O que é a resenha? Quais são as formas relacionadas à produção de uma resenha? Qual é o objetivo de uma resenha? Devo submeter uma resenha à revista científica?

0

O universo dos trabalhos científicos: por que você deve investir em trabalhos científicos? Quais são as possibilidades de publicação em uma revista científica?

Olá, tudo bem? Em nosso post de hoje iremos discutir sobre os trabalhos científicos que podemos submeter a uma revista científica. Como temos destacado ao longo de nossos posts, aqueles que têm o interesse em investir na carreira acadêmica, precisarão assumir algumas responsabilidades. Elas, por sua vez, estão ligadas a forma como nos relacionamos com a ciência. O engajamento com as atividades de pesquisa será cobrado de todos aqueles que tomam esta decisão. Uma das formas de mensurar este engajamento é a partir da publicação de materiais científicos nos lugares corretos, que são as revistas científicas. Embora sempre chamemos a atenção para os artigos científicos, há outros materiais que você também pode considerar no seu processo de produção, como é o caso das resenhas. As resenhas possuem alguns elementos particulares sobre os quais iremos conversar hoje para que possa submeter a sua própria.

Por que a resenha científica pode contribuir com a sociedade?Por que a resenha científica pode contribuir com a sociedade?

Como temos enfatizado em nossas discussões, é apenas por meio da emancipação por meio do conhecimento. Nesse sentido, nós, enquanto pesquisadores, devemos contribuir com novas produções, seja por meio de artigos, de resenhas, ou de trabalhos científicos que partem de fontes sérias e seguras. A questão que irá guiar nossa discussão hoje é a seguinte: ao contrapor a obra resenhada com outros autores, como as referências devem ser feitas no corpo do texto e no tópico específico para isso? A referência é feita da mesma maneira que em um artigo científico, dissertação ou tese? Em primeiro lugar, devemos compreender o que configura uma resenha científica, quais são os cuidados que devem ser tomados, já que não é a mesma coisa que um resumo, e, por fim, como a contraposição entre autores pode ser feita ao longo do seu texto. Iniciemos a nossa discussão pensando nos elementos que caracterizam a resenha.

Quais são os elementos que não podem faltar na elaboração de uma resenha?

Quando falamos em uma resenha científica, a primeira coisa sobre a qual precisamos pensar é em sua finalidade, pois é esse intuito que fará com que percebamos quais são os seus elementos vitais. Embora a resenha e o resumo tenham pontos de encontro em comum, há algumas particularidades que devem ser respeitadas pelo autor. Se você está iniciando a sua trajetória acadêmica agora e não sabe como começar a contribuir com esse rico universo, a nossa recomendação é que você comece com as resenhas. Ela continua sendo um material científico, mas a sua extensão é menor do que a de um artigo. As resenhas são solicitadas em diversos momentos da formação de um aluno, seja na educação básica (ensino fundamental e médio), seja na graduação ou mesmo na pós-graduação. Nesse sentido, é preciso que compreendamos os motivos para essa solicitação.

Por que uma resenha é solicitada aos alunos?

Quando os professores requerem de seus alunos a elaboração de uma resenha científica, em primeiro lugar, o objetivo é o de que você desenvolva o hábito da escrita acadêmica. É uma forma de criar, despertar e elevar a qualidade de sua escrita. É uma forma, também, de auxiliar você a desenvolver o pensamento crítico. A contraposição entre um autor e outro é uma prática muito comum nos demais trabalhos científicos e também pode ser feita em uma resenha. Por exemplo, suponhamos que você tenha o objetivo de discutir sobre a Teoria Econômica e deseja fazer uma resenha (ou o seu professor solicitou essa produção), precisará tomar alguns cuidados durante esse processo de produção. Pode ser que você esteja no livro de algum autor basilar nessa área na qual atua ou que o professor trabalhe com ele e tenha pedido essa resenha. São esses os motivos que podem levar a essa solicitação ou escolha individual.

Premissas de uma resenha científica

A primeira coisa que você deve pensar ao começar a produzir a resenha sobre um texto específico (de um autor específico), é justamente no que fazer com essa resenha. Nesse sentido, é fundamental entender a finalidade de uma resenha científica. A finalidade desse tipo de material científico é a de compreender os pormenores de uma obra basilar com a qual você está trabalhando, isto é, os pressupostos defendidos por algum autor com o qual está trabalhando nesse momento de sua formação. No caso de nosso exemplo, o pesquisador deverá apresentar os aspectos fundamentais de uma obra basilar voltada à Teoria Econômica aplicada ao campo no qual atua. Contudo, você não irá se restringir a resumir esta obra. Não é esse o intuito da resenha. Assim sendo, você irá contrapor o conteúdo desta obra com as percepções de outros autores sobre essa temática que você está se propondo a investigar.

A contraposição entre autores

A fim de que você possa enriquecer a sua análise, a contraposição será necessária. Essa contraposição deve refletir diversas visões sobre a questão de pesquisa a qual você se propôs. A dica é que você escolha autores que trabalhem nessa mesma perspectiva para comparar ideias e abordagens diferentes quanto a um mesmo assunto. É essa, na verdade, a contribuição social de uma resenha, demonstrar, de forma rápida e comparada, como os autores ligados a uma mesma linha de raciocínio estão desenvolvendo uma dada questão. Para que a contraposição seja realizada da melhor maneira possível, recomendamos que, antes de tudo, você escolha a obra e/o autor específico que será resenhado. Depois disso, procure pelos autores que operam nessa mesma linha de raciocínio para que a contraposição entre as ideias seja feita da maneira correta. Iremos apresentar alguns passos fundamentais.

Como contrastar ideias de autores diferentes?Como contrastar ideias de autores diferentes?

Você poderá resenhar a obra como um todo ou um viés específico, isto é, um capítulo, conceito ou aspecto específico. A sua busca nas bases de dados por materiais que discutam sobre este conceito ou aspecto deve levar em consideração a mesma abordagem. Nesse exercício, é crucial que o pensamento desses autores escolhidos seja contraposto com o do autor original da obra que está sendo resenhada. Seja por escolha pessoal deste autor/obra, seja por solicitação do professor, o intuito deste resenha pode ser o de realizar uma análise breve e crítica sobre os seus pontos principais. Ainda no contexto da Teoria Econômica, pode ser que o autor da resenha tenha escolhido discutir sobre esta Teoria aplicada ao campo religioso. Assim, um dos objetivos da resenha pode ser o de demonstrar como esta religião influencia no desenvolvimento de uma sociedade.

A exploração de uma ideia na resenha

Considerando o nosso exemplo, iremos pensar na contribuição da Teoria Econômica de Weber no campo da religião. Este autor específico discute sobre como a ética protestante influencia no desenvolvimento do capitalismo. Assim, o autor discute sobre como a reforma protestante impulsiona o capitalismo de forma direta e indireta. É essa a construção de pensamento com a qual você irá trabalhar ao longo de sua resenha. Contudo, Weber não discute apenas sobre o campo religioso, mas pode ser que o seu professor peça para que você teça essa relação entre os dois campos. Assim, ao resenhar a obra, você irá se concentrar nos aspectos relacionados apenas ao campo religioso para discutir sobre essa Teoria Econômica. Caso você queira fazer o contraposto entre essas ideias com outros autores basilares, procure por aqueles que discutam sobre a mesma temática e que são considerados relevantes em sua área.

As resenhas realizadas em diferentes áreas do conhecimento

Embora haja aspectos em comuns, as resenhas produzidas em diversas áreas têm as suas próprias peculiaridades que devem ser respeitadas nesse processo de produção. Não é incomum que os alunos da área da saúde tenham que realizar resenhas sobre artigos científicos específicos. O objetivo, por exemplo, pode ser o de apontar os índices de obesidade. Nessa resenha, o autor poderá ter que conceituar, classificar e discutir sobre esses índices à luz desse artigo. Os motivos e consequências devem ser esclarecidos para o leitor desta resenha. Há artigos específicos que discutem sobre esse problema. Esses materiais não são tão teóricos, uma vez que o objetivo não é o de comprovar apenas ideias e conceitos, mas sim os resultados de tratamentos e procedimentos que deram ou não certo. Cada campo do conhecimento tem a sua própria lógica de produção. Nas humanas, o mais comum é a contraposição de ideias.

Toda resenha apresenta uma crítica negativa?Toda resenha apresenta uma crítica negativa?

Embora muitos associem a resenha a uma crítica negativa sobre um certo problema de pesquisa, nem sempre essa crítica é negativa, e, em casos negativos, a crítica é uma forma de despertar o autor a obra para um diálogo pacífico sobre essa questão que fez com que interesses de pesquisa fossem contrastados. No processo de leitura de um texto a ser resenhado, pode ser que você concorde com as ideias defendidas pelo autor. A sua missão, então, será de procurar por autores que, assim como você, concordam com essa ideia, ou seja, procure por autores que possam agregar conhecimento, uma vez que um texto científico não pode partir de achismos. Suponhamos que a obra resenhada seja um dos textos de Weber e você concorda com as ideias defendidas pelo autor. A missão é a de procurar por outros autores que concordam com a perspectiva defendida por Weber, elencando os principais pontos de encontro entre ambos.

As concordâncias e discordâncias em um resenha científicaAs concordâncias e discordâncias em um resenha científica

O objetivo de uma resenha crítica é o de demonstrar até que ponto os autores escolhidos concordam ou discordam com uma certa ideia que está sendo apresentada. É natural que os autores concordem até certo ponto, uma vez que têm as suas próprias perspectivas quanto a um mesmo fenômeno. Contudo, para que você possa defender o seu ponto de vista, precisará se apoiar nas ideias desses autores, e, assim, precisará recuperar na literatura aqueles que estão de acordo com o seu pensamento. Caso você não concorde com as ideias apresentadas, a sua resenha, de fato, será uma crítica negativa, e, desse modo, a sua missão será a de procurar por aqueles autores que também não concordam. Eles apresentarão subsídios para que você apresente suas críticas (negativas, nesse caso). Nesse sentido, o formato da resenha implica a contraposição de ideias, como nos demais materiais científicos.

A resenha como ferramenta de pesquisa

O pesquisador tem uma missão social de vital importância: emancipar os demais por meio do acesso ao conhecimento. Assim, alguns trabalhos científicos têm mais aceitação, como é o caso das resenhas. Nesse sentido, a sua produção e publicação é fundamental. É o primeiro passo que você pode tomar rumo ao desenvolvimento do pensamento crítico-reflexivo, uma vez que até que criemos hábito com a escrita acadêmica, esse exercício de contraposição em materiais mais extensos pode ser um pouco complexo. Invista nas resenhas caso você esteja tendo dificuldades para produzir artigos científicos. É uma forma de desenvolver aos poucos a sua capacidade argumentativa. A partir dessa estratégia, você conseguirá demonstrar os aspectos com os quais concorda e discorda e quais são os subsídios que levaram você a tomar esta decisão.

As hipóteses na produção da ciência

Na produção de nossos materiais científicos partimos de hipóteses, porém, mais do que isso, testamos essas hipóteses, cujo intuito é a verificação de sua procedência. Assim sendo, enquanto prestadores de informações, não podemos partir de meros achismos para apresentarmos as nossas hipóteses sobre um dado problema de pesquisa que nos propomos a debater e/ou solucionar. A resenha crítica, portanto, permite que desenvolvamos a nossa capacidade de interpretar e argumentar sobre uma dada questão. Em razão do seu propósito, a resenha tem um tamanho ideal.

Dúvidas quanto ao tamanho da resenha são muito comuns. Como essa é uma questão relativa, o mais indicado é que essa resenha recupere pelo menos dez (10%) do total da obra ou capítulo que está sendo resenhado. Nesse sentido, se você está resenhando uma obra que possui, em média, trezentas páginas, esta resenha deverá conter até trinta páginas, porém, há casos em que o pesquisador, o programa ou a revista determinam essa quantidade máxima e mínima de laudas. Se você vai entregar ou publicar essa obra para alguém, consulte as normas e/ou indicações quanto ao número de páginas e outras regras fundamentais.

Como publicar Artigo Científico

Dúvidas? Sugestões? Deixe seu Comentário!

Digite seu comentário!
Informe seu Nome aqui