Caracterização Social e Financeira das Pequenas e Médias Propriedades Rurais Familiares no Município de Nortelândia-MT

0
1316
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

ASSUNÇÃO, Fernanda Pardinho dos Santos [1], CALEGARO, Gelsir [2], DIAS, Leonardo Diogo Ehle [3]

ASSUNÇÃO, Fernanda Pardinho dos Santos; CALEGARO, Gelsir; DIAS, Leonardo Diogo Ehle. Caracterização Social e Financeira das Pequenas e Médias Propriedades Rurais Familiares no Município de Nortelândia-Mt. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 1. Vol. 11. pp 306-317. dezembro de 2016. ISSN: 2448-0959

RESUMO

O artigo apresenta o empreendedorismo, envolvendo pequenas e médias empresas rurais familiares que atuando no mercado de trabalho provem valorizar sua cultura repassando de geração a geração, provida de uma visão geral dando prioridade ao processo de planejamento financeiro no intuito de prevenção futura garantindo segurança, mantendo a organização e o controle da empresa, com a finalidade de reconhecer que as qualificações profissionais estão cada vez mais exigidas no sistema mercadológico, o empreendedor para atender esse sistema deve estar sempre oferecendo oportunidades de qualificações a sua equipe. Na empresa familiar os objetivos e as delegações de tarefas devem estar correlacionados a pessoas com espírito de liderança para que as comunicações sejam claras sendo de fácil entendimento, repassadas com humildade respeitando as delimitações do próximo, com intuito de uma organização sem conflitos que venha causar desmotivação abalando a estrutura empresarial e familiar. O empreendedor dono para obter o sucesso da empresa deve adotar meios de comunicação com seus futuros sucessores em prol de controle mantendo uma socialização positiva e permanecendo que possam repassar gerações. A pesquisa foi desenvolvida por meio de coleta de informações utilizando-se de questionários elaborados e aplicados a proprietários e familiares de pequenas e médias propriedade de Nortelândia – MT. Através do presente estudo pode-se concluir que as famílias consideram seu imóvel como um simples meio de subsistência, não levando em consideração que tudo o que se produz e comercializa envolve processos de negociações mercadológicas atuando como função empresarial informal, diferentemente de empresas de grande porte que geralmente apresentam uma linha de produção. Pode-se concluir que o sistema produtivo que mais se predomina na região é a bovinocultura que se dividem em três meios produtivos como: leite, cria e corte. Tendo outras atividades como renda auxiliar ou para fornecimento da alimentação da família e que o planejamento financeiro é considerado importante pela maioria dos gestores das propriedades. No entanto, a minoria se consideram bons empreendedores.

Palavras-chaves: Cultura Organizacional; Planejamento financeiro; Métodos de desenvolvimento.

INTRODUÇÃO

A pesquisa descreve sobre as Pequenas e Médias Empresas Rurais Familiares e visa conscientizar o empreendedor de que a família deve sempre zelar pela cultura e os valores da empresa sendo por ela transmitidos de geração a geração, mantendo-se sobre organização, controle e alcançando sucesso no reconhecimento mercadológico proporcionando sustentabilidade no empreendimento, apresenta também a valorização pelo colaborador pois o líder deve agir com humildade sabendo repassar a seus subordinados o sentimento de sua importância no desempenho produtivo, assim é possível que se consiga uma produção de qualidade todos devem estar motivados e cientes dos objetivos esperados pela empresa, quais são suas metas, qual foco está sendo direcionada para alcançar o sucesso desejado, saber quais métodos mais adequados a se aplicar, enfim para que tudo isso se concretize com sucesso é indispensável colocar em prática o planejamento financeiro, pois essa ferramenta tem grande importância no desenvolvimento produtivo, administrativo, etc., funcionando como guia para o foco estabelecido pela equipe, que juntos possam caminhar em prol de um investimento futuro com garantia e compromisso, preventivo, possibilitando um trabalho com mais  segurança, organização e controle geral.

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A empresa familiar inicia-se pelos pais, avós ou outros parentes. As tomadas de decisões, normalmente são mais complexas, uma vez que envolvem uma mistura de valores e interesses familiares e comerciais, trabalhar com a razão em um ambiente que envolve a todo tempo emoções, saber conviver as fases de conflitos de maneira harmoniosa, onde o empresário envolve os integrantes da família nos comandos da empresa, sendo por eles dirigida e assim a caracterização de uma empresa familiar é a influência que a família exerce sobre o controle societário e dos negócios.

Quando a primeira geração controla, ou seja, quando o fundador ainda está presente e atua como o principal líder dos negócios, a denominação utilizada é empresa de um só dono. Quando já ocorreu um processo de sucessão para a segunda geração e os filhos do fundador são os proprietários da empresa, chama-se de empresa de irmãos-sócios e finalmente a empresa de parentes é a organização que já passou por mais de um processo de sucessão e cuja sociedade é formada por membros da terceira geração em diante (ADACHI, 2006, p.26).

O empresário rural eficiente é aquele que considera todas as condições de sua empresa e para isso deverá fazer um diagnóstico em sua propriedade com o intuito de conhecer todas as capacidades produtivas possíveis, sendo elas: qual o tipo de terra, qual o espaço a ser trabalhado, que vantagens o local atribui, recursos hídricos, etc.

E assim definir qual a atividade que irá aplicar a sua empresa rural, ter em mente as tendências globais atribuídas a seu favor e desenvolver um planejamento atualizado no mercado de trabalho. Poderá traçar seus objetivos dando direcionamento ao processo administrativo com orientações diretas.

Os objetivos podem ser: Objetivo geral, o empreendedor deve ter uma visão ampla, saber se todas as redes de produção estão ligadas à obtenção de lucros como controle produtivo com redução de custos. Objetivos de sobrevivência e de crescimento como adquirindo novas terras. Objetivo de prestígio que está ligado ao reconhecimento e valorização do produto. Objetivo específico está ligado aos recursos humanos que atua na defensoria e estimulação do colaborador visando repassar qual o seu valor dentro da empresa e também os objetivos financeiros poder decidir qual meio mais favorável de adquirir recursos financeiros no custeio da propriedade e qual o processo de comercialização, como expor os produtos que foram produzidos na empresa a uma comercialização urbana, quais os métodos de vendas.

É muito importante que os funcionários da empresa com suas necessidades, aspirações e expectativas considerem os objetivos empresariais como os seus objetivos pessoais. Esta situação será facilitada quando os objetivos empresariais expressarem valores culturais que são adequados para os próprios valores individuais e quando os funcionários se identificam com os valores de seu grupo de trabalho (BILIBIO, 2009, p.43).

VANTAGENS E DESVANTAGENS

Como em qualquer outra empresa, no empreendedorismo rural existe vantagens e desvantagens. As vantagens como o respeito, reconhecimento e influência perante a comunidade, disponibilidades para levantar recursos, liderança e carisma que unem todos os colaboradores, lealdade e obediência ao fundador, alinhamento aos interesses e cultura empresarial e muitos outros.

A maior vantagem competitiva está relacionada com a agilidade na tomada de decisões, centralizadas no dono sem depender de análise de outros profissionais como uma empresa burocrática, isso ocorre porque o dono costuma ser a pessoa que mais conhece do seu negócio possibilitando de tomar decisões certeiras. Existem listas de vantagens elaboradas por inúmeros autores e pesquisadores de empresa familiar no mundo, porém é importante ressaltar que a intensidade e a importância dessas características variam entre as diversas empresas familiares existentes.

O fundador que espera que seus filhos o sucedam no comando da empresa precisa, desde cedo, evitar que eles cresçam com o sentimento de competição entre si. Como sócios futuros, terão de conviver com a composição de ideias e ideais. O melhor é acostumá-los, desde cedo, a conversar sobre assuntos difíceis e delicados sobre as relações familiares e societárias, que aprendam a negociar, fazer concessões e encontrar soluções em que prevaleça o coletivo acima do individual (NAJJAR, 2011).

Como desvantagens é de fato afirmar que costuma apresentar diversos problemas como: a contratação de amigos e parentes ao invés de profissionais qualificados, privilégio aos filhos em detrimento a profissionais, decisões centralizadas e baseadas na intuição, resistência à modernização, ausência de planejamento e muitos outros.

A falta da definição dos cargos e funções dentro da organização traz como consequência a inexistência de normas rígidas e profissionais para a contratação e para a realização de tarefas de familiares e amigos (ADACHI, 2006, p.38).

Um dos maiores problemas é a falta do planejamento financeiro em prol de um auxilio possibilitando ter uma visão prévia das necessidades financeiras da empresa para cobrir custos e investimentos, também ter base das entradas de recursos para obter resultados positivos aos compromissos por ela firmados, assim se vê como ferramenta fundamental para importância do seu bom andamento e bem estar futuro.

Uma empresa familiar envolve a sobreposição de duas instituições – uma família e uma empresa. Esse fato torna a empresa familiar incrivelmente difícil de dirigir. (LONGENECKER et al., 1997 p.141).

O empreendedor deve estar atualizado para que sua propriedade esteja de acordo com as tecnologias de mercado para que haja uma agricultura sustentável considerando os aspectos sociais, ambientais e econômicos. Entender que o meio de sobrevivência vistos nos tempos atrás, hoje se converteu numa profissão, e que a busca de informações e qualificações está cada vez mais constante, ou seja, o imóvel que era visto somente como meio de subsistência, se transformam aos poucos em empresas familiares constituídas por processos qualificados sendo aplicados na administração, absolvendo situações favoráveis de planejamento, organização, direção e controle.

Administrar sem um guia é como andar no escuro, sem nenhum tipo de apoio. O planejamento orçamentário visa ao conhecimento antecipado de resultados e serve de guia para ações a serem executadas pelas unidades da empresa, definindo as responsabilidades pela gestão dos recursos e geração dos resultados de determinado período futuro (HOJI, 2009, p.418).

Para que consiga um planejamento de sucesso o empreendedor deverá fazer uma análise de sua propriedade possibilitando escolher qual atividade melhor se aplicará no imóvel, assim define aonde quer chegar, fazer um diagnóstico da área por completo, como um levantamento planialtimétrico identificando qual o tipo de terra, as classes de solo, tipologia florestal, nele são anotadas todas as medidas, os ângulos e as inclinações, ou seja, absolver o maior número de informações, possíveis para o planejamento e viabilização dos projetos.

O planejamento é importante no sentido como de alertar os administradores quanto às mudanças na economia, no hábito dos consumidores, na tecnologia, no acompanhamento climático, nos custos, na oferta dos produtos, na demanda e outras alterações (SANTOS, 2008, p.15).

Feita uma análise do imóvel o próximo processo é decidir qual será o investimento adotado, colhe-se dados de como será o cultivo da terra seja ela para lavoura ou criação de animais, e assim saber qual o seu procedimento administrativo a seguir, ou seja, que sistema de custo deverão ser elaborados nos serviços rurais, com o intuito de auxiliar a administração nas atividades mais lucrativas e com menores custos, na rotatividade de estoques, permitindo  também  uma base decisória ao administrador possibilitando um planejamento rural seguro, com garantia de preços mínimos e possibilitado de um crédito favorável.

Como exemplo, pode-se dizer, se o ramo de atividade for voltado bovinocultura leiteira, o processo não é somente ter pasto e vacas, mas sim tudo isso e com qualidade, o produtor deve fazer análise do solo para saber se a pastagem está produzindo os nutrientes necessários para que o animal produza leite com qualidade e abundancia, ter noção do espaço adequado e isso envolve estudo de topografia, estudo de solo e outros que também serão necessários para o manuseio adequado dos animais. Visto isso entra em ação o planejamento estratégico e financeiro, que visa quais os melhores métodos a seguir e quais os processos mais adequados sendo exercidos com segurança, reduzindo custos e evitando um investimento mal sucedido.

O processo produtivo, por sua vez, é o conjunto de eventos e ações por meio dos quais os fatores de produção se transformam em produtos vegetais e animais. É também um sistema de preparar a solo, plantar, tratar e colher, com a finalidade de produzir alimentos para subsistência da família (SANTOS, 2008, p.23).

Definir metas, traçar objetivos, designar funções e construir um organograma, que tem a função de direcionar a cada setor suas atividades dirigidas pelos gestores que devem ser especialistas no setor onde atua, pois levará consigo orientações de qualidade e que renderá produtividade a sua equipe de trabalho, é muito importante saber delegar tarefas e repassar os conhecimentos com clareza e objetividade aos colaboradores, mantendo organização e controle durante o processo produtivo.

É necessário que o empreendedor esteja sempre procurando novidades de mercado e estar sempre atualizado e preparado para mudanças e inovações tendo definido toda a gestão da empresa fica tudo mais favorável com os planejamentos em ordem essas mudanças podem ocorrer com segurança.

Muitos empresários não têm uma visão focada de que seu imóvel seja uma empresa e simplesmente consideram como um meio de sustentabilidade, não se dão conta de que a empresa existe a partir do momento em que acontece produção e a mesma é comercializada, assim a empresa pode ser ou não formalizada, mas ela existe por estar envolvida no processo mercadológico, a desconsideração é vista por não possuir um CNPJ, o desconhecimento sobre o que é empreendedorismo faz com que essas empresas nem sempre atinja os objetivos esperados, pois não possuir um planejamento fica mais difícil compartilhar as tarefas e as funções ocorrem de forma mal conduzidas e os problemas vem surgindo sem que tenha previsões, ou seja, se não montar um sistema de planejamento não tem como se programar corretamente, não se aproveita o tempo e as tomadas de decisões se torna confusas e sem segurança, podendo apresentar problemas inesperados .

A empresa rural depende de uma boa organização para que a exploração da terra seja um sistema viável, ao imóvel e ao proprietário, sendo no cultivo de plantas saber qual os métodos seguir para que não empobreça o solo e nem comprometa as nascentes e rios, criação de animais, procurar fazer reformas de pastos e tecnologicamente se optar aos meios mais favoráveis de manejo  ou até mesmo produção artesanais como: doces, derivados do leite e outros para que esteja sempre permanente sem que o desgaste aconteça de forma irreversível ao próprio dono, que às vezes é obrigado a abrir mão de sua empresa por não ter colocado em prática um sistema de planejamento financeiro.

Empresas rurais são aquelas que exploram a capacidade produtiva do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agrícolas. (MARION, 2002, p. 24).

MATERIAL E MÉTODOS

O presente estudo foi realizado no município de Nortelândia – MT, localizado nas em torno as coordenadas geográficas Latitude 14º27’17” Sul e Longitude 56º48’10” Oeste, estando a uma altitude de 244 metros. Sua população estimada em 2016 é de 5.971 habitantes com uma área de 1.350,77 km². A base econômica do município é o extrativismo mineral, pecuária, agricultura e turismo (IBGE, 2016).

O público alvo da pesquisa foi as pequenas e médias propriedades do munícipio e seus proprietários. Utilizou-se a classificação de imóveis rurais onde são consideradas pequenas propriedades aquelas que possuem até 4 módulos fiscais e médias propriedades aquelas cuja a área total situa entre 4 e 15 módulos fiscais, sendo o módulo fiscal em Nortelândia composto por 80 ha (INCRA, 2016).

A pesquisa foi realizada seguindo uma metodologia exploratória/descritiva e sua estratégia de abordagem baseada na técnica de revisão teórica, optou-se inicialmente pela coleta de dados que possibilitasse a descrição do perfil financeiro e empreendedor das pequenas e médias propriedades rurais de Nortelândia – MT e seus proprietários.

Os dados foram obtidos pelo método não probabilístico a partir da aplicação de questionários semiestruturados, juntos aos proprietários, observação através de visita in loco nas propriedades rurais das famílias, além de pesquisas bibliográficas.

A população alvo do estudo foi composta por unidades familiares de agricultores residentes na área rural do município. Uma amostra de produtores de diferentes comunidades foi escolhida de forma aleatória para a visita e coleta de dados através dos questionários anteriormente elaborados. Os questionários foram aplicados através de diálogo direto utilizando-se de perguntas de múltiplas escolhas.

Para a organização e sistematização dos dados utilizou-se o software computacional Excel da Microsoft, assim como para a elaboração dos gráficos representativos dos resultados.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Naturalmente em uma propriedade rural, principalmente nas menores, a estabilidade financeira vem em médio ou longo prazo. Considerando que o investimento inicial é alto e algumas atividades agrícolas e agropecuárias demandam de um certo tempo para começar a gerar renda. Visto isso, o tempo de posse das propriedades é uma importante informação no meio rural. Em Nortelândia – MT, o tempo de posse das pequenas e médias propriedades é variável, provavelmente devido ao município já possuir 63 anos de emancipação, fato esse que permite a comercialização dos imóveis inteiros ou os seus desmembramentos, possuindo assim um perfil composto por posses recentes, médias ou de longas durações, conforme a Figura 1.

Figura 1: Tempo de posse das propriedades de pequeno e médio porte de Nortelândia, Mato Grosso, Brasil, 2016. Fonte: Elaborado pelos autores.
Figura 1: Tempo de posse das propriedades de pequeno e médio porte de Nortelândia, Mato Grosso, Brasil, 2016.
Fonte: Elaborado pelos autores.

O ramo de atuação dos proprietários mais predominante na região é bovinocultura que se dividem em três sistemas de produção: leite, cria e corte (Figura 2). O resultado mostra que não são muitas as diversificações de renda nos imóveis, sabendo que as demais como, peixe, aves, suínos e outros contribuem para um melhor desempenho, tanto financeiro como alimentar para uso próprio da família, e também contribui para o melhor aproveitamento da área do imóvel.

Figura 2: Principais atividades geradores de renda das propriedades de pequeno e médio porte de Nortelândia, Mato Grosso, Brasil, 2016. Fonte: Elaborado pelos autores.
Figura 2: Principais atividades geradores de renda das propriedades de pequeno e médio porte de Nortelândia, Mato Grosso, Brasil, 2016.
Fonte: Elaborado pelos autores.

A qualificação profissional é de fundamental importância para uma gestão correta da propriedade e um bom planejamento produtivo visando a obtenção de lucro. A busca por informações na qualificação profissional pode ser notada na pesquisa, sendo considerados como busca por informações profissionais os cursos, palestras, seminários, dias de campo, entre outros, voltadas a área de produção da propriedade (Figura 3).

Figura 3: Interesse por qualificação profissional dos proprietários das propriedades de pequeno e médio porte de Nortelândia, Mato Grosso, Brasil, 2016. Fonte: Elaborado pelos autores.
Figura 3: Interesse por qualificação profissional dos proprietários das propriedades de pequeno e médio porte de Nortelândia, Mato Grosso, Brasil, 2016.
Fonte: Elaborado pelos autores.

A visão empreendedora está pouco presente entre o público pesquisado. A maioria dos proprietários entrevistados não consideram a propriedade como uma empresa que almeje lucro e expansão (Figura 4A). No entanto, a maioria dos proprietários reconhecem a importância de um planejamento financeiro na propriedade e afirmar realizar este planejamento por conta própria, sem a consultoria de profissionais da área (Figura 4 B).

Figura 4: Visão empreendedora e planejamento financeiro dos proprietários das propriedades de pequeno e médio porte de Nortelândia, Mato Grosso, Brasil, 2016. Fonte: Elaborado pelos autores
Figura 4: Visão empreendedora e planejamento financeiro dos proprietários das propriedades de pequeno e médio porte de Nortelândia, Mato Grosso, Brasil, 2016.
Fonte: Elaborado pelos autores

Ao contrário de uma empresa urbana, onde geralmente tem um profissional da área contábil ou da administração que auxilia a gestão do empreendimento, conforme constatado neste estudo, a gestão das pequenas e médias propriedades rurais de Nortelândia – MT é realizada pelos membros da própria família.

O grau de escolaridade que possuí o responsável pelo processo financeiro nem sempre corresponde ao nível superior, podendo vir a ter dificuldade de adotar o planejamento financeiro como um guia para alcançar os objetivos desejados (Figura 5).

Figura 5: Nível de escolaridade dos responsáveis pela gestão das propriedades de pequeno e médio porte de Nortelândia, Mato Grosso, Brasil, 2016. Fonte: Elaborado pelos autores.
Figura 5: Nível de escolaridade dos responsáveis pela gestão das propriedades de pequeno e médio porte de Nortelândia, Mato Grosso, Brasil, 2016.
Fonte: Elaborado pelos autores.

No empreendedorismo rural, assim como no urbano, se manter atualizado com informações na área em que a propriedade atua é de fundamental importância para uma gestão eficiente. Neste sentido, os proprietários e familiares envolvidos no sistema produtivo estão cada vez mais procurando se atualizar, buscando as informações de mercado e nos meios sociais, pois inovações e mudanças acontecem no processo mercadológico e foram apresentados vários meios de buscar informações (Figura 6).

Figura 6: Busca por atualização de informações técnicas e de gestão no ramo da atividade em que atuam as propriedades de pequeno e médio porte de Nortelândia, Mato Grosso, Brasil, 2016. Fonte: Elaborado pelos autores.
Figura 6: Busca por atualização de informações técnicas e de gestão no ramo da atividade em que atuam as propriedades de pequeno e médio porte de Nortelândia, Mato Grosso, Brasil, 2016.
Fonte: Elaborado pelos autores.

CONCLUSÕES

Através do presente estudo pode-se concluir que as famílias consideram seu imóvel como um simples meio de subsistência, não levando em consideração que tudo o que se produz e comercializa envolve processos de negociações mercadológicas atuando como função empresarial informal, diferentemente de empresas de grande porte que geralmente apresentam uma linha de produção.

A descentralização já na preparação futura dos filhos ajuda no processo de sucessão, pois contribui para uma relação societária mais concentrada e aberta a ideias, profissionalizando o trabalho da família e dando continuidade ao processo produtivo atingindo os objetivos esperados pela empresa.

O sistema produtivo que mais se predomina na região é a bovinocultura que se dividem em três meios produtivos como: Leite, cria e corte. Tendo outras atividades como renda auxiliar ou para fornecimento da alimentação da família.

O planejamento financeiro é considerado importante pela maioria dos gestores das propriedades. No entanto, a minoria se consideram bons empreendedores.

REFERÊNCIAS

ADACHI, P. P. Família S.A.: gestão de empresa familiar e soluções de conflito. São Paulo: Atlas. 2006.

BILIBIO, C. Planejamento estratégico na empresa familiar. São Luiz: EDUFMA, 2009, 108 P.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades-MT. 2016. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=510600&search=mato-grosso|nortelandia|infograficos:-informacoes-completas>. Acesso em: 01/02/2016.

HOJI, M. Administração financeira e orçamentária: Matemática financeira aplicada, estratégias financeiras, orçamento empresarial. 8 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

INCRA. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Classificação dos Imóveis Rurais. 2016. Disponível em: < http://www.incra.gov.br/tamanho-propriedades-rurais>. Acesso em: 01/02/2016.

LONGENECKER, J. G.; MOORE, C. W.; PETTY, J. W. Administração de pequenas empresas. São Paulo: Makron Books, 1997.

MARION, J. C. Contabilidade rural: contabilidade agrícola, contabilidade da pecuária, imposto de renda pessoa jurídica. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

NAJJAR, E. Empresa familiar: construindo equipes vencedoras na família empresária. São Paulo: Integrare Editora, 2011.

SANTOS, G. J. Administração de custos na agropecuária. 3 ed. São Paulo: Atlas,2008.

[1] Graduanda do 4°ano do curso de Administração das faculdades Integradas de Diamantino.

[2] Professor Orientador do curso de Administração das faculdades Integradas de Diamantino.

[3] Orientador de Pós-Graduação da primeira autora, Engenheiro Agrônomo, Mestre em Ambiente e Sistema de Produção Agrícola, Extensionista Rural na EMPAER – MT e Professor na Escola Técnica Estadual de Tangará da Serra ETE – CEPROTEC.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here