Panorama nacional do ferro entre 2010 e 2014

DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/quimica/ferro
5/5 - (1 vote)
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
WhatsApp
Email

CONTEÚDO

ROCHA, Karina Dias [1], ARAÚJO, Franciolli da Silva Dantas [2], FECURY, Amanda Alves [3], OLIVEIRA, Euzébio [4], DENDASCK, Carla Viana [5], DIAS, Claudio Alberto Gellis de Mattos [6]

ROCHA, Karina Dias. Et al. Panorama nacional do ferro entre 2010 e 2014. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 09, Vol. 08, pp. 55- 62 Setembro de 2018. ISSN:2448-0959

RESUMO

Mineração é a atividade realizada que tem como objetivo a retirada de um bem mineral da crosta terrestre, representou cerca de 5% do PIB do Brasil em 2014. Ferro é um elemento químico facilmente oxidável, dúctil e magnético. É o mais comum, barato e o mais importante dos metais. A hematita (Fe2 O3) é o principal mineral com teor predominante de ferro na sua composição. Em 2010, a produção de ferro do Brasil representou cerca de 15% da produção mundial. A indústria siderúrgica é responsável por 99% do consumo mundial de ferro. A via marítima é o principal meio de transporte de mercadorias entre o brasil e o comércio exterior. A pesquisa foi realizada acessando o site do DNPM, os dados coletados foram dos anos de 2010 a 2014. Neste período a Austrália apresentou a maior reserva mineral de ferro e a China a maior produção mundial. Em 2013 ocorreu uma queda na produção brasileira de ferro e no seu consumo efetivo. A economia nacional e o comércio mundial foram os principais fatores para a instabilidade do setor mineral brasileiro entre 2010 e 2014. A diminuição do preço do ferro no mercado mundial causou a queda na produção de ferro no Brasil em 2013, ano este que o consumo de ferro no brasil foi afetado bruscamente pela crise econômica que acometeu o país. Os altos investimentos da china no setor mineral alavancaram a participação do país no comércio mundial, se tornando o principal produtor de ferro no mundo, entre 2010 e 2014 a China foi o principal comprador de ferro produzido no Brasil.

Palavras-chave: Ferro, mineração, comércio nacional.

INTRODUÇÃO

Ferro é um elemento químico facilmente oxidável, dúctil e magnético. É o mais comum, barato e o mais importante dos metais(DNPM, 2017). ). As principais fontes de obtenção de ferro são a hematita, magnesita, siderita e pirita. A hematita (Fe2 O3) é o principal mineral com teor predominante de ferro na sua composição (MEDEIROS, 2010 ; DNPM, 2017a). O ferro é amplamente utilizado na fabricação de peças para carro, portões, pontes, pregos e parafusos além de ser utilizado na construção civil (MEDEIROS, 2010 ).

Mineração é a atividade realizada que tem como objetivo a retirada de um bem mineral da crosta terrestre (GANEM et al., 2016). Em 2014 o setor representou 5% do PIB nacional, arrecadando cerca de 42 bilhões de dólares (BRASIL, 2015). Mineral é toda substância formada por processos físico-químicos de forma natural na crosta terrestre (DNPM, 2017). Reserva mineral é a ocorrência mineral identificada e possível de ser explorada, que possui conotação econômica (CURI, 2014).

Em 2010, a produção de ferro do Brasil representou cerca de 15% da produção mundial, com cerca de 372 milhões de toneladas produzidas. O consumo aparente é a produção de um bem somada a sua importação e subtraída de sua exportação. O consumo efetivo consiste no consumo aparente subtraído do estoque final descontado do estoque inicial (variação de estoque), calculado sempre sobre um determinado período de tempo (HECK, 2007). A indústria siderúrgica é responsável por 99% do consumo mundial de ferro (PEREIRA, 2012).

Exportação consiste na saída permanente ou temporária de produtos provenientes de fabricação nacional, podendo ser paga ou gratuita (BRASIL, 2015a). O Brasil é o maior exportador de ferro no mundo. Em 2010, atuavam cerca de 8000 mineradoras no país, 42% se concentrava na Região Sudeste, 24% no Sul, 16% no Nordeste, 12% no Centro-Oeste e 6% no Norte (GONÇALVES e MENDONÇA, 2015).

Em 2011 o comércio mundial utilizando Free on Board (FOB) representou cerca de 84% dos produtos exportados e 76% do volume importado (BRASIL, 2012). O FOB consiste em um acordo entre comprador o vendedor, o exportador é responsável apenas pela mercadoria até o porto (produto dentro do navio pronto para transporte), porto este indicado pelo comprador (IPEA, 2010). A via marítima é o principal meio de transporte de mercadorias entre o brasil e o comércio exterior (BRASIL, 2012).

OBJETIVO

Apresentar a reserva mundial, preço e produção mundial do ferro entre 2010 e 2014, bem como a exportação brasileira e o consumo efetivo no Brasil, tendo como objetivo fazer um panorama nacional do ferro neste período.

MÉTODO

A pesquisa foi realizada acessando o site do DNPM (http://www.dnpm.gov.br/) de acordo com as seguintes etapas: na página principal, clicou-se em “publicações”, em seguida, selecionou-se “série estatística e economia mineral”. Na página seguinte, clicou-se em “sumário mineral”. Posteriormente, fez-se o download de “Sumário Mineral Brasileiro” dos anos de 2011 a 2015. Em seguida, nos sumários baixados, foi realizada a coleta de dados de “Reserva Mundial”, “Produção Mundial”, “Produção do Brasil”, “Exportação do Brasil”, “Consumo Aparente no Brasil”, “Consumo Efetivo no Brasil” e “Preços”. Todos os dados coletados foram dos anos de 2010 a 2014. A compilação dos dados foi feita dentro do aplicativo Excel, componente do pacote Office da Microsoft Corporation. A pesquisa bibliográfica foi realizada em artigos científicos, utilizando-se para busca computadores do laboratório de informática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá, Campus Macapá, situado na: Rodovia BR 210 KM 3, s/n – Bairro Brasil Novo. CEP: 68.909-398, Macapá, Amapá, Brasil.

RESULTADOS

A figura 1 mostra a média da reserva mundial de ferro (10^6 t) entre 2010 e 2014. A Austrália apresentou a maior média, seguida da Rússia e China. A Ucrânia apresentou a menor média, seguida pela Índia e Brasil.

Figura 1: Média da reserva mundial de ferro entre 2010 e 2014.

A figura 2 mostra a média da produção mundial de ferro (10³ t) entre 2010 e 2014. No gráfico, percebe-se que a China apresenta a maior média, seguida da Austrália e Brasil. A Ucrânia apresentou a menor média, seguida pela Rússia e Índia.

Figura 2: Média da produção mundial de ferro entre 2010 e 2014.

A figura 3 mostra a produção brasileira de ferro (t) entre 2010 e 2014. Percebe-se um crescimento entre 2010 e 2012, ocorrendo uma queda em 2013. Em 2014 ocorreu a retomada do crescimento da produção.

Figura 3: Produção brasileira de ferro entre 2010 e 2014.

A figura 4 mostra a exportação brasileira de ferro (t) entre 2010 e 2014. No gráfico, nota-se um crescimento na exportação neste período.

Figura 4: Exportação brasileira de ferro entre 2010 e 2014.

A figura 5 mostra o consumo efetivo de ferro (t) no Brasil entre 2010 e 2014. Nota-se o maior consumo efetivo no ano de 2011, seguido do ano de 2010 e 2012. O menor consumo efetivo foi em 2013, seguido por 2014.

Figura 5: Consumo efetivo de ferro (t) no Brasil entre 2010 e 2014.

A figura 6 mostra o preço do ferro (US$-FOB/t) entre os anos de 2010 e 2014. No gráfico, percebe-se o maior preço no ano de 2011, seguido de 2013 e 2012. O menor preço foi no ano de 2014, seguido de 2010. Nota-se uma oscilação entre os anos.

DISCUSSÃO

A formação de ferro bandada (Banded Iron Formation – BIF) que ocorreu há 2 bilhões de anos e atingiu principalmente a Austrália, possivelmente é a causa para o país apresentar a maior reserva mineral de ferro no período analisado. A Austrália apresenta a maior reserva de BIF no mundo, que já possuiu cerca de 300 trilhões de toneladas de ferro e cobriu uma área de aproximadamente 150 000 km². O BIF consiste em rochas sedimentares que apresentam minerais com alto teor de ferro, é resultante de processos químicos entre água com grande teor de ferro e água com grande quantidade de oxigênio, causando a precipitação de hematita (WAM, 2013).

Provavelmente o motivo para a China apresentar a maior produção de ferro entre 2010 e 2014 foi o alto investimento que o país realizou no setor de mineração, fomentando desta forma a produção deste setor e consequentemente elevando a produção de ferro (RÊGO et al., 2014).

A queda na produção de ferro no Brasil em 2013 pode ser explicada pela diminuição do preço do produto no mercado mundial, o que impossibilitou o alcance do lucro desejado e causou a inviabilidade da produção (ROCHA, 2016).

A causa para o crescimento da exportação brasileira de ferro entre 2010 e 2014, provavelmente, foi o crescimento econômico do principal comprador de ferro produzido no Brasil, a China, fato que aumentou a demanda necessária para alimentar o seu mercado interno e consequentemente o volume de sua importação (SILVA, 2014).

A queda no consumo de ferro no Brasil em 2013 pode ser explicada pela crise econômica que acometeu o país no período, afetando consequentemente as indústrias que utilizam ferro através da impossibilidade de alcance do lucro desejado e causado o fechamento de diversas sedes das mesmas, diminuindo assim o consumo de ferro no país (PAULA e PIRES, 2017).

O motivo para a queda no preço do ferro em 2014 foi possivelmente a grande oferta do produto no mercado mundial, superando a demanda necessária. Isto pode ser explicado pela produção excessiva nos anos anteriores, impulsionada pelos altos preços do produto no mercado mundial, barateando desta forma o ferro (BRASIL, 2014).

CONCLUSÃO

A economia nacional e o comércio mundial foram os principais fatores para a instabilidade do setor mineral brasileiro entre 2010 e 2014. A diminuição do preço do ferro no mercado mundial causou a queda na produção de ferro no Brasil em 2013, ano este que o consumo de ferro no brasil foi afetado bruscamente pela crise econômica que acometeu o país.

Os altos investimentos da china no setor mineral alavancaram a participação do país no comércio mundial, se tornando o principal produtor de ferro no mundo, entre 2010 e 2014 a China foi o principal comprador de ferro produzido no Brasil.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Panorama da Navegação Marítima e de Apoio: Superintendência de Navegação Marítima e de Apoio: 39 p. 2012.

______. Minério de Ferro: BNDES Setorial 39: 197-234 p. 2014.

______. Informações sobre a economia mineral brasileira: Instituto Brasileiro de Mineração: 25 p. 2015.

______. Exportação. 2015a. Disponível em: < http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/aduaneira/importacao-e-exportacao/despacho-aduaneiro-de-exportacao >. Acesso em: 13 de novembro, 2017.

CURI, A. Minas a céu aberto: planejamento de lavra. São Paulo: Oficina de Textos, 2014. 232 p.

DNPM. Ferro (Fe). 2017. Disponível em: < http://www.dnpm-pe.gov.br/Detalhes/Ferro.htm >. Acesso em: 14 de novembro, 2017.

______. Mineral. 2017a. Disponível em: < http://www.dnpm-pe.gov.br/Detalhes/Mineral.htm. >. Acesso em: 14 de novembro, 2017.

GANEM, R. S.; FILHO, A. F. F.; GANEM, R. S. I. Impactos Socioambientais de Mineração: Estudo de Caso em Pedreira. IV Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental. Cruz das Almas BA 2016.

GONÇALVES, R. J. F. A.; MENDONÇA, M. R. Expansão dos Grandes Empreendimentos de Mineração e Territórios em Disputa no Cerrado Goiano (Goiás/Brasil). Sociedade e Território, v. 27, p. 206-228, 2015.

HECK, N. C. Metalurgia Extrativa dos Metais Não-Ferrosos II. Porto Alegre RS, 2007. Disponível em: < https://www.academia.edu/29446651/ENG06632-Metalurgia_Extrativa_dos_Metais_N%C3%A3o-Ferrosos_II-A_Nestor_Cezar_Heck_-DEMET_UFRGS >. Acesso em: 20 de dezembro de 2017.

IPEA. O que é? FOB. 2010. Disponível em: < http://desafios.ipea.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2115:catid=28&Itemid=23 >. Acesso em: 07 de novembro, 2017.

MEDEIROS, M. A. Ferro. Química nova na Escola, v. 32, n. 3, p. 208-209, 2010

PAULA, L. F.; PIRES, M. Crise e perspectivas para a economia brasileira. Estudos Avançados, v. 31, n. 89, p. 125 – 144, 2017.

PEREIRA, S. A. C. O Mercado de Minério de Ferro. 2012. (Monografia). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte MG.

RÊGO, R. B. et al. Aplicação da Teoria das Opções Reais na Avaliação de um Projeto de Mineração. ENGEVISTA, v. 4, n. 16, 2014.

ROCHA, R. M. C. O Efeito China: Uma Análise para o mercado de Minério de Ferro entre 2002 e 2013. 2016. 54 p. (Monografia). Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA.

SILVA, E. M. O Efeito China: Uma Análise para o mercado de Minério de Ferro entre 2002 e 2013. 2014. (Monografia). Pontifícia Univerdade Católica, Rio de Janeiro RJ.

WAM. Banded Iron Formation. 2013. Disponível em: < http://museum.wa.gov.au/research/collections/earth-and planetary-sciences/rock-collection/banded-iron-formation >. Acesso em: 20 de Dezembro, 2017.

[1] Estudante de Ensino Médio. Curso Técnico em Mineração. Instituto Federal de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Amapá (IFAP).

[2] Tecnólogo em Materiais. Mestre em Ciência e Engenharia de Materiais. Professor Pesquisador do Instituto Federal de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Amapá (IFAP)

[3] Biomédica. Doutora em Doenças Tropicais. Professora Pesquisadora da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP).Biólogo. Doutor em Doenças Tropicais. Professor Pesquisador da Universidade Federal do Pará (UFPA).

[4] Biólogo. Doutor em Doenças Tropicais. Professor Pesquisador da Universidade Federal do Pará (UFPA).

[5] Teóloga. Doutora em Psicanálise Clinica. Pesquisadora do Centro de Pesquisa e Estudos Avançados, São Paulo, SP.

[6] Biólogo. Doutor em Teoria e Pesquisa do Comportamento. Professor Pesquisador do Instituto Federal de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Amapá (IFAP)

5/5 - (1 vote)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

DOWNLOAD PDF
RC: 20650
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita
WeCreativez WhatsApp Support
Temos uma equipe de suporte avançado. Entre em contato conosco!
👋 Olá, Precisa de ajuda para enviar um Artigo Científico?