Sistematização da assistência de enfermagem no centro cirúrgico: papel do enfermeiro [1]

0
438
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI [ SOLICITAR AGORA! ]
Sistematização da assistência de enfermagem no centro cirúrgico: papel do enfermeiro [1]
3 (60%) 2 votes
ARTIGO EM PDF

MELO, Fernanda Ferreira de Oliveira [2], BRASILEIRO, Marislei Espíndula [3]

MELO, Fernanda Ferreira de Oliveira, BRASILEIRO, Marislei Espíndula. Sistematização da assistência de enfermagem no centro cirúrgico: papel do enfermeiro. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 09, Vol. 1, pp.163-179, Setembro de 2018. ISSN:2448-0959

RESUMO

Objetivo: apontar a importância da implantação da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) para a organização do centro cirúrgico, bem como analisar que fatores podem interferir nesta implantação. Materiais e Método: estudo do tipo descritivo, exploratório, com análise integrativa da literatura disponível em bibliotecas convencionais e virtuais. A busca se deu nas bases de dados da Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), biblioteca digital Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Base de Dados de Enfermagem (BDENF). As palavras-chave utilizadas foram: SAE, Centro Cirúrgico, enfermagem, dificuldades. No intuito de responder a seguinte questão problema: Qual a importância da SAE no centro cirúrgico enquanto ferramenta para uma assistência de qualidade ao paciente? Resultados: A leitura dos periódicos resultou em quatro categorias: Importância da implantação da SAE para a organização do centro cirúrgico; A SAE como ferramenta para uma assistência de qualidade ao paciente; Processo de enfermagem no centro cirúrgico; Entraves para a implantação da SAE no centro cirúrgico. A inserção da SAE tem como perspectiva a assistência ao cliente cirúrgico com qualidade. Constitui uma importante ferramenta na atuação da enfermagem, pois proporciona a interação do processo de enfermagem promovendo a integralidade da assistência de enfermagem. Embora apresente seus entraves considera-se importante o uso desta ferramenta. Conclusão: Neste sentido, este trabalho fundamenta-se no desenvolvimento da SAE realizada pelo enfermeiro do centro cirúrgico, buscando uma assistência de enfermagem mais efetiva, minimizando o processo de desgaste emocional do paciente cirúrgico. A enfermagem tem papel importante e preocupa-se em oferecer ao paciente cirúrgico uma assistência individualizada e humanizada.

Palavra-chave: Assistência de enfermagem, Centro Cirúrgico, enfermagem, Dificuldades.

1 INTRODUÇÃO

A opção pelo tema teve sua motivação no interesse em conhecer melhor sobre Sistematização da assistência de enfermagem no centro cirúrgico: papel do enfermeiro, tendo em vista que assistência de enfermagem é uma das principais ações no cuidado da saúde do paciente. Assim, a Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) normatizada pelo Conselho Federal de Enfermagem (CFE), a Resolução n. 358/2009, preconiza que deve ser implantada no setor público e privada (BRASÍLIA, 2009, p. 317).

Existem atualmente diferentes maneiras de sistematizar a assistência de enfermagem, entre elas pode-se mencionar os planos de cuidados, os protocolos, a padronização de procedimentos e o processo de enfermagem. Visto que a SAE direciona a atuação do enfermeiro no exercício de suas atividades profissionais e facilita o desenvolvimento da assistência ao paciente. Neste contexto, a implantação de um método para sistematizar a assistência de enfermagem deve ter como premissa um processo individualizado, holístico, planejado, contínuo, documentado e avaliado (VASCONCELOS, BORGES, BOHRER, et al. 2017).

No Brasil, Wanda de Aguiar Horta foi à primeira teórica a apresentar estudos sobre o tema. Ela propôs a sistematização das ações de Enfermagem, por meio da aplicação do Processo de Enfermagem, o que contribuiu para o registro e documentação de ocorrências e procedimentos realizados por integrantes da equipe de Enfermagem, para a análise e organização do cuidado prestado e, para o reconhecimento social da profissão (BOTELHO, VELOSO, FAVERO, 2013).

A SAE trata-se de um valioso instrumento para assistência do paciente de forma integralizada, contínua, segura e humanizada pela enfermagem, sendo composta por cinco fases: visita pré-operatória de enfermagem, planejamento, implementação, avaliação e reformulação da assistência a ser planejada (RIBEIRO, FERRAZ, DURAN, 2017).

Nessa linha de pensamento, a SAE atua no sentido de conduzir e organizar o trabalho da equipe de enfermagem conforme os recursos humanos, instrumentos e método, facilitando o trabalho do enfermeiro. Ainda, tem sua definição no planejamento e ordenação da execução das atividades com enfoque coletivo e individual e de caráter privativo do enfermeiro (PENEDO, SPIRI, 2014).

Neste sentido, o Processo de Enfermagem se constitui em ação revestida de significados, possível de ser utilizada pelos enfermeiros enquanto metodologia para prestação de cuidados; entretanto, apresenta desafios para sua implementação. A enfermagem se utiliza da sistematização da assistência de enfermagem como um modelo de processo de trabalho que possibilita sistematizar a assistência e direcionar o cuidado, contribuindo para a segurança do usuário e dos profissionais no sistema de saúde especialmente em Centro Cirúrgico (PENEDO, SPIRI, 2014).

No hospital, o Centro Cirúrgico (CC) é o local onde acontece grande parte dos eventos adversos à saúde dos pacientes. Sua causa é multifatorial e atribuída à complexidade dos procedimentos, à interação das equipes interdisciplinares e ao trabalho sob pressão, pois, apesar de as intervenções cirúrgicas integrarem a assistência à saúde, contribuindo para a prevenção de agravos à integridade física e à perda de vidas, estão associadas, consideravelmente, aos riscos de complicações (HENRIQUES, COSTA, LACERDA, 2016).

Assim, a participação do enfermeiro no Centro Cirúrgico tem merecido atenção por envolver especificidades e articulações indispensáveis à gerência do cuidado a pacientes com necessidades complexas, que requerem conhecimento científico, manejo tecnológico e humanização extensiva a familiares, pelo impacto que o risco cirúrgico propicia (HENRIQUES, COSTA, LACERDA, 2016).

O estudo Henrique, Costa e Lacerda (2016) demonstrou que ainda há muito a percorrer nos caminhos da segurança efetiva para o paciente no período perioperatório, uma vez que encontraram muitos entraves que, de certa forma, desfavorecem a segurança do paciente. Assim, as reflexões sobre a segurança do paciente e os processos do Centro Cirúrgico precisam ser aprofundadas, necessitando-se de novos estudos acerca do tema para novas discussões e busca de melhores práticas.

Estudos recentes de revisão integrativa revelam que, com base nas diversas necessidades específicas das funções do profissional, na assistência ao paciente cirúrgico é importante melhorar a qualidade da assistência de enfermagem. É preciso lembrar que a evolução cirúrgica e novas descobertas de tecnologias auxiliam significativamente a enfermagem avançar na assistência no Centro Cirúrgico (ADAMY; TOSATTI, 2012, p.301).

Mediante o exposto, o estudo questiona: Qual a importância da SAE no centro cirúrgico enquanto ferramenta para uma assistência de qualidade ao paciente segundo a literatura?

Responder a esse questionamento é importante tendo em vista que o tema foi escolhido devido à relevância social, científica e profissional da prática de enfermagem no cuidado e assistência do paciente na perspectiva da Sistematização de Assistência da Enfermagem no Centro Cirúrgico. Estes fatores justificam o desenvolvimento desta pesquisa que é uma temática que tem grande repercussão na população e importante, principalmente nos dias atuais, quando muito se critica a atuação profissional do enfermeiro.

Assim, espera-se que este estudo possa contribuir no sentido de esclarecer como se processa o trabalho e suas exigências para o exercício profissional serve para apontar à sociedade que o enfermeiro tem capacidade, habilidade, conhecimento e técnica na condução e efetivação de suas atividades e funções.

2 OBJETIVOS

2.1 OBJETIVO GERAL

Apontar a importância da implantação da SAE para a organização do centro cirúrgico, bem como analisar que fatores podem interferir nesta implantação conforme a literatura.

2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Descrever sobre a importância da implantação da SAE para a organização do centro cirúrgico;

Verificar sobre a SAE como ferramenta para uma assistência de qualidade ao paciente;

Relatar sobre a importância do processo de enfermagem no centro cirúrgico;

Verificar sobre os entraves para a implantação da SAE no centro cirúrgico.

3 MATERIAIS E MÉTODO

O estudo foi realizado por revisão integrativa de literatura (RIL), cuja coleta de dados ocorreu em fontes disponíveis online. A busca foi realizada, durante os meses de fevereiro e Março de 2018. A RIL é um método amplo que permite a inclusão de literatura teórica e empírica, bem como outros estudos com abordagens quantitativas e/ou qualitativas. Em outras palavras, o referido Método permite atualizar as discussões relacionadas a um tema específico, a partir da síntese de estudos publicados (BELLUCI JUNIOR; MATSUDA, 2011).

Para o levantamento dos artigos na literatura, realizou-se uma busca nas seguintes bases de dados: Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Electronic Library Online (Scielo), Biblioteca Virtual em Saúde (Bireme).

A Revisão Integrativa é constituída por seis fases as quais serão a seguir descritas com as ações realizadas neste estudo. Para a realização deste estudo através da revisão integrativa é importante seguir algumas etapas distintas, que serão descritas abaixo (BELLUCI JUNIOR; MATSUDA, 2011).

A primeira etapa é caracterizada pela escolha do tema e elaboração da pergunta norteadora: Qual a importância da SAE no centro cirúrgico enquanto ferramenta para uma assistência de qualidade ao paciente segundo a literatura?

A segunda etapa foi caracterizada pela definição dos critérios de inclusão e exclusão. Nos critérios de inclusão foram abordados artigos científicos completos, indexados em bases de dados, publicados entre 2012 a 2018, disponíveis em língua portuguesa e apresentando os seguintes descritores: SAE, Centro Cirúrgico, enfermagem, Dificuldades.

Foram excluídos artigos em duplicidade, encontrados em mais de uma base de dados, não publicada em língua portuguesa e que não estivesse de acordo com o objetivo do estudo.

A terceira e quarta etapa consistiram da seleção e análises dos artigos e a definição das categorias. Foram definidas 4 categorias: Importância da implantação da SAE para a organização do centro cirúrgico; A SAE como ferramenta para uma assistência de qualidade ao paciente; Processo de enfermagem no centro cirúrgico; Entraves para a implantação da SAE no centro cirúrgico.

A quinta etapa consistiu na elaboração do desenvolvimento e apresentação descritiva da revisão integrativa. Em relação ao tratamento dos dados, foi aplicado o método de Análise de Conteúdo, que propiciou o agrupamento do conteúdo estudado em categorias temáticas. A análise de conteúdo foi desenvolvida em três etapas:

a) etapa I – pré-exploração do material: nessa etapa foram realizadas leituras flutuantes dos artigos selecionados no intuito de conhecer o contexto e abstrair impressões importantes à construção da próxima etapa;

b) etapa II – seleção das unidades de análise: após a interação dos pesquisadores com o mate rial, foram destacadas sentenças, frase e parágrafos que se apresentavam com maior frequência no objetivo de construir unidades temáticas;

c) etapa III – categorização dos estudos: nessa etapa por meio de leitura profunda do material distribuído nas categorias, foram expressos os significados e as interpretações abstraídas no intuito de construir novos conhecimentos.

A sexta etapa abordou o conhecimento evidenciado nos artigos analisados ou apresentação da Revisão Integrativa. Após leitura do material selecionado, as informações capturadas foram disponibilizadas em forma descritiva. Na discussão dos dados, estes foram agrupados em categorias temáticas conforme descritas a seguir.

4 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Foi realizada leitura analítica dos artigos selecionados que possibilitou a organização dos assuntos por ordem de importância e a sintetização destas que visou à fixação das ideias essenciais para a solução do problema da pesquisa. Para operacionalizar a pesquisa os achados foram discutidos de forma descritiva. E foram usados nesta discussão 13 artigos que melhor atendiam ao enfoque em relação ao tema proposto.

Inicialmente para a realização desta revisão integrativa, foram encontradas –publicações nas bases de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Base de Dados de Enfermagem (BDENF) e Scientific Electronic Library (SciELO), foram selecionado 239 e excluídos 226 foram excluídas por não abordarem a temática analisada.

Assim, 13 publicações foram selecionadas para esta revisão, uma vez que atenderam aos critérios de inclusão preestabelecidos e trouxeram contribuições relevantes à discussão proposta pelo estudo.

Os periódicos selecionados para esta discussão estão em língua portuguesa perfazendo um total de 13 artigos. Os artigos foram publicados no período de 2012 a 2017, em revistas nacionais, algumas de circulação internacional.

Após a leitura exploratória dos mesmos, foi possível identificar a visão de diversos autores a respeito das categorias citadas a seguir.

Importância da implantação da SAE para a organização do centro cirúrgico;

A SAE como ferramenta para uma assistência de qualidade ao paciente;

Processo de enfermagem no centro cirúrgico;

Entraves para a implantação da SAE no centro cirúrgico.

Quadro 1. Características e principais resultados dos estudos examinados

Autor Objetivo Resultado Conclusão Resposta ao objetivo do estudo
Autor1:

Vasconcelos et al.

Ano: 2017

Método:

Estudo descritivo, documental/ e entrevista

Amostra: 48 respostas

Nível de Evidência: 3

Identificar o conhecimento de técnicos e auxiliares

de enfermagem, referente ao significado da Sistematização da Assistência de Enfermagem na realização do seu trabalho junto ao paciente em um hospital de ensino

A Comissão da SAE, juntamente com os enfermeiros coordenadores dos setores facilitadores na execução, dispuseram ofertar treinamentos para a equipe/ nfermagem, visando sanar as dúvidas. Constatou-se aspectos positivos quanto ao seu significado e importância foram citados, bem como dificuldades para sua implantação: déficit de recursos, condições de trabalho, desconhecimento interesse e necessidade de capacitação. Papel do Profissional de Enfermagem; Cuidados de Enfermagem; Processos de Enfermagem.
Autor2:

Ribeiro, Ferraz, Duran 2017

Método: Estudo transversal, descritivo

Amostra: 20 enfermeiros

Nível de Evidência: 3

Descrever as atitudes dos enfermeiros relacionadas à SAEP em um
centro cirúrgico (CC) de um hospital no interior paulista. Métodos: Estudo transversal, descritivo
Evidenciou-se pouco conhecimento e contato dos enfermeiros com a SAEP. A implementação da SAEP é um desafio para o enfermeiro cirúrgico,
mesmo se tratando de uma ferramenta para tornar a assistência de enfermagem individualizada e eficaz, minimizando riscos e complicações pós-operatórias.
Cuidados de Enfermagem; SAEP assistência de qualidade.
Autor 3

Riegel, Oliveira Junior. 2017

Método: Revisão de literatura

Amostra:17 artigos

Nível de Evidência: 3

Refletir sobre o processo de enfermagem e suas implicações para a segurança do paciente no centro cirúrgico. Trata

 

 

O processo de Enfermagem constitui-se em um instrumento metodológico e uma valiosa tecnologia a ser utilizada para garantir segurança no contexto das práticas de enfermagem Conclui-se o PE pode contribuir para que os gestores e gerentes assistenciais repensem as práticas nos serviços de saúde, a partir de uma política de segurança associada à implementação do PE Segurança do paciente; Centros cirúrgicos; Enfermagem; Educação em enfermagem.
Autor 4

Henriques, Costa, Lacerda, 2016

Método:Revisão integrativa

Amostra: 28 artigos

Nível de Evidência: 3

Analisar os achados científicos acerca da atuação do enfermeiro na promoção da segurança

do paciente cirúrgico, identificar riscos e apontar soluções para a melhoria da assistência

O estudo demonstrou que ainda há muito a percorrer nos caminhos da segurança efetiva

para o paciente no período perioperatório, uma vez que encontramos muitos entraves que, de certa forma,

desfavorecem a segurança

Conclui-se que as reflexões sobre a segurança do paciente e os processos do Centro Cirúrgico precisam ser

aprofundadas, necessitando-se de novos estudos acerca do tema para novas discussões e busca de melhores

práticas.

Segurança do paciente; Enfermagem cirúrgica; Centro cirúrgico; Cuidados

de enfermagem.

Autor 5

Soares et al. 2015

Método: Hermenêutica

Amostra: 32

Enfermeiros

Nível de Evidência: 3

Analisar as facilidades e os desafios do enfermeiro na gerência da assistência instrumentalizado pela Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE). Os resultados mostraram pontos facilitadores e desafiadores, onde os participantes consideram a SAE facilitadora no planejamento e na organização da assistência Conclui-se que o sucesso da operacionalização da SAE se dá por meio de um desenvolvimento mútuo Processos de Enfermagem; Assistência ao Paciente.
Autor 6

Silva et al. 2015

Método:

Estudo qualitativo compreensivo,

Amostra:32 acadêmicos

Nível de Evidência: 3

Analisar as percepções dos acadêmicos de um curso de graduação em enfermagem sobre sua formação em Sistematização da Assistência de Enfermagem A percepção dos acadêmicos sobre a SAE, ao longo do curso, está voltada à aprendizagem, à prática do PE e à consulta de enfermagem Constatou-se que a temática está presente em todas as séries, porém, de maneira fragmentada e que, o desenvolvimento do processo e da consulta de enfermagem na prática foram as atividades que marcaram o aprendizado. Processos de Enfermagem; Aprendizagem e prática.
Autor 7

Melo, Nunes, Viana 2014

Método: Estudo descritivo, exploratório de abordagem qualitativa.

Amostra: 6 enfermeiros

Nível de Evidência: 3

Descrever a percepção do enfermeiro sobre a implantação da sistematização da assistência de enfermagem no centro cirúrgico Importância da implantação da SAE para a organização do centro cirúrgico; A SAE como ferramenta para uma assistência de qualidade ao paciente e Entraves para a implantação da SAE no centro cirúrgico. Embora reconheçam a importância da implantação da SAE no setor faz-se necessária, a conscientização do profissional enfermeiro acerca desta implantação para promoção de mudanças no cenário da prática assistencial e revolução do atual sistema de assistência à saúde Assistência de qualidade ao paciente e Entraves para a implantação da SAE no centro cirúrgico.
Autor 8

Penedo, Spiri.

2014

Método: Fenomenológico

Amostra: 13 enfermeiros

Nível de Evidência: 3

Compreender o significado que os enfermeiros gerentes atribuem à sistematização da assistência de enfermagem, desenvolvido em seu cotidiano de trabalho. Recursos humanos na realização da sistematização da assistência de enfermagem; sua relevância para o trabalho do enfermeiro; dificuldades na sua implementação; capacitação para a sua realização. A compreensão dos enfermeiros sobre a SAE relacionam-se aos aspectos legais da prática profissional, ao trabalho em equipe, ao dimensionamento adequado de recursos humanos. Cuidados de enfermagem; Gerenciamento de prática profissional; Processos de enfermagem.
Autor 9

Grando, Zuse

2014

Método: revisão integrativa

Amostra:

Nível de Evidência: 3

Identificar na literatura eletrônica os principais fatores que dificultam a introdução da Sistematização da Assistência de Enfermagem

pelo enfermeiro..

Dentre os principais fatores

que dificultam a introdução da Sistematização da Assistência de Enfermagem estão: falta de tempo, carência de funcionários na unidade e falta

de interesse do profissional.

Conclui-se que é dever do enfermeiro interessar-se em identificar estas dificuldades e trabalhar a fim de minimizá-las, gerando espaço para o estabelecimento da Sistematização da Assistência de Enfermagem. Sistematização de cuidado de enfermagem. Processo de enfermagem. Prática profissional
Autor 10

Botelho, Veloso, Favero, 2013

Método: Descritiva de abordagem qualitativa.

Amostra: 14 profissionais.

Nível de evidência: 3

Descrever o conhecimento da equipe de Enfermagem

de um CC sobre a SAE.

Com a entrevista surgiram duas questões: (Des)Conhecimento da equipe de Enfermagem sobre a Sistematização da

Assistência de Enfermagem; e sua influência na aplicação da SAE

Percebeu-se falta de entendimento dos participantes sobre a SAE, sendo esta uma das principais ferramentas de trabalho da equipe de Enfermagem. Falta de conhecimento, sobre a SAE, dificuldade em aplicar.
Autor 11

Santos Renó

Ano: 2013

Método: Revisão integrativa.

Amostra: 17 artigo.

Nível de evidência: 3

Identificar quais

são os indicadores de qualidade da assistência de enfermagem em centro cirúrgico

O estudo evidenciou a adesão positiva do profissional

enfermeiro ao uso dos indicadores de qualidade da assistência de enfermagem no CC.

Concluiu-se que a SAEP, quando utilizada na prática da enfermagem, permite ao enfermeiro qualificar a assistência prestada. Conhecimento sobre os indicadores de performance

além de buscar a capacitação e atualização constante,

Autor 12

Silva Filho, Queiroz Abreu, 2013.

Método: Qualitativo descritivo.

Amostra: 9 enfermeiros

Nível de evidência: 3

Averiguar a importância atribuída à utilização do processo de enfermagem por enfermeiros e identificar as principais dificuldades encontradas Após a análise dos dados verificou-se Importância da utilização do Processo de Enfermagem durante a assistência aos clientes; Apesar dos enfermeiros considerarem a sistematização da assistência um instrumento para sua qualificação, esses referem dissociação de suas etapas, déficit de conhecimento e de quantitativo de profissionais como dificuldades a sua aplicabilidade. Pouco valor ao PE, na prática este instrumento de qualificação da assistência de enfermagem permanece pouco empregado na rotina assistencial
Autor 13

Adami, Tosati, 2012.

Método:Qualitativo descritivo

Amostra: 8 entrevistados.

Nível de evidência: 3

Avaliar a implantação da (SAE) no período perioperatório de um Hospital do Oeste de Santa Catarina sob a visão da equipe de enfermagem. Os resultados apontaram falta de comprometimento coletivo, implantação repentina, sem capacitação adequada da equipe de enfermagem, ausência de um sistema informatizado. Conclui-se que a instituição deve viabilizar estratégias que culminam para uma SAE efetiva e com resultados mais satisfatórios. Segurança/ paciente; registros de enfermagem mais precisos; organização das atividades de enfermagem.

4.1 IMPORTÂNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA SAE PARA A ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CIRÚRGICO

Os estudos citados nesta revisão demonstraram a importância da implantação da SAE para a organização do centro cirúrgico, neste sentido os estudos de Adami, Tosati (2012) tiveram o objetivo de avaliar implantação da (SAE) no período perioperatório de um Hospital do Oeste de Santa Catarina, sob a visão da equipe de enfermagem os autores constataram que, a instituição deve viabilizar estratégias que culminam para uma SAE efetiva e com resultados mais satisfatórios tendo em vista que ela oferece Segurança/ paciente; registros de enfermagem mais precisos; organização das atividades de enfermagem.

Segundo Santos e Rennó (2013), a SAE surgiu no centro cirúrgico com o objetivo de capacitar funcionários para atender as necessidades da equipe médica, como no preparo da sala de cirurgia, dos materiais e equipamentos hospitalares necessários durante o procedimento. A preocupação com a qualidade prestada ao paciente é um marco no mercado competitivo, pois cada vez mais busca-se assistências eficientes prestada ao indivíduo, satisfação da clientela e a redução dos custos hospitalares.

A SAE constitui nos dias atuais um importante instrumento inerente ao processo de trabalho do enfermeiro, que possibilita a ampliação de ações que modificam o processo de vida e de saúde-doença dos pacientes. Deste modo, a sistematização permite a obtenção de resultados pelos quais o enfermeiro é responsável, como a organização do serviço, especialmente no centro cirúrgico (MELO, NUNES, VIANA, 2014).

Assim, sua implantação, proporciona cuidados individualizados, assim como norteia o processo decisório do enfermeiro nas situações de gerenciamento da equipe de enfermagem, oportuniza avanços na qualidade da assistência, o que impulsiona sua adoção nas instituições que prestam assistência à saúde ((SILVA, GARANHANI, PERES, 2015)

A implantação da SAE com base em um conhecimento específico e de uma reflexão crítica acerca da organização do trabalho de enfermagem juntamente com a coleta de dados, tem-se um instrumento de fundamental importância para que o profissional possa gerenciar a assistência de enfermagem de forma organizada, segura, dinâmica e competente (SILVA, GARANHANI, PERES, 2015).

4.2 A SAE COMO FERRAMENTA PARA UMA ASSISTÊNCIA DE QUALIDADE AO PACIENTE

Conforme ressaltam Melo Nunes e Viana (2014) o paciente ao entrar no centro cirúrgico necessita de cuidados especiais, que se forem organizados, sistematizados, trarão muitos benefícios para este, não só durante a cirurgia, mas repercutirão, inclusive na recuperação pós operatória.

Silva, Garanhani, Peres, (2015) relatam que a Sistematização da Assistência de Enfermagem no Centro Cirúrgico dar- se com visita pré-operatória de enfermagem ao paciente, que é indispensável para o preparo físico e emocional do mesmo, seguindo com o período transoperatório, ou seja, o período que compreende a recepção do paciente no centro cirúrgico, até o seu encaminhamento para a sala de recuperação pós-anestésica, e por fim, pós operatório, em que a equipe de enfermagem precisa estar preparada para possíveis complicações que possam ocorrer ao paciente nesse período.

Para prestar uma assistência de enfermagem com qualidade, o enfermeiro deve estar inserido na realidade concreta de seu setor de forma consciente e competente, técnica e cientificamente (SILVA, GARANHANI, PERES, 2015).

A prática atual do enfermeiro de centro cirúrgico está centrada em atividades burocráticas, delegações médicas e ações em outras áreas de apoio, porém, deve-se repensar a prática e propor algo que vá ao encontro às reais necessidades para que esse profissional possa ser útil ao paciente e sua família na assistência de enfermagem (VASCONCELOS, BORGES, BOHRER, et al. 2017).

Como prestador direto do cuidado ao paciente, o enfermeiro apresenta como fundamento de seu papel a busca da qualidade da sua prática, por meio, entre outros, de uma visão global da assistência com identificação dos riscos e eventuais problemas e implementação de ações preventivas e corretivas em sua coleta ativa de dados (VASCONCELOS, BORGES, BOHRER, et al. 2017).

Neste sentido, considera ser muito importante que implantada a SAE que seja realizada instruções informativas sobre o processo de enfermagem articulado com a SAE.

4.3 PROCESSO DE ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO

Após a implantação da SAE, é importante organizar as atividades de enfermagem através do processo de enfermagem, visto que de acordo com a Resolução nº 358/2009, do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) o processo de enfermagem (PE) é considerado um recurso metodológico que deve estar implantado em instituições de saúde pública e privada, a fim de orientar o cuidado do profissional de enfermagem e a documentação da prática profissional. Segundo esta resolução PE organiza-se em cinco etapas importantes inter-relacionadas, conforme Quadro 2 a seguir: (RIEGEL, OLIVEIRA JUNIOR, 2017; SILVA, FILHO, QUEIROZ, ABREU).

Quadro 2 Fases do processo de enfermagem

Coleta de dados de enfermagem Têm por finalidade a obtenção de informações sobre a pessoa, a família ou a coletividade humana sobre suas respostas em um dado momento do processo de saúde e doença. E tem por finalidade conhecer hábitos individuais, buscando a adaptação do paciente à unidade e ao tratamento, assim como a identificação de problemas (RIEGEL, OLIVEIRA JUNIOR, 2017; SILVA, GARANHANI, PERES, 2015).
Diagnóstico de enfermagem É considerado um processo de interpretação e agrupamento dos dados coletados na primeira etapa. Os diagnósticos de enfermagem foram padronizados internacionalmente pela North American Nursing Diagnosis Association (NANDA) e proporcionam aos enfermeiros uma linguagem comum, permitindo identificar as necessidades do paciente (RIEGEL, OLIVEIRA JUNIOR, 2017; SILVA, GARANHANI, PERES, 2015).
Planejamento de enfermagem Planejamento da assistência de enfermagem: é o conjunto de ações ou intervenções decididas pelo enfermeiro e prescritas com a finalidade de alcançar determinados resultados esperados no paciente e na família ou na comunidade, objetivando prevenir, promover, proteger, recuperar e manter a saúde (RIEGEL, OLIVEIRA JUNIOR, 2017; SILVA, GARANHANI, PERES, 2015).
Implementação Implementação da assistência: são realizadas as ações e as intervenções propriamente ditas, que tenham sido determinadas na prescrição de enfermagem (RIEGEL, OLIVEIRA JUNIOR, 2017; SILVA, GARANHANI, PERES, 2015).
Avaliação de enfermagem Avaliação de enfermagem: é o registro realizado pelo enfermeiro após a avaliação do paciente, verificando as mudanças ocorridas em determinado momento. Acontece de forma deliberada, sistemática e contínua, verificando se as ações ou as intervenções de enfermagem alcançaram o resultado esperado, avaliando a necessidade de mudar ou adaptar as etapas do PE (RIEGEL, OLIVEIRA JUNIOR, 2017; SILVA, FILHO, QUEIROZ,

ABREU, 2013).

Fonte: Riegel, Oliveira Junior, (2017); Silva, Garanhani, Peres (2015).

Todas as fases citadas são essenciais para elaboração de um plano de cuidado. Visto que dessa forma o cuidar será mais criterioso e cuidados, diante uma possível intercorrência.

Embora, sejam de muita importância tanto o processo de enfermagem, quanto a SAE, ainda existe na realidade muitas dificuldades e entraves na adoção, aceitação e implementação da SAE especialmente em centro cirúrgico.

4.4 ENTRAVES PARA A IMPLANTAÇÃO DA SAE NO CENTRO CIRÚRGICO

A SAE vem sendo discutida e implantada há décadas no Brasil, com a Teoria das Necessidades Humanas Básicas. Contudo, somente após o advento da legalização, é que passou a ser exigida dentro das instituições de saúde brasileiras. Apesar disso, atualmente, ainda percebe-se que essa resolução por si só não oferece todo o apoio necessário para sua implantação, uma vez que muitos fatores desencadeiam dificuldades práticas no processo de implantação desse instrumento de assistência (SOARES, RESCK, TERRA, et al. 2015).

A SAE tem relevante importância para o bom funcionamento do serviço, porém ainda existem questões que impedem ou dificultam sua implantação, bem como a falta de material, tendo em vista que isto causa transtorno e prejuízos ao paciente, sobrecarregando o profissional enfermeiro que é quem esta na coordenação e mais próximo ao paciente (MELO, NUNES, VIANA, 2014).

A assistência de enfermagem deve estar de acordo com as propostas do serviço de enfermagem e da organização, contudo, um fator que dificulta a implantação da SAE é a organização que está voltada para questão burocrática. O reconhecimento do real papel da enfermagem pela instituição é fundamental para que a profissão seja reconhecida e possa garantir tanto a implantação como a continuidade da SAE (SILVA, FILHO, QUEIROZ, ABREU, 2013).

Para se obter um cuidado de enfermagem adequado às exigências do paciente, é preciso uma estrutura organizacional específica, tanto em relação aos cuidados humanos quanto aos recursos físicos e materiais (SILVA, FILHO, QUEIROZ, ABREU, 2013)

Para a implantação da SAE faz-se necessário recursos humanos conscientizados e um número suficiente, porque o processo não pode parar Assim um dos entraves mais sentido tem sido conscientização de profissionais sobre os cuidados além de insuficiente número de profissionais adequado para atuar com eficácia na sistematização (GRANDO, ZUSE, 2014).

Outro fator relevante que causa entraves na implantação da SAE são as dificuldades enfrentadas em relação à falta de treinamento dos profissionais, e maior interesse partindo dos mesmos. E que muitos dos problemas que dificultam a SAE estão relacionados à execução, à operacionalização e ao acompanhamento periódico e direto das atividades, bem como à falta de liderança, à ausência de comprometimento, à falta de tempo e ao desconhecimento da lei do exercício profissional, fatores que, certamente, podem resultar em perda de estímulo por parte dos enfermeiros e, por consequência, gerar desmotivação e insatisfação quanto à realização da SAE (GRANDO, ZUSE, 2014).

A dinâmica de trabalho em um centro cirúrgico, articulado a um bom relacionamento entre os profissionais da unidade, deve acontecer de forma harmoniosa. Assim, é indispensável um trabalho integrado, com profissionais capacitados e preparados, favorecendo o enfrentamento das exigências impostas pelo referido ambiente, visando segurança e bem-estar do paciente

Outra dificuldade mencionada nos estudos segundo Adamy; Tosatti, (2012), é a falta de registro da situação em que o paciente se encontra ou chega ao CC, muitas vezes não se sabe exatamente o que o paciente traz consigo (dreno ou sonda), se foi colocado no hospital ou se já vem do ambiente extra hospitalar. Estudo revela que os registros de enfermagem integram todas as etapas e fortalecem a SAE, além de permitir uma assistência de qualidade e respaldar os profissionais legalmente.

É comum, no entanto, que as maiores dificuldades relacionadas à instituição da SAE estejam associadas à descrença e à rejeição dos próprios enfermeiros que, limitados ao modelo técnico-burocrático, utilizam, muitas vezes, estratégias antiéticas e inflexíveis para não participarem do processo é preciso, porém, compreender que a rejeição e a inflexibilidade podem evidenciar a falta de um conhecimento específico e a desatualização profissional (GRANDO, ZUSE, 2014).

Neste sentido, no centro cirúrgico, o enfermeiro deve livrar-se de seu papel puramente técnico e burocrático e integrar-se no cuidado total do paciente, com dedicação, esforço, compromisso e conscientização de que esta ação reflete diretamente na organização do serviço, para o paciente, que é a peça fundamental que determina a razão dessas ações.

Diante das diversas leituras observou-se que a sistematização da assistência de enfermagem (SAE) requer do enfermeiro interesse em conhecer o paciente como indivíduo, utilizando para isso, seus conhecimentos e habilidades, além de orientação e treinamento da equipe de enfermagem para implementação das ações sistematizadas no setor atuante, necessitando de comprometimento e a conscientização da importância dessa implantação para o serviço e os que dele fazem parte (MELO, NUNES, VIANA, 2014)

Conforme o exposto acredita-se que a SAE constitui um instrumento capaz de melhorar a assistência, embora apresentem dificuldades e estas podem contribuir diretamente para não aplicabilidade do PE. Acredita-se que preparo técnico científico, as condições institucionais e o envolvimento de toda a equipe de enfermagem tornam-se imprescindíveis no processo de implantação e manutenção da SAE e aplicação

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O objetivo deste estudo foi apontar a importância da implantação da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) para a organização do centro cirúrgico, bem como analisar que fatores podem interferir nesta implantação. Assim, após

a análise dos estudos foi possível concluir que a implantação da SAE para a organização do centro cirúrgico reconhecida por todos os profissionais de enfermagem como uma metodologia de trabalho que visa promover o cuidado sistematizado ao cliente, portanto para que haja a compreensão de sua relevância e a plena efetivação de suas etapas, é necessário que toda equipe esteja envolvida nesse processo.

Desse modo, A SAE aplicada ao centro cirúrgico juntamente com a inserção do processo de enfermagem traz uma maior segurança ao paciente, com melhor possibilidade de conhecer o paciente de forma, integral, individualizada e participativa, proporcionando uma adequada organização e sequência das atividades de enfermagem, o que promove a continuidade da assistência, além de tornar mais preciso os registros de enfermagem facilitando o acesso às informações do paciente por toda a equipe.

Assim, embora a SAE seja exigida conforme legislação profissional, os resultados do estudo indicam muitos fatores que dificultam a sua execução, como a necessidade de aprofundamento teórico e a falta de prática e de objetividade pelos profissionais nos levantamentos de problemas. Para que esse processo aconteça, o profissional enfermeiro deve ter um preparo sólido, constante e sistemático, além de estar orientado por uma teoria que precisa estar bem-compreendida, experienciada e vivenciada por ele.

Os enfermeiros necessitam atualização constante para qualificar o raciocínio clínico e pensamento crítico necessários para aplicação do Processo de Enfermagem, e assim garantir cuidado seguro e de qualidade. Desta forma faz-se necessário que os enfermeiros atuantes em centro cirúrgico se proponham a implementar adequadamente esse importante instrumento de organização e sistematização do cuidado, além de aplicar diariamente o PE, pois em algumas situações é realizado de forma fragmentada e desconectada da realidade

Portanto, através desta revisão de literatura pode-se constatar a importância da sistematização da assistência de enfermagem enquanto principal mecanismo de atuação do enfermeiro, pois esta aperfeiçoa e melhora a assistência e gerencia de enfermagem, sendo de grande relevância para a prática profissional.

REFERÊNCIAS

ADAMY, E. K.; TOSATTI, M. Sistematização da assistência de enfermagem no período perioperatório: visão da equipe de enfermagem. Revista de Enfermagem da UFSM, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 300 – 310,. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article /view/5054>. Acesso em: 10 abr. 2018. doi:http://dx.doi.org/10.5902/217976925054. 2012

BELLUCCI JUNIOR. J.A; MATSUDA L.M. O enfermeiro no gerenciamento à qualidade em serviço hospitalar de emergência: revisão integrativa da literatura. Rev Gaúcha Enferm., Porto Alegre (RS) v.32, n. 4, p.797-806, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472011000400022 acessado em Abr/2018.

BOTELHO, J.; VELOSO G.B.L.V, FAVERO L. Sistematização da assistência de enfermagem: o conhecimento da equipe de enfermagem de um centro cirúrgico. Enferm. Foco. v.4, n.3, p. 198 – 201. 2013

BRASIL. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 358/2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de enfermagem, e dá outras providências. [Internet]. [citado 2013 Jan. 27]. Disponível em: http://site.portalcofen.gov.br/node/4384.

HENRIQUES, A. H. B.; COSTA, S. S. da; LACERDA, J. de S. Assistência de enfermagem na segurança do paciente cirúrgico: Revisão Integrativa. Cogitare Enferm. Out/dez; v.21, n.4, p. 01-09. 2016.

GRANDO, T.; ZUSE, C L. Dificuldades na implantação da sistematização da assistência de enfermagem no exercício profissional – revisão integrativa. Revista Contexto & Saúde, [S.l.], v. 14, n. 26, p. 28-35, out. 2014. ISSN 2176-7114. Disponível em:

<https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoesaude/article/view/2886>. Acesso em: 13 abr. 2018. doi: https://doi.org/10.21527/2176-7114.2014.26.28-35.

MELO, D. F. F; NUNES, T. A. S; VIANA, M. R. P. R. Percepção do enfermeiro sobre a implantação da sistematização da assistência de enfermagem no centro cirúrgico Rev. Interd. v. 7, n. 2, p. 36-44, abr. mai. jun. 2014

NANDA, North American Nursing Diagnosis Association NANDA Internacional. Diagnósticos de enfermagem da NANDA 2015-2017. Porto Alegre: Artmed; 2015.

PENEDO, R. M.; SPIRI, W. C. Significado da Sistematização da Assistência de Enfermagem para enfermeiros gerentes. Acta paul. enferm.  São Paulo ,  v. 27, n. 1, p. 86-92,  Feb.  2014 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_

arttext&pid=S0103-21002014000100016&lng=en&nrm=iso>. access on  10  Apr.  2018.  http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201400016.

RIBEIRO, E.; FERRAZ, K. M. C; DURAN, E.C. M.. Atitudes dos enfermeiros de centro cirúrgico diante da sistematização da assistência de enfermagem perioperatória. Revista SOBECC, São Paulo, v. 22, n. 4, p. 201-207, dez. 2017. ISSN 2358-2871. Disponível em: <https://revista.sobecc.org.br/sobecc/article/view/231>. Acesso em: 14 abr. 2018. doi:https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201700040005.

RIEGEL, F.; OLIVEIRA JUNIOR J. N de. O processo de enfermagem: implicações para a segurança do paciente no centro cirúrgico. Cogitare Enferm. Jan/mar; v.22, n. 4, p. 01-05, 2017.

SOARES, M.I; RESCK, Z. M. R.; TERRA, F. de S.; CAMELO, S. H. H. Sistematização da assistência de enfermagem: facilidades e desafios do enfermeiro na gerência da assistência Anna Nery [online]. 2015, vol.19, n.1 [cited  2018-04-12], pp.47-53. Available from:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-452015000

100047&lng=en&nrm=iso>.ISSN1414-8145. http://dx.doi.org/10.5935/1414-145.20150007.

SILVA J.P, GARANHANI M.L, PERES A.M.Sistematização da Assistência de enfermagem na graduação: um olhar sob o Pensamento Complexo. Rev. Latino-Am. Enfermagem; v. 23, n.1,p.59-66.DOI:10.1590/0104-1169.0096.2525 www.eerp.usp.br/rlae 2015.

SILVA, V., BARBOSA FILHO, E., QUEIROZ, S., & ABREU, R. Utilização do processo de enfermagem e as dificuldades encontradas por enfermeiros. Cogitare Enfermagem v. 18, n. 2, jun. 2013. ISSN 2176-9133. Disponível em:

<http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/32585>. Acesso em: 14 abr. 2018. doi:http://dx.doi.org/10.5380/ce.v18i2.32585. 2013.

VASCONCELOS R.O, BORGES F, BOHRER D, RIGO D.F.H, MARQUES G.S et al. A sistematização da Assistência de Enfermagem na Percepção de Técnicos e Auxiliares de Enfermagem. Rev. Gestão & Saúde (Brasília) v. 8, n. 3, Set. 2017. P. 379 – 394. 2017.

[1] Artigo apresentado ao Curso de Pós-Graduação em Enfermagem Bloco cirúrgico turma nº …., do Centro de Estudos de Enfermagem e Nutrição/Pontifícia Universidade Católica de Goiás.

[2] Enfermeira, especialistas Bloco Cirúrgico.

[3] Doutora em Ciências da Saúde – FM-UFG, Doutora – PUC-Go, Mestre em Enfermagem – UFMG, Enfermeira, Docente do CEEN

Como publicar Artigo Científico

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here