Publicar Artigo Cien

Fazer técnico ou tecnólogo? Qual a melhor opção?

5/5 - (4 votes)

Em nosso post de hoje iremos discutir mais uma vez sobre os tipos de graduação que podemos fazer de forma regularizada no Brasil, abordando tanto sobre o curso técnico quanto o tecnólogo.

Nesse contexto, há algumas dúvidas que precisam ser esclarecidas, uma vez que muitos não entendem que essas modalidades também são de nível superior, porém com características distintas. No entanto, a primeira coisa que você precisa saber é que o curso técnico não se restringe apenas ao ensino superior, uma vez que o Ensino Médio pode ser feito atrelado ao técnico.

Há alguns aspectos que diferenciam os cursos ofertados no ensino superior e no ensino médio, como é o caso da grade curricular, o nível do conteúdo apresentado, a instituição ofertante, as competências e habilidades a serem exploradas, dentre outras. Logo, se você quer saber mais sobre essas diferenças, fique atento, pois será sobre isso que falaremos aqui.

Os cursos técnicos reconhecidos pelo MEC

Atualmente, as graduações podem ser oferecidas a partir do modelo técnico. Contudo, a fim de que você possa fazer um ensino técnico de nível superior, terá que atender a algumas exigências, pois, afinal, trata-se de um curso de graduação.

Os cursos técnicos reconhecidos pelo MEC

Sendo assim, para fazer esse tipo de curso, terá que ter concluído o Ensino Médio. Diante desse cenário, torna-se necessário chamar a atenção para o título obtido ao término desse curso. Os alunos se tornam tecnólogos.

A partir do momento em que você ingressa em uma modalidade, receberá o título correspondente, como é o caso dos doutores. Para obterem esse título, passaram pela etapa do doutorado. O mesmo ocorre com aqueles que se tornam tecnólogos.

Os profissionais que se formam nesse campo prático associado a uma área de profissão recebem o nome de tecnólogos. Nesse sentido, é correto afirmar que todos aqueles que passam por algum tipo de formação prática, atuam como tecnólogos ou técnicos.

O termo tecnólogo

Cada curso atribui aos seus profissionais certos títulos, como é o caso dos bacharéis em Direito (até que consigam a carteira da OAB são bacharéis em Ciências Jurídicas).

É a partir desse cenário que iremos discutir sobre os cursos técnicos e sobre os seus formandos, que são os tecnólogos.

A busca dos alunos de ensino médio pelos cursos técnicos

No geral, aqueles que procuram por esse tipo de formação profissional já no Ensino Médio, têm entre 14 (quatorze) e 19 (dezenove) anos. Eles se apoiam nos cursos técnicos como uma forma de desenvolver competências específicas em um curto período de tempo.

A busca dos alunos de ensino médio pelos cursos técnicos

Esses cursos têm como característica o oferecimento de uma formação rápida e técnica.

Os conhecimentos ali postos permitem que esses alunos possam ingressar em um campo de trabalho específico, como é o caso do curso técnico em Mecatrônica, Administração ou Gestão de Projetos.

Nesse sentido, ainda no Ensino Médio você pode optar por um curso que lhe ofereça habilidades técnicas em um certo campo. É essa formação que fará com que você consiga ingressar no mercado de trabalho mais rápido. É esse conhecimento técnico específico que abrirá um mar de possibilidades profissionais com as quais pode contar.

Curso técnico no Ensino Médio

Posto o contexto acima, tendo em vista que no ensino médio as matérias oferecidas são Português, História, Geografia, Matemática e outras, configurando-se em uma grade curricular generalista voltada a preparação de alunos para passarem em vestibulares, entende-se que essas matérias não são capazes de habilitar os alunos para que consigam atuar no mercado de trabalho de uma forma efetiva, o que faz com que tenham que procurar por uma formação específica.

Por exemplo, se uma pessoa deseja trabalhar em uma fábrica, precisará de outros tipos de habilidades para que consiga desempenhar sua função de uma forma efetiva. Logo, a fim de que esses alunos consigam lidar melhor com as lacunas deixadas pelo Ensino Médio, eles precisam procurar por uma formação que lhes insira no mercado de trabalho mais rapidamente, isto é, a formação técnica que um aluno pode receber ainda no Ensino Médio.

Foi diante desse cenário que os cursos técnicos surgiram!

Nesse contexto, uma das características do curso técnico no nível do Ensino Médio diz respeito a um ensino voltado para conhecimentos mais específicos que estão além da grade curricular escolar.

Assim, visto que fornecem uma formação específica e não genérica, esta vantagem aumenta as chances de contratação desse aluno em processo de formação. Por outro lado, temos os cursos técnicos também ofertados no ensino superior.

O ensino superior no Brasil

No Brasil, o ensino superior tem alguns aspectos específicos que devem ser levados em consideração. Logo, assim como no Ensino Médio, a maioria das grades curriculares dos cursos de ensino superior é generalista, de modo que o aluno é colocado em contato com conhecimentos, habilidades e competências básicas. Os alunos que ingressam nas graduações (licenciatura e bacharel) são colocados em contato com esses aspectos básicos que perpassam por uma dada profissão.

As pessoas que fazem um curso de bacharel em Direito, por exemplo, ao longo dele, aprendem o básico sobre cada campo, devendo, esse conhecimento, ser aperfeiçoado após o término desse curso, de modo que depois de formado, cabe ao aluno escolher um ou mais campos nos quais irá atuar. Nesse contexto, a fim de que as características dessa grade genérica sejam compreendidas, pensaremos nelas de forma específica.

Exemplo de grade generalista no ensino superior

Tomemos como exemplo a grade do curso de Direito. Neste, os alunos são colocados em contato com todos os seus campos essenciais, como é o caso da História, Filosofia e Sociologia do Direito, bem como do Direito Penal, Civil, Trabalhista etc.

Disciplinas ligadas aos aspectos técnicos e linguísticos da profissão também são oferecidas. Contudo, embora esses conhecimentos sejam fundamentais, eles não darão base suficiente para que esses alunos consigam atuar em todos os campos. Dessa forma, devem escolher aquilo que mais lhes deixou interessados para se especializarem.

Por que falar sobre a grade generalista?

Esse debate é essencial, porque muitas pessoas quando terminam seus cursos se frustram, pois esperaram sair trabalhando e atuando em uma área específica. Nos dias de hoje, com a evolução da tecnologia e com a facilidade do acesso às informações, é normal que as pessoas sintam certa urgência em conseguir um trabalho, entretanto, é válido destacar que o conhecimento é um processo, assim como a sua aquisição.

A construção do conhecimento se dá de forma lenta e gradativa, ou seja, leva um tempo até que consigamos colocar esse saber em prática. Desse modo, é necessário ter paciência, pois esse é um processo que você deve percorrer para que possa atuar de forma legal em um dado contexto.

A pressa do mundo moderno

Como já comentamos, o mundo de hoje tem muita pressa. O tempo é considerado algo precioso, e cada minuto conta. O curso de bacharel, diferente do curso técnico, tem uma grade de ensino muito mais generalista.

Se você ingressa em um curso de direito, que normalmente tem o tempo de duração de cinco anos, você terá várias matérias que te permitirão aprender um pouco de cada uma delas.

No entanto, embora a grade lhe coloque em contato com um conhecimento geral, para que você possa obter um conhecimento especializado terá que procurar por uma pós lato sensu para que a sua atuação seja mais direcionada para esse campo específico, visto que o geral não basta.

Desse modo, até você ter o conhecimento necessário para atuar no mercado de trabalho, muito tempo já vai ter se passado.

Entretanto, hoje, vivenciamos um momento em que não há tempo para ficarmos anos e anos recebendo um conhecimento teórico, principalmente se pretendemos atuar no campo prático, pois o mercado de trabalho está sempre passando por mudanças, e essas mudanças geram cada vez mais novas demandas.

A demanda do mercado

Desde 2005 temos vivido em um contexto altamente acessível e mutável. Assim, até que concluamos uma graduação e façamos um curso de especialização o mercado já terá mudado bastante, pois a cada dia surgem novas tecnologias e, com isso, novas oportunidades, desafios e problemas de diversas ordens.

Nesse contexto, os cursos técnicos perceberam que essas lacunas estavam sendo deixadas pelos cursos de bacharéis tradicionais, de modo que eles foram criados, pela necessidade de um curso com um menor tempo de duração, conseguindo, então, lidar com as mudanças e exigências do mercado de uma forma mais efetiva.

Os efeitos das mudanças sociais na educação superior

A inteligência artificial e o desenvolvimento de novas competências e habilidades são algumas das mudanças mais notáveis. Vivemos em um mundo marcado por mudanças profundas, de modo que a sociedade não pode esperar por muitos anos para que tenha acesso aos novos profissionais.

É nesse sentido que os cursos técnicos têm ganhado uma notória visibilidade, visto que os seus profissionais, os tecnólogos, são desenvolvidos de uma forma muito mais rápida. A sociedade não tem mais tempo para esperar por longos anos para que novas soluções para os seus problemas sejam apresentadas.

Quem não se adequa rapidamente a esse novo contexto acaba sendo prejudicado. Em vista disso, vamos pensar um pouco sobre os pontos que caracterizam os cursos técnicos no ensino superior.

O objetivo de uma formação técnica

Posto o contexto acima, diferentemente das graduações comuns, ou seja, das licenciaturas e bacharéis, os cursos técnicos são mais afunilados, para que seus formandos consigam atender as demandas do mercado. Sendo assim, são cursos mais curtos, de modo que duram de dezoito a trinta meses, sendo o mais usual vinte e quatro.

Esses cursos duram menos tempo para que a sua finalidade vital seja atendida. O objetivo é inserir um profissional em um campo de atuação específico na menor quantidade possível de tempo. Em dois anos a pessoa terá que desenvolver as competências e habilidades essenciais a esse campo de trabalho.

O objetivo de uma formação técnica

Como a atuação é direcionada a um eixo específico, as disciplinas responsáveis por essa formação técnica também devem ser específicas.

As grades não são tão gerais para que esse aluno faça um estágio para testar essas habilidades e ingresse no mercado pouco tempo depois de concluir esse curso.

Tudo isso acontece de uma forma muito rápida, o que corroborou com a criação de inúmeros cursos técnicos de nível superior. Além disso, diversos cursos novos e que atendem necessidades específicas da sociedade moderna foram criados, como é o caso do Data Science.

Os novos cursos e o atendimento às necessidades da sociedade

Tomando como exemplo o Data Science, percebemos que inúmeros cursos surgiram com o objetivo de atender às necessidades nesse campo específico. É uma área que fornece subsídios para a compreensão das mais diversas tecnologias às quais temos que nos adaptar no dia a dia.

Hoje, lidamos com uma série de métricas, sendo que elas são atualizadas a cada dia. O Data Science permite que entendamos como elas funcionam. Assim sendo, surgiram diversos cursos técnicos que ensinam essas pessoas interessadas nesse campo de trabalho a analisarem essas métricas que geram uma ampla gama de dados.

Os cursos técnicos focados em certos campos visam atender às necessidades mais urgentes da sociedade moderna. Diversas áreas também têm demandado o aperfeiçoamento e desburocratização de certos campos de trabalho e, para isso, demandam profissionais com outros tipos de formação, o que justifica a criação de cursos técnicos que têm o objetivo de sanar essas lacunas.

No campo do Direito, o curso técnico de mediação de conflitos tem sido bastante eficiente, visto que evita certos tipos de conflitos. O técnico dessa área faz com que os casos sejam solucionados a partir de vias burocráticas e evita que o judiciário tenha uma sobrecarga com processos que nem sempre exigem, de fato, a sua atuação.

É claro que conhecimento nunca é demais. Muitos desses profissionais ainda precisarão ingressar em uma pós-graduação, pois a obtenção do conhecimento é um processo constante. Entretanto, nosso objetivo aqui é tentar fazer com que você compreenda melhor o que é um tecnólogo.

Desse modo, esperamos que esse post tenha conseguido mudar o pensamento daqueles que ainda possuíam algum conceito a respeito desse tipo desse curso e que tenha lhe ajudado a refletir se esse tipo de formação é o mais adequado para você.

É comum ter o artigo científico rejeitado?

Atenda à proposta da revista
Quando falamos que um artigo científico pode ser rejeitado, isso não significa que ele seja rejeitado por completo. CONFIRA!

Publicação científica – O que é registro DOI?

As tecnologias por detrás do número DOI
O número DOI nada mais é do que o “RG” de uma produção científica, garantindo a identificação e o acesso permanente a esse material!

Artigo científico – Monografia – TCC – Como fazer o título?

Como saber como meu professor lida com os métodos de pesquisa
Todo processo de pesquisa deve incluir o estabelecimento de um título. Sendo assim, estamos aqui para sanar as suas dúvidas! CONFIRA JÁ!

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui