REVISTACIENTIFICAMULTIDISCIPLINARNUCLEODOCONHECIMENTO

Revista Científica Multidisciplinar

Pesquisar nos:
Filter by Categorias
Administração
Administração Naval
Agronomia
Arquitetura
Arte
Biologia
Ciência da Computação
Ciência da Religião
Ciências Aeronáuticas
Ciências Sociais
Comunicação
Contabilidade
Educação
Educação Física
Engenharia Agrícola
Engenharia Ambiental
Engenharia Civil
Engenharia da Computação
Engenharia de Produção
Engenharia Elétrica
Engenharia Mecânica
Engenharia Química
Ética
Filosofia
Física
Gastronomia
Geografia
História
Lei
Letras
Literatura
Marketing
Matemática
Meio Ambiente
Meteorologia
Nutrição
Odontologia
Pedagogia
Psicologia
Química
Saúde
Sem categoria
Sociologia
Tecnologia
Teologia
Turismo
Veterinária
Zootecnia
Pesquisar por:
Selecionar todos
Autores
Palavras-Chave
Comentários
Anexos / Arquivos

Projeto Nova Arena Poliesportiva Municipal de Santo Antonio do Sudoeste – Paraná [1]

RC: 12753
534
Rate this post
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI
SOLICITAR AGORA!

CONTEÚDO

MATTOS, Josemar [2]

MATTOS, Josemar. Projeto Nova Arena Poliesportiva Municipal de Santo Antonio do Sudoeste – Paraná. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Edição 09. Ano 02, Vol. 02. pp 139-167, Dezembro de 2017. ISSN:2448-0959

RESUMO

Quando se fala em qualidade de vida, pensa-se certamente em esporte. Desta forma, procurou-se através desse artigo, viabilizar a construção de uma arena Poliesportiva no município de Santo Antônio do Sudoeste, Pr. Entende-se que o desenvolvimento do município esteja ligado diretamente a qualidade de vida dos seus cidadãos. A partir do momento que os espaços para tais atividades não estejam em pleno funcionamento e condições de segurança, conforto e acessibilidade, percebe-se a necessidade de mudanças. A metodologia aplicada vai se basear em revisão bibliográfica, estudo de caso e estudo de materialização, a construção de um local que beneficiará toda a população regional inclusive. A busca destes materiais para estudo nos remeteu a importância deste local como crescimento do município. Tendo como resultado final o deste trabalho o projeto arquitetônico desta arena poliesportiva.

Palavras-Chave: Arena Poliesportiva, Santo Antônio do Sudoeste, Arquitetura Projeto Arquitetônico.

1. INTRODUÇÃO.

O Esporte é uma forma ativa de inserção e integração social, bem como meio para atingir a qualidade de vida, pois consegue incluir crianças, jovens, adultos e idosos. A importância da prática desportiva em todas as idades, como propulsor físico, social e emocional. Ao mesmo tempo, estimula a disciplina, os costumes saudáveis de vida, ensina a importância da persistência na busca das metas, possibilita a experiência da vitória consagradora, da derrota pedagógica, do respeito ao adversário, da participação em equipe, do desenvolvimento da autoestima e do orgulho familiar. Isso, sem falar nas probabilidades de ascensão financeira e social. (Cf. NUNES, 2004).

Historicamente, o esporte passa por modificações no decorrer de sua existência, cooperando para o processo evolutivo da prática esportiva frente às alterações sociais e econômicas de cada período. Igualmente como a educação e outras áreas da sociedade, o esporte tem suas ações voltadas para atender determinadas exigências do contexto social no qual está inserido, e para que se possa atender a essas necessidades, impostas, pelo meio social, faz-se necessário certo grau de adaptação, ligada à produção e a reprodução da vida social.

O Brasil possui como tradição a construção de locais para pratica de esporte, sendo eles, geralmente desenvolvidos pelo próprio município, através de parcerias com as instituições governamentais, sempre visando qualidade de vida da população.

No município de Santo Antônio do Sudoeste, a população não possui um local adequado, existe somente um Ginásio de Esportes, quase sem condições de uso, já não atinge um percentual de usuários, devido a sua atual situação, inclusive causando transtornos em treinos de times oficiais do município, o que os leva a busca em outras cidades local adequado para seus treinos.

O esporte deve fazer parte do cotidiano da população em questão, necessitamos pensar o esporte como algo real, que passa influência dos fatores históricos e das pessoas que o praticam, visando a cada período atender as exigências do contexto histórico social, que vêm se delineando no momento.

Este trabalho possui o objetivo da formação do estudante e a elaboração de estudo teórica de um projeto arquitetônico na cidade de Santo Antônio do Sudoeste, sendo ele uma constrição de uma arena poliesportiva, visando beneficiar a população.

1.1 METODOLOGIA

Como metodologia seguiremos a ordem de primeiramente a pesquisa bibliográfica irá trazer conhecimentos que tratem de questões pertinentes a Arena poliesportiva, desde o histórico até elementos arquitetônicos, tendo como fontes livros, artigos, teses e dissertações, entre outras publicações.   Para Cervo e Bervian (2002, p.32) a pesquisa bibliográfica procura explicar um problema a partir de referências teóricas publicadas em documentos, […] “é meio de formação por excelência e constitui o procedimento básico para os estudos monográficos, pelos quais se busca o domínio do estado da arte sobre determinado tema.” Seguido de Estudo de caso, levando em consideração alguns aspectos como a definição e implantação no terreno, esta definição se dará a partir de um levantamento fotográfico da área urbana e levantamento de dados referentes à cidade, dados socioeconômicos, físico-territorial e histórico-cultural. Seguido de pesquisa realizada uma pesquisa “in loco”, com o estudo de caso Ginásio de Esportes existente no município de Santo Antônio do Sudoeste, a qual permitirá conhecer o local e suas deficiências, levantar as necessidades da atual Arena, como espaços e suas utilizações, funcionalidade, infraestrutura e materiais utilizados. Com base nos estudos de caso, será elaborado o programa de necessidades, definindo também o pré-dimensionamento adequado para cada ambiente conforme seu uso, resultando na elaboração de fluxogramas e organogramas, bem como plantas esquemáticas que auxiliarão na hora de elaborar o projeto.  Após, será desenvolvido o projeto arquitetônico, realizando as alterações recomendadas pela orientação de modo que atenda a todas as exigências.

A justificativa deste artigo dá-se por entender que a população necessita de espaço adequado para pratica de esporte e o local existente no momento foi inaugurado em 1980 e nunca passou por reformas para acessibilidade, o que dificulta seu uso e ainda como estudante, entende-se a necessidade de conhecer e avaliar o legado da construção de arenas esportivas, sendo elas utilizadas como transformação social.

2. REVISÃO DE LITERATURA.

2.1 CONCEITOS DE ESPORTE

Esporte é uma atividade física sujeita a determinados regulamentos, onde normalmente há uma competição entre os praticantes. Para ser esporte de haver um envolvimento de habilidades e capacidades motoras, regras feitas por uma confederação regente do tal esporte e competitividade entre os praticantes.

TUBINO (2005, p. 4) explica que a educação física é um fenômeno sociocultural, que tem no jogo o seu vínculo cultural e na competição o seu elemento essencial e que, nas suas diferentes formas, contribui para a formação e aproximação dos seres humanos ao reforçar o desenvolvimento de valores como a moral, a ética, a solidariedade, a fraternidade e a cooperação, o que o torna um dos meios mais eficazes para a convivência humana.

CASPERSEN (1985, p. 3) define o esporte como qualquer movimento corporal, produzido pelos músculos esqueléticos, que resulte em gasto energético maior que os níveis de repouso.

Esporte é geralmente um exercício físico, com regras, que tem como finalidade a pratica recreativa, profissional ou para a melhora da saúde. Segundo Monteiro (2004) exercício físico é uma atividade com repetições sistemáticas de movimentos orientados, com consequente aumento no consumo de oxigênio devido à solicitação muscular, gerando, portanto, trabalho. Normalmente o esporte tem uma competição envolvida que pode ser entre equipes ou de forma individual.

O esporte já é praticado há muito tempo, desde a Antiguidade há registros. Sua prática era realizada em cidades gregas e envolvia diversos tipos de atividades, já com o caráter competitivo. Pode-se citar como exemplo, os jogos olímpicos, onde várias das cidades-estados da Grécia participavam ou disputam entre si. Naquela época, o intuito era o de honrar a Zeus, o rei dos deuses. Desde os jogos olímpicos muitas das atividades ainda estão presentes garantindo a tradição dos jogos.

Quando citamos a arquitetura antiga, salientamos as tradições Greco-Romanas, a qual ainda encontram-se presentes na atualidade.

A arquitetura grega, como exemplo, teve um papel decisivo, pois mostraram a definição de esporte e a grandeza de suas obras para tornar possíveis suas competições.

Muito além de simples arquitetura, apoderavam-se das mesmas para mostrar ao mundo seus costumes, Deuses, e forma de vida.

2.1.2 BENEFÍCIOS DO ESPORTE.

Nos últimos anos, a mídia ressaltou a importância do esporte na vida do cidadão comum, deixando de lado a ideologia que só pratica esportes quem os tinha como profissão, levantando a ideia e a globalizando, unificando esporte e saúde.

SANTOS E FARENATTI (1998, P. 23), explica que:

A atividade física como principal ferramenta que possibilita apresentar ao indivíduo as condições para que o mesmo possa agir diante de suas reais condições para a busca de uma melhor saúde. Deixando especificado que a qualidade de vida que determinará sua longevidade, tendo como principal aliada a atividade física.

Parafraseando o autor, o esporte é base para uma vida saudável, proporcionando condições físicas necessárias para os desgastes diários no corpo humano, proporcionando não somente longevidade, mas sim qualidade de vida e saúde.

Segundo Mcardle (1992, p. 14), explica que o esporte tem como benefício principal atenuar o processo de declínio das funções orgânicas, favorecendo a capacidade respiratória.

2.1.3. A IMPORTÂNCIA DO ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL BRASILEIRO.

A importância do esporte pode ser confirmada de diversas formas, como, por exemplo, a apreensão dos governos em tornar o esporte obrigatório onde quer que a sua ação se faça sentir, especialmente no ensino, desde a primeira infância até os cursos universitários; a dedicação, por parte da imprensa cotidiana, em todo o mundo, de grande parte de seu tempo e espaço ao noticiário esportivo; a acirrada disputa dentre os países para sediar eventos esportivos de alcance internacional.

O desenvolvimento no esporte para a sociedade brasileira oferece um fórum para o aprendizado de desenvolturas tais como a disciplina, a confiança e a liderança e ensina princípios fundamentais, tais como a tolerância, a cooperação e o respeito. O esporte ensina o valor do esforço e como lidar com o sucesso e com a derrota. Quando estes aspectos positivos do esporte são destacados, o esporte se torna um importante veículo por meio do qual as Nações Unidas podem trabalhar para a realização de suas metas.

A prática do esporte é essencial ao desenvolvimento holístico dos jovens, gerando sua saúde física e emocional e construindo relações sociais valiosas. Além disso, oferece oportunidades de lazer e de auto expressão que são benéficas, especialmente, para os jovens com poucas outras oportunidades em suas vidas. O esporte fornece ao mesmo tempo alternativas saudáveis às atividades prejudiciais, tais como o uso de drogas e a participação no crime. Dentro das escolas, a educação física é um componente fundamental na educação de qualidade. (UNICEF, 1999)

Os programas de educação física não somente promovem a atividade física, entretanto existem evidências de que tais programas têm relação direta com a melhoria do desempenho acadêmico.

2.1.4 O ESPORTE COMO AGENTE DE TRANSFORMAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO LOCAL

Um dos objetivos previstos no artigo 3º, item cita:

A Constituição Federal de 1988, dentro do Título a respeito de os Direitos Fundamentais, garante aos cidadãos o acesso aos direitos sociais na busca de uma sociedade mais justa e igualitária.

Logo no artigo 6º, evidenciam-se quais seriam esses direitos: “São direitos sociais  a  educação,  a  saúde,  o  trabalho,  a moradia,  o  lazer,  a  segurança,  a  previdência  social,  a  proteção  à  maternidade  e  à infância, a assistência aos desamparados, na  forma desta Constituição”.   A criação  do  Ministério  do  Esporte  e  Turismo,  em  1999,  trouxe  um  relevante significado  ao  esporte  como  agente  social,  caracterizando-o  como  um  importante instrumento  de  políticas  sociais,  que  propende  refletir  não  só  na melhoria  da  saúde,  como também na integração dos indivíduos, para fortalecer a construção da cidadania plena.

Para comprovar o entendimento de que o esporte, como uma prática social, de acordo com a história construída e culturalmente desenvolvida, é um  fenômeno  bastante consolidado no mundo contemporâneo.

O Ministério do Esporte, durante a I Conferencia Nacional de Esporte, desempenhada no ano de 2003, deu inicio a uma gama de ações voltadas para a democratização e acesso ao esporte, com o desígnio de disseminar a cultura da prática esportiva mais abrangente e voltada para as pessoas expostas  aos riscos sociais.

O conjunto dessas ações desenvolvidas pelo Ministério da Educação seguem a Política Nacional do Esporte, que prevê dentro do seu quadro de  diretrizes: a participação da sociedade no Conselho Nacional do Esporte, na  Conferencia Nacional do Esporte e  na ouvidoria, além de elencar   e valorizar   a criação de projetos voltados para atender as dimensões  sociais  do  esporte.

A dimensão sócio educativa Esporte Educacional  tem como público-alvo  as crianças e adolescentes expostos aos  riscos sociais. Em 2003, o Ministério do Esporte criou o Programa Segundo Tempo que busca estimular nas aulas de educação física, não apenas o desenvolvimento das habilidades esportivas, das crianças e adolescentes, como também o senso cooperativista, comunitário e solidário, promovendo a valorização das diferenças, por meio  do  respeito à individualidade do próximo e a tolerância, fortalece com essas ações o caráter social formativo e inclusivo do esporte.

Nos últimos anos se tornou importante usar a noção de representação social abrangendo crenças, percepções e perspectivas, em meio a outros termos correntes na área das ciências sociais. Percebe-se que o qualificativo de social indica o lado histórico e construtivo das representações e, por conseguinte, sua variabilidade cultural. O planejamento estratégico parece-nos uma necessidade impreterível para o debate aprofundado acerca das orientações das atuais políticas e de sua pertinência e limites dentro de nossa realidade urbana.

Os informantes percebiam que a contribuição da educação física para os alunos da escola pública necessitaria ser a inserção social pelo ensino de conhecimentos e comportamentos; o desenvolvimento da comunicação oral e escrita; o autoconhecimento e o convívio em grupo. Os professores almejavam que a afetividade baseada na amizade e nos princípios da relação familiar em substituição à família desestruturada ou ausente, seria a sua ajuda pessoal a esses jovens. Eles empregavam a afetividade para transformar o perfil comportamental (estereótipo) dos alunos e para esquivar-se das implicações pedagógicas de sua atuação. Dessa forma, a educação física conviria de suporte na solução de problemas disciplinares e na organização escolar.

3. ESTUDO DE CASO

3.1.  ESTUDO DE CASO I: ARENA ALLIANZ PARK DO PALMEIRAS.

A Arena Allianz Parque, se localiza Francisco Matarazzo, 1705 – Água Branca, São Paulo – SP.

A Figura I pode ser observada a localização da arena no mapa do estado de são Paulo:

Figura 1 - Localização da Arena. Fonte: Google Earth.
Figura 1 – Localização da Arena. Fonte: Google Earth.

Projetado pelo Arquiteto Edo Rocha, a arena tem 43.713 lugares cobertos, sendo 25.395 cadeiras inferiores, 3.430 cadeiras intermediárias (camarotes) e 14.888 cadeiras superiores. A arena conta com 178 camarotes privativos de 12 a 21 lugares cada, um restaurante panorâmico, lanchonetes, lojas, centro de convenções com estrutura modular para até 1.500 visitantes, centro de mídia para até 1.000 profissionais da imprensa, um memorial com espaço multimídia com registros da história do clube e estacionamento coberto contíguo para até 2.000 carros, com vagas exclusivas para motocicletas e bicicletário. Para eventos múltiplos, como shows e concertos, podem receber até 55 mil espectadores.

Com objetivo de facilitar à circulação dos frequentadores da arena, bem com a limpeza das arquibancadas, as cadeiras não são fixadas no piso. Em alguns setores, os assentos e encostos são estofados, com ou sem braço, composto por polipropileno de alto impacto e com suportes em poliamida reforçada com fibra de vidro. Entre a capa e a espuma há uma camada de lã de vidro à prova de fogo, visando proporcionar maior segurança ao público. As cadeiras são compostas por três tons de verde que se intercalam, dando origem a um desenho geométrico inspirado nas folhas das palmeiras.

Figura 2 - MAPA DE LUGARES. (www.google,com,br/imagens)
Figura 2 – MAPA DE LUGARES. (www.google,com,br/imagens)

Os vestiários da arena têm dimensões semelhantes: o do Palmeiras tem 355 m² e o dos visitantes, 270 m². O vestiário do mandante conta com armário de madeira com identificação dos atletas e um armário “comunitário”, no qual é possível guardar grande quantidade de objetos. A área de aquecimento dos jogadores tem grama sintética e paredes revestidas com placas de borracha, o que facilita a limpeza do local. Os banheiros são revestidos com porcelanato cinza e pedra natural Hijau Lisa na cor verde, e abrigam duas banheiras de hidromassagem e uma individual para imersão.

O complexo Allianz Parque conta com um Edifício Poliesportivo, erguido onde antes se localizava o antigo ginásio do clube. O novo prédio tem cerca de 10 mil metros quadrados, distribuídos por 4 pavimentos e é servido por 3 elevadores. No térreo, há um ginásio com capacidade para aproximadamente 1.500 torcedores construído para abrigar partidas de basquete, futsal e vôlei.

Dois pisos intermediários, com cerca de 2 mil metros quadrados de área cada um, foram projetados para receber quadras de tênis e poliesportivas. Na cobertura do edifício, há uma quadra de futebol society de gramado artificial semelhante à grama natural, oferecendo um espaço de quase 2 mil metros a mais de 48 metros de altura. Uma solução de arquitetura, inédita no Brasil, permite que de dentro do edifício os sócios do clube possam apreciar a paisagem externa, além de usufruir de ventilação e grande quantidade de luz natural.

Já o Edifício Multiuso, projetado com base no partido arquitetônico desenvolvido pelo arquiteto Tomás Taveira, tem aproximadamente 13 mil metros quadrados, distribuídos por 6 andares mais térreo. O prédio conta com 8 vestiários e 12 sanitários, 6 elevadores e abriga as áreas administrativas do clube, os esportes indoor, como judô e ginástica artística, e até um espaço nobre, na cobertura, que oferece vista panorâmica do clube e da região.

Os novos edifícios vêm se somar às quadras de tênis, poliesportivas, ao prédio dos novos vestiários das piscinas e à nova sauna do clube, conjunto de obras erguido a partir de novembro de 2010 pela Torre e que faz parte do acordo assinado entre o clube e a empresa.

A estrutura de aço da cobertura se apoia em uma estrutura de concreto, que no final de 2012 encontrava-se no estágio de construção.

Com a evolução da obra, a estrutura de concreto ficou apta a receber a cobertura. Isto foi possível porque a estratégia de obra priorizou a construção das cinco torres que apoiariam as estruturas principais da cobertura.

Cobertura translúcida

Com seis andares mais térreo, os três edifícios reúnem vestiários com padrões da Fifa, masculinos e femininos, áreas de administração e ginástica, quadras e ginásio esportivo. Possuindo 15 elevadores para garantir acesso a todos os pontos da arena.

Figura 3 - Estrutura da Cobertura.(www.google,com,br/imagens)
Figura 3 – Estrutura da Cobertura.(www.google,com,br/imagens)

O sistema de irrigação é feito por aspersores instalados no próprio gramado com controle de quantidade de água a ser utilizada. De acordo com a necessidade eles levantam, irrigam e abaixo. Quando estão desligados, ficam no nível de grama e são resistentes a pisões.

3.2 ESTUDO DE CASO II: ARENA PANTANAL.

Localiza-se na Av. Agrícola Paes de Barros, s/n – Verdão, Cuiabá – MT.  A qual foi inaugurada em 2 de abril de 2014.

Figura 4 -  Localização. Fonte: Google Earth
Figura 4 –  Localização. Fonte: Google Earth

A arena apresenta um estádio com característica inglesa e adaptação ao clima local com conceito sustentável e flexível para multiuso. A arena possui dispositivos economizadores o qual reduz 20% energético, possui também um sistema para a captação de água pluvial e uma estação de tratamento de efluentes também serão instalados.

O estádio tem capacidade para 43.150 pessoas, porém como foi feito com placas de pré-moldados tem a possibilidade de ser reduzido para 20 mil. As arquibancadas são todas cobertas e com assentos. As arquibancadas dos setores norte e sul (atrás dos gols) foram pensadas para atender ao caráter multiuso do estádio. Removíveis e feitas em estrutura metálica, elas comportam 18 mil pessoas. O qual possui 20 escadas e 12 elevadores. A capacidade dele é bem distribuída, sendo ala Norte 8.791, ala Sul 8.791 pessoas, leste 12.172, Oeste 9.220.

A área de recepção vip conta com 403 m² e da imprensa com total de 261 m².

A área tem um estacionamento coberto possui 368 lugares para carro e 03 para ônibus e 29 motocicletas, o estacionamento descoberto, dentro do terreno da Arena, possui vaga de 2431 carros.

Figura 5 - Estrutura. Fonte: https://www.google.com.br/search?q=estrutura+da+arena+pantanal
Figura 5 – Estrutura. Fonte: https://www.google.com.br/search?q=estrutura+da+arena+pantanal

O projeto arquitetônico priorizou a ventilação do estádio, já que o verão cuiabano atinge temperaturas em torno dos 40 °C. O projeto possui ventilação cruzada com tomadas de ar pelos cantos localizados entre os setores de arquibancadas.

A cobertura e a fachada são autolimpantes, termoacústicas, resistente aos raios UV, com alta capacidade de refletir a luz solar. Apoiada em torres de sustentação, a cobertura do estádio imita uma asa delta, com aerodinâmica adotada por causa das condições dos ventos locais. Possui uma estrutura metálica a qual recebe toda  a influência do vento, pois os quatro cantos são abertos, formando uma forma de asa. Ela foi revestida na parte de cima com um sistema de telhas, com isolamento térmico e acústico, e em baixo com um forro, formando um elemento único. Tudo projetado para dissipar o calor e evitar os raios solares

3.3 ESTUDO DE CASO III: ARENA DO GRÊMIO FOOT-BALL PORTO ALEGRENSE

A Arena do Grêmio é um estádio multiuso localizado na cidade de Porto Alegre, situada na Av. Padre Leopoldo Brentano, 110 – Humaitá, Porto Alegre – RS, 90250-590. O arquiteto responsável foi Carlos de La Corte

Figura 6 - Imagem da arena antes, durante e depois construção e depois de concluída. Fonte: http://zh.clicrbs.com.br/rs/esportes/gremio/pagina/os-detalhes-da-nova-casa-azul.html
Figura 6 – Imagem da arena antes, durante e depois construção e depois de concluída. Fonte: http://zh.clicrbs.com.br/rs/esportes/gremio/pagina/os-detalhes-da-nova-casa-azul.html

A construção da Arena se tornou destaque, pois é uma das primeiras no quesito multiuso, sendo um projeto inovador e grandioso. A Arena do Grêmio é o único empreendimento, fora dos estádios que sediaram jogos oficiais da Copa de 2014, que firmou contrato com a Green Building Council Brasil (GBC Brasil) para obter o certificado LEED – selo que reconhece empreendimentos capazes de gerar menor impacto ao meio ambiente.

Uma parte da cobertura fica acoplada na parte mais alta da arquibancada com cerca de 18 metros de comprimento e 25 toneladas (módulo A), no modulo B, a estrutura chega a 48 toneladas e 47 metros, a qual vai acoplada na primeira parte. As telhas são fixadas encima dos módulos de metal cada telha é composta por duas placas metálicas, com isolamento térmico e acústico entre elas.

Figura 7- Estrutura da Cobertura. Fonte: http://zh.clicrbs.com.br/rs/esportes/gremio/pagina/os-detalhes-da-nova-casa-azul.html
Figura 7- Estrutura da Cobertura. Fonte: http://zh.clicrbs.com.br/rs/esportes/gremio/pagina/os-detalhes-da-nova-casa-azul.html

Esse procedimento é o normal/convencional em todas as estruturas metálicas e peças grades

O fosso possui uma estrutura de vidro, separando o campo das arquibancadas, pensado para que não ocorra invasão.

A estrutura de iluminação possui 408 refletores, garantindo a iluminação dos jogos noturnos, totalizando 2 mil Watts. O sistema conta com a proteção de no-breaks, evitando que, em caso de falta de energia, as lâmpadas apaguem. Estas fontes mantêm automaticamente o funcionamento dos refletores até que o grupo de motogeradores entre em operação.

As cabines para imprensa totalizam 34, divido em dois setores, leste e oeste. A arena ainda possui 239 câmeras de monitoramento interno e externo, garantindo a segurança de todos, 2 Centros de Controle de Operações e 246 banheiros, com acessibilidade total.

Possuindo 58 bares e 1 restaurante panorâmico, cumprindo assim a meta de atender a todos.

Os vestiários seguem os padrões da Federação Internacional de Futebol (FIFA), com área coberta para aquecimento dos jogadores, banheiras de hidromassagem e piscinas de gelo, além de salas especiais para Técnicos e Comissão Técnica.

A estrutura de acesso à Arena, possui 5 entradas para carro, sendo essa a leste e 5 entradas para pessoas a pé localizada ao sul. Possuindo 4 rampas de acesso ao local.

A estrutura das arquibancadas, são apresentadas em 4 níveis, onde o nível mais próximo fica a 10 metros e o mais distante a 67 metros do campo, O nível possui 25.246 vagas, onde localiza o gramado e setor geral, já no nível 2, temos vagas para 8.575 lugares (cadeiras Gold), 3º nível possui camarotes e acesso vip, com 2.744 vagas, no ultimo 4º nível, vagas para imprensa (camarotes) e 23.436 pessoas.

Figura 8 - Estrutura de Arquibancadas. Fonte: http://zh.clicrbs.com.br/rs/esportes/gremio/pagina/os-detalhes-da-nova-casa-azul.html
Figura 8 – Estrutura de Arquibancadas. Fonte: http://zh.clicrbs.com.br/rs/esportes/gremio/pagina/os-detalhes-da-nova-casa-azul.html

Todos os lugares são cobertos e com cadeiras (exceto no setor Norte). Há quatro lances de arquibancada: a baixa com cadeiras (inferior), média baixa com poltronas, média alta com camarotes e a mais alta também com cadeiras.

A estrutura de controle do grama é automática, a irrigação é feita automaticamente, nos horários mais adequados, para garantir que a grama tenha água na quantidade necessária. Também são controlados automaticamente os processos de insuflamento[3], que garante uma superfície do solo úmida e drenagem a vácuo, que mantém as raízes das plantas secas e atua em conjunto com o tradicional sistema de drenagem por gravidade. O gramado da Arena do Grêmio conta também com máquinas de iluminação artificial para auxiliar no crescimento da planta e sua manutenção. A partir de 2015, a Arena ganhou com um novo gramado.

Em seguida as imagens detalham o acesso à arena, segundo os pontos cardeais, e as indicações de localização expostas na figura:

Figura 9 - Acesso. Fonte:http://zh.clicrbs.com.br/rs/esportes/gremio/pagina/os-detalhes-da-nova-casa-azul.html
Figura 9 – Acesso. Fonte:http://zh.clicrbs.com.br/rs/esportes/gremio/pagina/os-detalhes-da-nova-casa-azul.html

Seguindo na análise da estrutura de acesso, ainda temos o acesso de estacionamento, que possui capacidade para 2,4 mil carros, que podem ficar a 1km de distancia da entrada, e 3,4 mil carros entre 1 e 2 km de distância, totalizando 5,8 mil vagas de estacionamento.

Ainda salientando as vias do entorno, cita-se o estacionamento de ônibus, o qual deverá ser realizado através da pista Norte da Rua José Pedro Boéssio, O total da capacidade dessa região de estacionamento para ônibus fretado é em média de 80 ônibus, em duas filas, o que viabiliza o acesso.

4. ÁREA DO TERRENO.

Para a implantação da arena poliesportiva, se fez  necessário escolher um terreno amplo espaço e estivesse próximo  ao estádio municipal, o qual possuiria acessibilidade para pratica de esportes, ficando assim  concentradas em uma mesma região para facilitar os grandes eventos.

O terreno escolhido foi um espaço que fica dentro do parque de exposições do município que fica na entrada da cidade próximo ao trevo saída para Barracão e também da Polícia Militar BPFROM (Batalhão de Polícia de Fronteira). O local já conta com o estádio municipal, quadra de vôlei de areia, teatro municipal, centro de eventos para shows e um ginásio de esportes onde se pretende construir a nova arena em seu lugar e conta também com 3 lagos com pista de caminhada, academia para idosos, bosque com várias espécies de arvores e um córrego passando entre os lagos e o bosque, existe também um alambrado em todo os limites de divisas do parque.  Este terreno segundo os estudos realizados tem totais condições para a implantação do projeto devido ao lugar ser de fácil acesso e já ser um espaço ligado ao esporte e que a população já está adaptada ao local.

As construções existentes são casas de moradia, e algumas fabricas de pequeno porte. As quais possuem uma distância mínima de 20 metros do local de acesso.  Ao leste e norte mata nativa, oeste parque de exposições e sul casas de moradia.

O acesso ao terreno fica no portão de entrada do parque de exposições que fica em frente ao CTG próximo, o acesso ao parque é somente para pedestres, os veículos ficam nos estacionamentos nas ruas nos aos redores do parque, entrada principal pelo estádio municipal e entrada secundária ficara de frente onde será construída a nova arena. Que dá acesso para a rua, para facilitar o acesso nos eventos de pequeno porte.

Onde ao seu redor existem rodovia BR 163, indústrias, churrascarias e restaurantes, polícia militar, comercio e residências.

O parque está dividido em chácaras 11,20 e 21 da quadra 142, tendo como área total do parque de exposições 74.353,50 m². A Chácara a ser utilizada para construção da arena será a chácara 11, com área total de 37.080 m².

O terreno onde será feita a obra tem um desnível de aproximadamente 8 metros o que facilita a escavação para ser feita a quadra e os vestiários da arena.

O ginásio de esportes com área total de 1.312,25m² será inteiramente demolido, ele está situado ao lado do galpão de eventos a 6 metros de distância do mesmo.

Figura 10 – Local Escolhido. Fonte: Google Earth
Figura 10 – Local Escolhido. Fonte: Google Earth

O ginásio de esportes com área total de 1.312,25m² será inteiramente demolido, ele está situado ao lado do galpão de eventos a 6 metros de distância do mesmo.

Para a implantação da arena poliesportiva, era necessário escolher um terreno que fosse de amplo espaço e que fosse próximo ao estádio municipal para que a pratica de esportes ficassem concentradas em uma mesma região para facilitar os grandes eventos.

De acordo com o estudo solar realizado no terreno, contatou-se que no período da manhã o sol estará para leste e no período da tarde para oeste. Neste caso, levando em consideração o conforto término a melhor orientação solar é aquela em que no inverno proporcione exposição máxima à irradiação solar e no verão exposição mínima, desta maneira a orientação solar mais indicada será ao Norte.

Com base em dados apresentados pela Ambientec (2006), no Plano Diretor do município de Santo Antônio do Sudoeste, a direção predominante dos ventos é nordeste, deste modo, atinge com maior incidência a face oeste do terreno. Entretanto, durante o ano os ventos sofrem oscilações, devido a formação de massas úmidas, que fazem com que os ventos se desloquem de Sul para Sudeste.

Figura 11  - Percurso do sol em relação ao terreno escolhido. Fonte:Google Earth
Figura 11  – Percurso do sol em relação ao terreno escolhido. Fonte:Google Earth
Figura 12 - Estudo dos ventos em relação ao terreno escolhido. Fonte:Google Earth
Figura 12 – Estudo dos ventos em relação ao terreno escolhido. Fonte:Google Earth

O clima predominante do município de Santo Antonio do Sudoeste é caracterizado pelo clima subtropical úmido mesotérmico, com temperaturas moderadas que variam de 18°C a 22°C em média. No município a temperatura média do mês mais frio fica em torno de 11°C, com pouca frequência de geadas, enquanto no mês mais quente a temperatura média mantém-se entre 32°C, sendo a temperatura média anual de 19°C. Por possuir clima úmido a região sudoeste tem chuvas distribuídas por todos os meses. (IAPAR, 2015).

Segundo dados do IBGE (2010), Santo Antonio do Sudoeste possuía em 2010, uma população de 18.893 habitantes, dividida entre 9.385 mulheres e 9.146 homens. Sendo que do número total de habitantes 13.711 faziam parte da população urbana, indicando uma taxa de urbanização de 72.57%, os outros 5.182 habitantes moravam na Zona Rural, ou seja, correspondiam a 27,43% do total do município. Tal situação implica em uma densidade demográfica de 58 hab/km², a qual pode ser considerada como relativamente alta se comparada com a maioria dos outros municípios do Paraná. Em 2014, a estimativa do mesmo instituto, apontava para uma população estimada do município de 19.855 habitantes.

De acordo com a Prefeitura Municipal, a economia do município de Santo Antonio do Sudoeste está fortemente apoiada na agricultura, pecuária e na indústria têxtil, sendo considerado um polo industrial. Entretanto o maior número de empregos no município concentra-se na indústria têxtil.

Santo Antônio do Sudoeste é considerado um município de referência, pois faz fronteira com o município argentino San Antonio, localizado na província de Misiones. Esse referencial teve início com a celebração do Tratado de Madri, em 1759, delimitando as fronteiras do sul do continente americano, denominando-as Santo Antonio do lado brasileiro e San Antonio do lado pertencente à Argentina.

Figura 13 - Marco de divisão de Fronteiras. Fonte: Prefeitura Municipal de Santo Antônio do Sudoeste, 2017
Figura 13 – Marco de divisão de Fronteiras. Fonte: Prefeitura Municipal de Santo Antônio do Sudoeste, 2017

Historicamente citando, em 1952, com a chegada dos pioneiros, visando a exploração da erva-mate, deu-se início ao povoamento do local. Seguido dessas questões, criaram-se estradas, para movimentação entre os estados do Sul, aumentando assim a população.

O crescimento do local, original o município, fato consolidado em 1951. O nome da cidade foi escolhido por Dom Lucca Ferrera que colocou Santo Antonio, em homenagem ao Santo padroeiro da localidade e ao seu filho chamado de Antonio, mais tarde foi acrescentado o termo Sudoeste, em referência a localização. Entretanto, a denominação oficial só foi homologada como desmembramento do município de Clevelândia, firmada pela Lei Nº 5.322 de 10 de maio de 1966, onde passou a denominar-se Santo Antônio do Sudoeste

Figura 14 – Mapa de localização. Fonte: ORTOLAN, Mariéle Tonelo. 2015
Figura 14 – Mapa de localização. Fonte: ORTOLAN, Mariéle Tonelo. 2015
Figura 15 – Mapa do Município. Fonte:Google Earth
Figura 15 – Mapa do Município. Fonte:Google Earth

4. PROPOSTA.

Esse projeto tem como meta possibilitar um local adequado para pratica de esporte, proporcionando à população a oportunidade de pratica esportiva voltada para qualidade de vida e socialização.

O projeto possuirá detalhes que remeterá ao conceito de lembrança a área de fronteira, buscando o aval histórico para sua fachada. Lembrando sempre da importância física social e econômica da região.

Quando falamos em três fronteiras, buscamos um resgate histórico para sua forma, visualizando o marco histórico.

4.1 PROGRAMA DE NECESSIDADES.

Visando atingir os objetivos, a estrutura terá como base os padrões da FIFA, seguindo as recomendações de segurança, conforto e acessibilidade.  Sendo ele exposto na Tabela  I, abaixo:

Programa de necessidades e Pré-dimensionamento dos ambientes
AMBIENTE QUANTIDADE ÁREA (m²) ÁREA TOTAL (m²)
JOGO Quadra de jogo 1 1.500 1.500
  Túnel 1 18 18
  Banco de reservas 2 15 30
  Banco arbitragem 1 6 6
  Área de aquecimento 2 10 20
  TOTAL 1.500
INFRAESTRUTURA DA ARENA Secretaria
  Administração 1 30 30
  Dep. Profissional 1 25 25
  Sala troféus 1 35 35
  Tesouraria 1 20 20
  Sala de reunião 2 30 60
  TOTAL 170
SERVIÇOS Acesso Ambulância 1 20 20
  Posto policial 1 25 25
  Segurança 1 20 20
  Informações 1 15 15
  Bilheterias 4 20 80
  Sala de controle 2 30 60
  Sala de Apoio 1 20 20
  TOTAL 240
VESTIÁRIOS
  Sala de massagem 2 25 50
  Sanitários 2 40 200
  Sala de aquecimento 2 60 120
  Sala de aquecimento árbitros 1 30 30
  Colaboradores 2 20 40
  Vestiário árbitros 2 20 40
  Vestiário atletas 2 40 80
  Vestiários funcionários 2 40 80
  Exame Antidoping 1 20 20
  Zona mista 1 50 50
  Credenciamento 1 30 30
  Lavanderia 2 20 20
  Entrevista coletiva 2 60 120
  Sala de imprensa 1 40 40
  Entrevista rápida 1 15 15
  TOTAL 865
ARQUIBANCADA Norte 1 1.000 1.000
  Sul 1 500 500
  Leste 1 100 100
  Oeste 1 300 300
  Sanitários 5 30 150
  Camarote 4 30 120
  TOTAL 2370
IMPRENSA Cabines de tv 2 30 30
  Cabines de radio 2 30 30
  Sala entrevista coletiva 2 50 50
  Fotógrafos 1 30 30
  TOTAL 140
COMERCIAL Sala de troféus 1 40 40
  Sala Multiuso 6 35 35
  Restaurante 1 80 80
TOTAL 205
   
TOTAL GERAL 5.634

Fonte: CAOVILLA, Crystian. Arena Multiuso, Solução e Inovação. 2016

4.1.1 ORGANOGRAMA

A imagem do Organograma tem como objetivo apresentar e explicar  a estrutura organizacional.

Figura 16 – Organograma. Fonte: Elaborado pelo autor
Figura 16 – Organograma. Fonte: Elaborado pelo autor

4.1.2 Fluxograma.

A imagem  apresenta o fluxograma, sendo ele fundamental para simplificação e racionalização do projeto, permitindo assim um estudo detalhado.

Figura 17 – Fluxograma. Fonte: Elaborado pelo autor.
Figura 17 – Fluxograma. Fonte: Elaborado pelo autor.

4.1.3 Setorização Térreo

Figura 18 - Setorização Térreo. Fonte: Elaborado pelo autor.
Figura 18 – Setorização Térreo. Fonte: Elaborado pelo autor.

4.1.3 Setorização Superior.

Figura 19 - Setorização Superior. Fonte: Elaborado pelo autor
Figura 19 – Setorização Superior. Fonte: Elaborado pelo autor

5. ESTUDO DE MATERIALIZAÇÃO.

Visando atender o proposito inicial do projeto, a construção da arena multiuso na cidade de Santo Antônio do Sudoeste, Pr, foram efetuados essas ilustrações, representando a estrutura, voltada para a lembrança do marco das três fronteiras.

Figura 20 – Materialização. Fonte: o autor.
Figura 20 – Materialização. Fonte: o autor.

REFERÊNCIAS

AMBIENTEC, Consultoria Ambiental. Plano Diretor Municipal. Santo Antonio do Sudoeste, v. 2, p.617, 2006.

BAYER, Raymond. História da estética. Tradução: José Saramago. Lisboa, Estampa, 1979, p. 15.

BECKER, Dinizar Fermiano (org). Desenvolvimento sustentável: necessidade e/ou possibilidade? Santa Cruz do Sul/RS, Edunisc, 1999.

BEE, Helen. A Criança em Desenvolvimento; tradução Maria Adriana Veronese. Porto Alegre: Artmed, 2003

BORGES, C.N.F. Um só coração e uma só alma: as influências da ética romântica na intervenção educativa salesiano e o papel das atividades corporais. 2005.

CASTELLANI FILHO, L. A (des) caracterização profissional-filosófica da educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v.3, p.95-101, 1983.

CAVALCANTI, Kátia Brandão. Esporte para todos; um discurso ideológico. São Paulo: Ibrasa, 1984

CUNHA, O. Heróis da América: história completa dos jogos pan-americanos. São Paulo: Editora Planeta, 2007 AFONSO, G. F.; VLASTUIN, J.; MOREIRA, T. S. Pan Rio 2007 na era do sportainment. Anais… 1º ENCONTRO DA ALESDE: Esporte na América Latina: atualidade e perspectivas. UFPR – Curitiba – Paraná – Brasil, 30, 31/10 e 01/11/2008.

DOSSIÊ DE CANDIDATURA DO RIO 2016.

FERNANDES, A. Megaeventos desportivos e renovação urbana como fatores de indução ao desenvolvimento turístico. I Jornada de Iniciação Científica Uniban, 2009

FRIEDMANN, Adriana. Brincar: crescer e aprender; o resgate do jogo infant i l . São Paulo: Moderna, 1996.

FROES, Cesar; MELO NETO, Francisco Paulo de. Responsabilidade social & cidadania empresarial: a administração do terceiro setor. Rio de Janeiro: Qualitymark,1999

FROES, Cesar; MELO NETO, Francisco Paulo de. Responsabilidade social & cidadania empresarial: a administração do terceiro setor. Rio de Janeiro: Qualitymark,1999

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. FGV. Movimentação econômica dos jogos pan-americanos. Rio de Janeiro: FGV, ago. 2007.

GAYA, A. Sobre o esporte para crianças e jovens. In: STIGGER, M.P.; LOVISOLO, H.R. (Orgs.) Esporte de rendimento e esporte na escola. Campinas: Autores Associados, 2009.

HARDMAN, K., e J. Marshall (1999). Worldwide Survey of the State e Status of School Physical Education: Summary of Findings, ICSSPE: Berlim.

HEALTH Canada (1998). Improving the Health of Canadians through Active Living, Health Canada: Ottawa.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades: Santo Antonio do Sudoeste/ PR. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=412440>. Acesso em: 11 abril de 2017.

IAPAR, Instituto Agronômico do Paraná. Classificação Climática. Disponível em:<http://www.iapar.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=863 >. Acesso em: 12 de junho de 2017.

KUNZ, E. Esporte: uma abordagem fenomenológica. In: STIGGER, M.P.;

LOVISOLO, H.R. (Orgs.). Esporte de rendimento e esporte na escola. Campinas: Autores Associados, 2009. p.27-48.

LOVISOLO, H. Educação física: a arte da mediação. Rio de Janeiro: Sprint, 1995a.

MEC / Secretaria de Educação Física e Desportos, Petrobras, governos estaduais e municipais 2009.

MINISTÉRIO DO TURISMO. Plano Nacional do Turismo 2007-2010. Brasília, 2010

ORTOLAN, Mariélen Tonelo. Novo Terminal Rodoviario em Santo Antonio do Sudoeste. Pr, 2015.

SÁNCHEZ, Fernanda e Bienenstein, Glauco. Jogos Pan-americanos Rio 2007: um balanço multidimensional. lasa 2009. Sessão: Grandes Projetos Urbanos: elementos da experiência argentino-brasileira, II. Organizador: Pedro Novais Lima Jr

SANTOS, M.D. Compromisso: a proteção do eu – representação dos professores de educação física. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Gama Filho, 1993.

SASSAKI, K. R.Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1999

SINGER, Robert N. Psicologia dos Esportes: mitos e verdades; tradução Marina T. B. Porto Vieira São Paulo: Harbas, 1997

THIOLLENT, M.J.M. Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. São Paulo: Polis, 1980.

TUBINO, Manuel. J. G. Dimensões sociais do esporte. São Paulo: Cortez, 1992

VIANNA, J.A.; RÍGIDO, S.; FERREIRA, V.P. Projetos de inclusão social através do esporte: notas sobre avaliação. Movimento, Porto Alegre, v.15, n.3, p.145-62, 2009.

WAGNER, Wey Moreira. Esporte como Fator de Qualidade de Vida. São Paulo: Unimesp,2002

YIN, R. Pesquisa: planejamento e métodos. 3ª Ed. Porto Alegre, RS: Bookman, 2005.

ZALUAR, A. Cidadãos não vão ao paraíso: juventude e política social. Rio de Janeiro: Escuta, 1994.

ZINSER, L. “Together, this team succeeds”, New York Times, 29 Agosto 2002.

[1] Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado à banca examinadora do curso de Engenharia e Urbanismo da Universidade Paranaense – UNIPAR, como exigência parcial para obtenção do grau de Bacharel em Arquitetura

[2] Bacharel em Arquitetura – Universidade Paranaense – UNIPAR

[3] Sistemas de insuflamento são comumente empregados para injetar ar fresco e tratado num ambiente ou quando é necessário impedir que outros contaminantes penetrem no local.

Rate this post
Josemar Oliveira de Mattos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POXA QUE TRISTE!😥

Este Artigo ainda não possui registro DOI, sem ele não podemos calcular as Citações!

SOLICITAR REGISTRO
Pesquisar por categoria…
Este anúncio ajuda a manter a Educação gratuita