Início Ciência da Religião Dízimos: Devemos Praticá-Lo?

Dízimos: Devemos Praticá-Lo?

RC: 6142 -
Dízimos: Devemos Praticá-Lo?
5 (100%) 2 votes
384
0
ARTIGO EM PDF

DIAS, Adiclecio Ferreira [1]

DIAS, Adiclecio Ferreira. Dízimos: Devemos Pratica-los? Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 1. Vol. 9. pp 111-120 Dezembro de 2016 ISSN:2448-0959

RESUMO

Este artigo busca esclarecer um pouco do que vem sendo discutido sobre dízimo. Meu objetivo é analisar o porquê dessa discussão, quando originou essa doutrina, quais correntes existem e como vem sendo tratadas desde sua origem. Para isto utilizei como metodologia os textos teóricos impressos e online. Entendemos que o tema é interessante, não só para a comunidade acadêmica, mas para o leitor interessado em conhecer mais sobre dízimo e o que os pensadores falavam sobre ele.

Palavras-chave:  BÍBLIA, DÍZIMOS, RELIGIÃO, FÉ.

INTRODUÇÃO

Esse artigo cujo intitulei de “Dízimos: devemos praticá-lo”, foi escolhido porque mexe com a fé das pessoas e devido a questão do Dízimo estar presente nas igrejas e ser muito questionado. É muito desafiador falar sobre Dízimo nos dias atuais, mesmo que essa doutrina seja milenar, esse estudo continua sendo tão atual.

Várias abordagens já foram feitas a partir desse tema, pois estudar a prática dos dízimos, um dogma presente nas igrejas, poderia ir por vários nichos tanto sociológico, histórico, religioso, mas inicialmente, o desenvolvimento desse tema estará ligado ao âmago que é Jesus.

A nossa esperança é que com nosso artigo possamos contagiar outros a conhecer mais sobre dízimo, pois há muito ainda que se estudar sobre este tema. Muitas discussões têm se levantado sobre dar o dízimo ou não. Na verdade, qual será a expressão correta? Entregar, devolver ou pagar; abordaremos neste artigo algumas linhas de raciocínio dos seus adeptos.

A ORIGEM DOS DÍZIMOS

Definição:

A palavra dízimo significa “décima parte de algo; décimo. Contribuição dada pelos fiéis à igreja que, geralmente, corresponde à décima parte de seus rendimentos”[2]. A primeira passagem bíblica que fala sobre dízimo, é no antigo testamento, ou antiga aliança, “E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e era este sacerdote do Deus Altíssimo. E bendito seja Abrão[3] o Deus altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E deu-lhe o dízimo de tudo”. (Gênesis,14: 19-20). Jacó quando fugia do seu irmão Esaú porque tinha roubado a primogenitura, votou ao Senhor dizendo:

“Fez um voto ao Senhor dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta viagem que faço, e me der pão para comer, e vestidos para vestir: E eu em paz tornar à casa de meu pai, o Senhor será o meu Deus, e essa pedra ponho posto por coluna será casa de Deus; Tudo quanto me deres certamente te darei o dízimo. (GÊNESIS 28:20-22.).

DÍZIMO SOB A LEI MOSAICA

O Dízimo foi instituído por Deus logo após o povo de Israel sair do Egito[4] por intermédio de Moisés[5]. O Senhor instruiu o povo dizendo que, os filhos de Levi foram separados para o serviço ministerial, e que os “Levitas exercem na tenda da congregação, por esse ministério exclusivo dos Levitas, então o Senhor autorizou a tomar os dízimos dos filhos de Israel”.

Dízimo para os Levitas: “Eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo seu ministério que exercem, o ministério da tenda da congregação”. (NÚMEROS 18:21) “Então virá o levita (pois nem parte nem herança tem contigo), e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva, que estão dentro das tuas portas, e comerão, e fartar-se-ão; para que o Senhor teu Deus te abençoe em toda a obra que as tuas mãos fizerem”. (DETEURONÔMIO 14:29) “Estes são os mandamentos que o Senhor ordenou a Moisés para os filhos de Israel, no monte Sinai”. (NÚMEROS27:34) “Mas os Levitas administrarão o ministério da tenda da congregação, e levarão sobre si a sua iniquidade: Pelas vossas gerações estatuto perpétuo será; e no dos filhos de Israel nenhuma herança herdarão”. (NÚMEROS 18:23)

Dízimo Cerimonial: era usado para prover as festas e festivais religiosos de Israel “Então vende-os, e ata o dinheiro na tua mão, e vai ao lugar que escolher o Senhor teu Deus; E aquele dinheiro darás por tudo o que deseja a tua alma, por vacas, e por ovelhas, e por vinho, e por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma; come-o ali perante o Senhor teu Deus, e alegra-te, tu e a tua casa”. “Ao fim de três anos tirarás todos os dízimos da tua colheita no mesmo ano, e os recolherás dentro das tuas portas” (Deuteronômio 14:22-28)

Dízimo para os pobres:  “Então virá o levita (pois nem parte nem herança tem contigo), e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva, que estão dentro das tuas portas, e comerão, e fartar-se-ão; para que o Senhor teu Deus te abençoe em toda a obra que as tuas mãos fizerem” (Deuteronômio, 14:22-29).

Dízimo para os sacerdotes:  Também no mesmo dia se nomearam homens sobre as câmaras, dos tesouros, das ofertas alçadas, das primícias, dos dízimos, para ajuntarem nelas, dos campos das cidades, as partes da lei para os sacerdotes e para os levitas; porque Judá estava alegre por causa dos sacerdotes e dos levitas que assistiam ali”. (Neemias, 12:44).

Dízimo em Malaquias: “Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, sim, toda esta nação.
Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes” (Malaquias, 3:8-10).[6]

A observância dos dízimos nos dias atuais tem sido um assunto muito questionado nas igrejas. Muitas discussões têm se levantado sobre a prática dos dízimos. Abraão, o pai da fé, foi o pioneiro de forma voluntária e liberal movido pelo Espírito Santo a devolver o dízimo. “Ora, não foi Abraão, nosso pai na fé, justificado por obras, quando ofereceu seu próprio filho Isaque sobre o altar” (Tiago, 2:21). Abraão viveu 645[7] anos antes da lei ser dada a Moisés no monte Sinai[8].

Vale a pena ressaltar que a palavra de Deus jamais muda, ela é viva[9], atual, eterna[10], e nunca ficará ultrapassada.

 DÍZIMO A LUZ DO NOVO TESTAMENTO

A palavra dízimo na nova aliança é três vezes mencionada, “E disse Jesus: “ Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim a rogar, mas cumprir” (Mateus, 5:17). Há passagem bíblica em que o Senhor Jesus confirma que o dízimo tem que ser observado também pelos cristãos nos dias atuais (Mateus 23:23). “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que pagais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, mas omitis as coisas mais importantes da lei: a justiça, a misericórdia e a fidelidade”. Nessa passagem o Senhor Jesus em hipótese alguma aboliu a prática do dízimo; somente pessoas desprovidas de uma boa hermenêutica[11]  e de nenhuma formação teológica, afirmam uma coisa desse gênero. O Senhor Jesus nessa passagem estava trabalhando o espírito cristão dos fariseus e escribas.

No evangelho de Lucas o Senhor demostra outro exemplo que devemos praticar o dízimo “Subiram dois homens para orar, um cheio de orgulho porque dava dízimo, e o publicano muito humilde, falou assim: ‘Tem misericórdia de mim porque sou um pecador’, ele reconheceu que era um necessitado.

Dois homens subiram ao templo para orar; uma era fariseu e o outro, publicano. O fariseu, em pé, orava no íntimo: ‘Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; nem mesmo como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho. “Mas o publicano ficou à distância. Ele nem ousava olhar para o céu, mas batendo no peito, dizia: ‘Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador’. “Eu lhes digo que este homem, e não o outro, foi para casa justificado diante de Deus. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado. (LUCAS18:10-14.).

E por fim em Hebreus fica provado, a “superioridade de Cristo sobre a velha dispensação”, e aqui, de modo particular, sobre o sacerdócio judaico. Refere-se a Melquisedeque e ao dízimo que Abraão lhe pagou, acrescentando que esse Melquisedeque era figura de Cristo”.

Segundo Kaschel,

Sendo Melquisedeque figura de Cristo, quando Abraão lhe deu o dízimo, estava dando-o, em figura, ao próprio Cristo. Se o crente Abraão deu o dízimo a Melquisedeque, tipo de Cristo, os crentes hoje devem dá-lo ainda àquele que é sacerdote eternamente, segundo a ordem de Melquisedeque. O pensamento do versículo 8 pode ser assim parafraseado: “Enquanto no sistema mosaico recebem dízimos homens que morrem, isto é, os sacerdotes, na dispensação da graça, tipificada por Melquisedeque e Abraão, recebe dízimos aquele de quem se testifica que vive para sempre, Jesus Cristo.” Jesus, pois, recebe dízimos até hoje dos crentes fiéis, através da igreja que ele instituiu e incumbiu da propagação do evangelho[12].
“ A quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz;

Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu os dízimos dos despojos.  E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão.

E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive.

E, por assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos” (Hebreus, 7: 1-10)

O DÍZIMO CONDUZ Á PROSPERIDADE

Hoje é difícil não notar nas igrejas apresentadas na T.V os pastores com uma hermenêutica tão deturpada utilizando-se do texto de Malaquias 3:10 “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes”.

Para Soares (1985) quando os fiéis investem suas finanças na obra do Criador, certamente ele se torna uma bênção. “Para o cristão fiel, o dízimo é uma forma de provar a Deus usando o dinheiro. Os exemplos de crentes que tinham uma vida sonolenta e sem vida, ao abrirem seu coração para essa verdade do dízimo, abriram as portas para uma vida de fé e prosperidade no Senhor, se multiplicam. ” (SOARES, 1985, p.110).

Soares em seus programas que vão ao ar diariamente na Band, vende-se de tudo, tornou-se verdadeiramente casa de comércio. “E entrou Jesus no templo de Deus, e expulsou todos os que vendiam e compravam no templo, e derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas” “E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração; mas vós a tendes convertido em covil de ladrões” (Mateus, 21:12-13).

Conforme o sociólogo Mariano (2014) os fiéis são ensinados a exigir de Deus que ele não pode deixar de cumprir suas promessas feitas em sua palavra. Nas palavras do autor,

Comece hoje, agora mesmo, a cobrar dele tudo aquilo que ele tem prometido […]. O ditado popular de que ‘promessa é dívida’ se aplica também para Deus. Tudo aquilo que prometeu em sua vida é uma dívida que tem para com você […]. Dar os dízimos é candidatar-se a receber bênçãos sem medida, de acordo com o que diz a Bíblia […]. Quando pagamos o dízimo a Deus ele fica na obrigação (porque prometeu) de cumprir sua palavra, repreendendo os espíritos devoradores. Conhecemos muitos homens famosos que provaram a Deus no respeito ao dizimo e se transformaram em grandes milionários, como o Sr. Ford e o Sr. Caterpilar (MACEDO, 1990, apud; MARIANO, 2014, p. 163).

O Apóstolo Valdemiro Santiago, nascido em Cisneiros, Distrito de Palma, no interior de Minas Gerais, em uma família pobre com muitos irmãos, perdeu a mãe cedo, aos doze anos, e recebeu o mínimo de estudos e recursos[13]. Foi discípulo de Edir Macedo e por mais de vinte anos teve um bom professor. Em 2014 no seu programa de TV pede que os seus fiéis contribuam com tri dízimo, um em nome do pai, do filho e Espírito Santo. Segundo Santiago, todos os fiéis que atenderem a sua orientação terão suas vidas transformadas[14]

Marco Feliciano nascido em Orlândia, São Paulo, em 12 de outubro de 1972, seu pai é José Antônio e sua mãe é Lúcia Maria Feliciano, teve uma infância muito dura. Precisou trabalhar ainda criança, como vendedor de picolé para ajudar na manutenção da casa. No aniversário de sete anos foi presenteado pelo pai com uma caixa de engraxate”[15]

Segundo Feliciano em “dezembro ele conseguiu um milagre, comprou a tão sonhada casa própria. Ele muito feliz no seu carro de repente recebeu um visitante muito ilustre, o próprio Deus. O Senhor perguntou: Você quer ficar rico? Pegue a casa que acabou de comprar e semeia para alguém mais pobre e você vai ver o que faço na sua vida”[16].

CONSIDERAÇÕES FINAIS

É evidente que Jesus em seu ministério terreno não prometeu riquezas aqui na terra e sim no céu “Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me.
(Mateus, 19:21). “E disse Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça” (Mateus, 8:20).  “Os céus são os céus do Senhor; mas a terra a deu aos filhos dos homens” (Salmos, 115:16). Nessa passagem o Senhor nos esclarece muito bem que a terra está aí para ser conquistada por qualquer um que se esforce. O próprio Deus falou com Josué “ Esforça-te, e tem bom ânimo; porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria” “Tão-somente esforça-te e tem mui bom ânimo, para teres o cuidado de fazer conforme a toda a lei que meu servo Moisés te ordenou; dela não te desvies, nem para a direita nem para a esquerda, para que prudentemente te conduzas por onde quer que andares” (Josué, 1:6-7).

De acordo com Einstein (1981) mesmo que as riquezas deste mundo presente estivessem nas mãos de único homem devoto à ideia do progresso, jamais será possível que este traga desenvolvimento moral para a humanidade.

Segundo   Einstein:

“Somente seres humanos excepcionais e irrepreensíveis suscitam ideias generosas e ações elevadas. Mas o dinheiro polui tudo e degrada sem piedade a pessoa humana. Não posso comparar a generosidade de um Moisés, de um Jesus ou de um Gandhi com a generosidade de uma Fundação Carnegie qualquer. ( EINSTEIN,1981, p. 10).

Tentei o máximo possível apresentar um trabalho que fosse imparcial como devem ser todos trabalhos acadêmicos, tendo a Bíblia como a maior referência, uma vez que cremos em Jesus como o âmago da fé cristã, sendo fiel o mais possível às Sagradas Escrituras.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

BÍBLIA. Sagrada. Versão Ferreira de Almeida.3ª. ed. São Paulo: 2014

EINSTEIN, Albert. Como eu vejo o mundo. Rio de Janeiro. Editora Nova fronteira 1981.

KASCHEL, Walter. O dízimo no novo testamento. 2012. Disponível http://gracamaior.com.br/estudos/vida-crista/211-o-dizimo-no-novo-testamento.html

Acesso em 14/11/2016

MALAFAIA, Silas. O avivamento que precisamos hoje: 1 ed. Rio de Janeiro: 2003

MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2005.

MACEDO, Edir. O despertar da fé. Rio de Janeiro: Universal Produções, 1985.

MURDOCK, Mike. Sabedoria para vencer. 1. ed. Rio de Janeiro: 2010

RODRIGUES, I.C. Cronologia Bíblica comentada com datas desde a criação do mundo. Presidente Prudente – SP  2.006

SOARES, R.R, AS BÊNÇÃO QUE ENRIQUECEM. GRAÇA EDITORIAL 1985.                    http://www.abiblia.org/ver.php?id=821&id_autor=2&id_utente=&caso=perguntas>

acesso em 22/04/2016

[1] Especialização em ensino religioso e graduação em teologia pela fabra. Estudante de história pela faculdade uninter

[2] Disponível em https://www.dicio.com.br/dizimo/

[3] Agora vejamos um sistema de Cronologia da Bíblia Sagrada, criada pelo autor deste Livro, Indaléssio Costa Rodrigues, que diante de tantas incertezas, dúvidas, inexatidões, palpites e datas apenas aproximadas dos quadros cronológicos do Capítulo 1, sendo estas nada convincentes,
resolveu ele próprio estudar o assunto e elaborar o Sistema de Cronologia da Bíblia Sagrada, com datas exatas: Abraão nasceu no ano de 1948 desde a criação   1780 a.C.  (Rodrigues, 2006, p. 19 28).

[4] Deus disse a Abrão que o tempo de espera para que seus descendentes tomassem posse de Canaã seria de 400 anos. Isso deve tê-lo assustado um pouco. Seria um bom tempo. E ele nem filhos tinha ainda. E, pior, seriam escravizados por muitos anos! Êxodo 12:40 diz que o tempo que os filhos de Israel habitaram no Egito foi de 430 anos. Isto parece nos dar a entender que os hebreus estiveram realmente 430 anos no Egito, isto é: desde a entrada dos filhos de Jacó até a saída do cativeiro. Veja agora Gálatas 3:16 e 17: “Ora, as promessas foram feitas a Abraão e a seu descendente. A Escritura não diz: e a seus descendentes, como falando a muitos, mas como de um só: e a teu descendente que é Cristo. Mas digo isto: Que tendo sido o testamento confirmado por Deus, a lei, que veio quatrocentos e trinta anos depois, não invalida, de forma que venha abolir a promessa”.

Por esta razão os 430 anos, mencionados por Moisés, devem ser considerados desde o chamado de Abrão em Harã, a sua permanência e de seus descendentes em Canaã, e a sua estada no Egito, até o Êxodo. O texto de Êxodo 12:40 foi traduzido pela Septuaginta desta forma: “A permanência dos filhos de Israel, enquanto habitaram na terra do Egito e na terra de Canaã, foi de 430 anos”. Inclusive na era patriarcal os faraós consideravam Canaã como de sua propriedade. Disponíveis http://www.cacp.org.br/400-ou-430-anos-de-escravidao/.

[5]    Moisés foi o homem vocacionado por Deus para tirar o povo da terra do Egito segundo Rodrigues, 2001 p. Moisés: Saída do Egito 2.668 d. Criação e 1060 a.C.

[6] Disponíveis http://solascriptura-tt.org/VidaDosCrentes/ComRiquezas/DizimoVT-X-DadivarNT-Anderson.htm Acesso em 13/11/2016

[7] Rodrigues, 2001, p. 35

[8]  O Monte Sinai foi onde Deus deu a Moisés as duas tábuas da lei contendo os dez mandamentos (Êxodo 20:1:17)

Então falou Deus todas estas palavras, dizendo:   Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim.  Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.  Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.
Lembra-te do dia do sábado, para o santificar.
Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra.
Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas.
Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto

[9] Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração. Hebreus 4:12.

[10]  Mas a Palavra do Senhor permanece para sempre”. E essa é a Palavra que vos foi evangelizada. 1 Pe1:25 O céu e a terra passarão, mas as minhas Mateus 24:35

[11]  A palavra hermenêutica deriva do termo grego Hermeneutikos, por sua vez deriva de um verbo “hermeneou” cujo significado é: arte de interpretar os livros sagrados e os textos antigos. De modo geral e mais abrangente, se fala da teoria da interpretação de sinais e símbolos de uma cultura e a arte de interpretar leis.
Hermenêutica Bíblica – Geral e Especial

Geral – É aquela que trata as Escrituras como um todo. Princípios gerais, básicos.
Elabora os princípios. Os princípios de estudos de hermenêutica são a base para uma teologia sadia e bíblica.
Especial –
É aquela que trata de questões particulares das Escrituras. Esta classe
de hermenêutica não pode elaborar princípio. Disponível www.https://www.faculdadeteologicanacional.com.br/ Acesso em 14/11/2016

[12] Kaschel, 2012 Disponível http://gracamaior.com.br/estudos/vida-crista/211-o-dizimo-no-novo-testamento.html Acesso em 14/11/2016

[13] Disponível em https://www.impd.org.br/institucional Acesso 14/11/2016

[14] https://www.youtube.com/watch?v=lG4okqI2B4U

[15]  Biografia do Pastor Marco Feliciano disponível http://catedraldoavivamento.com.br/presidente/ acesso em 14/11/2016.

[16]  Disponível https://www.youtube.com/watch?v=Qh1LbpgHyZ4 acesso em 14/11/2016

Como publicar Artigo Científico

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here