Fazer um curso de mestrado é difícil? Quais dificuldades você pode ter ao ingressar em um curso de mestrado? Quais são as variáveis que devo considerar ao ingressar e permanecer em um programa de mestrado

0

O curso de mestrado e as suas principais características: a pós-graduação é difícil? Como lidar com ela da melhor forma?

Olá, tudo bem? Em nosso post de hoje iremos discutir sobre o ingresso de um pesquisador em um curso de mestrado e o que este deve fazer para que esse momento de sua carreira seja o mais produtivo possível. Embora o ingresso nesse programa seja algo muito positivo, há algumas dificuldades com as quais você poderá ter que lidar ao longo dessa jornada e é sobre elas que iremos discutir nesta conversa de hoje. Não se trata do curso ser ou não difícil, mas sim como iremos nos adaptar a ele. É a adaptação que determinará o quão tranquilo será o processo. Há uma série de dúvidas sobre o ingresso em um programa e é por isso que estamos elencando esta pauta novamente. A pergunta é se esse curso de mestrado será difícil. A primeira coisa que precisamos pontuar é que esta é uma questão relativa, assim como tudo na vida. O que é difícil para um pode não ser para o outro.

A habilidade de pesquisa

Para que um curso de mestrado flua bem é preciso que a sua habilidade de pesquisa seja lapidada a cada dia. É uma questão que está ligada também à predisposição do aluno. Suponhamos que um pesquisador seja da área das humanidades, que possua uma rotina mais agitada e que atue sobretudo como um pesquisador de mercado, o mestrado pode ser difícil pois deverá se adaptar a um novo contexto. O mestrado irá exigir desse aluno o exercício integral de sua capacidade de reflexão e crítica, algo com o qual pode não estar acostumado. Precisará ler, estudar e investigar o tempo todo. A pessoa que tem essas práticas como hábito podem se sentir mais tranquilas ao se depararem com tais exigências. Além disso, o seu contexto de vida atual também define se o mestrado será tranquilo. A maternidade/paternidade, um casamento, a troca de emprego, problemas de saúde etc., são algumas questões que podem ser barreiras.

O momento ideal para fazer uma pesquisaO momento ideal para fazer uma pesquisa

Quanto mais agitada e repleta de problemas a sua vida estiver nesse momento, mais difícil será se concentrar nesse mestrado. Nesse sentido, alunos com uma rotina de vida mais tranquila tendem a realizar esse curso de forma mais leve. Pessoas com interesse na carreira docente também podem ter menos dificuldades. Há uma série de variáveis que irão definir se esse é o momento ideal para fazer um curso desse tipo. São essas variáveis pessoais que em um primeiro momento irão definir se esse curso será ou não difícil para você. O tempo que você tem disponível, a sua predisposição para a pesquisa, o seu interesse de pesquisa e as suas habilidades de pesquisa irão definir o quão complexo esse momento será. Ademais, quanto mais inclinado você estiver para a academia e para as atividades acadêmicas, mais tranquilo o processo será.

Como se preparar para ingressar em um mestrado?

Embora a dificuldade seja diferente para cada pessoa, há alguns aspectos que podemos lhe adiantar e que irão ajudar você a se introduzir melhor nesse novo contexto. São alguns requisitos mínimos que você precisará cumprir para que possa obter o título de mestre. Após considerar todas essas questões, convidamos você a responder se fazer esse curso nesse momento de sua vida é viável ou não. Com isso, podemos pensar no primeiro aspecto que você deverá considerar antes de ingressar nesse programa de mestrado. Estamos nos referindo a importância da escolha por uma instituição, orientador e grupo de pesquisa que tenham a ver com os seus interesses atuais de pesquisa. Os programas de mestrado integram a modalidade do stricto sensu, logo, formam professores-pesquisadores. Após terminar a graduação, caso tenha interesse na carreira acadêmica, poderá prosseguir para a pós stricto sensu.

Por que a escolha da instituição deve ser feita com cautela?Por que a escolha da instituição deve ser feita com cautela?

Não podemos escolher qualquer instituição para que nos filiamos. Cada instituição tem características específicas. Por exemplo, há instituições que permitem que o aluno possa trabalhar e pesquisar ao mesmo tempo. Outras exigem dedicação em tempo integral. Outras instituições permitem o ingresso nesse programa de forma mais tranquila e flexível. Outras são mais rígidas. Além disso, alguns desses espaços permitem possibilidades de pesquisa que não se dão da mesma forma em outras universidades. Nesse sentido, adentramos no segundo aspecto que você deve levar em consideração. Leia o edital. Se ainda não há um edital aberto para esse ano, não deixe para se informar depois. Acesse os editais anteriores para que entenda quais são os requisitos que precisará cumprir para que esteja apto a concorrer no processo seletivo. O edital permite que você saiba o que é exigido por essa instituição.

A importância do diálogo e o processo seletivoA importância do diálogo e o processo seletivo

Como você está ingressando em um novo contexto, se você conseguir conversar com alunos da casa é algo muito positivo. É uma forma de saber como a instituição funciona, como os professores trabalham, quais são as linhas de pesquisa e grupos de estudo, quais são as formas de dedicação, dentre outras questões. Após a leitura do edital e da conversa com os alunos, caso seja possível, é preciso que você compreenda quais são as exigências que precisará cumprir ao ingressar nesse programa e como elas podem ser cumpridas. Estamos nos referindo aos conhecidos créditos acadêmicos. Antes de nos atermos a essas questões, é preciso que entendamos como funciona o ingresso. Geralmente, o candidato faz a sua inscrição. Nela, apresenta um pré-projeto a uma linha de pesquisa específica. Realiza uma prova de proficiência em um idioma e uma de conhecimentos específicos e, por fim, a entrevista com o orientador.

Todas as instituições requerem um pré-projeto?Todas as instituições requerem um pré-projeto?

Não, mas é muito comum. Embora tenhamos mencionado que há a necessidade de realizar uma prova de proficiência, pode ser que a instituição que você almeja ingressar não tenha essa prova como exigência. Tudo depende daquilo que o edital elencou. Essas questões dependem dos critérios adotados pela sua instituição e pela linha de pesquisa a qual irá se vincular. Além disso, muitos se questionam se é preciso ter uma graduação específica para ingressar em um programa. Tudo depende. Geralmente, não há essa determinação, mas pode ocorrer em alguns casos. Por exemplo, você pode ter se graduado em Engenharia e realizar um mestrado/doutorado na área da Educação ou da Filosofia. Ao atender as exigências do edital e ingressar nesse programa, você irá se deparar com os créditos acadêmicos. Todo programa de mestrado tem uma quantidade específica de créditos a serem cumpridos.

Os créditos acadêmicos nos programas de mestrado

Suponhamos que o seu programa de mestrado tenha determinado que ao longo dos anos em que cursará esse mestrado terá que cumprir dez créditos para que obtenha o título de mestre. Um desses créditos está ligado àquelas matérias obrigatórias que precisamos fazer dentro de nossa linha de pesquisa. Um segundo crédito está ligado às disciplinas optativas, mas que devem estar ligadas ao seu tema de pesquisa. O terceiro desses créditos está ligado à publicação de artigos científicos e um quarto tipo de crédito está ligado à participação em congressos científicos com apresentação de trabalho. O último crédito pode estar ligado à defesa propriamente dita de sua dissertação de mestrado ao final desse curso. A quantidade de créditos varia de instituição para instituição, mas podemos adiantar que é recomendado mesclar as atividades. Tudo depende de como o programa entende esses créditos.

Como os créditos acadêmicos podem ser cumpridos?Como os créditos acadêmicos podem ser cumpridos?

Há programas que apenas requerem como créditos a participação e aprovação do aluno em um certo rol de disciplinas. São as atividades desempenhadas nessas disciplinas que serão os créditos finais a serem consolidados. Os professores costumam requerer a apresentação de um seminário ou de um artigo científico, com recomendação para a publicação caso esteja adequado. Em áreas como a saúde, pode-se exigir que o aluno esteja vinculado a algum laboratório. Outras requerem que antes mesmo que o aluno defenda a sua dissertação de mestrado e obtenha o título de mestre, além da participação e aprovação nas disciplinas, terá que apresentar os resultados de seu estudo em artigos científicos e em congressos científicos. A primeira dica que recomendamos é que você verifique quais são os créditos que deverá cumprir e como são divididos.

Os créditos relacionados às disciplinas

Os créditos de disciplinas podem ser cumpridos a partir de matérias obrigatórias e optativas. Contudo, mesmo dentro do rol de disciplinas obrigatórias, você poderá escolher aquelas que deseja cursar. Não é necessário fazer todas. Há casos de programas que oferecem um rol composto por vinte disciplinas. Dentre elas, irá escolher algumas até que chegue a quantidade de créditos para disciplinas obrigatórias. Além disso, há programas que determinam que uma disciplina obrigatória deverá ser cursada e três optativas. Assim, dentro do rol de vinte disciplinas, precisará cumprir quatro. No caso das disciplinas obrigatórias, não há muito o que ser feito, ela deverá ser cumprida, mas, no caso das optativas, escolha aquelas que possam contribuir com o bom andamento do seu estudo. Escolha sempre aquelas que possam ser interessantes para a sua pesquisa.

Exemplo prático de escolha de disciplina

Suponhamos que você esteja vinculado a um programa de Comunicação e Semiótica. O rol de disciplinas obrigatórias de um programa de doutorado x não incluía as disciplinas de um pesquisador específico que são interessantes para o seu estudo. Nesse caso, elas poderiam ser cursadas como disciplinas optativas e contariam como créditos da mesma forma que as disciplinas obrigatórias. Ao analisar o rol de disciplinas optativas você poderá escolher por aquelas que estão ligadas a autores que podem contribuir com o seu estudo. Estar perto desses autores é algo muito interessante, logo, cursá-las pode ser uma experiência muito positiva para a sua pesquisa, porém, não se esqueça que aquelas disciplinas obrigatórias não podem deixar de serem cumpridas. É necessário que tenhamos a consciência de que pode ser que você não tenha contato com todos os professores ligados a esse programa, já que eles são inúmeros.

A carga mínima de créditos e a dissertação

Essa é uma questão que não afeta apenas as disciplinas. Todos os créditos atribuem uma carga mínima que deverá ser cumprida. Caso queira, pode cursar mais disciplinas. Cumprida essa carga mínima de créditos, a sua atenção deverá residir em uma outra questão de suma importância. Um curso de mestrado apenas é finalizado quando você apresenta a sua dissertação e ela é aprovada. Para isso, precisará passar por uma qualificação e por uma defesa. Mesmo que você tenha cumprido todos os créditos exigidos, caso a dissertação não seja aprovada, não obterá o título de mestre. No mestrado acadêmico, o produto final é a dissertação. O mestrado profissional introduz algumas outras possibilidades, como a produção de um artigo científico, de um produto, de um manual ou patente, dentre outros. Entretanto, em ambos, é necessária a apresentação deste trabalho final.

O produto final de um mestrado

No mestrado acadêmico, atribui-se o nome de dissertação para o trabalho final. Mesmo que o programa determine que a dissertação final será a publicação de dois artigos, eles precisarão ser apresentados no formato de uma dissertação convencional. Assim sendo, precisará se ater aos elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais, como requer o gênero dissertação de mestrado. A maior parte dos nossos programas de mestrado exige que o aluno apresente até o momento da qualificação pelo menos uma parte dessa dissertação de mestrado em andamento. Nesse primeiro momento, o aluno passa pela banca de qualificação. Existe todo um trâmite que precisará seguir até que seja oficialmente um mestre.

A banca de qualificação irá apontar alguns aspectos que precisam ser melhorados para que você possa enfim defender esse produto final. É importante atender a todas as recomendações e exigências da banca. Essa banca é composta, geralmente, por três professores, sendo dois da casa e um de fora, mas cada instituição trabalha de uma forma diferente. Verifique quais são as exigências da sua universidade. Apresentam indicações para que esse trabalho final esteja o mais coerente possível. Ao atender essas observações, poderá, enfim, defender o trabalho. Caso aprovado, obterá o título de mestre. Após a ata de defesa em que consta a apresentação é que você poderá atuar como mestre legalmente.

Como publicar Artigo Científico

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui