Revisão de literatura: Os avanços no tratamento endodôntico com a utilização da terapia fotodinâmica

0
536
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
PDF

ARTIGO DE REVISÃO

PEREIRA, Samantha Peixoto [1]

PEREIRA, Samantha Peixoto. Revisão de literatura: Os avanços no tratamento endodôntico com a utilização da terapia fotodinâmica. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 12, Vol. 08, pp. 05-14. Dezembro de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/odontologia/tratamento-endodontico

RESUMO

A terapia fotodinâmica surgiu como uma opção auxiliar no tratamento endodôntico, com objetivo de extinguir os microrganismos recorrentes ao preparo químico-mecânico. Sendo um procedimento acessível e de rápida aplicação clínica, não promovendo a resistência microbiana, tendo como indicação sua utilização em tratamentos endodônticos, seja em múltiplas sessões ou em sessão única. A fim de estabelecer um tratamento com protocolos eficientes na Odontologia e em especial na Endodontia, a terapia fotodinâmica (PDT) é considerada uma técnica que visa reduzir o tempo de reparação tecidual após o preparo químico mecânico na Endodontia e que acarreta poucos efeitos colaterais na desinfecção dos canais radiculares. Este trabalho tem como objetivo realizar uma revisão bibliográfica sobre a utilização do azul de metileno na terapia fotodinâmica combinados no tratamento Endodôntico na desinfecção dos canais radiculares.

Palavras-chave: Endodontia Regenerativa, terapia fotodinâmica (PDT), azul de metileno, polpa dentária, desinfecção.

INTRODUÇÃO

Para obtermos sucesso no tratamento endodôntico não cirúrgico é primordial que o preparo químico mecânico favoreça a penetração das substâncias irrigadoras, viabilizando a limpeza, ampliação, e a instrumentação do sistema de canais radiculares, para que a obturação aconteça com devido selamento hermético e tridimensional dos canais. (LOPES et. al., 2010).  A terapia fotodinâmica pode ser considerada favorável no tratamento endodôntico, permitindo que os microrganismos que não foram totalmente eliminados durante o preparo químico-mecânico da instrumentação dos canais radiculares sejam erradicados. (ABRAHAM, 2015 E TUNCER, 2014). Na Endodontia a utilização do Laser é realizada após o preparo químico mecânico. Assim, todo tratamento endodôntico está ligado consequentemente à assepsia total dos canais radiculares a fim de possibilitar uma adequada instrumentação mecânica e consequentemente o correto desbridamento químico. O presente trabalho tem por propósito realizar uma revisão de literatura sobre a importância da Terapia Fotodinâmica no tratamento endodôntico, através da análise de vários estudos, bem como o protocolo de sua utilização.

REVISÃO DE LITERATURA

O sucesso no tratamento endodôntico advém do objetivo principal que é a remoção completa do tecido pulpar, bem como a destruição dos microrganismos encontrados nos canais radiculares infectados, desta forma o tratamento endodôntico deve inativar e eliminar as bactérias presentes no interior dos canais radiculares, promovendo assim a reparação dos canais em todo seu conduto (MARINIC, 2015 e SUSILA, 2016). Evidenciados em estudos, que devido a anatomia dos canais radiculares cerca de 35% das superfícies radiculares não são passíveis de instrumentação, assim teremos como coadjuvante a terapia fotodinâmica como potencializadora dos efeitos antimicrobianos no tratamento endodôntico (AMARAL, 2015). Durante o tratamento endodôntico as soluções irrigadoras promovem diversas funções que vão desde o efeito antimicrobiano, lubrificação dos instrumentos endodônticos durante a etapa da instrumentação, bem como a atividade solvente de tecido orgânico dentro dos canais radiculares com o objetivo de eliminar ou reduzir ao máximo a quantidade de microrganismos e com isso a terapia fotodinâmica de forma única não resultaria em tais efeitos, assim sendo é considerada uma terapia auxiliar com intuito de reduzir a ação microbiana nos condutos dos canais radiculares (LOPES et al, 2010 e AMARAL, 2015). A terapia fotodinâmica, também denominada de PDT, abreviação de photodynamic therapy, surge como uma opção de tratamento propícia durante a instrumentação químico-mecânico dos canais radiculares, viabilizando a descontaminação dos microrganismos e bactérias presentes nos condutos. É utilizado um fotossensibilizador (corante), onde a luz, dentro de um específico comprimento de onda na presença de oxigênio promove a ativação. A partir da transferência e ação da energia do fotossensibilizador associado ao oxigênio, há a formação do que conhecemos como oxigênio singleto e radicais livres, ou seja, as chamadas espécies tóxicas de oxigênio. Quando em contato, estes espécimes reagem a ponto de danificar desde os ácidos nucleicos, como também as proteínas.

Em se tratando dos tratamentos na endodontia, as vantagens apresentadas a partir da utilização do azul de metileno, tem sido relevantes quando são associadas com finalidade de ação para descontaminação dos microrganismos a partir da microbiota endodôntica. O azul de metileno, apresenta uma carga positiva e tem como característica baixo peso molecular, devido sua natureza hidrofílica, que possibilita sua passagem através dos canais radiculares com ação da proteína-porina interagindo na membrana das bactérias Gram-negativas. Além disso, é no processo de fotossensibilização, que o azul de metileno interage predominantemente com macromoléculas lipopolissacarídeos aniônicas. (SANTOS, 2017).

E utilizamos para calcular a potência é igual ao número de Joules dividido pelos segundos, assim teremos o valor da energia pelo cálculo da potência multiplicada pelo tempo e posteriormente fazermos o cálculo da densidade de energia que é dada pela potência multiplicada pelo tempo e dividida pela área, após estes cálculos chegaremos no cálculo da densidade de potência que será igual a divisão da potência pela área (TENNERT et al, 2015). Desta forma teremos na utilização da fototerapia a ação de três fatores que atuam concomitantemente, sendo eles: Fotossensibilizador mais a fonte Luminosa mais o Oxigênio, que se dá através da utilização de uma fonte luminosa, onde a molécula excitada transfere energia para o substrato, voltando para um estado mais estável, propiciando assim, um efeito fotoquímico que leva a morte microbiana (AMARAL, 2010). Tendo no Azul de Metileno em concentração de 0,005% e 0,01% os seguintes procedimentos: 1-Após todo PQM do canal, realizar criteriosa remoção do smear layer; 2- Secagem completa dos canais radiculares; 3-Irrigação com Azul de Metileno a 0,005% ou 0,01%; 4-Aguardar por 5 min, 5-Irradiar com Laser de Baixa Potência através de ponta fibra óptica, realizando movimentos helicoidais e 6-Lavagem dos canais com NaClO para remoção de todo o corante (ARAÚJO et al, 2016). Assim temos a aplicação de Laser nos canais radiculares através de Pontas de fibra ótica, que possibilita o aumento da difusão do azul de metileno utilizado em relação a quantidade aplicada de densidade relacionada a energia da luz (J/cm²), conforme acontece o aumento na destruição bacteriana, destacando assim a relevância da utilização da Terapia Fotodinâmica durante os tratamentos endodônticos (FIMPLE et al,2008). Em situações de tratamentos endodônticos onde alguns dentes possuem condição de necrose pulpar ou lesão periapical, os efeitos da PDT podem ser observados após o preparo da cavidade e acesso ao canal radicular, bem como seguida da instrumentação e aplicação de PDT no final da primeira sessão, seguido de preenchimento do canal com medicação de escolha sendo a pasta de hidróxido de cálcio e feita proservação e marcação do retorno do paciente após sete dias para a segunda sessão de atendimento. Contudo, foram colhidas então novas amostras, antes e após nova aplicação de PDT, tendo atingido nos resultados avaliados uma redução microbiana após terapia endodôntica, visto que a combinação com PDT aumentou a redução microbiana durante o tratamento endodôntico. Conforme estudo apresentado por (GARCEZ et al, 2008), a eficácia do tratamento com PDT, proporciona uma diminuição substancial na carga microbiana, no que diz respeito aos achados nos condutos dos canais radiculares quando associada ao tratamento endodôntico em mais de uma sessão. Enquanto (FONSECA et al, 2008), obteve resultados em seus estudos de uma considerável redução microbiana nas colônias formadas de 99,9%, a partir da verificação dos efeitos da PDT introduzida em canais radiculares de um grupo de dentes humanos contaminados com Enterococcus faecalis. Tendo os espécimes, sido sensibilizados com azul de toluidina na concentração de 0,0125% dos canais radiculares, emitidos por ação do laser na indicação vermelha e com o comprimento de onda em 660 nm, mediante uma fibra ótica com capacidade de energia com fluência de 400 J/cm², durante 5 min e 20s de irradiação. Para (FOSCHI et al,2007), o tratamento endodôntico associado aos efeitos e ação da PDT relacionado às espécies de Enterococcus faecalis adicionadas nos canais radiculares de dentes extraídos, tiveram ação a partir  da sensibilização com a substância de azul de metileno na concentração de (6,25 g/ ml) durante 5 min. E, posteriormente, ocorreu a irradiação dos canais por intermédio da fibra ótica com ação do laser na indicação vermelho, num comprimento de onda de 665 nm e com capacidade de energia de fluência de 60 J/cm², onde a PDT obteve um resultado eficaz com ação de redução de 77,5% na viabilidade do Enterococcus faecalis nos canais utilizados para o estudo. Em outros estudos, (SOUKOS et al, 2006), avaliaram em um grupo de dentes humanos in vitro, os impactos da ação da PDT a partir da contaminação com biofilme na presença de Enterococcus faecalis.  Fundamentado na exposição do grupo de dentes a substância de azul de metileno na concentração de  (25 g/mL) durante 5 min e, em seguida, havendo a irradiação através da ação da fibra ótica com o laser emitindo na indicação  vermelho,  com o comprimento de onda 665 nm, com carga de energia a partir da fluência de 222 J/ cm², obtendo uma redução significativa de 97%, proporcionada pela eficácia da PDT com antimicrobiana nos canais radiculares. Entretanto, (SILVA et al,2006), propuseram em seu estudo a avaliação associada da PDT com a solução da substância de hipoclorito de sódio na concentração de 0,5%, para observar a ação de redução microbiana in vitro do Enterococcus faecalis num grupo de dentes. Neste estudo, a redução alcançada com a utilização da PDT foi de 99,2% em relação ao Enterococcus Faecalis, por meio da seguinte sequência de procedimentos que foram aplicados: os dentes foram submetidos ao fotossensibilizador com a substância de pasta- base do azuleno, onde foram irradiados nos os canais a partir do laser, com capacidade de emissão indicada no vermelho,  no comprimento de onda 685 nm, durante 3 min, tendo a capacidade de energia medida em 1,8 J. Todavia, o experimento resultou não apenas na observação da ação do laser ou fotossensibilizador que por si só não apresentaram efeito de resolubilidade na redução da carga microbiana inicialmente observada, mas que, quando associados com a PDT, acarretam a interação na ação química conjunta alcançando um resultado de 93,25%.

Tendo no Azul de Metileno em concentração de 0,005% e 0,01% os seguintes procedimentos: 1- Após todo PQM do canal, realizar criteriosa remoção do smear layer; 2- 7 Secagem completa dos canais radiculares; 3- Irrigação com Azul de Metileno a 0,005% ou 0,01%; 4- Aguardar por 5 min, 5- Irradiar com Laser de Baixa Potência através de ponta fibra óptica, realizando movimentos helicoidais e 6- Lavagem dos canais com NaClO para remoção de todo o corante. Assim temos a Aplicação de Laser nos canais radiculares através de Pontas de fibra óptica que possibilitam o aumento da propagação e mecanismo de ação do azul de metileno, devido a atuação da densidade de energia da luz (J/cm²), conforme acontece o aumento na destruição bacteriana (FIMPLE et al, 2008). Com o avanço tecnológico dos lasers e sua aplicabilidade na odontologia, sua utilização nos tratamentos endodônticos têm demonstrado eficácia e uma crescente indicação terapêutica, graças às características: facilidade da interação com o corante, a eficácia da atuação da luz monocromática, bem como a coerência na interação com os canais radiculares.

A utilização dos lasers na terapia fotodinâmica, ocorre de forma integrada, e, deve seguir as especificações de acordo com cada tipo de laser encontrado no mercado para ser utilizado nos tratamentos odontológicos. No caso do tratamento endodôntico, nos estudos observados o que possui maior ação descrita na literatura para este tipo de tratamento é o laser de diodo, com característica de baixa intensidade de condução de comprimentos de onda. Conforme relata (FIMPLE et al, 2008), que em suas pesquisas apresentou dentre as características com a utilização do laser, a partir de comprimentos de onda entre 400-700 nm, sendo importante ressaltar que com o comprimento de onda 660nm, pode resultar na inativação da ação de redução dos microrganismos presentes nos canais radiculares.

Em contrapartida, as observações dos estudos por meio da ação dos efeitos da terapia fotodinâmica com irrigação,  para alcançar a redução na totalidade dos agentes microbianos e dos patógenos que comumente encontramos na endodontia, a utilização  do laser de diodo de alta potência, a partir de 1 W, na duração de  30 segundos com característica de se apresentar em modo pulsado como TFD, é eficaz no que diz respeito a concentração de redução significativa quando na presença de espécimes de colônias de Enterococcus faecalis ou ainda de Streptococcus Mutans.

É notório que a eficácia no tratamento endodôntico advém da utilização de equipamentos que se adequem ao tamanho, formato e diâmetro adequado em função do canal radicular que será condicionado em seu interior a aplicação da terapia fotodinâmica.  Para que a aplicação da TFD se estenda no interior de todo canal radicular é necessário utilizar um equipamento de diâmetro e formato adequado. Desse modo, durante a aplicação do laser no tratamento endodôntico de maneira eficaz e satisfatória, é necessário que seja adaptada uma fibra óptica na ponta do aparelho, que então irá proporcionar a transmissão essencial, no comprimento de onda e luz do laser em todo o conduto a qual é adaptada a ponta do aparelho e é a responsável pela transmissão de energia em forma de luz do laser para o conduto. A fibra torna-se então necessária devido algumas características que apresenta, sendo as principais no que diz respeito à compatibilidade de seu calibre em espessura e por apresentar ainda uma flexibilidade ao ser introduzida nos canais, podendo ser realizados movimentos no sentido coronal e apical em formatos helicoidais.

Deve ser levado em consideração a partir dos artigos analisados, que diante dos protocolos de terapia fotodinâmica propostos, um fator importante na erradicação dos microrganismos patogênicos encontrados nos canais radiculares é o tempo de irradiação, de acordo com sua eficácia em consonância com o tempo de sua aplicação condicionados pela ativação do fotossensibilizador no comprimento de onda de luz ativada na área onde encontram os microrganismos que serão difundidos com ação do azul de metileno, com duração proposta nos protocolos atuais de aproximadamente 3 minutos 15.

Portanto, é necessário aplicações e estudos relacionados a utilização da terapia fotodinâmica e o azul de metileno na prática odontológica nos tratamentos endodônticos, a fim de tornar os resultados obtidos e descritos nas pesquisas científicas avaliadas e com notoriedade de protocolos a serem seguidos a fim de pontuar um papel importante para pesquisas futuras e viabilizando novos conhecimentos acerca dos protocolos propostos, tanto em estudos in vitro ou ainda in vivo, salientando resultados satisfatórios positivos para a utilização da TFD na endodontia, de acordo com as características observadas na associação e interação dos  fotossensibilizadores de acordo com a luz irradiada em função do tempo de exposição no interior dos canais radiculares no sentido corono-radicular.

CONCLUSÃO

A terapia fotodinâmica revela-se como uma nova terapia, coadjuvante ao tratamento endodôntico e promissor, na tentativa de eliminar microrganismos persistentes ao preparo químico-mecânico. É necessário implementar pesquisa para que evidências científicas de sua utilização chegue a um protocolo padrão para utilização no tratamento endodôntico.

REFERÊNCIAS

ABRAHAM, S., et al. (2015). Endodontic Irrigants: A Comprehensive Review. J. Pharm Sci & Res, 7(1), pp. 5-9.

AMARAL, R. R.; AS, D. M.; MENEZES, A. J. A. C. Terapia fotodinâmica antimicrobiana na endodontia: revisão de literatura. Pós em Revista, 2015; 2015 (2): 39-41.

AMARAL, R. R. Terapia fotodinâmica na endodontia – revisão de literatura. RFO, Passo Fundo, v. 15, n. 2, p. 207-211, maio/ago. 2010.

ARAUJO, G. S. de et al. Terapia fotodinâmica na Endodontia: emprego de uma estratégia coadjuvante frente à infecção endodôntica. Dental Press Endodontics, v. 3, n. 2, p. 52-58, 2013.

ASNAASHARI, M.; et. al. A comparison between effect of photodynamic therapy by LED and calcium hydroxide therapy for root canal disinfection against Enterococcus faecalis: A randomized controlled trial. Photo- diagnosis and Photodynamic Therapy, 2017; 17 (1): 226-232.

CLOVIS, M. B.; et. al. Terapia fotodinâmica en el tratamiento endodontico y quirúrgico. Rev. odontol. Dominic, 2016; 12: 30-34.

COSTA, L. M.; et. al. Tooth color change caused by photosensitizers after photodynamic therapy: An in vitro study. Journal of Photochemistry and Photobiolo-gy B: Biology, 2016; 160: 225-228.

FIMPLE J.; et. al. Photodynamic treatment of endodontic polymicrobial infection in vitro. J Endod 2008; 34(6):728-34.

FONSECA, M.; et. al. Photodynamic therapy for root canals infected with Enterococcus faecalis. Photomed Laser Surg 2008; 26(3):209-13. 9

FOSCHI, F.; et.  al. Photodynamic inactivation of Enterococcus faecalis in dental root canals in vitro. Lasers Surg Med 2007; 39(10):782-7. 12.

GARCEZ, A.; et. al. Antimicrobial effects of photodynamic therapy on patients with necrotic pulps and periapical lesion. J Endod 2008; 34(2):138- 42.

LOPES, H. P.; et. al. Repeated exposures to blue light-activated eosin Y enhance inactivation of E. faecalis biofilms, in vitro. Photodiagnosis and Photodynamic Therapy, 2015; 12: 393-400.

MIRANDA, R. G.; et. al. Ex vivo antimicrobial efficacy of the EndoVac® system plus photodynamic therapy associated with calcium hydroxide against intracanal Enterococcus faecalis. International Endodontic Journal, 2012; 46 (6): 499–505.

OLIVEIRA, M. S.; et. al. O emprego da terapia fotodinâmica como coadjuvante à infecção endodôntica. Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, Araçatuba – SP, Brasil. Archives of health investigation, 2016; 5: 119.

SANTOS, M. G. C.; et. al. Análise do uso da terapia fotodinâmica no tratamento endodôntico com base em um Congresso Odontológico. RFO, Passo Fundo, v. 22, n. 1, p. 49-53, jan./abr. 2017.

SILVA, G. A.; et. al. Efficiency of NaOCl and laser-assisted photosensitization on the reduction of Enterococcus faecalis in vitro. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod 2006; 102(4): e93-8.

SOUKOS, N.; et al. Photodynamic therapy for endodontic disinfection. J Endod 2006; 32(10):979-84.

SUSILA, A. V.; et. al. Combined effects of photodynamic therapy and irrigants in disinfection of root canals. Journal of Biophotonics, 2016; 9 (6): 603-609.

TENNERT, C.; et. al. Ultrasonic activation and chemicalmodification of photosensitizers enhancesthe effects of photodynamic therapy against Enterococcus faecalis root- canal isolates. Photodiagnosis and Photodynamic Therapy, 2015; 12: 244-251.

TUNCER, A.; et. al. Comparison of sealer penetration using the EndoVac irrigation system and conventional needle root canal irrigation. J Endod, 2014; 40(5), pp.613-17.

[1] Cirurgiã Dentista, graduada pela Universidade de Vassouras/RJ 2016. Especialista em Endodontia e Cirurgia Oral Menor. Mestre em Ciências da Educação. Doutoranda em Clínicas Odontológicas pela São Leopoldo Mandic.

Enviado: Outubro, 2020.

Aprovado: Dezembro, 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here