Publicar Artigo Cien

Bolsa para mestrado e bolsa para o doutorado – O que é a bolsa taxa? O que é a bolsa de pesquisa?

5/5 - (2 votes)

As bolsas na universidade: conhecendo os tipos de bolsas e as suas principais características

Olá, tudo bem? Em nosso post de hoje iremos discutir sobre um assunto muito importante, sobretudo se você precisa de uma bolsa para realizar um curso de pós-graduação. estamos nos referindo às bolsas de pesquisa. Tanto em universidades privadas quanto públicas você pode solicitá-las. Desse modo, hoje, iremos apresentar as características principais sobre dois principais tipos, sendo elas a bolsa taxa e a bolsa de pesquisa, que pode ser solicitada em diversos níveis da pesquisa, desde a graduação até o doutorado. Além disso, muitos se questionam se quem tem vínculo empregatício pode solicitar uma dessas bolsas em uma instituição particular. A primeira coisa que gostaríamos de frisar é que aqui estamos trabalhando com o contexto da pós-graduação. Contudo, não estamos nos referindo a todas as pós-graduações, mas sim ao stricto sensu, isto é, aos mestrados e doutorados, acadêmico ou não.

As bolsas de pesquisa em mestrados e doutorados

Esteja você em um mestrado ou doutorado acadêmico ou profissional, pode solicitar uma bolsa. Assim, quando discutimos sobre bolsas é preciso que fique muito claro que estamos falando de programas de mestrado e doutorado, sejam eles públicos ou privados. Esses cursos acadêmicos e profissionais integram a modalidade que chamamos de stricto sensu. Para chegar a esse curso/instituição, pesquise no site da CAPES. As universidades que oferecem esse tipo de programa possuem algumas opções de bolsas. Além disso, você pode consultar as linhas de pesquisa relacionadas a esse programa e a quantidade de vagas. Há, também, critérios postos tanto nos editais quanto nos sites para que os alunos possam ser admitidos pelo programa. Estamos enfatizando o stricto sensu, porque algumas pessoas ficam confusas quanto às bolsas e se cursos lato sensu podem oferecer. O lato sensu tem outro público e outras prioridades.

A lógica do lato sensu

Aqui estamos falando sobre as bolsas no stricto sensu, porque o lato sensu possui outro público, finalidade e mecanismos de admissão, de modo que o próprio processo de admissão está ligado a uma lógica que é muito menos complexa. Além disso, nem sempre os cursos lato sensu precisam ser reconhecidos. Aqui estamos focando nos cursos de mestrado e doutorado que precisam ser reconhecidos. Estamos nos remetendo, portanto, a uma pós-graduação voltada para quem tem interesse em ser professor universitário e realizar pesquisas. O professor universitário pode atuar no âmbito da graduação e da pós-graduação, o aluno tem como missão, também, a atuação enquanto pesquisador. Esses cursos irão lhe treinar e capacitar para o exercício dessas duas funções primordiais. Exerce-se uma dupla função: a de docente e pesquisador de forma simultânea. Com isso, precisamos falar sobre o produto final.

O produto final da pós-graduação stricto sensu

Em razão da lógica do stricto sensu, o pesquisador irá desenvolver um produto final que tem a ver com aquilo que irá executar durante toda a sua carreira enquanto pesquisador. Durante esse mestrado ou doutorado, você realizará uma pesquisa e desenvolverá um trabalho fruto dessa pesquisa, o que demandará muita leitura e escrita. O produto final de um programa de mestrado é a dissertação e o doutorado é a tese. A dissertação e a tese concretizam tudo o que você aprendeu neste curso. O mestrado dura de vinte e quatro a trinta meses e o doutorado de trinta e seis a quarenta e oito meses. A depender da instituição na qual você se encontra, esse prazo pode ser estendido em seis meses. É considerando esse universo que iremos discutir sobre as bolsas de pesquisa. A primeira coisa que você precisa saber é que tanto as instituições públicas quanto as privadas oferecem diferentes tipos de bolsas.

As bolsas no contexto público e privado

As bolsas no contexto público e privadoDentre as bolsas, têm-se aquelas oferecidas pela própria de instituição na qual o aluno está matriculado, as bolsas concedidas tanto pelo CNPq quanto pela própria CAPES, as bolsas que são remuneradas, dentre outras. No caso de instituições de ensino privadas, você irá realizar o processo seletivo para ingressar na universidade em questão. Cada uma das instituições possui uma série de bolsas. Estude qual a melhor para você. Após o processo seletivo, e, caso aprovado, realizar a matrícula, você poderá solicitá-la. O mais comum é que durante o primeiro semestre, que é quando você está adentrando nessa instituição, em que você ainda está conhecendo os professores e como o programa funciona, e, ainda, amadurecendo o projeto, é normal que os alunos custeiem esse curso, isto é, que paguem as mensalidades. Não é um valor baixo, mas sim um preço consideravelmente alto.

O primeiro semestre nas instituições privadas

O primeiro semestre nas instituições privadasO mais corriqueiro é que no primeiro semestre desse curso de mestrado ou doutorado na instituição privada o aluno custeie todos os gastos da pesquisa, incluindo a mensalidade do curso. É um processo que dura, pelo menos, o primeiro semestre. O interessante nesse momento é que você busque se informar junto aos seus colegas, coordenação e diretoria sobre as bolsas e quando o edital irá abrir para que você realize esta solicitação. Há vários mecanismos com os quais você pode contar para saber quais são as bolsas oferecidas pela instituição em que está matriculado. Independentemente de quem irá conceder essa bolsa, é importante que você saiba que existem três tipos de bolsas. Entretanto, não são apenas essas, pois pode acontecer de você estar em uma instituição x que realizou algum tipo de parceria com uma empresa multinacional, em que essa concede bolsas. Contudo, é uma exceção.

As modalidades de bolsas mais corriqueiras

Embora exista essa hipótese que acabamos de apresentar, geralmente, tem-se, em todas as universidades, três tipos de bolsas, sendo a primeira delas a bolsa taxa integral, a segunda a bolsa taxa parcial e a terceira a bolsa de pesquisa. Iremos explicar como funciona cada um desses tipos principais de bolsas. É importante que você saiba que não estamos nos referindo às agências de fomento. Também não estamos nos referindo às instituições, mas sim aos tipos frequentes de bolsas e como funciona o processo para a sua obtenção. Em primeiro lugar, iremos falar sobre o formato da bolsa taxa integral. Em uma instituição privada, você seguirá todos os protocolos do edital, fará a matrícula e pagará uma quantia. Além da matrícula, as mensalidades deverão ser pagas. Esses programas funcionam de forma semestral, de modo que, a cada seis meses, você precisará renovar esse curso, já que ele não é anual.

O custeamento das mensalidades em cursos privados

O custeamento das mensalidades em cursos privados

A fim de que esses cursos possam ser renovados, você precisará desembolsar um valor. Surgem, nesse contexto, as bolsas taxa, sendo que elas podem ser integrais ou parciais. O dinheiro será depositado mensalmente em sua conta por uma agência de fomento. Esse dinheiro poderá ser usado unicamente para custear as mensalidades do curso. É importante frisar isso, porque muitas pessoas acham que esse dinheiro pode ser gasto em outras atividades e não é o que ocorre. A instituição, por sua vez, irá lhe enviar um boleto no valor exato da quantia recebida em sua conta, paga pela agência de fomento. Esse boleto deve ser pago até o dia exato de sua expiração. Tome cuidado. Geralmente, ele é enviado alguns dias antes do vencimento. Por esse motivo, a bolsa é chamada de bolsa taxa, já que as taxas do seu curso serão custeadas por uma agência de fomento. O valor do boleto é idêntico ao valor pago pela agência

Entendendo o valor recebido para custear a taxa

Entendendo o valor recebido para custear a taxaSuponhamos que a agência de fomento em questão tenha depositado em sua conta o valor exato de mil reais. No dia cinco de cada mês você receberá um e-mail/correspondência com um boleto no valor de mil reais. O dinheiro irá cair em sua conta registrada no momento do aceite da bolsa e ele deverá ser pago até a data máxima do vencimento do boleto. Com isso, entendemos que o valor da bolsa taxa equivale ao valor da sua mensalidade, sem qualquer tipo de acréscimo. Se esse valor ficar mais caro em outro semestre, você continuará tendo esse valor de mil reais mensais, por isso a bolsa taxa pode ser parcial. Assim sendo, cumpre afirmar que cada instituição realiza um tipo de parceria com órgãos que oferecem bolsas. Por exemplo, você, enquanto pessoa física, paga, mensalmente, dois mil e quinhentos. Contudo, a CAPES, responsável pela sua bolsa, negociou com a sua instituição o valor de mil reais.

A lógica das bolsas parciais

Levando-se em consideração que o valor acordado, no caso de nosso exemplo, é de mil reais, é esse valor que cairá em sua conta, mesmo sendo insuficiente para custear a mensalidade integral. O boleto que você irá receber de sua instituição virá com o valor integral, mas você receberá o custeamento parcial. Essas questões são importantes de serem debatidas porque diversas pessoas já perderam as suas bolsas por descumprirem algumas obrigações básicas, como pagar o boleto no prazo certo. A instituição irá enviar um boleto no seu nome já com o desconto no valor que está sendo custeado pela agência de fomento. Se o valor do seu curso é no valor de dois mil e quinhentos, mas a instituição acordou que ele sairá no valor de mil reais de desconto, se você pagar até a data máxima, terá acesso a esse desconto, e, caso contrário, pagará o valor de dois mil e quinhentos.

Por que as bolsas parciais existem?

Em virtude do fato de que diversos de nossos programas acabaram perdendo algumas bolsas, algumas instituições, para não perderem os alunos que não conseguiriam custear esses cursos, ofereceram algumas bolsas próprias para esses alunos. Entretanto, elas não podem ficar no prejuízo. No caso das bolsas integrais, as instituições fazem parcerias com agências de fomento, como é o caso da CAPES e do CNPq, o que culminou na redução do valor de dois mil e quinhentos para mil. Na bolsa parcial, é a mantenedora da instituição que irá fornecer esses descontos. O valor que você irá pagar será o mesmo que a instituição de fomento de nosso outro caso iria custear de forma integral. A instituição, portanto, concede uma bolsa em que você irá pagar o valor de mil reais, funcionando, portanto, como uma espécie de desconto. Você, nesse caso, não receberá nenhum dinheiro na conta, mas sim um boleto com o referido desconto.

Compreendendo o desconto da bolsa taxa

Compreendendo o desconto da bolsa taxaApenas para a questão não deixar dúvidas, devemos compreender que a bolsa taxa parcial é uma espécie de mega desconto concedido pela própria instituição, não havendo vínculo com uma agência de fomento. Nesses dois modelos de bolsa, você não precisa sair do seu emprego, já que é permitido o vínculo empregatício, o que não é permitido na bolsa de pesquisa, o nosso último exemplo de hoje. A dedicação à pesquisa nesse caso será parcial, uma vez que você não está recebendo qualquer tipo de valor para desenvolver a pesquisa, apenas para custear a sua mensalidade, o que permite a permanência em seu emprego. Entretanto, nas instituições privadas, também temos as bolsas de pesquisa, bastante conhecidas pelos alunos de instituições públicas. A bolsa de pesquisa também é concedida por uma agência de fomento. Ela, mensalmente, deposita uma quantia x que pode ser usada de forma livre.

As bolsas de pesquisa em instituições privadas

O valor a ser recebido, além de custear a mensalidade, também configura uma espécie de salário. Devido a isso, você não poderá ter qualquer tipo de vínculo empregatício. Além disso, a sua dedicação à pesquisa deverá ser exclusiva e você deverá comprovar que esse dinheiro tem resultado em algum retorno para a comunidade acadêmica e para a sociedade como um todo. As comprovações acerca de seu comprometimento serão recorrentes. A dedicação será contabilizada. Quarenta horas semanais precisarão ser dedicadas às atividades de pesquisa.  Respeite as exigências para que não tenha que devolver esse dinheiro.

Precisará estar disponível para os professores e para a instituição, frequentar grupos de estudo, publicar artigos e participar de congressos da área. Como você está recebendo dinheiro público, de forma semestral, precisará apresentar um relatório para comprovar o seu engajamento com a pesquisa que está sendo desenvolvida. Parte do valor servirá para custear a mensalidade e a outra poderá ser gasta de uma forma mais livre. Se você tiver uma empresa ou vínculo empregatício, poderá ter problemas com a justiça, já que estamos falando de dinheiro público.

Faculdade, um desafio na vida de um jovem!

Como tem sido a faculdade para o jovem atualmente
Você está com dificuldades para escolher um CURSO? Então vamos lá! Respire, reflita e leia este post para NÃO ERRAR!

É comum ter o artigo científico rejeitado?

Atenda à proposta da revista
Quando falamos que um artigo científico pode ser rejeitado, isso não significa que ele seja rejeitado por completo. CONFIRA!

Publicação científica – O que é registro DOI?

As tecnologias por detrás do número DOI
O número DOI nada mais é do que o “RG” de uma produção científica, garantindo a identificação e o acesso permanente a esse material!

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui