Novos arranjos de comércio eletrônico virtual

0
103
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

ARTIGO ORIGINAL

BARBOSA, Expedito Sousa [1], VIEIRA, Marina Roveri [2]

BARBOSA, Expedito Sousa. VIEIRA, Marina Roveri. Novos arranjos de comércio eletrônico virtual. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 08, Vol. 07, pp. 102-114. Agosto de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/administracao/arranjos-de-comercio

RESUMO

Com o avanço da tecnologia, surgiram os novos arranjos de comércio eletrônico afim de atender as exigências da contemporaneidade da clientela, que está cada vez mais conectada no mundo virtual. Dessa forma, o presente artigo teve como objetivo, abordar sobre os novos arranjos de logísticas eletrônica através de uma revisão bibliográfica. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica que foi essencial para a produção da investigação. Onde concluímos que, a logística é o processo que leva o produto até o consumidor final, onde ao ter uma experiência negativa com a compra como: não receber a mercadoria no prazo determinado, envio dos produtos incorretos entre outros fatores. Por se tratar de uma venda pelo e-commerce a empresa pode ter sua imagem facilmente denegrida. Existem processos e estratégias para problemas como esses serem corrigidos ou melhorados fazendo com que a plataforma de e-commerce esteja ligada com o processo de entrega criando assim um bom gerenciamento das operações.

Palavras-chave: Logística eletrônica, tecnologia, comércio eletrônico.

1. INTRODUÇÃO

Com o decorrer dos anos, as empresas logísticas vêm ganhando cada vez mais o mercado, com intuito de ampliar novas empresas e atender a demanda atual. E isso, além de ser uma maneira de atender os objetivos e metas empresarial, dispõe de um crescimento ligado as tecnologias do século XXI. Exemplo disso, estão as lojas virtuais, a qual obtém um grande fluxo de vendas devido ao mercado online está disponível 24 horas, com intuito de atender as necessidades do cliente que busca nesse meio, uma forma de receber produtos de qualidade com baixo custo.

Assim, se observa que, na atualidade, a internet tem sido um grande fator para o crescimento e surgimentos de várias empresas, que oferece a venda de produtos e serviços para obter um crescimento gradativo, e sair na frente das demais, assim, esse comércio chamado de E-Commerce obteve um amplo respaldo, de forma eficaz e moderna, utilizando métodos diferentes, afim de ganhar novos clientes devido a forma utilizada pelo o mesmo.

Dessa forma, o presente artigo teve como objetivo, abordar sobre os novos arranjos de logísticas eletrônica através de uma revisão bibliográfica. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica que foi essencial para a produção da investigação.

Pois, as mudanças ocasionadas pelas empresas que buscaram o e-commerce para obter um lucro maior e atender vários lugares, destacaram fatores positivos com essa forma de logística, afim de resultar benefícios para ambas as partes, promovendo uma evolução no mundo empresarial, a qual devem estar sempre na frente em meio a competitividade existente nesse meio.

Nesse aspecto, a evolução tecnológica trouxe mecanismos essenciais para a sociedade, em que as plataformas digitais disponibilizam na palma da mão um leque de informações que vai desde uma pesquisa cientifica até uma compra no país distante, essa relação que a internet possibilita, traz um fator essencial para os consumidores, porém, é preciso ter cuidados redobrados com essas facilidades.

2. COMÉRCIO ELETRÔNICO

Com o avanço da tecnologia atual, grandes empresas estão buscando cada vez mais implementar medidas eficazes para o bom desempenho de vendas e crescimento no mercado. Dessa forma, a utilização de serviços nas plataformas online, possui uma importante função na obtenção de uma nova clientela, onde as empresas logísticas estão buscando sua inserção dentro desse meio digital, dispondo de serviços de vendas online.

Nesse contexto, esse fator tem sido denominado para crescimento econômico e empresarial necessário na sociedade atual. Para Guimarães (2015) “apresenta um contínuo crescimento, conquistando clientes e fazendo com que as empresas, aos poucos, adotem essa forma de comercialização”. A internet de fato tem favorecido grandes empresas a buscarem uma forma de se adaptarem a esse meio tecnológico para obterem uma forma de atender um público que passa mais tempo com aparelhos eletrônicos que obtém acesso à internet como forma de entretenimento ou estudos, e isso, tem trazido bastante retorno as empreses que investem nesse meio.

Balou (2010) impõe em sua pesquisa que, a expansão do comércio eletrônico tem ocasionado fatores extremamente relevantes na perspectiva dos usuários, onde que, por meio deste buscam por serviços que são mais em conta do que os estabelecimentos de sua cidade, alguns utilizam devido a praticidade da forma de pagamento, ou até mesmo devido encontrar produtos em grande quantidade para uso próprio ou revenda.

Nessa concepção, a praticidade proporcionada pelo comércio digital impõe muita das vezes dúvidas aos próprios usuários, onde a falta de confiança é um fator bastante frequente em cada pessoa que utiliza desse serviço, pois, pagar antes de receber um produto, é um fator arriscado, ainda mais no mundo atual, onde com a propagação de empresas falsas tem assolado grande parte dos brasileiros e também, no mundo.

Algumas empresas que insere um produto para venda na internet, está buscando um meio de expandir sua empresa para que outras pessoas de localidades diferente possa conhecer os serviços prestados pelo mesmo. Dessa forma, quando o cliente tem acesso a plataforma digital da loja, o usuário obtém uma enorme quantidade de produtos a sua disposição, e com uma infinidade de cores, tamanhos, entre outros.

No entanto, as formas de pagamentos facilitadas é uma maneira que atrai diversas pessoas a adquirem esse meio, como o pagamento via boleto, cartão de crédito e débito, transferência bancária ou depósito, entrega grátis, parcelamentos de até doze vezes em compras acima de um determinado valor. Essas são algumas facilidades que essas empresas visam atrair clientela para a sua loja eletrônica. Mas, grande parte tem deixado a desejar devido à falta de compromisso na entrega, alguns possuem atrasos de mais de um mês, dependendo da localidade onde o usuário mora, e, sem falar, das empresas digitais que enviam um produto quebrado ou tijolo no lugar da verdadeira compra, ou não resolver o produto que veio com defeito, esses são apenas alguns exemplos de sites que fizeram usuários terem dores de cabeça após a compra.

Olhando para esse lado, percebe-se a necessidade de buscar sempre, plataformas confiáveis, observar sobre os fatores positivos relacionados aquela loja, os comentários de outros usuários no que diz respeito a entrega. A fidelização desses clientes são um conjunto de fatores positivos que são atrelados aquelas empresas, e diante disso, “os fatores que levam à fidelização dos consumidores para o comércio digital, vislumbra o conceito dessas mesmas empresas e para a conquista de seus clientes, fazendo com que as atividades logísticas se tornem alvo de maior atenção” (GUIMARÃES, 2015).

Analisando esses pontos mencionados, o comércio eletrônico corresponde a uma nova possibilidade de comercializar “quanto para os consumidores que desejam maior praticidade no momento da compra e uma maior variedade de produtos, além da competitividade e comparação de preços/custos em relação à concorrência” (SEBRAE, 2012).

O mercado eletrônico, trouxe uma gama de oportunidades para grandes e pequenas empresas se adaptarem as novidades que vem surgindo, e isso, é uma maneira de atender as exigências do mercado competitivo atual, e isso, além de trazer meios de fidelizar novos clientes, implementa também medidas de melhorias e atendimento a outras cidades.

2.1 NOVOS ARRANJOS TECNOLÓGICOS ADOTADOS NO MUNDO ATUAL

O mundo é coberto por tecnologia e a cada dia que passa surge uma inovação tecnológica ou um jeito novo de interagimos uns com outros. A tecnologia está presente em todos os lugares seja em sua casa, em empresas ou até mesmo no espaço. Hoje estamos totalmente viciados nelas, pois é um modo de facilitar nossas vidas no dia a dia. É uma televisão que se conecta ao celular, uma persiana que abre através do comando de um controle ou via celular, são esses tipos de coisas que nos atraem por isso a tendência é o grande crescimento desse setor.

Deste modo, a internet trouxe mecanismos de suma importância para a praticidade de serviços prestados de forma rápida e prática, como no caso de aplicativos de entregas (aiqfome, rappi, bee, entre outros).

Observando por esse lado, a internet vem se aprimorando aos novos arranjos tecnológicos, a mesma está chegando a lugares que jamais imaginaria que iria chegar, pois em pleno século XXI ela ainda continua se expandindo.

Dos novos arranjos tecnológicos, um deles corresponde a plataforma digital chamada AIRBNB (Air, Bed and Breakfast) é uma plataforma disponível no Google, que dispõe de várias casas, apartamentos, entre outros lugares aconchegantes para quem deseja se hospedar. Guimarães (2015) Esse site foi criado no ano de 2008, pelos estudantes de design que perceberam as dificuldades de encontrarem lugares legais para passarem alguns dias, semanas ou meses, e boa parte dos sites não disponibilizava informações suficientes e atrativas para que obtivessem curiosidade em ir visitar um determinado local (BALLOU, 2013).

Deste modo, a economia compartilhada que surgiu nesses novos arranjos tecnológicos da atualidade, que as criações de aplicativos facilitam a vida da sociedade contribuindo na economia e geração de renda, que, segundo AIRBNB pode ser:

Atendido a todas as pessoas, o site permite que os proprietários anunciem suas casas, apartamentos entre outros objetos totalmente de graça. Todo o processo de reserva de estadias, pagamento, trocas de mensagens acontece dentro da própria plataforma. O AIRBNB cobra do hóspede uma taxa que varia de 6% a 12% do valor total, apenas se a reserva for efetuada (AIRBNB, 2019).

 A mobilidade no transporte público é um assunto importante a qual veio ser discutido no atual cenário devido os avanços da tecnologia, dessa maneira:

A mobilidade urbana constitui-se em um tema fundamental quando se discute desenvolvimento urbano e qualidade de vida da população. As condições de deslocamentos das pessoas e das mercadorias nos centros urbanos impactam toda a sociedade pela geração de externalidades negativas, como acidentes, poluição e congestionamentos, afetando especialmente a vida dos mais pobres, que geralmente moram em regiões mais distantes das oportunidades urbanas (LEAL, 2018, p.2).

Embora esses avanços tenham trazido benefícios para a população em geral devido a flexibilidade de usar por meio de aplicativo, ou redes sociais, é preciso que esse sistema atenda:

A lei de Política Nacional de Mobilidade Urbana nº 12.587 de 2012, diz ser de responsabilidade da cidade ter um conjunto organizado e coordenado dos modos de transporte, de serviços e de infraestruturas que garante os deslocamentos de pessoas e cargas, tanto coletivas como privadas (BALLOU, 2013, p.22).

Os avanços do sistema de mobilidade trazem desafios que vão sendo modificados com o decorrer dos tempos, pois, assim quando vai surgindo desafios, as empresas de mobilidade buscam aspectos de regulamentação para melhor atender a demanda.

2.2 AVANÇOS E DESAFIOS DO E-COMMERCE

Os avanços tecnológicos trazem benefícios e malefícios para a sociedade atual, pois, além de ser um fator que traz lucros para as empresas o consumidor na maioria das vezes sente-se atraído com as facilidades oferecidas por meio de anúncios nas redes sociais, trazendo um comportamento de consumismo por impulso, sendo:

Drasticamente gerando novas relações sociais que afetam direta ou indiretamente as relações comportamentais e econômicas, que reflete de forma imediata nas relações jurídicas trazendo como consequência a violação dos direito particulares do indivíduo, quanto participante de uma sociedade globalizada (DENSA, 2012).

Uma ferramenta advinda de mudanças na era tecnológica que ganhou um avanço significativo foi o celular, sendo atualmente uma ferramenta de trabalho de diversas empresas e um meio para divulgar os possíveis serviços e produtos, o que antes era apenas utilizado para se comunicar, nos dias atuais, tornou-se um acesso livre de funções que necessita da internet e operadoras de modo vital (LEAL, 2018).

2.3 PROGRAMAS DE ENTREGAS DO E-COMMERCE

Algumas empresas de vendas digitais têm problemas durante a entrega final para seu consumidor, onde que, “são fatores determinantes para sua conquista e fidelização, fazendo com que a logística seja uma área de grande valor e de importância imediata para aqueles que fazem parte do e-commerce” (BALLOU, 2013).

Para conquistar os vendedores durante as vendas online, as logísticas prometem uma entrega rápida na data mencionada na plataforma digital, mas, nem sempre os produtos chegam na casa do cliente no dia marcado, as vezes por atraso da empresa responsável pela entrega, ou por erro da loja em enviar o produto atrasado ultrapassando o limite de dias programados no site. Deste modo:

Frequentemente, no Brasil, os vendedores prometem a entrega do produto em determinada data, o que, muitas vezes, não é cumprido por déficits no sistema de informação, nas operações do depósito ou no transporte. Por outro lado, há exemplos de empresas internacionais de entrega rápida, como a Federal Express e a UPS, que cresceram em ritmo acelerado por oferecerem serviços confiáveis, possibilitando aos varejistas cumprirem suas promessas aos clientes (NOVAES, 2007, p.23).

Diante do mencionado, existem empresas de entrega rápida onde facilita o cumprimento do prazo efetivado pela logística, e assim conduz uma satisfação com o cliente. Porém, para que seja optado por esse tipo de serviço, o cliente deve optar no site se deseja receber de forma rápida (pagando uma taxa de entrega) ou se deseja receber de forma gratuita a entrega, porém com mais dias de demora. Essas opções são estabelecidas por todos as logísticas que trabalham com esse sistema de entrega, e isso tem trazidos fatores positivos devido a eficiência e outros trazem a insatisfação devido à demora da entrega. Nesse aspecto:

Apesar da distribuição física ser um dos fatores principais e de grande significância para o comércio eletrônico, a movimentação dos produtos nem sempre termina necessariamente quando o produto é entregue ao consumidor. A mercadoria, após recebida pelo cliente, pode ser devolvida, seja por erro na entrega, produto danificado ou em desacordo com o desejo do cliente (BALLOU, 2010).

Grande parte das plataformas de comércio digitais possuem uma ferramenta de avaliação, e isso tem atraído bons clientes e outros evitam comprar de empresas que possuem comentários negativos relacionado a entrega, a qualidade no produto, ou possíveis danificações.

Nesse contexto, a perspectiva de movimentação de produtos na logística por meio do e-commerce é um fator extremamente importante, pois, além de trazer geração de emprego e renda dentro dessas empresas, ainda produz a relação de logística e cliente, fazendo com que possa avaliar como foi o atendimento após a compra ou recebimento do produto.

A internet, as mídias sociais e os dispositivos móveis transformaram as pessoas, que antes eram apenas espectadoras, em produtores de conteúdo, que agregam valor à comunidade e não dependem mais de especialistas ou profissionais que façam isso por elas, diminuindo drasticamente o custo de visibilidade. A internet é uma máquina de oportunidades, um meio para pequenos grupos criarem novas oportunidades a baixo custo e com menos obstáculos do que nunca, e com a possibilidade de anunciar essas oportunidades ao maior número de potenciais participantes da história (BALLOU, 2013, p. 117-118).

Mas, para isso, é necessário que, obtenham um cuidado maior com os clientes, e procurem estabelecer vínculos para obterem uma boa avaliação, e deve sempre abordar tudo aquilo que existe disponível na empresa logística.

2.4 EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E AS RELAÇÕES DE CONSUMO

A tecnologia trouxe para sociedade atual a expansão de canais de relacionamento dos consumidores com as empresas, o que contribui para o crescimento de um arcabouço mais robusto, apto a harmonizar as relações e fiscalizar possíveis eventuais abusos (LEAL, 2018).

Embora essa ampliação da tecnologia tenha ampliado uma perspectiva de consumo, em que hoje as pessoas compram serviços por meio de marketplaces, aplicativos, ou, por meio de anúncios publicitários quando acessam as redes sociais ou e-mail, a internet possibilita vários canais de atendimento junto às empresas como forma de solucionar possíveis problemas com serviços ou produtos (idem).

As plataformas mais utilizadas para solucionar possíveis problemas relacionados ao consumo são o autoatendimento, redes sociais, chats, além de contatos telefônicos e via Whatsapp, onde Cadad (2019) destaca que:

Por meio de um smartphone ou um computador, é possível ir a qualquer lugar, se relacionar com qualquer pessoa, acessar quase qualquer serviço. O mundo digital permite que eu saiba que o meu vizinho tem o carro parado na garagem e pode compartilhá-lo comigo para aquela viagem de fim de semana com a família. Ou que um desconhecido tem um paletó de festa parado no guarda-roupa, enquanto eu tenho necessidade de usar uma peça igual para o casamento de um amigo. E com um preço bem mais barato do que as opções tradicionais (CADAD, 2019).

Dessa forma, com toda essa evolução, a internet e redes sociais obtiveram um fator de inovar o consumismo, que “por outro lado um consumidor mais consciente, exigente e fiscalizador emergiu dessa mudança” (SCHIFFMAN, 2012). Nesse contexto:

Nos últimos tempos houve uma verdadeira revolução nos processos de relacionamento das empresas com seus clientes. Elas tiveram que se reinventar para manterem-se aderentes às inovações tecnológicas e para atingirem a expectativa de atendimento dos consumidores, quando estes têm problemas com a marca. Não obstante a multiplicidade de canais de relacionamento e a sensível melhoria nos serviços de relacionamento, fidelizar o cliente permanece sendo um desafio para as empresas e ainda há consumidores que abandonam as marcas em virtude de experiências ruins, em especial no pós-venda (SCHIFFMAN , 2012).

A tecnologia trouxe mecanismos que são essenciais para as empresas fidelizarem seus clientes, pois dispõem de serviços que podem solucionar possíveis problemas relacionados ao produto, assim, estabelece um comportamento mais consumista aos indivíduos, a facilidade dos supermercados com o leitor de preço, os aplicativos que disponibilizam descontos para os usuários, são alguns dos inúmeros fatores que levam a sociedade atual a ser mais consumista.

No que diz respeito à evolução tecnológica o Portal GS (2019) destaca como um fator que atingiu grandes avanços da cadeia de consumo, sendo:

Desde os meios de produção à venda, passando pela gestão e pelo marketing. A internet, antes por meio dos sites — e agora pelas redes sociais — conectou empresas e consumidores. Hoje, há uma relação entre as duas pontas do negócio (empresa e consumidor) que não existia antes. Cria-se, assim, um círculo vicioso positivo. Quanto mais o consumidor usa a tecnologia, mais ele quer novidades. No consumo, ele agora busca experiência, em todas as etapas da compra: na escolha do produto, na hora do pagamento, na entrega e no pós-venda. Não basta mais estar satisfeito com a compra. É preciso compartilhar, comentar, avaliar (PORTAL GS, 2019).

De modo geral, a tecnologia trouxe ao consumidor um poder de consumo consciente, onde pode comparar valores com outras empresas, bem como, solucionar possíveis dúvidas quando sua compra não é completamente satisfatória, ou apresenta problemas durante o prazo de seguro, a empresa por meio dessas informações deve se adaptar ao comportamento de um consumidor mais consciente no que diz respeito a tecnologia que traz informações de como recorrer em casos de possíveis insatisfação com produto.

A evolução tecnológica está atribuída a um fator que traz de maneira significativa um impacto sobre as relações de consumo, pois o surgimento de ferramentas que contribuem no aperfeiçoamento do ser humano de obter informações com mais facilidade, está vinculado às invenções que são um grande progresso para a atual sociedade. Segundo AIRBNB (2019):

A evolução das tecnologias de informação e comunicação também surgiram com a necessidade do ser humano em desenvolver métodos e práticas que os auxiliem em diversas atividades do dia a dia. Como não poderia deixar de ser, nesta era do conhecimento e da comunicação, muitos dos avanços tecnológicos estão sendo encontrados neste ramo da atividade humana (AIRBNB, 2019).

Diante ao mencionado, o conjunto de atividades e soluções providas dos recursos de computação que visam a produção, o armazenamento, a transmissão, o acesso, a segurança e o uso de informações, estão atribuídas a essa era de evolução, em que a sociedade tem acesso a informações na palma da mão.

A tecnologia além de mudar a vida das pessoas, viabiliza em aprendizagem de executar a seu favor, e com isso, torna-se essencial a tecnologia de informação para o dia a dia, seja ele no trabalho, em casa, ou na escola. Embora seja utilizada em qualquer lugar para meios pessoais e profissionais sendo usada para coleta de fontes teóricas:

As TIs sofreram grandes transformações a partir da segunda metade do século XX e se modernizaram. Surgiram o computador, a Internet, o celular com várias funções, por exemplo. Já na sala de aula, a maneira de lecionar, continuou a mesma, com aulas expositivas e utilização do quadro e giz que também representam tecnologias (PRETTO, 2011).

O estudo da tecnologia tem grande relevância, pois os avanços permitiram que fosse utilizada de forma simplificada pelo o consumidor e empresas, o desenvolvimento das práticas de marketing começou a se adequar à cultura de satisfação dos consumidores. Com isso, as empresas passaram a empregar a estratégia de marketing de foco no cliente, que representa “uma maneira de criar valor para o cliente e que está relacionada ao entendimento do comportamento dos consumidores, de suas necessidades e desejos” (ZURAWICKI, 2010, p.14).

3. CONCLUSÃO

Diante do discorrido na pesquisa, é necessário que os consumidores fiquem atentos às empresas, pois com essa evolução tecnológica, existe uma chance maior de sofrerem golpes pelo mercado virtual devido às facilidades que o mesmo oferece

E, com essa relação de que a tecnologia veio como forma de contribuir ao acesso de órgãos como forma de solucionar problemas como foi mencionado. É preciso que as pessoas possam conhecer acerca do Código de Defesa do Consumidor para que se possam compreender o que devem fazer em determinadas situações, para que não fiquem a mercê dos prejuízos acerca de serviços ou produtos.

Dessa forma, os objetivos foram atendidos de forma que, respondesse a problemática, trazendo um fator considerável no que diz respeito a tecnologia como um fator de contribuição para as logísticas que vendem pelo e-commerce.

REFERENCIAS

BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial: Transportes, Administração de Materiais e Distribuição Física. 1 ed. São Paulo: Atlas S.A., 2010.

BALLOU, Ronald H.: Logística empresarial – Transporte, Administração de Materiais e Distribuição Física, ed. São Paulo, Editora Atlas, 2013.

CADAD, Bruno. A tecnologia molda o consumo do século XXI. Disponível em: https://www.consumidormoderno.com.br/2017/04/18/tecnologia-consumir/  Acesso em: 17 de julho de 2020.

DENSA, R. Direito do consumidor. 8.ed. São Paulo: Atlas, 2012.

GUIMARÃES, Leticia. Et.al.  A importância da logística para o desenvolvimento do E-COMMERCE: uma análise documental. ADEB, 2015.

GUIMARÃES, Leticia. Et.al.  A Importância Da Logística Para O Desenvolvimento Do E-Commerce: uma análise documental. ADEB, 2015.

LEAL, Willian. Direito do Consumidor: a evolução tecnológica e seus desafios. portal migalhas. 2018. Disponível em: https://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI2766 41,41046-Direito+do+Consum idor +a+evolucao+tecnol ogica+e+seus+desafios Acesso em: 17 de maio de 2020.

MAGALHÃES, Alexandre Sanches. Social Commerce no Brasil: Uma Perspectiva do Usuário. 2015. (Doutorado)-Programa de Estudos Pós-graduados Administração: Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. 2015.

NOVAES, Antônio Galvão. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição: Estratégia, Operação e Avaliação. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

NUNES, Luis Antônio Rizzato. Curso de Direito do Consumidor: com exercícios. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

PRETTO, N. de L. Linguagens e tecnologias da educação. Rio de Janeiro: DP&A,2011.

SCHIFFMAN, L, G; KANUK, L, L. Comportamento do Consumidor. 9.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

SEBRAE. Comércio Eletrônico. Disponível em: <http://www.sebraepr.com.br/StaticFil e/PortalInternet/img/cartilha_com_eletronico.pdf>. Acesso em: 14 de Julho de 2020

ZURAWICKI, L. .  Neuromarketing – Exploring the Brain of the Consumer. Boston: Springer, 2010.

[1] Pós-graduação em Direito Fiscal e Tributário, Pós-graduação em Gestão Pública, Engenharia civil.

[2] Mestrado em Ciências Biológicas (Genética). Graduação em Ciências Biológicas.

Enviado: Agosto, 2020.

Aprovado: Agosto, 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here