REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

A auditoria interna como instrumento na gestão de risco e fraude empresarial

RC: 132569
752
5/5 - (11 votes)
DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/contabilidade/fraude-empresarial

CONTEÚDO

ARTIGO ORIGINAL

PINHEIRO, José Eduardo da Silva [1], BORGES, Bruno Guimarães [2], ROBERTO, José Carlos Alves [3], CAVALCANTE, Zuila Paulino [4]

PINHEIRO, José Eduardo da Silva. Et al. A auditoria interna como instrumento na gestão de risco e fraude empresarial.  Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano. 07, Ed. 11, Vol. 08, pp. 161-168. Novembro de 2022. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/contabilidade/fraude-empresarial, DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/contabilidade/fraude-empresarial

RESUMO

Tendo em vista que as fraudes empresariais consistem em atividades ilegais que podem prejudicar as empresas e até mesmo causar falências, este artigo se propôs a investigar: como a auditoria interna contribui para a prevenção de riscos e fraudes dentro de uma empresa? Nesse aspecto, adotou-se como objetivo geral identificar o papel da auditoria interna na gestão de riscos e fraudes no âmbito empresarial. Para tanto, realizou-se uma revisão de literatura, com natureza qualitativa e com fins exploratórios, alcançando, como resultados, a constatação de que a auditoria tem o objetivo de analisar as demonstrações contábeis com o intuito de avaliar a legalidade das movimentações financeiras da empresa, contribuindo na identificação de irregularidades para a criação de medidas preventivas contra riscos e fraudes empresariais.

Palavras chave: Auditoria interna, Controle, Fraude, Empresas, Riscos.

1. INTRODUÇÃO

De acordo com Marras (2017), é através da gestão que as empresas podem administrar os processos de forma segura e estratégica, evitando riscos e fraudes internas. Dessa forma, é necessário a utilização de ferramentas de gestão que possibilitam prevenir e reverter os riscos que podem interferir no crescimento organizacional.

Segundo Crepaldi e Crepaldi (2016), nem sempre controles internos e procedimentos claros limitam o risco de fraude interna. Por essa razão, esta pesquisa se propôs a investigar: como a auditoria interna contribui para a prevenção de riscos e fraudes dentro de uma empresa? Diante disso, teve-se como objetivo geral identificar o papel da auditoria interna na gestão de riscos e fraudes no âmbito empresarial.

Dessa forma, definiu-se como objetivos específicos: abordar sobre a auditoria, trazendo, em especial, o conceito de auditoria interna; e, por fim, apontar a sua contribuição na prevenção de riscos e fraudes corporativas.

Isto posto, ressalta-se que esse estudo foi realizado através de uma revisão de literatura, com natureza qualitativa e com fins exploratórios.

2. AUDITORIA 

Segundo Almeida (2012), a auditoria é uma ferramenta usada na contabilidade com o objetivo de examinar e verificar os registros financeiros de uma empresa, a fim de garantir que essas informações sejam representadas de forma justa e precisa. Nesse contexto, o autor expõe que a auditoria é tão antiga quanto a contabilidade, de modo que foi utilizada em todos os antigos países, como: a Mesopotâmia, a Grécia, o Egito, a Roma, o Reino Unido e a Índia, com o propósito original de detectar e prevenir erros e fraudes.

Todavia, conforme destaca Cardozo (2013), esta ferramenta evoluiu e se expandiu rapidamente após a revolução industrial no século XVIII, onde o seu objetivo passou a ser apenas verificar se as contas eram verdadeiras e justas.

Assim sendo, segundo Batista (2017), atualmente, as auditorias são realizadas para garantir que as demonstrações financeiras sejam preparadas de acordo com as normas contábeis relevantes. Nessa linha, destaca-se como umas das principais demonstrações financeiras: a declaração de renda, o balanço patrimonial e o demonstrativo de fluxo de caixa.

De acordo com Crepaldi e Crepaldi (2016), as demonstrações financeiras fornecem informações sobre as atividades e as operações realizadas dentro da organização, incluindo investimentos, finanças e transações. Por sua vez, essas demonstrações financeiras ocorrem internamente, através de muitos processos e setores, o que abre espaço para a ocorrência de fraudes nas próprias demonstrações financeiras.

Assim, com a ausência de regras e padronização do mecanismo, os profissionais responsáveis por realizar as demonstrações podem facilmente alterar quaisquer dados internos financeiros, podendo fazer com que pareça que a organização possui lucros mais altos do que os reais. Por isso, segundo Pinheiro (2013), a auditoria interna trabalha na prevenção e identificação de possíveis comportamentos fraudulentos.

2.1 AUDITORIA INTERNA 

De acordo com Moura, Lavor e Barbosa (2017), a auditoria interna refere-se a um serviço independente para avaliar os controles internos de uma organização, suas práticas corporativas, seus processos e seus métodos. Dessa forma, ela ajuda a garantir sua conformidade com as várias leis aplicáveis ​​a uma organização.

Segundo Santos e Vier (2014), o objetivo de uma auditoria interna é verificar a eficácia e os padrões operacionais enquadrados por uma organização em suas operações, quanto à realização de pedidos e pagamentos e aceitação de entregas, por exemplo. Além de ajudar também a analisar se os funcionários estão seguindo os padrões operacionais internos.

Segundo Rodrigues (2013), a auditoria interna visa garantir a conformidade da organização com a lei e os regulamentos, fornecendo um grau de segurança e gerenciando riscos decorrentes de fraude, abuso de poder ou qualquer outro cenário. Um auditor interno fornece à administração sua avaliação objetiva dos processos e contas, podendo isto servir para melhorar o desempenho operacional e financeiro da organização.

Nesse aspecto, de acordo com Crepaldi e Crepaldi (2016), uma auditoria interna pode ser anual, mensal ou trimestral, segundo a necessidade da organização. E, em certos casos, a empresa deve obrigatoriamente nomear um auditor interno.

Conforme Rocha (2016), os serviços regulares de auditoria interna auxiliam a empresa a garantir sua manutenção no mercado competitivo. Os auditores monitoram, analisam e avaliam os riscos que podem estar presentes nas atividades corporativas, avaliando, também, o controle realizado no ambiente interno. Além disso, é função da auditoria interna revisar e ver se os itens em conformidade estão de acordo com as normas estabelecidas pelas leis.

Através desse contexto, é possível afirmar que a auditoria interna tem o papel de analisar os documentos que estão envolvidos com os objetivos e o desempenho da organização. Assim, por meio dessa auditoria interna, é possível analisar as estratégias que estão sendo seguidas pela empresa.

3. A AUDITORIA NA PREVENÇÃO DE RISCOS E FRAUDES

Segundo Crepaldi e Crepaldi (2016), a auditoria é diferente da contabilidade, pois esta última é direcionada para a preparação das demonstrações financeiras, enquanto aquela tem como propósito a verificação dessas demonstrações financeiras, visando desenvolver relatórios sobre a posição financeira e o resultado da operação da organização.

Logo, o principal objetivo da auditoria no setor contábil é fundamentar a precisão das demonstrações financeiras preparadas pelo contador, enquanto o seu objetivo secundário é detectar e prevenir erros e fraudes (ARRUDA, ARAÚJO e BARRETO, 2017).

Segundo Pinheiro (2013), a auditoria interna é capaz de identificar quaisquer fraudes por parte dos funcionários, como desvio de fundos. Além disso, ela também permite identificar se há excessos de custos deliberados e se um determinado fornecedor está obtendo preferência sobre outros fornecedores de baixo custo. As fraudes corporativas consistem em atividades ilegais realizadas por um indivíduo ou uma empresa de forma desonesta e antiética. Nesse contexto se insere a fraude operacional, como as fraudes que acontecem nas operações internas/externas da cadeia de suprimentos, a qual pode ser dividida em duas classificações básicas de fraude, a saber: a organizacional e a ocupacional.

Assim, dentre as fraudes que podem ocorrer no ambiente organizacional, Moura e Lavor (2017) destacam o desvio de dinheiro, que envolve a apropriação indevida de recebimentos em dinheiro, e o roubo, onde o criminoso rouba dinheiro da caixa registradora imediatamente após processar as transações de venda.

Além disso, Crepaldi e Crepaldi (2016) acrescentam o pagamento fraudulento como um outro tipo de fraude organizacional, em que os infratores desembolsam dinheiro da empresa para si ou para cúmplices por meio de golpes, dos quais vale destacar: fraude de fatura, fraude salarial e fraude de despesas.

Diante disso, Campo (2022) ressalta que também pode ocorrer fraude nas folhas de pagamentos, onde o fraudador falsifica notas fiscais para induzir a empresa a pagar um salário a terceiros, envolvendo os chamados funcionários fantasmas. Ademais, a falsificação de declarações por superestimação de despesas ou a emissão de faturas falsas também são práticas comuns.

Nesse contexto, Ribeiro (2019) afirma que a auditoria interna desempenha um papel importante, não apenas para ajudar a reduzir o impacto financeiro e reputacional da fraude, mas também para evitar prejuízos aos objetivos de negócios. Essa ferramenta possibilita a revisão dos planos anuais para garantir que os controles de detecção sejam tão rigorosos quanto os controles preventivos, de modo que, se houver alguma fraude, ela seja identificada por verificações e monitoramentos de gerenciamento.

Logo, uma série de vantagens pode ser alcançada ao ter as contas auditadas por um profissional qualificado, como: detecção precoce de erros e fraudes e confiabilidade de contas (ARRUDA, ARAÚJO e BARRETO, 2017)

4. CONCLUSÃO 

Mediante o questionamento: como a auditoria interna contribui para a prevenção de riscos e fraudes dentro de uma empresa? Verificou-se que esta tem o objetivo de analisar as demonstrações contábeis com o intuito de avaliar a legalidade das movimentações financeiras da empresa. Logo, sua contribuição está na identificação das irregularidades para a criação de medidas preventivas contra riscos e fraudes empresariais.

Nesse contexto, entende-se que a auditoria interna deve considerar onde o risco de fraude está presente dentro da organização, a fim de responder a isso adequadamente, verificando os controles dessa área e avaliando o potencial de ocorrência de fraude nesse âmbito.

Posto isso, recomenda-se que futuras pesquisas sejam feitas com o propósito de discutir sobre a utilização primária da auditoria interna na prevenção de riscos e fraudes organizacionais.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Bruno José Machado de. A contabilidade e Auditoria na Sociedade Atual: uma análise sistémica. Pensar Contábil, v. 14, n. 54, p. 15-26, 2012. Disponível em: http://www.atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-06/index.php/pensarcontabil/article/viewFile/1336/1233. Acesso em: 12 ago. 2022.

ARRUDA, Daniel Gomes; ARAUJO, Inaldo da Paixão Santos; BARRETTO, Pedro Humberto Teixeira. Auditoria contábil: enfoque teórico, normativo e prático. São Paulo: Saraiva Educação, 2017.

BATISTA, Daniel Gerhard. Manual de controle e auditoria. 1. Ed. São Paulo: Saraiva Educação SA, 2017.

CARDOZO, Julio Sergio. Origem e conceitos de auditoria. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, v. 2, n. 2, p. 27-36, 2013. Disponível em: http://atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-06/index.php/UERJ/article/viewFile/1570/1548. Acesso em: 01 set. 2022.

CREPALDI, Silvio Aparecido; CREPALDI, Guilherme Simões. Auditoria contábil. 6. Ed. São Paulo: Gen. Atlas, 2016.

MARRAS, Jean Pierre. Gestão de pessoas em empresas inovadoras. 2. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2017.

MOURA, Renan Gomes de; LAVOR, Paloma Lopes de; BARBOSA, Marcus Vinicius. A importância da auditoria interna na prevenção de fraudes nas organizações. In: Simpósio de excelência em Gestão e Tecnologia, 2017. Disponível em: https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos17/11825277.pdf. Acesso em: 07 set. 2022.

PINHEIRO, Catarina Garcia de Albergaria. Acrescentar valor à organização com a Auditoria Interna. 2013. 102 f. Dissertação (Mestrado em Auditoria) – Instituto Politécnico do Porto, Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, Porto, 2013. Disponível em: https://recipp.ipp.pt/bitstream/10400.22/1804/1/DM_CatarinaPinheiro_2013.pdf. Acesso em: 11 nov. 2022.

RIBEIRO, Ana Cláudia Martins. O impacto da auditoria interna na gestão de uma organização. 2019. 83 f.  Dissertação (Mestrado em Auditoria), – Instituto Politécnico do Porto, Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, Porto, 2019. Disponível em: https://recipp.ipp.pt/bitstream/10400.22/15987/1/Vers%C3%A3o%20Final%20Ana%20Ribeiro_MA.pdf. Acesso em: 11 nov. 2022.

ROCHA, Daniela Andreia Ribeiro. O contributo da auditoria interna na elaboração de boas práticas contabilísticas. 2016. Dissertação (Mestrado em Auditoria) – Instituto Politécnico do Porto, Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, Porto, 2016. Disponível em: https://recipp.ipp.pt/bitstream/10400.22/9699/1/Daniela_Rocha_A_2016.pdf. Acesso em: 11 nov. 2022.

RODRIGUES, Sara Patrícia da Silva. O contributo da auditoria interna para uma gestão eficaz. 2013. Dissertação (Mestrado em Auditoria) – Instituto Politécnico do Porto, Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, Porto, 2016. Disponível em: https://recipp.ipp.pt/bitstream/10400.22/1801/1/DM_SaraRodrigues_2013.pdf.pdf. Acesso em: 11 nov. 2022.

SANTOS, Marcos Vinícius; VIER, Ailson José. A importância da auditoria interna na contribuição da gestão dos negócios. Revista Eletrônica de Ciências Contábeis, n. 4, p. 139-164, 2014. Disponível em: http://seer.faccat.br/index.php/contabeis/article/view/65. Acesso em: 14 out. 2022.

[1] Graduando do curso de Contabilidade. ORCID: 0000-0003-3960-4744.

[2] Graduando do curso de Contabilidade. ORCID: 0000-0001-8804-6342.

[3] Orientador. Mestre em Engenharia de Produção. Especialista em Logística Empresarial. Graduado em Administração com Ênfase em Marketing.

[4] Co-orientadora. Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Amazonas, Especialista em Auditoria pela UFAM, Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Amazonas.

Enviado: Setembro, 2022.

Aprovado: Novembro, 2022.

5/5 - (11 votes)
Bruno Guimarães Borges

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita