Relato de experiência: a gestão da enfermagem em uma clínica de gastroenterologia

0
622
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

ARTIGO DE REVISÃO

SILVA, Rosirene Martins da [1], BRASILEIRO, Marislei Espíndula [2]

SILVA, Rosirene Martins da. BRASILEIRO, Marislei Espíndula. Relato de experiência: a gestão da enfermagem em uma clínica de gastroenterologia. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 04, Ed. 04, Vol. 05, pp. 128-135. Abril de 2019. ISSN: 2448-0959.

RESUMO

Fato é a necessidade de uma enfermeira nas mais variadas rotinas assistenciais, ora no hospital, ora em uma clínica. O presente trabalho tem por função basilar a demonstração de tão importante carreira, tendo em vista a precisão de um cuidado rápido, eficaz e seguro para com os pacientes. Salienta-se ainda que a função de uma enfermeira não somente está restringida a assistência, isto é, os cuidados direto ao paciente. Tanto quanto a área supracitada, a gestão deve sempre conter o profissional de enfermagem como requisito de contingente, pois é a certeza que a visão de cuidado, eficácia e resultado, previstos nas metas internacionais de segurança do paciente, estará inserida desde a gestão aos que estarão em contato com os pacientes in locu.

Palavras-Chaves: Enfermagem, Gestão e Gastroenterologia.

INTRODUÇÃO

A enfermagem continua profundamente empenhada no desenvolvimento de sua base própria e exclusiva de conhecimentos e na educação dos seus acadêmicos. Ao identificar essa base, vários conceitos, modelos e teorias específicas à enfermagem têm sido reconhecidos, definidos e desenvolvidos (MARZIALE, 2010).

Uma base de conhecimentos específicos assim como os meios para comunicação são os requisitos para uma profissão. Um conjunto de conceitos inter-relacionados, definições e proposições que apresentam uma sistemática de investigação de fatos/eventos pela especificação das relações entre variáveis, bem como a finalidade de explanação no intuito da prevenção deste se tornou entendimento consolidado entre os nobres teoristas de enfermagem.

Por outro lado, esta definição pode ser desmembrada em ideias chave de conceitos inter-relacionados e proposições especificando relações entre as variáveis e finalidade declarada de explicar ou prever os fatos/eventos. Simplificando tudo isto, pode-se afirmar que toda teoria sugere uma direção de como ver os fatos e os eventos (SANTOS,2016).

Sendo assim, compreende-se que a enfermagem é composta de conceitos, definições e de proposições. Estas explicam o relacionamento entre os conceitos. Por exemplo, Nightingale propôs uma relação benéfica entre o ar fresco e a saúde. As teorias são baseadas em pressupostos declarados, apresentados como suposições. Os pressupostos teóricos, assim como uma declaração de valor ou ética, podem ser tomados como “verdade”, pois não podem ser empiricamente testados. Uma teoria pode ser apresentada como um modelo que proporciona um diagrama ou um mapa de seu conteúdo.

Sendo assim este trabalho abrange diversas informações acerca do conceito real de enfermagem, gestão hospitalar, dados sobre clínica de gastroenteorologia e a importância do enfermeiro neste ambiente laboral. O trabalho ainda conta com relatório de experiência, onde foi feita uma análise sob a ótica de uma clínica de gastroentereologia que tem atendimento gástrico e que possui uma equipe de enfermeiros e equipe técnica, demonstrando algumas normas e rotinas, o histórico da clínica e o papel da equipe no atendimento à saúde.

OBJETIVO

Relatar uma experiência enquanto enfermeira na gestão da clinica de Gastroenterologia.

RELATO DE EXPERIÊNCIA

Para fins éticos, a clínica será chamada de Gastroenterologia X. Fundada em 2009, surgiu com o objetivo de fornecer atendimento de excelência na área da Gastroenterologia e Endoscopia Digestiva, reunindo profissionais altamente capacitados e tecnologia de ponta em um ambiente humanizado e dentro de padrões internacionais de qualidade. Possui 100% do seu corpo clínico com o Título de Especialista nas especialidades de Gastroenterologia e Endoscopia Digestiva.

A clínica conta ainda com uma equipe capacitada de Anestesiologia para a realização de procedimentos endoscópicos, proporcionando um maior bem-estar aos nossos pacientes. Em procedimentos mais avançados com a colangiopancreatografia retrógrada endoscópica – C.P.R.E; Gastrostomia, Jejunostomia e Vídeo Endoscopia Digestiva Alta em crianças e/ou pacientes em estado grave, a praticidade de estar localizado no centro de excelência do complexo hospitalar de referência, assegura ainda mais a certeza de poder transpassar uma maior segurança e conforto a todos os pacientes.

Com ambulatório possuindo 4 (quatro) consultórios, a clínica GastroClass oferece consultas nas especialidades de gastroenterologia, proctologia, gastro-pediatria e hepatologia. Ainda dispõe de 3 (três) salas novas e amplas de exames para realização de todos os procedimentos de Endoscopia e Colonoscopia com conforto e segurança. Após os exames os pacientes são direcionados ao espaço de repouso que possui 7 poltronas reclináveis, 01 maca de transporte e 2 cadeiras de rodas. Temos também uma sala de reprocessamento de materiais endoscópicos. e 2 recepções sendo 01 para atendimento de consultas ambulatoriais e a outra para realização de exames e entrega de laudos.

Visando uma maior capitalização e fidelização do paciente, há um setor responsável por toda a comunicação da empresa, visando assim uma maior praticidade, excelência e rapidez no atendimento, quer seja telefônico quer seja por meios midiáticos, bem como plataformas de conversação online.

A Rotina das atividades desenvolvidas pela gestora começa com a preparação das salas de exames conforme escala de distribuição diária, ao verificar a locação de cada colaborador o mesmo deverá realizar check list das salas para que não seja necessário ausentar-se durante toda a realização dos procedimentos.

A preparação dos medicamentos a serem administrados durante os exames requer dupla checagem das mesmas para que não ocorra nenhum tipo de evento adverso. É de suma importância verificar a lista com o nome de cada paciente e o procedimento que o mesmo irá realizar.

Todos os materiais coletados durante os exames são identificados e protocolados para serem encaminhados para laboratório de Análises patológicas. Caso o procedimento precisar de materiais de OPME e necessário agendar o procedimento para uma nova data e aguardar a autorização do convênio.

Todos os laudos dos exames são liberados com a assinatura do médico e entregue ao acompanhante e dado todas as orientações pertinentes. Os pacientes só poderão ser liberados após a alta médica e avaliação da enfermeira que irá realizar exercícios de psicomotricidade visando sanar o risco de quedas, caso haja alguma dificuldade de locomoção o paciente será transportado na cadeira de rodas pela equipe de enfermagem.

A verificação dos aparelhos, lavagem e calibragem, são feitos diariamente pela manhã para que assim possamos sempre ter a certeza de uma manutenção preventiva e efetiva.

Esta é, portanto, a rotina da Enfermeira que gerencia a clínica.

DISCUSSÃO

Toda essa rotina é descrita em um protocolo a ser seguido fidedignamente por toda a equipe assistencial, conforme prevê as exigências de excelência da ONA – ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO 2018.

A avaliação da qualidade dos serviços é um importante instrumento para direcionar o planejamento, a gerência, a alocação de recursos, a padronização na prestação dos serviços e as políticas na atenção à saúde (MARZIALE, 2010).

Enfermagem é a arte de cuidar e a ciência cuja essência e especificidade é a assistência/cuidado ao ser humano, individualmente, na família ou em comunidade de modo integral e holístico, desenvolvendo de forma autônoma ou em equipe atividades de promoção, proteção, prevenção, reabilitação e recuperação da saúde, tendo todo embasamento científico para tal (MARZIALE, 2010).

O conhecimento que fundamenta o cuidado de enfermagem deve ser construído na intersecção entre a filosofia, que responde à grande questão existencial do homem, a ciência e tecnologia, tendo a lógica formal como responsável pela correção normativa e a ética, numa abordagem epistemológica efetivamente comprometida com a emancipação humana e evolução das sociedades (SANTOS, 2016).

A busca, a exigência pela qualidade e segurança nos serviços de saúde é um fenômeno mundial, em decorrência da crescente conscientização de que, na sociedade contemporânea, a qualidade é considerada um requisito essencial na sobrevivência econômica e, mais importante ainda, em certo ponto de vista, uma responsabilidade ética e social (SANTOS, 2016).

Devido essa mudança no comportamento do consumidor, trazendo competitividade ao mercado, as instituições hospitalares têm priorizado atender a seus pacientes da forma mais adequada. Por isso, toda clínica deve preocupar-se com a melhoria permanente da qualidade de sua gestão e assistência, buscando soluções em órgãos capacitados em avaliar processos internos e apontar direções para um atendimento em excelência, mantendo assim, a clínica ou empresa, seu lugar no mercado e a satisfação e segurança do seu paciente.

Entende-se que a busca pela qualidade na prestação de serviço por parte das instituições de saúde é um processo contínuo e reflete a importância da melhoria da qualidade da saúde e sua assistência aos pacientes.

Segundo o Centro de Diagnóstico em Gastrenterologia (2017), a Gastrenterologia ou Gastrenterologia é a especialidade médica que se ocupa do estudo, diagnóstico e tratamento clínico das doenças do aparelho digestivo ou aparelho digestório.

De modo geral “a profissão de enfermeiro é regulamentada pela Lei nº 7.498/86, que determina, entre outras necessidades, que a enfermagem e suas atividades auxiliares somente podem ser exercidas por profissionais legalmente habilitados e inscritos no Conselho Regional de Enfermagem” (DITTRICK, 2017).

É determinante, no entanto, e legal diante do ordenamento jurídico a presença de enfermeiro para exercer a supervisão e orientação de técnicos e auxiliares de enfermagem (art. 15 da Lei nº 7.498/86). Existe, em sede de direito médico e da saúde,uma infinidade de decisões administrativas e judiciais no sentido de que o cumprimento desta exigência não se faz necessário em clínicas médicas onde são aplicados procedimentos ambulatoriais simples (DITTRICK, 2017).

Para Paes (2005), o papel inicial da enfermeira era auxiliar e dar apoio ao paciente no prelúdio do procedimento realizado pelo médico. Porém, observou-se que as unidades ou serviços de endoscopia bem sucedidas necessitam de um profissional para auxiliar no cuidado do paciente e encarregar-se sobre os padrões e rotinas dentro das unidades de endoscopia digestiva alta, realizando os seguintes cuidados: manutenção de equipamentos, distinção do materiais a serem utilizados no decorrer de cada procedimento, concepção dos formulários dos pacientes, controle de medicamentos e acompanhar o paciente após o término do exame, registrando todo o procedimento em um relatório do serviço de saúde.

As responsabilidades concedidas a enfermeira são diversas, exigindo cuidados antes, durante e após a alta no término de procedimento na unidade de endoscopia digestiva. A enfermeira deverá sistematizar a equipe de enfermagem proporcionando qualidade na segurança do procedimento e satisfação do paciente.(SILVA,2010)

Entende-se que não apenas em clínicas de gastroenteorologia mas também em outras instituições de saúde é necessário a presença do enfermeiro, visto que o mesmo tem como função cuidar e promover a saúde por meio de ações preventivas (VALENTE, 2018).

CONCLUSÃO

É por meio do enfermeiro que se poder ter a certeza de que os cuidados diários e diretos ao paciente serão tomados com total responsabilidade, segurança e zelo.

Todos os protocolos inseridos na clínica têm por princípio basilar as metas de segurança do paciente. Ademais, ressalta-se ainda que os controles desses protocolos são realizados trimestralmente e apresentados ao hospital, tendo em vista que tanto o hospital como a clínica seguem rigorosamente o padrão estipulado pela ONA – Organização Nacional de Acreditação. Sendo assim, todo e qualquer paciente que adentre as dependências da clínica poderá contar com uma equipe capacitada, ambiente agradável e seguro.

Salienta-se, portanto, que é por meio do enfermeiro responsável que pode-se chegar a esse patamar de excelência, pois seu serviço tanto de checagem, assistencial ou operacional tem como resultante maior a qualidade e o bem-estar do paciente.

REFERÊNCIAS

DITTRIX, Vinicius, A lei exige que clínicas médicas tenham profissionais de enfermagem? 2017. Disponível em https://jus.com.br/artigos/59366/a-lei-exige-que-clinicas-medicas-tenham-profissionais-de-enfermagem, Acessado dia 09 de dez de 2018.

GAMA, Hospital Regional. Disponível em http://maisbrasilia.com/mb2011/noti cias/conteudo/2339/Hospital_Regional_do_Gama_completa_44_anos_de_muita_hist%C3%B3ria. Acessado dia 12 de dez de 2018.

KOERICH, Daywson Pauli. As competências necessárias requeridas ao enfermeiro no APH. 2004. Disponível em: Resgate e Salvamento. Acesso em 10/12/2018

MARZIALE, M. H. P. Contribuições do Enfermeiro do Trabalho na Promoção da Saúde do Trabalhador. Revista ACTA PAUL Enfermagem, São Paulo, v.23, n.2, 2010.

SANTOS, P. C; SILVA, S. A. D. Parada Cardiorespiratória no Adulto: aspecto clínico tratamento farmacológico e atuação do enfermeiro; 2016

PAES, Obrigatoriedade da presença do Enfermeiro durante o procedimento de Endoscopoa Digestiva Alta (EDA) e outros procedimentos endoscópicos. COREN conselho regional de enfermagem. 2010. Dísponivel em: http://www.coren-df.gov.br/site/nd-0212010-obrigatoriedade-da-presenca-do-enfermeiro-durante-o-procedimento-de-endoscopia-digestiva-alta-eda-e-outros-procedimentos-endoscopicos/

Silva, M.G. Enfermagem em endoscopia digestiva e respiratória. São Paulo: Atheneu: editora 2010.

VALENTE, G. S. C.; FALCÃO, P. M. A atuação do enfermeiro do trabalho em empresas de grande porte: uma reflexão sobre a temática socializada no Brasil. R. pesq.: cuid. fundam. Online. v.3, n.2, p.1764-75. Acessado dia 10 de dez de 2018.

Trabalho apresentado ao Curso de Pós MBA Gestão Hospitalar Turma nº 04 do CEEN/PUC-Go.

[1] Enfermeira, Especializanda em MBA Gestão Hospitalar.

[2] Enfermeira, Docente do CEEN.

Enviado: Fevereiro, 2019

Aprovado: Abril, 2019

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here