REVISÃO DE LITERATURA: A ESPIRITUALIDADE DE PESSOAS COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE. [1]

0
985
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

ARAÚJO, Fernando de Oliveira [2]

ARAÚJO, Fernando de oliveira. Revisão de literatura: a espiritualidade de pessoas com insuficiência renal crônica em hemodiálise. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 08, Vol. 03, pp.125-134, Agosto de 2018. ISSN:2448-0959

RESUMO

O objetivo do presente estudo foi discorrer acerca da espiritualidade de pessoas com insuficiência renal crônica em hemodiálise. Optou-se por realizar um estudo do tipo descritivo, exploratório, com análise integrativa da literatura disponível em bibliotecas convencionais e virtuais. Os resultados evidenciaram que a espiritualidade tem um impacto positivo sobre os em hemodiálise, uma vez que os mesmos adquirem novo ânimo e esperança em algo além da enfermidade em si. Concluiu-se, deste modo, a necessidade de busca de conhecimento a respeito da espiritualidade de portadores de insuficiência renal crônica em hemodiálise, a fim de se buscar orientações necessárias, com vistas a minimizar o sofrimento e aumentar a qualidade de vida de pacientes portadores de insuficiência renal crônica em hemodiálise.

Descritores: Hemodiálise, Portadores de Insuficiência Renal Crônica, Espiritualidade, Enfermagem.

INTRODUÇÃO

O interesse em pesquisar a respeito do tema a espiritualidade de pessoas com insuficiência renal crônica em hemodiálise originou-se da necessidade de se adquirir maior conhecimento, enquanto profissional de enfermagem, para melhor atender aos pacientes de hemodiálise.

A insuficiência renal crônica (IRC) consiste na perda da função renal que, por sua vez, evolui gradualmente até à perda total da função dos rins e da filtração e excreção hormonal. Ou seja, o órgão passa a não eliminar substâncias provocando toxicidade que causa distúrbios metabólicos que modifica drasticamente todo o organismo (PENNAFORT e QUEIROZ, 2011).

Hemodiálise é a técnica aplicada para substituir a função excretora dos rins com método de depuração extra renal, através da utilização de máquinas próprias, que se realiza o processo com tempo médio de 4horas. Necessidade de um acesso vascular para depuração extracorpórea são fatores que alteram toda a rotina de vida do portador IRC, pois passa a ser depende da diálise de acompanhamento com restrições que influenciam diretamente no cotidiano do portador IRC (RIELLA, 1996).

Sendo a hemodiálise uma opção de tratamento tem-se a necessidade de instruir os pacientes antes de iniciar o mesmo, já que se trata de um risco e uma mudança drástica em sua rotina. Daí a importância de profissionais de enfermagem capacitados para desempenhar tal função e auxiliando os pacientes na aceitação de novos hábitos rotineiros e conscientizando o mesmo com relação à gravidade da doença e a importância do tratamento (MADEIRA, 2010).

A espiritualidade é uma força, conjunto de consciência de ver ou perceber o mundo de uma maneira diferente, proporcionando capacidade de mover-se em direção ao enfrentamento de problemas, buscando a cura e adaptação as situações estressantes (PENHA e SILVA, 2012).

As doenças renais, hoje, são consideradas um grande problema de Saúde Pública, em face de sua elevada taxa de morbimortalidade, bem como em decorrência de suas repercussões sobre a qualidade de vida da pessoa com a enfermidade. A doença renal crônica atinge 10% da população mundial e afeta pessoas de todas as idades e raças (SARMENTO, 2010).

Em estudo com relação à espiritualidade onde foi abordado pesquisa com portadores de câncer observou que a espiritualidade está presente em momentos difíceis dando coragem, força e aceitação do tratamento (PINTO et al, 2015).

Diante do exposto, observa-se a carência de se aprofundar o conhecimento acerca da a espiritualidade de pessoas com insuficiência renal crônica em hemodiálise. Tendo em vista que é o profissional de enfermagem que geralmente tem maior contato com o paciente, o que lhe confere maior oportunidade de tomar conhecimento das necessidades dos pacientes em hemodiálise.

Nesse sentido surge o questionamento: qual a influência da espiritualidade nos portadores IRC que realizam hemodiálise e quais os benefícios no tratamento?

A resposta a esse questionamento é imprescindível para a elaboração de possíveis e diferenciados procedimentos assistenciais no referente à espiritualidade de pacientes em hemodiálise.

Para a enfermagem, o estudo contribuirá para o aperfeiçoamento do conhecimento e prática a respeito da espiritualidade dos portadores de IRC. Uma vez que se compreende ser de fundamental importância o conhecimento por parte dos profissionais de saúde para que cada vez mais os mesmos deem o suporte necessário para a melhor qualidade no tratamento aos pacientes de hemodiálise.

CAPÍTULO I

1. OBJETIVOS

1.1  Geral

Discorrer acerca da espiritualidade de pessoas com insuficiência renal crônica em hemodiálise, conforme a literatura.

1.2 Específicos

Identificar a influência da espiritualidade sobre pessoas com insuficiência renal crônica em hemodiálise;

Observar quais os benefícios da espiritualidade no tratamento de pessoas de insuficiência renal crônica em hemodiálise.

2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 Trata-se de uma revisão integrativa da literatura com a utilização de método que analisa e resume as pesquisas de maneira sistematizada e contribui para aprofundamento do tema investigado, observando a relação da espiritualidade de pessoas com insuficiência renal crônica na realização da hemodiálise. A questão norteadora do presente estudo foi: Qual a influência da espiritualidade nas pessoas com IRC que realizam hemodiálise é quais os benefícios no tratamento?

O estudo utilizou método de pesquisa por busca on-line das produções cientificas nacionais sobre a espiritualidade na hemodiálise. A obtenção dos dados ocorreu através de buscas processadas por meio de biblioteca virtual em saúde (BVS), utilizando principalmente as bases de dados: literatura latina-américa, publicações de periódicos e do Scientific Eletronic Library Online (SciELO). Foram utilizados os descritores: hemodiálise, portadores de insuficiência renal crônica, espiritualidade e enfermagem.

O acesso à base de dados e a coleta de dados foram realizados em julho de 2017.  Tendo cuidado de obtenção da questão norteadora e exclusão de artigos que não relacionavam diretamente com a questão da espiritualidade. Obteve-se uma amostra inicial de 48 estudos, sendo selecionados 10 que atendem aos critérios de inclusão estabelecidos.

Com a obtenção dos artigos na íntegra foi possível preencher um instrumento, elaborado no Microsoft Word 2010, contendo os seguintes itens: identificação do artigo, ano e país de publicação, idioma, tipo de instituição onde foi realizado o estudo, metodologia empregada e instrumento utilizado.

Os instrumentos de mensuração utilizados nas pesquisas são: escala de avalição da espiritualidade em contextos de saúde elaborado por PINTO C, PAIS-RIBEIRO JL 2007, escala de bem estar espiritual de PALOUTIZIAN E ELLISON 1982, escala de avaliação da autoestima de ROSENBERG 1985, inventário de depressão de BECK traduzido por GORENSTEN E ANDRADE 1996, teste kuscal-wallis, questionário social, avaliação qualidade vida da organização mundial de saúde WHOQOL-BREF e WHOQOL-SRPB 1998, escala Coping religioso-espiritual 2007, escala visual analógica adaptada ao português por Schestatsky 2011, questionário de qualidade vida SF36 e 2 artigos observacionais. As amostras obtiveram dados sociais, bem-estar, dor, aceitação, religiosidade e espiritualidade.

Os critérios de exclusão dos entrevistados definidos por faixa etária igual ou superior 18 anos, aceitar participar da entrevista e ter comunicação, raciocínio lógico e estar em tratamento em centros de hemodiálise. Período que está em hemodiálise não foi critério de exclusão.

CAPÍTULO II

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO

 Foram encontrados 48 artigos, nas bases de dados: literatura latina-américa, publicações de periódicos e do Scientific Eletronic Library Online (SciELO), porém somente 10 foram utilizados, pois atenderam aos critérios de inclusão do estudo. Os anos de maior número de publicações foram no período de 2014 e 2015 com (30%) em cada ano e menor índice de publicações foi 2008 com (10%). Não se pode ser justificado um aclive de índice de publicações, pois os artigos atendem um curto período de tempo.

Quanto à metodologia da pesquisa utilizada nos estudos a que prevaleceu foi a análise quantitativa, com 90% do instrumento de mensuração, podendo ter considerado evidências fortes das pesquisas de campo quantitativas para obter dados que justifiquem a espiritualidade nas pessoas com IRC que realizam hemodiálise.

Os instrumentos mensuradores utilizados demonstram que 41,6% utilizaram escala de avalição da espiritualidade em contextos de saúde elaborado por PINTO C, PAIS-RIBEIRO JL 2007. Neste estudo de caso, foi elaborado para criação de uma escala de avaliação da espiritualidade em contextos de saúde aplicada a 426 pessoas com cancro e que se encontravam em situação de follow-up contendo cinco itens de fácil compreensão e resolução dos resultados (PINTO C, PAIS-RIBEIRO JL 2007).

Tabela 1. Distribuição dos estudos que foram publicados referentes ao ano, autor e período.

Estudo

analisados

Ano Autor Publicado
1 2014 Rusa et al Rev Latina- Am. de enfermagem
2 2014 Ottaviani et al. Rev Latina- Am. de enfermagem
3 2015 Correia et al. Rev .Cogitare Enfermagem UFPR
4 2015 Malaguti et al. Rev Medicina Ribeirão Preto
5 2015 Chaves et al. Psicol. Reflex. Crit
6 2014 Nunes et al. Rev Medico Residente
7 2012 Manfrim et al. Rev Colloquium Vitae
8 2013 Burelle et al. Rev Ciência, Cuidados e Saúde Magungá –UEM.
9 2012 Valcanti el tal. Rev Esc Enfermagem USP
10 2008 Kussumoto et al. Rev Acta Paul Enfermagem

 

Tabela 2. Análise de estudos quanto ao método e instrumento mensurador utilizado em pesquisas.

Estudo analisados Método aplicado Instrumento mensurador
1 Quantitativo Avaliação qualidade vida da organização mundial de saúde WHOQOL-BREF e WHOQOL-SRPB 1998.
2 Quantitativo Escala de avalição da espiritualidade em contextos de saúde elaborado por PINTO C, PAIS-RIBEIRO JL 2007, Escala de esperança de HEARTH 2012
3 Quantitativo Escala de avalição da espiritualidade em contextos de saúde elaborado por PINTO C, PAIS-RIBEIRO JL 2007.
4 Quantitativo Escala de avalição da espiritualidade em contextos de saúde elaborado por PINTO C, PAIS-RIBEIRO JL 2007, Questionário de qualidade vida SF36, Escala visual analógica adaptada ao português por Schestatsky 2011.
5 Quantitativo Escala de bem-estar espiritual de PALOUTIZIAN E ELLISON 1982, Questionário social.
6 Quantitativo Escala de avalição da espiritualidade em contextos de saúde elaborado por PINTO C, PAIS-RIBEIRO JL 2007, Inventário de depressão de BECK traduzido por GORENSTEN E ANDRADE 1996, teste kuscal-wallis.
7 Quantitativo Escala de avalição da espiritualidade em contextos de saúde elaborado por PINTO C, PAIS-RIBEIRO JL 2007, Questionário de qualidade vida SF36, Escala Coping Religioso Espiritual Breve 2017.
8 Observacional descritivo Não se aplica
9 Quantitativo Escala Coping Religioso Espiritual Breve 2017.
10 Quantitativo Sócio demográfico, Avaliação de QVRS, Mini Exames do Estado Mental MEEM.

 

Tabela 3. Distribuições das publicações segundo o título, objetivo, amostra e resultados/conclusão.

Estudo analisados Titulo Objetivo do estudo Amostra Resultados/ Conclusão
1 Qualidade de vida/ espiritualidade, religião e crenças pessoais de adultos e idosos reanis crônicos em hemodiálise. Avaliar a qualidade de vida de pacientes renais crônicos em hemodiálise, por meio do WHOQOL-bref e WHOQOL-Spirituality, Religion and Personal Beliefs Amostra de 110 sujeitos portadores de IRC dialíticos. Com a aplicação do WHOQOL-SRPB, observou-se que os doentes renais crônicos apresentaram elevados escores de QV, especificamente nas dimensões referentes à espiritualidade, religião e crenças pessoais. Dentre essas, “fé” e “admiração” foram as mais elevadas.
2 Esperança e espiritualidade de pacientes renais crônicos em hemodiálise: Estudo Correlacional. Analisar a relação entre a esperança e a espiritualidade de pacientes renais crônicos em tratamento hemodialítico. Avaliação de 127 sujeitos portadores de IRC dialíticos. Obteve na pesquisa que a espiritualidade se apresenta positiva e com moderada magnitude entre os domínios pesquisados.
3 Utilização da escala de avaliação da espiritualidade em pacientes portadores de lesão renal em hemodiálise. Avaliar a espiritualidade de pacientes em hemodiálise, fundamentada na escala de avaliação da espiritualidade em contextos de saúde. Avaliação de 80 pacientes portadores de IRC que realizam hemodiálise. Analisou a distribuição das expressões de espiritualidade e crenças pessoais demonstrou em maioria estava plenamente de acordo quanto à expressão “As minhas crenças espirituais/religiosas dão sentido à vida” e 70% dos entrevistados estavam plenamente de acordo com expressão “fé e crenças dão forças nos momentos difíceis”.
4 Relação entre qualidade de vida e espiritualidade em pacientes renais crônicos que realizam hemodiálise. Analisar os escores de espiritualidade e suas possíveis relações com qualidade de vida em pacientes com DRC submetidos à hemodiálise. Amostra de 100 pacientes portadores de

IRC que realização hemodiálise.

Entre os métodos aplicados apresentou escores de espiritualidade com maior aplicação em vitalidade e qualidade de vida.
5 Associação entre bem-estar espiritual e autoestima em pessoas com insuficiência renal crônica em hemodiálise Analisar avaliar o bem-estar espiritual e a autoestima de pacientes com IRC em HD e investigar a relação entre ambas. Avaliação de 118 sujeitos Os entrevistado apresentaram um elevada autoestima e um moderado bem estar espiritual constatando que  maior foi bem-estar espiritual maior será a autoestima.
6 Autoestima depressão e espiritualidade em pacientes portadores de doença renal crônica em tratamento hemodiálise. Avaliar a autoestima, depressão e espiritualidade em pacientes portadores de doença renal crônica submetidos à hemodiálise. Avaliação de 62 pacientes renais crônicos. Apresentou baixa autoestima, 48.4% depressão e professam mais crença do que esperança/otimismo em relação aos três níveis de depressão.
7 Qualidade de vida e a relação entre percepção e saúde e espiritualidade em pacientes renais crônicos que realizam hemodiálise Analisar a relação entre os scores de espiritualidade / religiosidade com a QV e a percepção de saúde Avaliação de 115 sujeitos Apresentou evidencias espiritualidade, com quase todos os domínios e após os ajustes realizados, permaneceu a sua relação com os domínios vitalidade, saúde mental e qualidade de vida.
8 A espiritualidade com ferramenta de apoio no tratamento dialítico. Realizar uma reflexão acertada espiritualidade em pacientes em tratamento dialítico. Amostra não foi quantificada apenas descritivo observacional. Observou-se nos pacientes em tratamento dialítico que a maioria possui uma forte ligação com seu lado espiritual buscando sempre uma explicação para sua condição.
9 Coping religioso/espiritual com doença renal crônica em tratamento hemodiálise. Investigar o uso do coping religioso/espiritual em pacientes com doença renal crônica em hemodiálise. Neste estudo 123 pacientes com doença renal crônica em tratamento hemodiálise. Identificou que quanto maior renda familiar maior pratica religiosa e baixa renda familiar interferiu de modo negativo na utilização coping religioso.
10 Adulto e idosos em hemodiálise: avaliação da qualidade de vida relacionada à saúde. Caracterizar os adultos idosos em hemodiálise residentes em ribeirão preto-SP; Avaliar e descrever as diferenças de qualidade de vida relaciona à saúde. Neste estudo 194 pacientes IRC que realizam hemodiálise. A Qualidade de vida relacionado a saúde é um aspecto importante em pessoas com doenças crônicas graves e limitantes que se submetem a tratamentos prolongados e dolorosos e apresentam maior vulnerabilidade às co-morbidades, como é o caso dos pacientes em tratamento por hemodiálise.

 

A tabela 3 corresponde às publicações analisadas e às principais metas alcançadas. Pôde-se obter fundamentos quanto a espiritualidade com meio de favorecimentos as pessoas com insuficiência renal crônica mesmo com utilização de diferentes instrumentos mensuradores.

A espiritualidade em pessoas com IRC que realizam tratamento com hemodiálise pode ser observada, com a utilização de vários métodos mensuradores, pode-se ter uma visão ampla de conhecimento que tem relação com a espiritualidade (SOUZA JÚNIOR et al., 2015).

A utilização de aspecto populacional e social apresentaram-se em 9 artigos com domínios de gênero, idade, cor, escolaridade, renda, estado civil e religião. Entre 5 artigos não relacionados diretamente a espiritualidade com algum dos domínios supracitados. Em 4 artigos foram observados alguns dos domínios para melhor relacionar e facilitar o entendimento proposto como se pode notar os casos onde há demonstração de coping religioso/espiritual positivo para menor idade, sexo feminino, maior renda e que frequenta semanalmente a igreja.

Pode-se ter uma melhor comparação com espiritualidade a diferença entre as pessoas entrevistadas nas pesquisas supramencionadas.

Com relação à qualidade de vida, pôde ser mensurada pelo instrumento SF-36, sendo o questionário de avaliação da qualidade de vida, que tem como propósito avaliar os aspectos positivos e negativos do bem-estar e doença (CORREIA et al, 2015).

O artigo demonstra que os domínios aplicados têm menor índice em domínio físico. Sua justificativa pode ser respondida pelo fato de que aplicou questionário de qualidade de vida relacionada à saúde com domínio de dimensão funcional físico onde obteve maior número de co-morbidades entre adultos e idosos, relacionado ao tratamento e limitações ocasionadas pela doença (CORREIA et al, 2015).

A fé é um fator importante no tratamento e enfrentamento da doença, trazendo o conforto aos portadores de insuficiência renal crônico. Isto, pode ser evidenciado na utilização da escala de avalição da espiritualidade em contextos de saúde elaborado por PINTO C, PAIS-RIBEIRO JL. Demonstra uma maior concordância nas repostas obtidas nos artigos que utilizaram o instrumento “a minha fé e crenças dão-me forças nos momentos difíceis” chegando a 70% dos entrevistados com maior índice na pesquisa (ROXO e BARATA, 2015; CORREIA et al, 2015)

A religião pode ser vista como uma crença de algo superior, que influência diretamente no bem-estar na redução do estresse e aceitação do tratamento, como pode ser observado nas pesquisas, são apontadas a religião católica, evangélica e outras religiões como critério de amostras, em sua maioria sendo praticantes, justificando a religião como fatores de melhoria no tratamento (OTTAVIANI et al, 2014).

Religiosidade tem relação direta com espiritualidade, mais não são sinônimas, pois religiosidade têm propósito de doutrina, culto, sendo compartilhada por grupos com valores específicos. Já espiritualidade é relacionada diretamente com propósito da vida, algo além do que pode ser visto ou plenamente entendido (STROPPA e ALMEIDA, 2008).

O profissional que realiza os cuidados e procedimentos com pessoas com IRC na hemodiálise deve ter um olhar holístico de maneira integral tanto em relação à sua própria espiritualidade e dos pacientes, sendo considerado no processo assistencial, pois gera benefício a utilização da espiritualidade como ferramenta para promover melhorias na assistência prestada (LEMOS et al., 2010).

Observa-se que o enfermeiro participa diretamente na rotina da pessoa com IRC, assim, cabe a ele ter a visão geral do paciente quanto à espiritualidade, físico, mental e social para auxiliar o máximo possível, ao paciente e familiares, para tratamento na obtenção de bons resultados.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O objetivo deste estudo foi alcançado, visto que se evidenciou a importância da espiritualidade na vida das pessoas que fazem tratamento de hemodiálise.

Observou-se que a maioria dos pacientes colocam a espiritualidade acima da medicina, buscando se agarrarem em uma força maior, pois, a espiritualidade exerce influência direta na qualidade de vida, adesão do tratamento e suas restrições.

Nesse sentido, cabe aos profissionais de saúde ter percepção da espiritualidade das pessoas que fazem tratamento de hemodiálise, a fim de utiliza-la com ferramenta que promove bem-estar ao paciente e seus familiares.

REFERÊNCIAS

BURILLE, A. et al. A espiritualidade como ferramenta de apoio no tratamento dialítico. Rev Ciência, Cuidados e Saúde Magungá –UEM 2013.

CHAVES, E. C. L. et al. Associação entre Bem-Estar Espiritual e Autoestima em Pessoas com Insuficiência Renal Crônica em Hemodiálise. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 28, nº 4, p. 737-743, Dec. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/prc/v28n4/0102-7972-prc-28-04-00737.pdf>. Acesso: 21 set. 2017.

CORREIA, Ana L. R. et al. Utilização da escala de avaliação da espiritualidade em pacientes portadores de lesão renal em hemodiálise. Cogitare Enferm., v. 20, nº 3, p. 489-495, jul./set. 2015. Disponível em: <http://docs.bvsalud.org/biblioref/2016/08/1157/40816-162820-1-pb.pdf>.

KUSUMOTO L, MARQUES S, HAAS V J, RODRIGUES RAP. Adultos e idosos em Hemodiálise: avaliação da qualidade de vida relacionada à saúde. Acta Paul Enferm., v. 21 (número especial), p. 152-9, 2008.

LEMOS, R.C.A.; JORGE, L.L.R.; ALMEIDA, L.S.; CASTRO, AC. Visão dos enfermeiros sobre a assistência holística ao cliente hospitalizado. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. V. 12, nº 2, p. 354-9; abr./jun., 2010.

MADEIRO, A. C. et al. Adesão de portadores de insuficiência renal crônica ao tratamento de hemodiálise. Acta Paulista de Enfermagem, v.23, p. 546-551, 2010.

MALAGUTI, Isabela et al. Relação entre qualidade de vida e espiritualidade em pacientes renais crônicos que realizam hemodiálise. Medicina (Ribeirao Preto. Online), Ribeirão Preto, v. 48, n. 4, p. 367-379, dec. 2015. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/108154>. Acesso: 21 set. 2017.

MANFRIM P.B. et al. Qualidade de vida e a relação entre percepção de saúde e espiritualidade em pacientes renais crônicos que realizam hemodiálise. Rev Colloquium Vitae, v. 4 nº Especial, jul-dez, 2012.

MOREIRA DS, Vieira MRR. Crianças em tratamento dialítico. A assistência pelo enfermeiro. Arq. Ciência saúde. v. 171, p. 27-34, 2010.

NUNES, F.A. et al. Autoestima, depressão e espiritualidade em pacientes portadores de doença renal crônica em tratamento hemodialítico. Rev. Med. Res., Curitiba, v.16, nº 1, p. 18-26, jan./mar. 2014.

OTTAVIANI, A.C. et al. Esperança e espiritualidade de pacientes renais crônicos em hemodiálise: estudo correlacional. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 22, nº 2, p. 248-54, mar./abr. 2014.

PENNAFORT, V.P.S.; QUEIROZ, M.V.O. Componentes clínicos associados aos cuidados de enfermagem a crianças e adolescentes com doença renal crônica. Rev Rene, Fortaleza; v. 12, nº 4, p.758-66, out/dez, 2011.

PENHA, R.M.; SILVA, M.J.P. Significado de Espiritualidade para a Enfermagem em Cuidados Intensivos. Texto Contexto Enferm. v. 21, nº 2, p. 260-8, 2012.

ROXO, N.E.; BARATA, R.C. Relação Diádica e Qualidade de Vida de Pacientes com Doença Renal Crônica. J Bras Nefrol; v. 37, nº 3, p. 315-322, 2015.

RUSA, Suzana Gabriela et al. Qualidade de vida/espiritualidade, religião e crenças pessoais de adultos e idosos renais crônicos em hemodiálise. 22. ed. Revista Latino-Americana Enfermagem, São Carlos, p. 911-7, 2014.

SARMENTO, T. C. Qualidade de vida de pacientes dialíticos: um estudo quantitativo em um serviço de hemodiálise. 2010. 73 f. Monografia (Graduação) – Faculdade Santa Maria, Cajazeiras, 2010.

SOUZA JÚNIOR, E.Á.; TROMBINI, D.S.V.; MENDONÇA, A.R.A.; VON ATZINGEN, A.C. Religião no tratamento da doença renal crônica: comparação entre médicos e pacientes. Rev. bioét. (Impr.). v. 23, nº3, p. 615-22, 2015.

STROPPA, A.; ALMEIDA, A.M. Religiosidade e saúde. In: Salgado MI, Freire G. Saúde e espiritualidade: uma nova visão da medicina. Belo Horizonte: Inede; 2008. p. 427- 43.

TADDEO FILHO, L. Diálise e hemodiálise. In: FERNANDES, A. T. elt al. Infecções hospitalar e suas interfaces na área da saúde. São Paulo: Atheneu, 2000. Cap. 37, p. 771-88.

VALCANTI, C. C. et al. Coping religioso/espiritual em pessoas com doença renal crônica em tratamento hemodialítico. Rev. esc. enferm. USP, v.46 nº 4 São Paulo, Ago. 2012.

[1] Pontifícia Universidade Católica de Goiás centro de estudo de enfermagem e nutrição pós graduação lato sensu em nefrologia

[2] Enfermeiro

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here