REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Perfil epidemiológico dos casos de tuberculose em Belém – PA no período de 2016 a 2019

RC: 110329
379
5/5 - (10 votes)
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!

CONTEÚDO

ARTIGO DE REVISÃO

CRUZ NETO, Manoel Samuel [1], GUERRA, Tatielly Emelly Cunha [2], SOUSA, Eloá Manoeli Cardoso [3], MORAES, Paula Layse Almeida [4], LOPES, Bianca Brandão Almeida [5], OLIVEIRA, Leticia Gomes de [6], SILVA, Maycom Carvalho [7], FECURY, Amanda Alves [8], DIAS, Cláudio Alberto Gellis de Mattos [9], MOREIRA, Elisângela Claudia de Medeiros [10], DENDASCK, Carla Viana [11], SOUZA, Keulle Oliveira da [12], OLIVEIRA, Euzébio de [13]

CRUZ NETO, Manoel Samuel. et al. Perfil epidemiológico dos casos de tuberculose em Belém – PA no período de 2016 a 2019. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano. 07, Ed. 03, Vol. 04, pp. 133-144. Março de 2022. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/casos-de-tuberculose, DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/saude/casos-de-tuberculose

RESUMO

Introdução: A tuberculose é uma infecção crônica e progressiva, frequentemente com um período de latência seguindo a infecção inicial. As manifestações clínicas incluem tosse produtiva, hipertermia, perda de peso e mal-estar. Método: Trata-se de uma pesquisa quantitativa, os dados foram coletados a partir de consulta do banco de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), as variáveis analisadas: escolaridade; raça; sexo; faixa etária e o tipo de entrada. Resultado e Discussão: O sexo masculino tem o maior percentual, representando 67,1 %. A faixa etária foi entre 20 a 39 anos de idade, no total de 43,5 %. É observado a prevalência de alta notificação dos casos novos entre os tipos de entrada, totalizando 83,1%. A predominância de casos é encontrada na raça parda com percentual de 81,2% e quando relacionado com a escolaridade o maior número é daqueles que possuem o ensino médio completo, com 29,4%. Conclusão: Em vista disso, constata-se a necessidade de intervenção governamental para grupos mais expostos, aplicação de políticas públicas voltadas para esse público vulnerável e toda a população do município, visando a prevenção, tratamento e recuperação da doença.

Palavras-chave: Tuberculose, Perfil epidemiológico, Políticas Públicas.

1. INTRODUÇÃO

A Tuberculose (TB) é infecção crônica e progressiva, frequentemente com um período de latência seguindo a infecção inicial. A doença acomete geralmente os pulmões. As manifestações clínicas incluem tosse produtiva, hipertermia, perda de peso e mal-estar. Os principais métodos de profilaxia e de contenção da tuberculose é a detecção precoce e o tratamento do paciente até a cura. Também está inclusa na prevenção da doença a imunização pela vacina Bacilo de Calmette Guérin (BCG), o tratamento da Infecção Latente pelo Mycobacterium. tuberculosis – ILTB e o controle de contatos (BRASIL, 2018, 2011).

No aspecto mundial, em um valor próximo de 10 milhões de pessoas desenvolveram TB em 2017. O total de casos novos está caindo cerca de 2% ao ano, embora tenham ocorrido reduções de forma acelerada no continente europeu e africano entre 2013 e 2017 (OPAS, 2018). A doença afeta desproporcionalmente pessoas do sexo masculino, adultos jovens e países de baixa renda, apontando para a associação entre a ocorrência de TB e fatores socioeconômicos (BRASIL, 2020).

De acordo com a OMS, o Brasil atingiu as metas dos Objetivos Desenvolvimento do Milênio relacionados à incidência e mortalidade por tuberculose, contribuindo, assim, para redução da carga da TB no mundo. O Brasil é o país que possui a maior taxa de detecção entre os países de alta carga (OMS, 2015, 2017). No ano de 2019, foram diagnosticados 73.864 casos novos de TB, correspondendo assim a um coeficiente de incidência de 35,0 casos/100 mil habitantes. Ao identificar distribuição espacial da doença por regiões brasileiras, é possível perceber uma maior concentração da infecção de casos nas regiões Sudeste E Norte respectivamente, sendo a cidade de Belém detentora de um dos maiores coeficientes de incidência do país. (BRASIL, 2020).

No Brasil, o Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT), atua estruturando e implementando diretrizes e políticas públicas para o controle e redução do acometimento da infecção no país (MANUAL, 2019). O PNCT prioriza da atenção primária em saúde para desenvolver ações de vigilância, prevenção, controle e tratamento, com a finalidade de reforçar a aderência por parte dos pacientes, saber as fontes de infecção, acompanhar a progressão da infecção para restabelecer sua saúde, e intervir na transmissão para a comunidade, essas medidas são possíveis por meio de tal estratégia que priorizar a atenção básica e dessa forma expandir seu acesso universal para toda população (ANDRADE, et al., 2017).

Em 2014, durante a Assembleia Mundial de Saúde, na Organização Mundial da Saúde (OMS), foi adotada a atual estratégia a nível global para o enfrentamento da TB, com a visão de um mundo livre da tuberculose até 2035. O Brasil teve o papel de destaque ao ser o principal proponente da estratégia e principalmente por sua experiência com o SUS e com a Rede Brasileira de Pesquisas em Tuberculose (Rede-TB) (BRASIL, 2017).  A delicada situação da TB na capital de Belém e no mundo está intimamente ligada à situação econômica que tem como principal agente o acelerado crescimento urbano que por consequência tem colaborado com o crescimento da pobreza, a desigualdade da distribuição de renda, que se trata de uma população economicamente ativa, o que geram muitos abalos econômicos, pois muitos não conseguem trabalhar e manter o seu sustento (NETO, 2012).

2. MATERIAIS E MÉTODOS

Trata-se de uma análise descritiva com abordagem quantitativa. Foi realizado um levantamento de dados epidemiológico, com análise retrospectiva de variáveis dos casos de TB no município de Belém, nos anos de 2016 a 2019.

Os dados foram coletados a partir de consulta do banco de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), as variáveis analisadas são: escolaridade; raça; sexo; faixa etária e o tipo de entrada. Na pesquisa os dados foram agrupados e apresentados por meio de tabelas elaboradas no programa Microsoft Office Word 2016.

O presente estudo não necessitou submeter ao Comitê de Ética e Pesquisa por se basear em dados secundários extraídos de site de acesso público, de acordo com a resolução n° 510 de 07 de abril de 2016, nos termos da Lei n° 12.527 de 18 de novembro de 2011.

3. RESULTADOS

No quadro 1 apresenta o número total de casos de TB no período entre 2016 a 2019, totalizando 7174 casos, desse resultado o sexo masculino tem o maior percentual, representando 67,1 %. A faixa etária com maior percentual foi entre 20 a 39 anos de idade, no total de 43,5 %.

Quadro 1 – Dados epidemiológicos de Tuberculose segundo faixa etária e sexo, na cidade de Belém, Pará, Brasil, de 2016 a 2019.

Faixa etária
(anos)
População Examinada % Masculino % Feminino %
<1 Ano 18 0,2 9 50 9 50
1-4 37 0,5 23 62,1 14 37,8
5-9 39 0,5 20 51,2 19 48,7
10-14 106 1,6 44 41,5 62 58,4
15-19 540 7,5 323 59,8 217 40,1
20-39 3.126 43,5 1.998 63,9 1.128 36,1
40-59 2.262 31,5 1.520 67,1 742 32,8
60-64 379 5,3 240 63,3 139 36,6
65-69 268 3,8 167 62,3 101 37,6
70-79 294 4,1 158 53,7 136 46,2
80 e + 105 1,5 61 58,1 44 41,9
Total 7.174 100,0 4.563 63,6 2.611 36,3

Fonte: Adaptação do Ministério da Saúde/SVS – Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN/DATASUS.

O quadro 2 apresenta os casos confirmados de TB relacionados às variáveis de faixa etária e tipo de entrada, os valores descritos correspondem ao total da somatória de todos que receberam o diagnóstico durante os períodos de 2016 a 2019. Com a análise da tabela é observado a prevalência de notificação dos casos novos entre os tipos de entrada, totalizando 83,1%. Enquanto o maior índice de casos por faixa etária corresponde aos indivíduos de 20 a 39 anos, com total de 43,6%.

Quadro 2 – Dados epidemiológicos de Tuberculose segundo faixa etária e tipo de entrada, na cidade de Belém, Pará, Brasil, de 2016 a 2019.

Dados epidemiológicos de Tuberculose segundo faixa etária e tipo de entrada, na cidade de Belém, Pará, Brasil, de 2016 a 2019.
Fonte: Adaptação do Ministério da Saúde/SVS – Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN/DATASUS

No quadro 3 apresenta o número total de casos de TB segundo a raça e escolaridade no período de 2016 a 2019, totalizando 5.165 casos. Através de análise da tabela, é possível verificar que a predominância de casos é encontrada na raça parda com percentual de 81,2% e quando relacionado com a escolaridade o maior número é daqueles que possuem o ensino médio completo, com 29,4%.

Quadro 3: – Dados epidemiológicos de Tuberculose segundo raça e escolaridade, na cidade de Belém, Pará, Brasil, de 2016 a 2019.

Dados epidemiológicos de Tuberculose segundo raça e escolaridade, na cidade de Belém, Pará, Brasil, de 2016 a 2019.
Fonte: Adaptação do Ministério da Saúde/SVS – Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN/DATASUS

4. DISCUSSÃO

O resultado obtido pela tabela 1 retrata o gênero masculino com a maior incidência de TB, tal fato, justifica-se que os homens possuem uma menor procura aos serviços de saúde, em especial a ações de saúde preventiva. Outra relação importante, deve-se ao fator cultural, visto que o homem se ver como o integrante provedor no ambiente familiar, portanto, ficar doente pode comprometer a renda, além de mostrar fragilidade em seu ambiente doméstico, tornando-o assim, mais suscetível aos fatores de risco para a doença quando comparados às mulheres (BRASIL, 2016).

No estudo elaborado por SANTOS et al. (2017), também evidencia a maior porcentagem pelo sexo masculino, pois explicita como fatores de risco a maior exposição por parte de indivíduos do sexo masculino, atrelado ao déficit de utilização dos serviços de saúde e adoção de práticas preventivas.  Dados encontrados por GONÇALVES et al. (2019) realizado na cidade de Paragominas, Estado do Pará, tem como resultado o gênero masculino com maior índice de TB (66,6%), corroborando assim com os achados desta pesquisa.

A faixa etária que teve o maior índice foi entre 20 a 39 anos de idade, concordando com alguns estudos em outras cidades.  Os valores registrados seguem o padrão nacional, demonstrando um predomínio de acometimento na faixa etária entre 20 e 49 anos, uma das fases mais ativas da vida, evidenciando que o adoecimento pela TB pode comprometer o orçamento, gerando assim maiores dificuldades financeiras no ambiente familiar (MORAES et al., 2017). Além disso, adultos jovens apresentam tendência a fatores que interferem na saúde, como uso de álcool, drogas ilícitas ou cigarro, o que atrapalha na efetividade do tratamento (SANTOS; SALES; PRADO, 2018).

A expressiva quantidade de admissões por casos novos é semelhante em outros estudos na qual os resultados evidenciaram a prevalência de casos novos, como no estudo realizado em um município da Paraíba onde as prevalências dos casos novos resultaram em 86% das notificações (ALMEIDA et al., 2015) Essa alta de casos novos pode ser relacionada a eficiência do tratamento, visto que os demais tipos de entrada apresentam uma baixa frequência de notificação, ou a falha no próprio diagnóstico e seu acompanhamento (FONTES et al., 2019).

É definido como caso novo aquele que se submeteu ao tratamento pela primeira vez ou que procedeu com o tratamento até trinta dias; os reingressos após abandono são os casos que exigem outro tratamento por algum motivo específico; a recidiva é um novo caso da TB, mesmo já feito o tratamento é obtido a cura em episódio anterior; a transferência é a entrada do paciente que adentrou por outro local o seu tratamento (RABAHI, et al., 2017).

Observou-se um nível de anos de escolaridade de médio a baixo entre os casos notificados por TB, a despeito deste achado, foi encontrada uma carência de dados que correlacionam apenas a o grau de escolaridade deste cliente e a TB, entretanto, sabe-se que doenças emergentes se ligam diretamente às condições sociais, renda e consequentemente a baixa percepção sobre a doença que leva ao déficit na prevenção, tratamento e muitas vezes é a causa do abandono da terapia como consequência a resistência medicamentosa. (RODRIGUES e MELLO, 2018).

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

A existência elevada de TB no município de Belém possui dados expressivos, partindo do ponto da transmissão continuada do M. tuberculosis que é associado aos diversos fatores de risco, como indicativo a baixa qualidade de vida e contribuindo para a proliferação de doenças nos indivíduos infectados.

A pesquisa concluiu que alguns fatores destacaram-se como mais determinantes para a prevalência de maior incidência de casos de TB, como ser do gênero masculino, com idade laboral produtiva, com a faixa etária entre 20 a 39 anos, de baixa escolaridade. Além disso, quanto ao tipo de entrada nos serviços de saúde é evidenciada pelas consideráveis admissões de casos novos, demonstrando um grande prevalecimento da infecção na região, tais fatores evidenciam como a população da capital paraense pode estar vulnerável para o adoecimento por TB. Em vista disso, constata-se a necessidade do controle da doença na região, para tanto, é necessário além da intensificação de ações dos programas de controle da TB, a participação e engajamento dos profissionais de saúde, perpassando desde da realização do diagnóstico precoce e diferencial da doença a fim de quebrar a cadeia de transmissão, bem como a busca ativa dos casos índices para diminuir abandonos, recidivas da doença e a avaliação e monitoramento dos contatos para evitar adoecimentos futuro.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Andreza Aparecida; et.al. Perfil Clínico-Epidemiológico de Casos de Tuberculose. Revista de Enfermagem UFPE On Line, Recife, v. 9, n. 9, p. 1007-1017, nov. 2015. Disponível em: PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DE CASOS DE … https://periodicos.ufpe.br Acesso em: 23 de jan de 2021.

ANDRADE, Souza Heuler et.al. A. Avaliação do Programa de Controle da Tuberculose: um estudo de caso. Revista Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. ESPECIAL, p. 242-258, mar. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sdeb/a/3Dnfwv3PTmMmRqrPTnk7tsK/?format=pdf HYPERLINK “about:blank”& HYPERLINK “about:blank”lang=pt Acesso em: 22 de jan de 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasil Livre da Tuberculose: Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Tratamento Diretamente Observado (TDO) da tuberculose Na Atenção Básica. Brasília, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico Tuberculose 2020. Brasília, mar. 2020.

CANTWELL, Michael et al. Tuberculosis and race/ethnicity in the United States: impact of socioeconomic status. American journal of respiratory and critical care medicine, v. 157, n. 4 Pt 1, p. 1016–20, abr. 1998. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/9563713/. Acesso em: 24 de jan de 2021.

CARBONE, Andrea Silva Santos et al. Estudo multicêntrico da prevalência de tuberculose e HIV na população carcerária do estado do Mato Grosso do Sul. Comunicação em Ciências da Saúde, v. 28, n. 01, p.53-57, 2018. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/ccs_artigos/estudo_multicentrico.pdf. Acesso em: 25 de jan de 2021.

FONTES, Giuliano José Fialho et al. Perfil Epidemiológico da Tuberculose no Brasil no Período de 2012 a 2016. Revista Brasileira de Educação em Saúde, Paraíba, v. 9, n. 1, p. 19-26, jan-mar. 2019. Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/6376. Acesso em: 22. jan. 2021.

MORAES, Mário Fernando Viana et al. Perfil epidemiológico de casos de tuberculose em um município prioritário no estado do Maranhão. Rev Pesq Saúde, v. 18, p. 147-150, 2017. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahuufma/article/view/10149. Acesso em: 24. jan. 2021.

NEVES, Dilma Costa de Oliveira et al. Aspectos epidemiológicos da tuberculose nas Regiões de Integração do estado do Pará, Brasil, no período entre 2005 e 2014. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 9, n. 3, p. 21-29, jul-set. 2018. Disponível: <http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-62232018000300003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 22. jan. 2021.

RABAHI, Marcelo Fouad et al. Tratamento da Tuberculose. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 43, n. 5, p. 472-486. mai. 2017. Disponível em: http://jornaldepneumologia.com.br/details/2741/pt-BR. Acesso em: 21. jan. 2021.

GALESI, Vera Maria Neder. Mortalidade por tuberculose no município de São Paulo: análise de uma década, 1986-1995. Dissertação de mestrado. Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo. 1999.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Bol Epidemiol Aids DST. v.16, n.1, p.29- 30. 2002

RODRIGUES, Miguel Wanzeller; MELLO, Amanda Gabryelle Nunes Cardoso. Tuberculose e escolaridade: uma revisão da literatura. Belém: Uja Editorial, v. 4, n. 2, 30 mar. 2018. Acesso em: 29 de jan de 2021.

SANTOS, Bruno Oliveira BRITO et al. Space-temporal analysis of the incidence of tuberculosis in primary care. Res Medicine Journal, v.21, n.2, p.1-6, 2017. Disponível em: https://prmjournal.org/article/doi/10.4322/prmj.2017.021. Acesso em: 28 de jan de 2021.

SANTOS, Milton. Manual de Geografia Urbana. 3ª Edição, Ed. Edusp; SP; 2008. Acesso em: 28 de jan de 2021.

SANTOS, Janine Nascimento; SALES, Carolina Maia Martins; PRADO, Thiago Nascimento; MACIEL, Ethel Leonor. Fatores associados à cura no tratamento da tuberculose no estado do Rio de Janeiro, 2011-2014. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 27, n. 3, p. 1-11, mar. 2018. Acesso em: 27 de jan de 2021.

TIERNEY, Dylan. Tuberculose(TB), 2018. Disponível em: <https://www.msdmanuals.com/pt/profissional/doen%C3%A7as-infecciosas/micobact%C3%A9rias/tuberculose-tb>. Acesso em: 6 fev. 2021.

VENÂNCIO, Taís Siqueira; TUAN, Tássia Soldi; NASCIMENTO, Luiz Fernando Costa. Incidência de tuberculose em crianças no estado de São Paulo, Brasil, sob enfoque espacial. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20 n. 5 p. 1541-1547, maio. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v20n5/pt_1413-8123-csc-20-05-01541.pdf. Acesso em: 22 de jan de 2021.

[1] Mestre em Enfermagem. Docente e Pesquisador na Faculdade Brasil Amazônia – FIBRA.

[2] Acadêmica de enfermagem, Centro Universitário FIBRA, Brasil.

[3] Acadêmica de enfermagem, Centro Universitário FIBRA, Brasil.

[4] Acadêmica de enfermagem, Centro Universitário FIBRA, Brasil.

[5] Acadêmica de enfermagem, Centro Universitário FIBRA, Brasil.

[6] Enfermeira, Residente em Neurologia, Centro Universitário CESUPA, Brasil.

[7] Acadêmico de Fisioterapia, Universidade da Amazônia, Brasil.

[8] Doutora em Doenças Tropicais. Docente e Pesquisadora da Universidade Federal do Amapá, AP. Pesquisadora colaboradora do Núcleo de Medicina Tropical da UFPA (NMT-UFPA).

[9] Doutor em Teoria e Pesquisa do Comportamento. Docente e Pesquisador do Instituto Federal do Amapá – IFAP.

[10] Doutora em Doenças Tropicais. Professora e Pesquisadora da Universidade do Estado do Pará. Belém (PA), Brasil.

[11] Doutorado em Psicologia e Psicanálise Clínica. Doutorado em andamento em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) . Mestrado em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestrado em Psicanálise Clínica. Graduação em Ciências Biológicas. Graduação em Teologia. Atua há mais de 15 anos com Metodologia Científica ( Método de Pesquisa) na Orientação de Produção Científica de Mestrandos e Doutorandos. Especialista em Pesquisas de Mercado e Pesquisas voltadas a área da Saúde. ORCID: 0000-0003-2952-4337.

[12] Mestra em Estudos Antrópicos na Amazônia – (PPGEAA/UFPA) e Pesquisadora – Grupo de Pesquisa em Saúde, Sociedade e Ambiente (GPSSA/UFPA).

[13] Doutor em Medicina/Doenças Tropicais. Docente e Pesquisador na Universidade Federal do Pará – UFPA. Pesquisador Colaborador do Núcleo de Medicina Tropical – NMT/UFPA, Belém (PA), Brasil.

Enviado: Março, 2022.

Aprovado: Abril, 2022.

5/5 - (10 votes)
Carla Dendasck

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita