al. (2020), as distrações afetam a atenção e prejudicam o desempenho comportamental em tarefas ou atividades laborais (ZICKERICK et al., 2020).

Assim, quanto maiores são as distrações experimentadas pelos funcionários em seu trabalho, menores são as suas experiências de controle sobre o mesmo. Como resultado, os funcionários acometidos têm menos recursos cognitivos disponíveis para terminar suas atuais tarefas de trabalho. As distrações podem desviar a atenção dos funcionários da tarefa que deve ser realizada, causando um conflito de atenção entre a esta e a distração (BERGEFURT et al., 2022, p. 5).

Logo, mediante a era tecnológica, atualmente tem se observado dentro e fora do ambiente organizacional a intensificação e o predomínio da falta de foco na maioria das pessoas, sobretudo no ambiente do trabalho, em vista das interrupções ou das distrações (ZICKERICK et al., 2020).

Conforme Lean e Chen (2010), o envolvimento da dependência compulsiva dos meios tecnológicos se tornou uma grande distração para o meio organizacional, afetando diretamente os processos da empresa, como também a mão de obra contratada para o desenvolvimento da empresa.

A facilidade atual dos meios tecnológicos trouxe agilidade para o âmbito organizacional, onde o trabalho manual passou a ser substituído por aplicativos tecnológicos que auxiliaram as organizações em inúmeros processos. Entretanto, esse fácil acesso aos meios digitais passou a se tornar um problema dentro das empresas, configurando-se em fontes de distração (CAPPELLOZZA, MORAES e MUNIZ, 2017, p. 10).

Isto posto, para além do uso de aparelhos eletrônicos, destaca-se que as influências negativas que causam impactos emocionais também têm se mostrado como fontes de distrações dentro do trabalho (OLIVEIRA, CARVALHO e ROSA, 2012).

Segundo Malakowsky e Kassick (2014, p. 5), estas influências estão intimamente ligadas aos conflitos nos diversos tipos de relacionamento mediante o sentimento de desconfiança, a falta de convivência, o excesso de competitividade gerado pelas empresas e percepções diferentes, etc.

Posto essas informações, entende-se que há a necessidade de intervenções dentro das organizações a fim de reorganizar o clima organizacional e diminuir as distrações. Para tanto, ressalta-se o papel da gestão.

3. PAPÉIS GERENCIAIS VERSUS DISTRAÇÕES

Dentro do âmbito organizacional, os gestores visam construir e manter relacionamentos interpessoais para garantir o bem-estar de sua organização (WAGNER E HOLLENBECK, 2020, p. 97). Estes profissionais atuam como representantes e pilares no cumprimento de obrigações de serviços e, como líderes, motivam e orientam os funcionários, dando ordens, estabelecendo metas de desempenho e treinando os subordinados.

Assim, sob a perspectiva dos papéis gerenciais, observa-se que a gestão tem autoridade para estabelecer regras que possam controlar e minimizar as distrações dentro do ambiente de trabalho, a fim de direcioná-los para a forma correta de se portar dentro da organização.

Para tanto, Dias (1985, p. 34) destaca os papéis gerenciais identificados por Mintzberg, dos quais mencionam-se como importantes para a minimização das distrações os seguintes:

Líder — Refere-se ao relacionamento do administrador com seus subordinados. Inclui responsabilidades como seleção, treinamento, acompanhamento, motivação, promoção e exoneração de pessoal.

[…]

Monitor — Com este papel, o administrador continuamente busca e é bombardeado com informações que o habilitam a entender o que acontece em sua unidade/organização e no ambiente em que estas se inserem.

[…]

Manipulador de distúrbios — Neste papel, o administrador lida com mudanças involuntárias e pressões sofridas pela sua unidade/organização.

Alocador de recursos — Aqui o administrador faz opções e toma decisões relativas à alocação de recursos organizacionais significativos. Estas decisões incluem a aprovação de projetos, orçamentos, programação do trabalho de subordinados, e a alocação do seu próprio tempo (DIAS, 1985, p. 44-45).

Esses papéis, quando praticados dentro da gestão, acabam influenciando o âmbito do trabalho, uma vez que, por meio da liderança, o gestor é capaz de estimular os seus colaboradores, fazendo com que tenham maior interesse em seus trabalhos; por meio do monitoramento ele consegue monitorar o andamento das atividades de seus subordinados; por intermédio da manipulação dos distúrbios, o gestor pode lidar com a influências negativas; enquanto através do seu papel de alocador de recursos, ele pode organizar os seus recursos humanos conforme as necessidades da organização, considerando fatores estratégicos para a minimização das distrações.

Todavia, embora a construção do comportamento dentro da empresa possa ser influenciada de inúmeras formas, Santos et al. (2014) lembra que cabe ao colaborador escolher entre as distrações e a eficiência.

Nesse aspecto, Newport (2018) aponta que, apesar das atividades profissionais serem distribuídas e precisarem de concentração para serem executadas perfeitamente, nenhuma capacidade cognitiva pode livrar o ser humano de distrações. Assim, o que se pode fazer é aderir técnicas que melhorem a habilidade de concentração e auxiliem a manter a postura perante as diversas mudanças e situações dentro do âmbito organizacional.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS 

Ao retomar a questão norteadora: de que forma a gestão pode contribuir para a diminuição das distrações nos ambientes de trabalho? Verificou-se que por meio de seus papéis gerenciais, o gestor é capaz de contribuir para a minimização das distrações ao alocar e motivar os seus cooperadores, além de identificar e lidar com fontes de distrações.

Uma boa liderança é crucial para levantar quais distrações podem ser evitadas ao longo da jornada de trabalho, como também melhorar os processos que dependem do indivíduo para que não haja problemas que comprometam o trabalho coletivo e individual.

REFERÊNCIAS

BERGEFURT, Lisanne et al. The influence of distractions of the home-work environment on mental health during the COVID-19 pandemic. Ergonomics, 2022. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/00140139.2022.2053590. Acesso em: 16 nov. 2022.

CAPPELLOZZA, Alexandre; MORAES, Gustavo Hermínio Salati Marcondes de; MUNIZ, Leonardo Mairene. Uso pessoal das tecnologias no trabalho: motivadores e efeitos à distração profissional. RAC, Rio de Janeiro, v. 21, n. 5, pp. 605-626, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rac/a/MB33w3Qc66D6HdrHgtfZn9z/?format=html. Acesso em: 12 jun. 2022.

DIAS, Eduardo José Wense. A abordagem dos papéis gerenciais de Mintzberg e sua aplicação a bibliotecas e centros de informações. Revista da Escola de Biblioteconomia, UFMG, Belo Horizonte, v. 14, n. l, p. 37-54, 1985. Disponível em: https://www.brapci.inf.br/index.php/article/download/13808. Acesso em: 17 nov. 2022.

NEWPORT, Cal. Trabalho focado: como ter sucesso em um mundo distraído. 1. Ed. Rio de Janeiro: Alta books, 2018.

OLIVEIRA, Daniele; CARVALHO, Roberto José; ROSA, Adriano Carlos de Moraes. Clima Organizacional: Fator de Satisfação no Trabalho e Resultados Eficazes na Organização. In: IX Simpósio de excelência em Gestão e tecnologia, 2012. Disponível em: http://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos12/37116504.pdf. Acesso em: 17 nov. 2022.

SANTOS, Michele Fernanda Schmidt dos et al. Cultura organizacional. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2014.

WAGNER, J; HOLLENBECK, J. Comportamento Organizacional. 4. Ed. São Paulo: SARAIVA UNI, 2020.

[1] Graduanda do curso de Administração. ORCID: 0000-0002-0797-0742.

[2] Graduando do curso de Administração. ORCID: 0000-0001-5489-9451.

[3] Graduando do curso de Administração. ORCID: 0000-0002-9123-2717.

[4] Orientador.

Enviado: Setembro, 2022.

Aprovado: Novembro, 2022.

5/5 - (10 votes)
Amanda da Silva franco

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita