Envasadora de baixo custo acessível para pequenos produtores

0
1069
DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/engenharia-mecanica/envasadora-de-baixo
PDF

ARTIGO ORIGINAL

SANTO, Victor Martins do Espirito [1], KOMYAMA, Fabio Hideki Fernandes [2], OJIMA, Felipe Kenzo Nonaka [3], ABREU, Renato Ferreira [4]

SANTO, Victor Martins do Espirito. Et al. Envasadora de baixo custo acessível para pequenos produtores. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 06, Ed. 01, Vol. 06, pp. 96-127. Janeiro de 2021. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/engenharia-mecanica/envasadora-de-baixo, DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/engenharia-mecanica/envasadora-de-baixo

RESUMO

Na atualidade o mercado de bebidas é um ramo em que grandes nomes se estabelecem, e nessa rigidez imposta por grandes marcas, as pequenas marcas veem grande dificuldade na sua inserção no mercado, e até mesmo em se classificar como concorrente em particular de tais gigantes do mercado. No entanto o ramo da cachaça, bebida genuinamente Brasileira, mostra-se contraria a tal lógica, tendo pelos pequenos produtores o domínio do mercado como aponta a revista Pegn. de negócios da Globo* (2019).  A Aguardente 4 Pontes é uma empresa emergente de produção de coquetéis alcoólicos, ao longo de sua história foi se desenvolvendo em relação ao meio de produção, e devido à alta demanda, foi elaborado um projeto para a automatização da sua linha produtiva, que até então era manual. Para isso tomou-se como objetivo construir um protótipo dessa máquina para aumentar a produtividade da empresa. Antes de mais nada o protótipo foi criado e desenvolvido através do componente Arduino UNO e seu micro controlador ATMEGA328, esperando como resultado a dinamização de uma linha de produção que envasasse o líquido precisamente na garrafa. Com a automatização da linha de produção, busca-se tornar o processo mais veloz e eficaz, sendo capaz de baixar o custo de produção de um produto através da substituição do trabalho humano no processo de fabricação, podendo assim dirigir os funcionários para outras funções aumentando consideravelmente a produtividade. Espera-se, com isso, alcançar um modelo que satisfaça a necessidade de produção da fábrica, para que assim a empresa consiga aumentar os requisitos de agilidade, eficácia e capacidade de produção. A pesquisa está embasada em leituras de outros documento e pesquisas qualitativas. Como metodologia a construção de um protótipo, e embasamento teórico por trás da relevância e valor de uma envasadora de baixo custo no mercado, com o qual deverá confirmar a eficácia do projeto.

Palavras-chave: Automação, envasadora bebidas, produtividade, protótipo.

1. INTRODUÇÃO

A automação é um sistema que fazendo a utilização de técnicas mecânicas e elétricas unificadas por programas de computador tem a capacidade de dinamizar e otimizar os processos produtivos a que foram planejadas, podendo encontrá-la nos mais diversos setores da economia. Há 3 tipos de linha produção automatizadas: Automação fixa, Automação programada e automação flexível (ARAUJO, 2018).

Nessa pesquisa será utilizada a Automação fixa principalmente utilizada para linhas de produção de processo repetitivo. A fim da produção de uma envasadora de baixo custo que possibilite micro produtores a terem uma entrada no mercado de bebidas. Tendo em vista as dificuldades do pequeno produtor que pode ter um aumento de até 70% sobre o valor de seu produto devido a alta quantidade de impostos em produtos de cunho alcoólico, levando a um grande entrave, e provando a dificuldade de crescimento nesse mercado, que por fim acaba desestimulando os produtores diminuindo assim a atividade econômica como afirma Campos (2017).

É de suma importância para empresas produtoras que estão em busca do mercado internacional tenham planos de automatização para sua linha de produção, assim como a Aguardente 4 Pontes traça planos e visa uma fábrica completamente automatizada para alcançar tal feito. Pois sendo de suma importância para a busca de mercado em países estrangeiros ter a capacidade de suportar uma maior demanda feita por estes mercados de dimensões maiores que o pais natal da empresa, e para adaptar bem as necessidades e gostos desses locais é necessário uma economia de gastos para poder servir esses mercados a distância (DE PAULA et al, 2018), economia que pode ser passada com a automatização da linha de produção que diminuirá o número de funcionários realizando a mesma tarefa, além de efetuar uma porcentagem menor de erros na etapa de envase e acelerará o processo da fabricação barateando o custo do produto final.

A busca da empresa Aguardente 4 Pontes para o cenário internacional é um desafio, que se pretende alcançar através da automatização de sua produção. Diante do exposto, o presente artigo possui o viés demonstrara a construção de um protótipo em miniatura do projeto final da linha de produção que consiga fazer o papel de encher as garrafas, e tampá-las, a fim de substituir o trabalho que o funcionário tem de realizar, que acaba o fazendo perder tempo útil e efetividade dentro da empresa, no qual poderia ser aproveitado caso fossem cumpridas outras atividades no lugar, gerando assim uma economia de tempo dentro da empresa.  Com a implementação da esteira, há um quadro em que os funcionários não necessitarão realizar as tarefas de produção manual e assim terão mais tempo para realizar outras atividades envolvendo logísticas ou outros setores da empresa (DOCUSIGN COLABORADOR, 2018).

2. DESENVOLVIMENTO

2.1 HISTÓRIA DA AGUARDENTE 4 PONTES

A história da Aguardente 4 Pontes dá-se início com a ideia de aproveitar melhor as frutas de uma árvore de jabuticaba, e com uma revista que sua filha trouxe, José Maria Martins de Siqueira criou a oportunidade do próprio negócio (AGUARDENTES 4 PONTES, 2020).

Figura 1 – capa catálogo Aguardentes 4 Pontes

Fonte: Catálogo de produtos fábrica Aguardentes 4 Pontes

Começando de maneira caseira em 2002 foi evoluindo seu negócio, primeiro da casa dos pais passou para a própria casa, e da própria casa para um sítio com uma fábrica, pois era necessário um aumento espacial para o suprimento da demanda. E assim como no espaço o estilo dos produtos também foi alterando, de início, licores e pingas eram os produtos principais da empresa, mas ao longo do tempo eles abriram caminho para o mercado das batidas que hoje é carro chefe da empresa. Utilizando o leite criaram uma mistura inconfundível e pioneira que de primeira já conquistará o paladar dos clientes, e assim da criação caseira foi para a profissionalização do seu negócio.  E essa é a história da aguardente 4 pontes que hoje tem todos os seus produtos referência em qualidade (SIQUEIRA, 2020).

2.2 PERSPECTIVA ATUAL

O mercado de bebidas é um meio de alta competição onde há empresas muito antigas que tem muita influência no mercado. A aguardente 4 pontes está oficialmente no mercado desde 1985, mas teve início de suas atividades apenas em 2006. A empresa visa à qualidade acima de tudo, sendo a pioneira em diversos sabores hoje muito conhecidos, e ao invés da estratégia de priorizar a venda desenfreada de um produto sem qualidade, ela preza pela qualidade de seus produtos acima de tudo. Assim sendo, sabendo que quem compra volta a comprar, a empresa segue desta maneira, e com a fiel clientela tem a missão de todo mês angariar mais representantes em novos locais para expandir a marca. A aprovação dos consumidores é seu maior marketing, e atualmente está visando o mercado internacional com o intuito de novamente em outros países com mercados promissores disseminar seu produto, levando um pouco do gosto do Brasil mundo afora.

No entanto para isso conta com a dificuldade da produção semiartesanal que limita a quantidade de sua produção (SIQUEIRA, 2020).

Figura 2 – Traseira do catálogo da Aguardentes 4 pontes

Fonte: Catálogo de produtos fábrica Aguardentes 4 Pontes

Para que ocorra a automatização foi feita a pesquisa onde foram vistos modelos de máquinas que cumprissem o serviço exigido pela empresa e foram obtidos preços entre 60 mil e 280 mil reais para máquinas capazes de realizar as atividades desejadas, mas visto tal investimento, problemas começaram a aparecer. Um dos problemas que vieram a aparecer é a demanda nacional que não torna viável a máquina para tal preço até a finalização das negociações internacionais, fazendo assim o alto custo impedir o projeto da automação (SIQUEIRA, 2020).

2.3 PROPOSTA DE PROJETO

Para resolver isso, a missão do grupo foi alcançar uma solução viável e fazer um projeto do esquema de funcionamento da futura fábrica automatizada, de maneira que seja eficiente e barata, sendo sobe medida para empresa. Entretanto o projeto tomou consequências muito maiores, e viabilizou um modelo de máquina de entrada para pequenos produtores com um valor muito abaixo de mercado, e ainda assim cumprir as necessidades do modelo de fábrica automatizada dá Aguardentes 4 Pontes.

3. O MERCADO CONSUMIDOR INTERNACIONAL

A motivação da busca de um mercado internacional se dá ao motivo dos mercados consumidores de outros países serem muito atrativos para investimento, pois podem vir a se tornar boa parte dos clientes da marca no futuro, como mostra o estudo de Vilela (2004) em que demonstra a China e o Brasil como grandes parceiros comerciais, visto a potencialidade do comercio entres os dois países em 2004. As previsões feitas por Vilela (2004) não apenas se concretizaram como ultrapassaram a meta feita de R$16,6 bilhões em um ano, chegando a incrível marca de US$ 19,9 bilhões apenas no 1 semestre de 2020 (VALOR GLOBO, 2020), levando ainda em conta que o primeiro semestre de 2020 foi um semestre atípico devido as paralizações no comércio e a grande crise causada pela pandemia mundial da COVID 19. Somando ainda ao fato de que o setor de alimentos e bebidas é o segundo mais exportado pelo Brasil para a China, em 2009 chegando a marca de 27,52% de todas as exportações feitas segundo dados do MDIC/SECEX analisados no estudo de Feistel (2009), e apenas dois anos depois em 2011 terem aumentado para 32,13% em um segundo estudo feito por Feistel (2011).

Tendo grandes mercados assim como o da China em vista, a empresa Aguardentes 4 Pontes deseja ampliar seu leque de consumidores, tendo como foco principal países como o Canadá e os do grande nordeste asiático. Com o intuito de exportar a linha de batidas – Rainha da Mata” – visa-se a disseminação dos sabores mais característicos de cada país como cargo chefe da campanha individual dentro do mesmo, como pelo exemplo: “Batida a base de leite Canelinha para o Canada, e os sabores mais característicos dos locais de foco de campanha para as exportados de maneira inicial” (SIQUEIRA, 2020).

Figura 3 – Catálogo de produtos Aguardentes 4 Pontes

Fonte: Catálogo de produtos fábrica Aguardentes 4 pontes

As expectativas de crescimento são grandes segundo a analista Packler (2020) de Relações internacionais da empresa, que prevê a exportação de lotes mínimos de U$100.000,00 caso haja aceitação por parte do mercado alvo (SIQUEIRA, 2020).

E assim com essa capacidade de grande crescimento proporcionado por esses grandes mercados, a Aguardentes 4 Pontes visa essa expansão da sua linha produtiva para ser capaz de fornecer ao exterior um produto de qualidade com um bom preço, para que dentro de suas estratégias de mercado e marketing obtenha êxito no mercado.

3.1 BENEFÍCIOS DA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Uma das principais características da automação industrial segundo o Sebrae (“Quais os problemas mais comuns ao iniciar um negócio?”) é o fato da expressiva diminuição de erros resultante da integração eletrônica e mecânica na linha de produção, o que permite a redução de tarefas manuais por parte dos funcionários, sobrando assim mais pessoal para poder ser delegadas outras tarefas. As tarefas sendo melhor distribuídas tornarão a empresa mais produtiva e lucrativa sem ter de fazer investimento em mais mão de obra configurando assim uma melhor gestão do negócio (EQUIPE RUNRUN.IT, 2018).

O desperdício de tempo dentro de uma empresa é um assunto que deveria ser mais levado em consideração na hora de discussão dos problemas de uma empresa, visto que Blanding (2018) afirma em sua entrevista com Amabile na revista da Harvard Business School que esse problema sozinho gera um prejuízo de cerca de U$100 bilhões por ano apenas nos Estados Unidos. Portanto com a automação do processo os funcionários que antes ficavam apenas na área de fabricação poderiam ser facilmente remanejados ou capacitados para exercer outras funções dentro da empresa, a fim de melhorar a dinâmica produtiva da empresa.

Não se pode deixar de lado o aumento na confiabilidade dos processos que além de se tornarem mais seguros são infinitas vezes mais precisos e rápidos o que torna a produção de um produto muito mais rápida do que se fosse feita manualmente, além de outros benefícios como o aumento de produtividade, redução na burocracia e agilidade na apuração de impostos, e um altíssima eficiência no processo de fiscalização (SEBRAE, Conheça a Importância das ferramentas de automação industrial).

Os benefícios da automação não apenas estão concentrados nas questões produtivas, mas também se encontram na maior segurança proporcionada nas fábricas por ela, onde após uma comparação feita dentro das fabricas da Volkswagen. A comparação feita demonstrou que o afastamento por acidente ou fadiga oscila de 3,5% a 4% nas fábricas que não possuíam ainda um sistema automatizado eficiente, e nas fábricas com automação adequada o percentual varia de 1,9% a 2,0%, pois a automação feita evitou os riscos insalubres dos trabalhadores, e com menos esforço necessário, a fadiga foi evitada, e no longo prazo preserva a saúde e sanidade do operário (JUNIOR et al, 2003). Entretanto, muito pelo contrário do que é dito a respeito do suposto desemprego causado pela automação industrial, na verdade a automação salva muitos empregos e empresas pois hoje se as fábricas automatizadas fossem fechadas deixariam muitos funcionários desempregados, pois sem a automação não seria possível o funcionamento delas, fora que a automação industrial permitiu a inserção feminina nas áreas onde eram dominadas por homens, pois com a eliminação das operações consideradas perigosas ou que exigem um esforço físico do homem, pelo fato dos mesmos serviços estarem sendo cumpridos e executados por robôs, e com essa soma de fatores foram abertas as portas para as mulheres se integraram a estas melhores condições de trabalho (JUNIOR et al, 2003).

Por isso o futuro de um produtor é em algum momento automatizar a sua produção, pois em breve a indústria 4.0 será algo presente e comum no cotidiano das pessoas, e é necessário que ocorra essa adaptação as mudanças que estão por vir (DIGITAL HOUSE, 2020). O modelo de baixo custo da envasadora beneficiará os pequenos produtores que no presente se veem sem condições de crescer nesse caminho arde-o que é a estrada inicial da empresa, por isso tendo sua produção inteira feita em uma máquina capaz de realizar as 4 operações que são vendidas por um custo altíssimo no mercado:” envasar, alimentar as tampas, selar a garrafa, e inserção do adesivo de identificação”. Estas operações em uma máquina podem passar dos 30 mil reais e chegar até mais de 100 mil reais. Comparando os preços entre os modelos, será de fácil entendimento que para aquele com pouco capital por um preço acessível e justo conseguir comprar uma só máquina que consiga realizar todas as operações o beneficiará de maneira tremenda, assim sendo o impulsionara não apenas sua economia, mas fomentar a de muitos outros produtores que podem se interessar em entrar na área visto a facilidade disponível na produção proporcionada pelo protótipo.

3.2 CARGA TRIBUTÁRIA QUE EMPEDE O CRESCIMENTO

A partir da necessidade de revisão de leis do Simples Nacional, o ex-presidente Michel Temer assinou sem nenhum veto a sanção do projeto de lei complementar do Simples nacional que entrou em atuação em 2018, após grande pressão por parte da Abracerva – Associação Brasileira de Cerveja Artesanal. Com a sanção, o limite de faturamento das microempresas passou de R$360 mil reais para R$900 mil reais, para os produtores de pequeno porte o limite de R$3,6 milhões anuais passou a ser R$4,8 milhões (CELSO JR, 2016). Além do limite de faturamento para microempreendedores individuais (“MEIs”) que também recebeu um aumento de teto ficando o novo valor limite a R$81 mil reais. Além claro do aumento de prazo para os micros e pequenos empresários quitarem suas dívidas que de 60 meses passou a 120 (MARIA CEVADA, 2016).

Embora tenha sido um grande passo para os micros e pequenos produtores, segundo Campos (2017, p. 10) muitas micro e pequenas produtoras ainda permanecem excluídas do Simples Nacional e que seria necessária uma revisão legislativa.

Para solucionar essa questão, foi editada a LC 123/06, no intuito de estabelecer regras facilitadoras nos diversos campos jurídicos, inclusive, na seara tributária, denominada “Simples Nacional”. Referido diploma, apesar de ser um avanço quanto à desoneração tributária e a desburocratização da atividade, ainda apresentar problemas substanciais, não concretizando o tratamento diferenciado e favorecido previsto constitucionalmente às micro e pequenas empresas (CAMPOS, 2017).

Segundo Cervieri Junior (2014) citado na pesquisa de Campos (2017, p.71), o mercado das cervejas no Brasil é em suma dominado por 4 grandes empresas, que juntas concentram 98,4% do mercado, sendo as respectivas empresas: Ambev (67,9%), Petrópolis (11,3%), e o novo grupo da Heineken e Brasil Kirin que representam 10,8% do mercado.

Esse oligopólio que surgiu por meio de muitos processos de fusão e aquisição entre cervejarias, ultrapassa até mesmo as barreiras nacionais, e o oligopólio representa a primeira grande barreira para os produtores de entrada, por este ser um mercado dominado de grandes marcas, e sua estrutura ser centralizada (MARCUSSO, 2015). Essa barreira em si já traz muitas limitações, pois o portfólio do pequeno consumidor é muito limitado em números e em produtos comparado aos das grandes cervejarias, que conseguem por si só ter uma grande gama de produtos para agradar as mais diversas preferências (CAMPOS, 2017). E há outro grande diferencial entre as grandes cervejarias e as micros pequenas empresas, que chega a ser o maior caráter decisivo no mercado que os diferencia, esse diferencial é o nome da marca que foi construído sobre grandes investimentos em publicidades, os quais em 2013 chegaram à marca de R$ 5,864 bilhões em anúncios no ramo das bebidas (CERVIERI JUNIOR et al., 2014). Caracterizando assim mais uma exclusão de mercado sofrida pelos pequenos produtores.

Os gastos do produtor para a fabricação do produto muitas vezes chegam a ser um grande entrave pelo monopólio das matérias primas (SEBRAE, 2016), que se soma ao custo mão de obra para a produção e distribuição para ser repassado no valor final do produto. porém como se já não fosse um grande desafio estar em um mercado concorrendo com essas grandes empresas, a carga tributária parece andar na contra mão do produtor. Considerando um valor de R$10,00 o litro da cachaça Campos (2017, p.95) afirma.

No caso do IPI, a TIPI prevê, como alíquota, 25%.

Para o produto, o PIS tem alíquota de 0,65%, conforme art. 2°, §4°, I, b, Lei 10.637/02, e a COFINS, por sua vez, tem alíquota de 3%, nos termos do art. 2°, §5°, I, b, Lei n° 10.833/03.

No caso do ICMS, a alíquota interna do Estados de São Paulo para cachaça é de 18%, resultando em R$ 2,74.

Portanto, para venda para o consumidor final, a cachaça, cujo valor para o produtor tenha sido de R$10,00, sai do estabelecimento custando R$15,60.

Tabela 1 – Carga tributária presente na cachaça

Fonte: CAMPOS, CAROLINA SILVA, “As micro e pequenas produtoras de bebidas alcoólicas artesanais excluídas do Simples Nacional e os custos tributários: uma necessidade de revisão legislativa”. USP FDRP, 2017, P. 89-95.)

Levando em conta essa alta carga tributária, o pequeno produtor se encontra em uma situação desfavorável perante o grande monopólio, pois mesmo vendendo menos acaba por pagar a mesma carga tributária que as grandes cervejarias pagam, ficando em desvantagem por pagar muito mais do que pode configurando assim um verdadeiro confisco. Isso levando em consideração que os pequenos produtores façam a venda direto para o produtor final, pois se houver algum intermédio por revendedor ou varejista a carga tributária pode facilmente levar a um aumento de 70% sobre o produto (CAMPOS, 2017).

Além disso o custo de distribuição praticado pode chegar até 10% e 13% do preço ao consumidor, fora que o orçamento para que seja alcançado esse valor de distribuição pode corresponder até três vezes o valor do investimento da instalação da empresa (ROSA et al, 2006). O que se torna uma outra grande desvantagem para o micro pequeno produtor que não tem estrutura nem rede para custear a distribuição do produto.

Ainda assim as micro e pequenas empresas são responsáveis por uma grande fatia do PIB[5] brasileiro, segundo Campos (2017, p.28) “[…] as menores empresas são responsáveis por gerar, aproximadamente, 27% do PIB brasileiro, participando, assim, de mais de um quarto do produto interno bruto nacional.”. E não somente representam grande parte do PIB como, em 2013 geraram 41,4% e 52,1% dos empregos com carteira assinada (SEBRAE, 2015), e, portanto, são de suma importância para a economia do país, por isso além das revisões nas sanções e leis, um modelo que barateasse sua produção seria muito efetivo na permanecia no mercado. A automação industrial poderá proporcionar para os micros e pequenos produtores grandes chances de crescimento, e um modelo de baixo custo seria excelente para que suas vendas comecem a ganhar consistência e superar estas barreiras.

4. ELABORAÇÃO DO PROTÓTIPO

4.1 CONCORRENTES NO MERCADO

O protótipo foi pensando de maneira a atender as necessidades gerais da produção de uma fábrica de bebida, cumprindo com o envase, o posicionamento da tampa, o tapamento, e a identificação por adesivo. Essas em suma são as atividades primordiais para a Aguardentes 4 Pontes na hora de fazer suas batidas, partindo dessas atividades bases, foi projetada uma máquina capaz de realizar todas pelo menor valor possível, e que seja capaz de ter uma produção considerável e rentável para o seu utilizador.

Foram feitas pesquisa a respeito das concorrentes do mercado, em que foi constado que na maioria dos casos com uma máquina capaz de aguentar 1000ml os valores das máquinas de cada processo ultrapassariam facilmente os R$10 mil reais por unidade podendo uma máquina que realiza uma única atividade ultrapassar a casa dos R$38 mil reais, que somando os valores de todas as máquinas necessárias para o primordial da produção de bebidas mais eventuais custos e despesas como o frete e a montagem, o projeto passaria sem dúvidas da casa dos R$50 mil reais escolhendo os modelos mais baratos. O valor elevado, se torna um empecilho e acaba não viabilizando para o pequeno produtor que muitas vezes não tem nem a metade do valor do projeto em faturamento, ainda tendo de pagar todas as despesas necessárias da própria fábrica (SIQUEIRA, 2020).

Tabela 2 – Comparação de preços e funcionalidades. Feita em: 05/11/2020

Modelos de máquinas Tipo de operação Capacidade de produção Preço
Envasadora de Líquidos Cetro com dois bicos 1000-5000ml Envase (semiautomático) Até 3000 frascos/hora R$17.590,00
Rosqueadeira / tapadora Distribuição de tampa e tapamento (automática) Até 2.500 frascos por hora R$36.000,00
Rotuladora modelo SPCA (frasco plano) + datador modulado tipo Hot-stamping Rotulação (semiautomática) + datação (automática) Média de 2.000 frascos/hora R$34,800,00 + R$7.400,00
Projeto da envasado de baixo custo Envase completo de 2 bicos automático Média de 220-600L/h De R$5.000,00 até R$10.000,00
Características Tipo de Máquina Produção p/h Valor total
Total baixo custo automática 220L-660L/h R$5.000 – R$10.000
Total alto custo Semiautomática 2.000 frascos R$78.217,59

Fonte: Autoral

Fora esses empecilhos, com essas máquinas separadas a fabricação de bebidas ainda necessitaria de muitos funcionários e mão de obra para operar as máquinas em cada processo por serem todas máquinas semiautomáticas, fora que a taxa de envase pode não chegar a ser satisfatória o suficiente para cobrir todos estes gastos, o que acaba por não viabilizar esse tipo de automação para pequenos produtores.

Seguindo a análise de investimentos Payback[6], um investimento desse a longo prazo poderia ser atrativo dependendo da quantidade de caixa disponível da empresa, no entanto sua análise se resume no tempo de recuperação de investimento feito, e que possui como parâmetros períodos nos quais em suma são em meses, em que o empreendimento é resgatado pelos lucros obtidos (PAMPLONA; MONTEVECHI, 2006).

Entretanto, segundo Pamplona e Montevechi (2006), o Payback tem suas limitações por não observar a situação financeira após o período de análise e desconsiderar o valor do dinheiro no tempo. Levando apenas em conta “a taxa mínima de atratividade”, o que demonstra que no papel um investimento desse porte poderia ser interessante, mas na realidade há outros fatores a se considerar, como por exemplo o fato de que um pequeno produtor tem sua produção e fabricação de produtos de forma volátil e sem clientela fixa, também não havendo grandes números de pedidos feitos de maneiras fixas para poder fazer uma conta a longo prazo com estabilidade. Além de somar a questão dos vários operários que ainda sim haveriam de operar a produção por ser semiautomática. Portanto o mesmo método pode ser apenas utilizado como ferramenta de suporte para análise do investimento neste caso.

Isso tudo deve ser levado em conta na hora de fazer um investimento, visto que em 2018 cerca de 762,9 mil companhias fecharam suas portas por vários motivos (IBGE, 2018), sendo grande parte delas fechadas por má gestão empresarial que levam várias organizações à falência várias vezes antes mesmo de completar seu 5° ano de existência. Em muitos casos as corporações vítimas do mal planejamento de negócios e da desorganização durante os processos são vítimas da própria administração, que como agravante são pressionadas pela alta carga tributária do governo brasileiro e muitas vezes por dívidas resultantes de investimentos de alto valor que foram frustrados (NUNO, 2019). Portanto tudo deve ser levado em conta, e não apenas o pensamento de essa empreitada ser um investimento e ter a chance de gerar um retorno futuro. Para realizá-lo é preciso de um planejamento bem estruturado e um roteiro das etapas, para que a empresa consiga fazer um alto investimento desse sem acabar falindo, assim como muitas empresas que acabam fechando as portas antes mesmo de gerarem os primeiros resultados (DINO, 2019).

4.2 VANTAGENS EM RELAÇÕES AOS PRODUTOS CONCORRENTES

As pequenas empresas muitas vezes não têm a estrutura financeira e nem corporativa para aguentar o peso de um investimento de grande porte como o necessário para a compra das referidas máquinas anteriormente citadas, somando ainda ao fato da mortalidade elevada analisada pelo Sebrae-SP (2010) em que cerca de 46% das pequenas empresas fechavam as portas em São Paulo após o 3° ano. Por este e outros motivos entraves para a entrada de pequenos produtores de bebida no mercado, o modelo da envasadora de baixo custo se torna uma solução muito eficiente e viável para esses produtores que encontram grande dificuldade no ambiente hostil que é a criação de uma micro pequeno empresa. O protótipo possuirá uma montagem maleável e sob medida para as especificações desejadas pelo cliente, portanto a quantidade de envase por hora poderá ser alterada na hora da encomenda para atender assim as necessidades do produtor, portanto o projeto está sujeito a mudanças técnicas, como por exemplo: O pressurizador escolhido, tamanho da mangueira, quantidade de bicos, o diâmetro do bico de saída do líquido para a garrafa, e até mesmo o tamanho do próprio projeto.

O modelo de envasadora de baixo custo realiza todas as operações necessárias para o envase completo, desde o enchimento da garrafa até a gravação de identificação pelo adesivo. Quando comparado a seus concorrentes no mercado a diferença de valor fica clara, e por um valor acessível os micro e pequenos produtores conseguem ter uma envasadora capaz de realizar as 4 operações, e ainda por cima com uma taxa de envase proporcional e capaz de sustentar uma micro e pequena empresa que terá grande economia com funcionários e mão de obra. Tudo isso sem fazer grandes empréstimos e investimentos de alto custos que muitas vezes acabam por comprometer a saúde financeira da empresa e levá-la à falência, assim como demonstra a revista de negócios Pegn. da Globo** (“Dê adeus aos problemas financeiros) sobre medidas a serem tomadas antes de serem feitos investimentos.

> Usar no máximo dois terços dos recursos em infraestrutura e pessoal e guardar o restante para um plano de marketing e formação de capital de giro.

> Calcular o prazo de retorno: se a rentabilidade mensal projetada for menor que 2% em relação ao investimento inicial, é melhor rever o projeto.

A Aguardentes 4 Pontes como micro pequena empresa, tem sua produção inteira manual, e o envase é feito por um pressurizador, com uma média de 300L/h, para ela um modelo simples de dois bicos daria conta de suprir cerca de 73,33% da produção sozinho, realocando assim os funcionários para outros setores da fábrica. O investimento se tornaria viável caso o intuito fosse a substituição de mão de obra para economia e crescimento, porém a Aguardentes 4 Pontes almeja o mercado internacional. Portanto para o seu caso, o protótipo já deveria contar com propriedades mais robustas a fim de ter uma alta taxa de envase, chegando ou ultrapassando a marca de 3.000L/h de envase por hora, e é com essas especificações que o projeto será alterado no futuro para se adaptar à fábrica (SIQUEIRA, 2020), mediante maior investimento do que foi proposto nesse estudo, visto as especificações desejadas.

Por isso com essa capacidade de modificar a quantidade e as especificações desejadas de envase, o projeto consegue oferecer uma excelente proposta aos micros e pequenos produtores que buscam um refúgio e uma solução para melhorarem suas chances de sucesso no mercado.  As adversidades presentes no mercado competitivo e nas tributações permanecerão enquanto não forem tomadas medidas de poder maior, no entanto com uma envasadora de baixo custo o pequeno produtor conseguirá diminuir significativamente os gastos com mão de obra, e economizar tempo e pessoal que poderão realizar outras tarefas na empresa. Além de fomentar novos micro e pequenos produtores, que poderão começar apenas comprando a envasadora e assim se arriscar no mercado produzindo suas bebidas, até que consolide sua cervejaria e assim contribua com a economia brasileira fomentando novos empregos de carteira assinada.

5. CONSTRUÇÃO ESTRUTURAL

5.1 PARTE ESTRUTURAL

O protótipo começou a ser feito a partir de um desenho no AutoCad onde foi calculada o tamanho da base da garrafa, o tamanho do círculo e da base para apoiar o projeto.

Após isso começou-se a construção do protótipo, primeiro trabalhou-se com as madeiras, com auxílio de um serrote e de uma morsa manual foi cortada 2 placas de madeira compactada de 1 cm de espessura e 1 placa de MDF de 10mm de espessura nas medidas de 520x520mm, e foi encomendado um círculo de MDF com 260mm de diâmetro e 30mm de espessura, pois o círculo tinha que ser perfeito para não afetar o projeto.

Assim que foi construída a base de sustentação do projeto, foi projetado uma gaiola com barras de ferro em formato retangular com 15x15mm de lado, com o intuito de servir de apoio para o cilindro pneumático poder ficar estático no ar, assim como para colocar o reservatório simples de líquido e o dar suporte para colocar o distribuidor de tampas, e entre outros. Primeiro marcou-se o ferro, 4 barras na medida de 24cm, 4 barras na medida de 52cm e 4 barras na medida de 75cm. Seguidamente com auxílio de um profissional com as ferramentas necessárias, foram cortadas as barras com as respectivas dimensões na seccionadora. Em seguida, foram todas as barras soldadas com o auxílio de uma máquina de solda, e com outros ferros posteriormente cortados sob medida para a garrafa de 1 litro da Aguardentes 4 Pontes, foi feito um apoio para a mangueira que faz o envase da garrafa. Logo após foi feita uma placa de ferro sob medida de 70mm x 70mm x 3mm para servir como regulador de direção horizontal do acionador pneumático. Logo depois foram feitos 4 buracos na madeira com uma serra tico-tico para servirem de encaixe entre a base e a gaiola de ferro, e a fim da união destas duas partes foram feitos 4 furos nas barras inferiores e nas 3 placas de madeira com uma furadeira, e depois parafusou-se tudo de forma que uniu a base do projeto com a gaiola de ferro. Enquanto isso foram feitas as bases para colocar as garrafas, foram cortadas 12 placas de madeira compactada nas dimensões de 20mm x 10mm x 10mm, e foram coladas e pregadas no círculo de madeira, para que possam servir como fixadores de posição de garrafa.

A base de madeira, de modo a permitir a sua rotação e ainda distribuir o peso dos objetos postos sobre ela, foi reforçada com o emprego de 4 rodas de silicone, as quais são flexíveis e capazes de mudarem sua direção quando necessário. Desse modo, foram fixadas logo abaixo do molde onde abrigará o objeto, estabelecendo um ângulo de 90° em cada ponto.

Figura 4 – Imagem esquerda: Base giratória (vista inferior); Imagem direita: Base giratória (vista superior).

Fonte: Autoral

Concluída a base e a gaiola do protótipo, fez-se um furo na parte de baixo da base com uma broca de 20 mm de diâmetro tirando 20 mm de profundidade, e fez-se um furo passante no círculo com a mesma broca. Em seguida forma feitos mais 2 furos de 5 mm de diâmetro na plataforma, passantes, para acoplagem do motor à mesa. Seguidamente foi feita a junção dos componentes, o motor de passo foi fixado na mesa e o eixo do motor foi acoplado à base giratória. Esse procedimento foi feito por meio de um prendedor de eixo, o qual foi desenvolvido pelo grupo. O ajuste foi estabelecido quando as quatro rodas atingiram a uniformidade ao tocar a plataforma.

Depois de acertado o ajuste do motor e da sua base, colocou-se o cilindro pneumático parafusando-o na placa de ferro quadrada feita anteriormente, de forma que possa ser preso na barra de ferro na posição desejada, e maleável a alterações. Para fazer o tanque foi comprado um galão de água de 5 litros, inseriu-se uma mangueira com 2 borrachas de silicone para que não haja vazamento de líquido, e servindo de apoio para o tanque foi cortada e posta uma placa de madeira compactada de 20cmx20cmx1cm, a qual foi anexada na parte superior da gaiola. A válvula de líquido foi posicionada em uma haste de ferro, com formato “L” na qual a ponta abriga a válvula e a sua medida central abriga o sensor ultrassônico.

Após ter feito a estrutura principal, foi elaborado um distribuidor de tampas com os materiais que haviam sido adquiridos, e assim com eles foi projetada uma estrutura de madeira com 3 placas de madeira com as respectivas dimensões de 6cm x 40cm x 1cm, que foram coladas de modo a sobrar um espaço de 20mm de altura no interior, que é o espaço ocupado pelo modelo de tampa da Aguardentes 4 Pontes. Desta forma, para fazer a parte do bocal onde há de sair a tampa da garrafa, foi cortado uma garrafinha decorativa removendo a parte superior e inferior da garrafa, deixando somente a parte do meio que foi dividida em 2 partes que foram grampeadas na lateral da madeira para formar um bocal de forma que quando a boca da garrafa passar abaixo do distribuidor de tampas, pegar uma tampinha, e de resultado, uma outra cair com a ação do peso da gravidade e pressão pelo peso das outras tampinhas, ficar esta nova tampa presa no bocal. Ao testar pela primeira vez não funcionou, após observar que a tampinha estava indo para cima, foi colada uma placa de madeira de 6cm x 10cm x 1cm em cima da estrutura, o que solucionou o problema, tornando funcional e efetivo o distribuidor de tampas.

Concluído a parte estrutural do projeto, foi pintado o protótipo com tinta spray preta e tinta branca líquida. Após isso a estrutura para colocar a tampinha foi presa com fitas Hellerman e com cordas na estrutura de ferro. A base do tanque foi presa com fita Hellerman na parte de cima da estrutura de ferro, e o cilindro que foi retirado para a realização da pintura foi novamente preso a estrutura.

Para finalizar, foi reutilizada uma caixa para abrigar os componentes eletrônicos, juntamente com a fonte de alimentação. O material da caixa é feito de papelão e ela foi empregada unicamente com a finalidade de proteção dos componentes em relação a sujeiras ou poeira.

5.2 PARTE ELÉTRICA

5.2.1 ARDUINO UNO

Figura 5 – exemplificação estrutural do Arduino Uno

Fonte:https://deinfo.uepg.br/~alunoso/2019/SO/ARDUINO/ARQUITETURA/index.html

O Arduino Uno é a primeira placa inventada que possui USB, é também a placa mais utilizada, possuindo o microcontrolador ATmega328, com 14 pinos digitais que podem ser configurados como entrada ou saída e 6 desses pinos podendo ser também usados como saída PWM, conta com 6 pinos de entrada analógica, um cristal oscilador de 16Mhz, conector para programação, botão de reset para reiniciar a placa, conector para fonte de energia, e conexão USB (SOLDA FRIA, 2019).

A escolha do Arduino Uno se deve ao fato de que é um componente com baixo custo de prototipagem, ele é programado por linguagem C++, ou seja, é de fácil programação, e tem acesso a um maior número de softwares de simulação gratuitos, além disso, tem um vasto número de tutoriais e projetos na internet, e também tem uma excelente eficiência em protótipos “Concluímos que é possível observar a precisão do sensor e a eficiência do Arduino como controlador” (FRANCIO et al, 2017).

Os CLP’s por sua vez, apesar de ter maior segurança e precisão nos controles do processo, possuem muitas vezes um mau contato, necessita de inúmeros relés e de manutenções periódicas, bem como tem um custo muito elevado (FREITAS, 2013).

Tabela 3 – Comparação de valores entre um Arduino e um CLP

TABELA DE COMPARAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO (2020)
NOME DO COMPONENTE PREÇO ATUAL NO MERCADO (2020)
Arduino UNO R3 ATMEGA328 R$32,90
CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL WEG CLP CLIC02 24VCC 20VR R$1.297,58

Fonte: Autoral

5.2.2 DRIVER A4988

Figura 6 – Exemplificação estrutural Driver A4988

Fonte: imagem: https://www.curtocircuito.com.br/blog/controle-de-motor-de-passo-nema-driver-a4988

O driver A4988 é um driver projetado para operar com motores de passo bipolar, ele tem 5 modos de passo, o Completo, Meio passo, Quatro etapas, Oito etapas e Dezesseis etapas. O driver tem 2 tensões uma que ele envia para o motor que é de 8-35V e ±2A e uma para seu microcontrolador que é de 3,3-5V.

Quanto a pinagem o driver tem os pinos MS1, MS2 e MS3 que são os controles do modo de passo, STEP e DIR que são o controle de passos e direção, VDD e GND que é a alimentação do microcontrolador(3,3-5V), 2B, 2A, 1A e 1B que são as conexões bobina motor, VMOT e GND que são a alimentação do motor(8-35V) e os pinos ENABLE, RESET e SLEEP (KOYANAGI, 2017).

5.3 MONTAGEM

Figura 7 – Esquema elétrico do protótipo da envasadora de baixo custo

Fonte: Autoral

A parte elétrica do protótipo necessita de 3 tomadas, uma para o compressor, uma para a válvula solenoide e uma para a válvula elétrica de água.

O Arduino UNO está ligado ao notebook pela entrada USB, e através dela é executado os comandos da programação, o Arduino está conectado ao driver pelos pinos 4 que está ligado a porta DIR que controla a direção, 7 que está ligado a porta STEP que controla os passos no motor, pelo pino 10 que está ligado ao ENABLE, e pelos pinos VCC e GND do Arduino para alimentação.

O driver A4988 além das conexões com o Arduino está ligado a alimentação do motor pelos pinos VMOT e GND em paralelo com um capacitor de 100µF, está com o RESET e o SLEEP conectados, e está conectado ao motor bivolt NEMA23 pelos pinos 2B, 2A, 1A e 1B que são as conexões bobina motor, os pinos MS1, MS2 e MS3 não foram utilizados, pois, não se precisou alterar o controle de passos.

Além disso, o Arduino está conectado ao relé pelos pinos 2 e 3 que controlam respectivamente os sinais para abrir e fechar a chave e está conectado ao sensor ultrassônico pelos pinos 11 que está ligado ao TRIGGER que envia as ondas de frequências altas e o pino 12 que está ligado ao ECHO que capta as ondas recebendo assim a informação, tanto o relé quanto o sensor estão conectados ao VCC e GND do Arduino.

O relé controla a passagem da corrente das válvulas elétrica e pneumática e a válvula pneumática está conectada ao compressor que fornece a pressão necessária para realizar o procedimento de tampar a garrafa.

5.4 FLUXOGRAMA DE FUNCIONAMENTO

Figura 8 – Fluxograma de funcionamento do motor de passo do protótipo

Fonte: Autoral

5.4.1 LÓGICA DO FUNCIONAMENTO

Ao inserir a garrafa na esteira, aciona-se o motor que gira 90 graus, ou seja, se cada passo é 1,8 graus pois está se trabalhando com passo completo, o motor precisa de 50 passos, que está representado no programa da seguinte maneira:

“for(x = 0; x < 50; x++)”.

O sensor ultrassônico manda sinais em forma de onda para localizar se a garrafa está posicionada entre 5 e 7 cm, ele serve como uma forma de segurança para que a válvula de líquido acione somente quando a boca da garrafa estiver posicionada embaixo da válvula elétrica de água.

Se o sensor ultrassônico não detecta a garrafa, a válvula pneumática que controla o pistão é acionada por 5 segundos, tempo necessário para tampar a garrafa. Todavia, se o sensor detectar a presença da garrafa além de acionar a válvula pneumática, aciona também a válvula de líquido por 60 segundos, tempo necessário para encher a garrafa.

5.5 MERCADO CONSUMIDOR FINAL E AREAS DE ATUAÇÃO

O Brasil como país origem da cachaça e sendo o único capaz de realmente poder fabricar a tradicional e original cachaça, possui grandes possibilidades de mercado, segundo Silva (2018) e Pinheiro (2018), espera-se que surjam em torno 2.500 cervejarias até 2035, e que mesmo nos números mais realistas e menos otimistas projetados por Beck (2014), em 20 anos chegaria a cerca 1.500 cervejarias com uma produção anual no entorno de 700 milhões de litros, que representaria 2,5% do mercado. Com esses dados em conta pode-se notar o Brasil como um grande país ainda para o crescimento de mercado e que teria sim público-alvo para uma envasadora de baixo custo, capaz de ajudar essas 1.500 cervejarias a se erguerem e firmarem no mercado.

O público-alvo certamente é os micro e pequenos produtores, que buscam uma máquina de entrada para se firmarem e ganharem experiência no mercado, que consigam ter uma produção mediana suficiente para comércio dentro de sua região e estado, até alcançar estabilidade e partir para novos mercados e novos consumidores.

Segundo Ferreira et al. (2011), citado por Silva (2018) os pequenos produtores tem uma grande vantagem em específica em relação as grandes empresas, que se dá, a ampla variedade de estilos.

os micros cervejeiros têm uma proposta diferente para o mercado, em comparação as grandes companhias do setor. São produtores especializados em cervejas exóticas e naturais, utilizando-se de técnicas artesanais de fabricação, para entregar uma ampla variedade de estilos, a fim de satisfazer os clientes mais exigentes e consumidores de produtos mais “gastromizados”, penetrando em um mercado ainda não ocupado pelas grandes cervejarias

Portanto é de suma importância e relevância para que essa gama de produtores tenham a maior quantidade de opções para fomentar seus produtos e contribuírem com o desenvolvimento da economia e de suas marcas.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O estudo da envasadora de baixo custo gerou diversas referências e informações a respeito do mercado, portanto concluísse o modelo como apto, mediante investimento, para a inserção no mercado, tendo como público-alvo micro e pequenas empresas produtoras de bebidas. Também assim, complementando o acervo desse nicho de pesquisa tão pouco tratado entre a automação industrial e indústria de bebidas academicamente.

Juntamente com o modelo de baixo custo projetado, foi analisado a situação econômica da fábrica Aguardantes 4 Pontes, e constatou-se que mediante aprovação para comercialização internacional, ela estaria apta a fazer o investimento, e ter o protótipo adaptado de maneira que atenda às necessidades da empresa.

Ainda assim o primeiro protótipo de custo inicial máximo de R$880,00, teve bom desempenho mediante as peças escolhidas e configurações aplicadas, onde conseguiu efetuar todas as operações, exceto a de identificar a garrafa por meio do adesivo. Não mediante a fracasso na fabricação do mesmo, mas em custo, pois para fazer a peça que atuaria na identificação acabaria por ultrapassar o limite no orçamento estabelecido para esse modelo, que tem como característica a simplicidade e o preço.

A perspectiva do grupo sobre o projeto é uma perspectiva otimista, tendo em vista os bons dados obtidos com a pesquisa sobre mercado e a área de atuação, além da confecção do protótipo inicial que para os materiais utilizados teve um excelente desempenho de 100 litros por hora utilizando apenas um bico e sem nenhum pressurizador para dar pressão ao liquido na hora do envase, assim cumprindo com 1/3 da produção que é atualmente exercida na Aguardentes 4 Pontes, levando ainda em conta que o orçamento do projeto não custou um salário mínimo. O grupo também considera a ideia rentável a apresentações em conferências de investimento, para que o projeto possa ser iniciado, ajudando assim milhares de pequenos produtores a automatizarem suas produções. Além de criar outras linhas de modelo com maior valor de envase para alcançar assim também outros públicos.

E fica como recomendação para posteriores estudos, a viabilidade da confecção de um modelo de produção em larga escala integrado com preço justo e acessível para médios produtores, e que seja feita também pesquisas referentes a área de automação e análise de mercado e tributações de pequenos negócios, pois houve grande dificuldade em achar estudos que houvesse os dois em conjuntos. E será uma grande contribuição para a automação estar presente em pesquisas que provem que ela poderá ajudar muitos tipos de negócios e comércios a terem mais chances de sucesso no futuro.

REFERÊNCIAS

ARAUJO, Edgar Oliveira. “Um estudo de automação visando o Aumento de produtividade na construção civil”. UFRJ. Pag. 11-15. 2018.

BATISTA, Josiane. “Entenda o que é Payback e saiba como calcular”. Flua, 2019. Disponível em:< https://www.flua.com.br/blog/entenda-o-que-e-payback-e-saiba-como-calcular/>. Acesso em 25/11/2020.

BECK, M. “O potencial da cerveja artesanal brasileira: uma análise econométrica”. O Globo. Disponível em:<http://blogs.oglobo.com/dois-dedos-de-colarinho/post/o-potencial-da-cerveja-artesanal-brasileira-uma-analise-econometrica-550457.html.>. Acesso em: 07/11/2020

BLANDING, Michael. “American Idle: Workers Spend Too Much Time Waiting for Something to Do”. Harvard business school, 2018. Disponível em:< https://hbswk.hbs.edu/item/american-idle-employees-are-wasting-way-too-much-time>. Acesso em: 06/11/2020

CAMPOS, Carolina Silva. “As micro e pequenas produtoras de bebidas alcoólicas artesanais excluídas do Simples Nacional e os custos tributários: uma necessidade de revisão legislativa”. Universidade de São Paulo Faculdade de Direito de Ribeirão Preto. 2017.

CELSO JR, Luís, “Sancionada a lei que inclui micro e pequenas cervejarias no Simples Nacional”. Bar do Celso, 2016. Disponível em:< https://bardocelso.com/sancionada-a-lei-que-inclui-micro-e-pequenas-cervejarias-no-simples-nacional/>. Acesso em:06/11/2020.

CERVIERI JUNIOR, Osmar; VEIRA, Calos Takashi Jardim da. “O setor de bebidas no Brasil”. BNDES setorial 40, 2014, p. 93-130. Disponível em:< https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/bitstream/1408/3462/1/BS%2040%20O%20setor%20de%20bebidas%20no%20Brasil_P.pdf> Acesso em: 06/11/2020.

DE PAULA, Roberta Manfron; FERREIRA, Manuel Portugal; RESENDE, Paula da Silva Quinte.  “Aplicação das teorias de internacionalização em pequenas empresas”. FUMEC, 2018, p. 1-4

DIGITAL HOUSE. “Indústria 4.0 no Brasil: como a era industrial transformou as profissões e o mercado brasileiro”. Digital House, 2020. Disponível em:< https://www.digitalhouse.com/br/blog/industria-4-0-no-brasil >. Acesso em: 05/11/2020

DINO.” Em 2019, empresas continuam fechando por má gestão empresarial”. Terra, 2019. Disponível em:<https://www.terra.com.br/noticias/dino/em-2019-empresas-continuam-fechando-por-ma-gestao-empresarial,ed4b5b87d79d2c574911ec214c467cb6t0fw7sqd.html>. Acesso em:05/11/2020.

DOCUSIGN, COLABORADOR. “Entenda o que é automação empresarial”. Docusign, 2018. Disponível em: <https://www.docusign.com.br/blog/entenda-o-que-e-automacao-empresarial>. Acesso em: 10/10/2020.

RUNRUN.IT, “Como a ociosidade influência as relações entre tempo e trabalho”. Runrun.it, 2018. Disponível em:< https://blog.runrun.it/tempo-e-trabalho/>. Acesso em: 06/11/2020

FEISTEL. Paulo Ricardo*; HIDALGO, Álvaro Barrantes**. “A competitividade das regiões brasileiras no intercâmbio comercial com a China”. UFSM*, PIMES**, 2011. Pag. 3-9.

FEISTEL, Paulo Ricardo*; Hidalgo, Álvaro Barrantes**. “O intercâmbio comercial nodeste-china: desempenho e perpectivas”. UFMS*, UFPE**, 2011. Pag. 3-4.

FERREIRA, R. H.; VASCONCELOS, M. C. R. L.; JUDICE, V. M. M.; NEVES, J. T. de R. “Inovação na fabricação de cervejas especiais na região de Belo Horizonte. Perspectiva em ciência da informação”, Revista Produção Online. Florianópolis, SC, p.171-191, 2011.

FRANCIO, Alexandra Campganaro; Zaccaria, Jhoni Alan; Tessari, Everton; Villa Paula. “Sistema de controle de gotejamento utilizando Arduino” IFRS, 2017. Disponível em:<https://eventos.ifrs.edu.br/index.php/MEPE/MEPE2017/paper/view/3753>. Acesso em: 09/11/2020.

FREITAS, Carlos Márcio. “CLP – Controlador Lógico Programável – Parte 1”. Embarcados, 2013. Disponível em:< https://www.embarcados.com.br/clp-parte1/>. Acesso em: 09/11/2020.

JÚNIOR, Antônio Pereira de Araújo; CHAGAS, Christiano Vasconcelos das. “Uma rápida análise sobre automação industrial” DCA-CT-UFRN Natal – RN, 2003. Pag. 2-3.

KAYONAGI, Fernando. “Motor de passo com Arduino e o Driver A4988”. FernandoK, 2017. Disponível em:< https://www.fernandok.com/2017/12/motor-de-passo-com-arduino-e-o-driver.html>. Acesso em: 08/11/2020.

NUNO, ADELMO.” Falta de planejamento financeiro: 74% das startups fecham após 5 anos de existência”. Startupi, 2019. Disponível em:< https://startupi.com.br/2019/08/falta-de-planejamento-financeiro-74-das-startups-fecham-apos-cinco-anos-de-existencia/>. Acesso em: 06/11/2020

MARCUSSO, Eduardo Fernandes. “As microcervejarias no Brasil atual: “sustentabilidade e territorialidade””. 2015, 171p. Dissertação (Mestrado em Sustentabilidade na Gestão Ambiental) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

MARIA CEVADA. “Microcervejarias incluídas no Simples Nacional!”. Maria Cevada, 2016. Disponível em:< https://www.mariacevada.com.br/2016/10/microcervejarias-incluidas-no-simples.html>. Acesso em: 06/11/2020.

PAMPLONA E. O.; MONTEVECHI, J. A. B. “Engenharia Econômica I. Análise de investimentos” UNIFEI, Itajubá, 2000.

Revista Pegn. de negócios Globo**. “Dê adeus aos problemas financeiros”, revista Pegn. de negócios Globo. Disponível em :<http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,ERT176137-17198,00.html>. Acesso em: 06/11/2020.

Revista Pegn. de negócios Globo*. “Pequenos produtores dominam o mercado da cachaça diz pesquisa”. Globo, 2019. Disponível em:<https://revistapegn.globo.com/Negocios/noticia/2019/05/pequenos-produtores-dominam-mercado-da-cachaca-diz-pesquisa.html>. Acesso em 10/10/2020

ROSA, Sergio Eduardo Silveira da; COSENZA, José Paulo; LEÃO, Luciana Teixeira de Souza. “Panorama do setor de bebidas no Brasil”. BNDES, 2006. Disponível em:< https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/bitstream/1408/2607/1/BS%2023%20Panorama%20do%20Setor%20de%20Bebidas%20no%20Brasil_P.pdf>. Acesso em: 05/11/2020

SEBRAE. “Quais os problemas mais comuns ao iniciar um negócio?”. Sebrae. Disponível em:< https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/quais-os-problemas-mais-comuns-ao-iniciar-um-negocio,9ac2312905e27510VgnVCM1000004c00210aRCRD>. Acesso em: 03/11/2020.

SEBRAE-SP. “Doze anos de monitoramento da sobrevivência e mortalidade de empresas”. SEBRAE-SP, 2010. Disponível em: <https://m.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/sp/sebraeaz/mortalidade-e-sobrevivencia-das-empresas,d299794363447510VgnVCM1000004c00210aRCRD>. Data de acesso: 06/11/2020.

SEBRAE. ANÁLISE DO CAGF. “Evolução do saldo Líquido de criação de emprego formal no Brasil pelos pequenos negócios”. Sebrae, 2014. Disponível em:< https://m.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/Caged%20-%2002%202014.pdf>. Acesso em 05/11/2020.

SEBRAE. “Conheça a importância das ferramentas de automação comercial”. Sebrae. Disponível em:< https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/ap/artigos/conheca-a-importancia-das-ferramentas-de-automacao-comercial,c058105e03380610VgnVCM1000004c00210aRCRD>. Acesso em: 02/11/2020.

SEBRAE. “Estudo de Mercado para Cachaça da Bahia”. Sebrae, 2016. Disponível em:< https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/BA/Anexos/Estudo%20de%20Mercado%20-%20Cacha%C3%A7a%20da%20Bahia%20-%20vers%C3%A3o%20para%20publica%C3%A7%C3%A3o.pdf >. Acesso em: 07/11/2020.

*SILVA, Ruan Ferreira Carmo da; **PINHEIRO, Eduardo Medonça. “Plano financeiro de uma microcervejaria artesanal, maranhão”. 2018 – *Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), São Luís, MA **Faculdade Pitágoras, São Luíz, MA

SIQUEIRA, Hélder Relizer Martins de, sócio proprietário Aguardentes 4 Pontes. Entrevista pesquisa de mercado da envasadora de baixo custo. [Entrevista cedida a] Victor Martins do Espirito Santo. Mogi Das Cruzes – SP – 2020.

SIQUEIRA, José Maria Martins de, Proprietário Aguardentes 4 Pontes. Entrevista pesquisa de mercado da envasadora de baixo custo. [Entrevista cedida a] Victor Martins do Espirito Santo. Mogi Das Cruzes – SP – 2020.

SOLDA FRIA. “O que é um Arduino, para que serve, como funciona, onde comprar?”. 2019, Fonte:< https://www.soldafria.com.br/blog/o-que-e-um-arduino-para-que-serve-como-funciona-onde-comprar >, Acesso em: 07/11/2020.

TAUHATA, Sérgio; CID, Thiago. “ adeus aos problemas financeiros”. Revistas de negócios pegn. da Globo. Disponível em: <http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,ERT176137-17198,00.html>. Acesso em: 07/11/2020.

Valor Globo. “Comércio entre Brasil e China pode bater recorde neste ano”. Globo, 2018. Disponível em:<https://valor.globo.com/brasil/noticia/2020/09/08/comercio-entre-brasil-e-china-pode-bater-recorde-neste-ano.ghtml>. Acesso em: 12/10/2020.

VILELA, EDUARDO V. M. .”As relações comerciais entre Brasil e China e as possibilidades de crescimento e diversificação das exportações de produtos brasileiros ao mercado consumidos chinês.”. PUCSP, Pag. 29-37. 2004

ANEXO – ITEMS REFERÊNCIAS ANALISADOS NO MERCADO

-Rodas de silicone.

Disponível em:<https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1387583947-4x-rodinha-silicone-gel-35mm-moveis-2-ctrava-2-strava-4-pc-_JM?matt_tool=26177295&matt_word=&matt_source=google&matt_campaign_id=6542512723&matt_ad_group_id=77682048439&matt_match_type=&matt_network=u&matt_device=c&matt_creative=385099545261&matt_keyword=&matt_ad_position=&matt_ad_type=&matt_merchant_id=146234528&matt_product_id=MLB1387583947&matt_product_partition_id=306248980482&matt_target_id=pla-306248980482&gclid=Cj0KCQjwufn8BRCwARIsAKzP697Qg6fSzJJuPDhZFr6RWaqa5lnlwu6UY70hhlyfkGj2LvyNIGTXOWcaArAcEALw_wcB>. Mercado Livre, 2020. Acesso em: 01/11/2020.

-Filtro de ar regulador e lubrificador pneumático ¾.

Disponível em:<https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1010170454-filtro-de-ar-regulador-e-lubrificador-conjunto-lubrifil-34-_JM?matt_tool=79246729&matt_word=&matt_source=google&matt_campaign_id=6542746973&matt_ad_group_id=82254694281&matt_match_type=&matt_network=u&matt_device=c&matt_creative=385099301982&matt_keyword=&matt_ad_position=&matt_ad_type=&matt_merchant_id=120617127&matt_product_id=MLB1010170454&matt_product_partition_id=472057081367&matt_target_id=pla-472057081367&gclid=CjwKCAiA4o79BRBvEiwAjteoYL6p1u0YYd8oQ4KavHtog2EiIRFK3BokxLklFFUaRZXgrpYzmdXRSBoCgIAQAvD_BwE>. Mercado Livre, 2020. Acesso em: 01/11/2020.

-Acionador pneumático simples ação e solenoide.

Disponível em:<https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1548460883-kit-atuador-pneumatico-cilindro-pneumatico-simples-acao-_JM?matt_tool=79246729&matt_word=&matt_source=google&matt_campaign_id=6542746973&matt_ad_group_id=82254694281&matt_match_type=&matt_network=u&matt_device=c&matt_creative=385099301982&matt_keyword=&matt_ad_position=&matt_ad_type=&matt_merchant_id=120617127&matt_product_id=MLB1548460883&matt_product_partition_id=472057081367&matt_target_id=pla-472057081367&gclid=Cj0KCQjwufn8BRCwARIsAKzP695u5DVpne7uEmDI_MjR1GIFrVqYKYRyWpeoJkyTKJcpS8cXYcaFYtAaAnsfEALw_wcB>. Mercado Livre, 2020. Acesso em: 01/11/2020.

-Compressor de ar para pneumática – R$ 989,90

Disponível em:<https://www.lojadomecanico.com.br/produto/122493/21/159/Motocompressor-de-Ar-88-Pes3min-25HP-50-Litros-110220V/153/?utm_source=googleshopping&utm_campaign=xmlshopping&utm_medium=cpc&utm_content=122493&gclid=Cj0KCQjwufn8BRCwARIsAKzP694qYCy2jyQpkXFiJbfTqu_KuXEdyMp7lh3KYu-K8G_Eh5pU90koXt8aAvYOEALw_wcB>. Loja do Mecânico, 2020. Acesso em: 01/11/2020.

VALORES REFFERENCIAIS À TABELA 2

Disponível em:<https://www.cetroloja.com.br/envasadora-de-liquidos-1000-5000ml-com-dois-bicos>. Cetro, 2020. Acesso em: 05/11/2020.

Disponível em:<http://tudela.com.br/datador-modulado/>. Tudela Rotuladoras, 2020. Acesso em: 05/11/2020.

Disponível em:<http://tudela.com.br/portfolio-item/rotuladora-modelo-spca-frasco-plano/#>. Tudela Rotuladoras, 2020. Acesso em: 05/11/2020.

Disponível em:<https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1301214128-rosqueadeira-tampadeira-automatica-_JM#position=13&type=item&tracking_id=fb49b4ab-fbcd-4c03-b49c-54a8e7fa5c78>. Mercado Livre, 2020. Acesso em: 06/11/2020.

APÊNDICE – REFERÊNCIAS DE NOTA DE RODAPÉ

5. Produto interno bruto – O PIB é a soma de todos os bens e serviços finais produzidos por um país, estado ou cidade, geralmente em um ano (IBGE, 2019).

6. Payback – (ou “retorno”, em português) é o cálculo que representa o tempo que levará para seu investimento “se pagar” (BATISTA, 2019)

[1] Formando em Técnico Em Mecatrônica Integrado Ao Ensino Médio.

[2] Formando em Técnico Em Mecatrônica Integrado Ao Ensino Médio.

[3] Formando em Técnico Em Mecatrônica Integrado Ao Ensino Médio.

[4] Orientador. Graduado em engenharia elétrica pela Universidade de Mogi das Cruzes.

Enviado: Dezembro, 2020.

Aprovado: Janeiro, 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here