Sistematização da Assistência de Enfermagem a uma Paciente com Neoplasia de Colo Uterino: Estudo de Caso

0
2804
DOI: ESTE ARTIGO AINDA NÃO POSSUI DOI SOLICITAR AGORA!
Sistematização da Assistência de Enfermagem a uma Paciente com Neoplasia de Colo Uterino: Estudo de Caso
4.3 (85.71%) 7 vote[s]
ARTIGO EM PDF

MAGALHÃES, Emille de Fátima Ventura [1]

FERREIRA, Helena Padilha [2]

CASTRO, João Henrique Simões de [3]

FILHO, José Carlos Rego [4]

MAGALHÃES, Emille de Fátima Ventura; et.al. Sistematização da Assistência de Enfermagem a uma Paciente com Neoplasia de Colo Uterino: Estudo de Caso. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Edição 04. Ano 02, Vol. 01. pp 571-582, Julho de 2017. ISSN:2448-0959

RESUMO

A neoplasia intraepitelial cervical continua sendo o segundo câncer mais frequente em todo o mundo, mais comum em países em desenvolvimento sendo então de suma importância a implementação da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) que será utilizada para sistematizar o cuidado para facilitar a intervenção de enfermagem visando sempre a saúde do paciente. Possui como objetivo sistematizar a assistência de enfermagem a um paciente com neoplasia intraepitelial cervical internada em um Hospital de referência ginecológica e obstétrica no município de Belém/PA. No que se refere metodologia a presente pesquisa é de natureza exploratória, descritiva, do tipo estudo de caso, com abordagem qualitativa. Para o estudo foi selecionado um paciente do sexo feminino, 24 anos de idade, com diagnóstico médico de neoplasia intraepitelial cervical. O Histórico de Enfermagem consistiu em entrevista e análise de dados do prontuário. O Exame Físico envolveu as quatro técnicas básicas: inspeção, palpação, percussão e ausculta. Para a identificação dos diagnósticos de enfermagem adotou-se a taxonomia da North American Nursing Diagnosis Association (NANDA). O estudo permitiu a identificação de um grupo de diagnósticos de Enfermagem a partir dos quais se elaborou um Plano Assistencial, que atendesse as Necessidades Humanas Básicas (NHB) afetadas da paciente, buscando promover uma melhor intervenção do enfermeiro mediante ao quadro de neoplasia intraepitelial cervical. Através deste estudo, obtivemos a oportunidade de compreender mais sobre a patologia que foi abordada, entendendo que a neoplasia intraepitelial cervical apesar de ter um rápido diagnostico ainda se encontra em auto índice no mundo e a aplicação da SAE é o método adequado para o enfermeiro aplicar seus conhecimentos técnico-científicos na prática assistencial, favorecendo o cuidado e o planejamento das condições necessárias para que uma assistência de qualidade seja aplicada.

Palavras Chave: Assistência, Enfermagem, Neoplasia.

INTRODUÇÃO

A Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) é uma metodologia cuidativa que se inicia a partir de um julgamento do enfermeiro, sobre quais são as necessidades dos clientes que estão sendo cuidados profissionalmente por ele.

É usada para sistematizar o cuidado e organizar as condições necessárias para sua prática. É um instrumento de trabalho que visa facilitar e tornar possível a realização do cuidado.

Quando aplicado facilita melhores condições para identificar, compreender e descrever como o cliente está reagindo frente aos seus processos vitais e seus problemas de saúde, reais ou potenciais, podendo determinar quais os cuidados profissionais devem ser implementados (CARVALHO, 2002).

O câncer invasor do colo uterino continua sendo o segundo câncer mais frequente entre mulheres no mundo e o mais comum em países em desenvolvimento. Ele representa uma das neoplasias malignas mais atendidas no INCA. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que o câncer atinge anualmente pelo menos 9 milhões de pessoas, e cerca de 5 milhões morrem em decorrência da doença (BRASIL, 2014).

MORFOFISIOLOGIA DO ÚTERO

Inicialmente é necessário compreender a morfofisiologia do útero. O sistema reprodutor feminino é constituído pelos ovários que são as gônadas femininas que produzem os ovócitos e hormônios sexuais femininos, as tubas uterinas ou ovidutos  conduzindo os ovócitos até o útero, o útero que é o local de implantação de um óvulo fecundado aonde o feto ira se desenvolver durante a gravidez, e a vagina que recebe o pênis durante o ato sexual e é também a via de passagem para o nascimento, contendo também órgãos genitais feminino externos que são chamados de vulva ou pudendo feminino e as glândulas mamarias que secretam e ejetam leite para a alimentação do RN sendo consideradas tanto parte do sistema genital feminino quanto do tegumentar (ATLAS DE ANATOMIA HUMANO, 2016).

Para ATLAS DE ANATOMIA HUMANO (2016), o útero fica localizado entre a bexiga urinária e o reto, com o tamanho e o formato de uma pera invertida sendo maior em mulheres que engravidaram recentemente e atrofiado quando os níveis de hormônios estão baixos como ocorre após a menopausa. Subdividido anatomicamente em 3 partes: (1) fundo do útero estando superior as tubas uterinas, (2) corpo do útero sendo a parte central do órgão e seu interior é chamado de cavidade uterina, (3) colo do útero sendo uma parte estreita inferior que se abre na vagina, o interior do colo é chamado de canal do colo do útero, este canal se abre na cavidade uterina através do óstio interno e na vagina se abre através do óstio externo. Normalmente o útero se projeta anterior e superiormente sobre a bexiga urinaria em uma posição chamada de anteflexão.

O útero se organiza também em três camadas de tecido (perímetrio, miométrio e endométrio):  a camada externa é o perímetrio chamada também de túnica serosa fazendo parte do peritônio visceral sendo composto de epitélio pavimentoso simples e tecido conjuntivo areolar. Anteriormente recobre a bexiga formando a escavação vesicouterina e posteriormente recobre o reto formando a escavação retouterina. O miométrio é a camada media do útero que consiste 3 camadas de fibras musculares lisas sendo mais espessas no fundo do útero e mais finas no colo do útero. O endométrio é a camada mais interna sendo muito vascularizada e é organizado em duas partes: O estrato funcional que irá revestir a cavidade uterina e irá se desprender durante a menstruação e o estrato basal que é permanente sendo uma camada profunda que se origina a um novo estrato funcional após cada menstruação. O endométrio possui três componentes: (1) a camada interna que é o epitélio colunar simples que irá revestir o lume, (2) estroma endometrial subjacente que é uma região espessa da lamina própria que consiste em tecido conjuntivo areolar, (3) glândulas endometriais uterinas (TORTORA, 2006).

A suplementação sanguínea é levada até o útero através das artérias uterinas que são ramos das artérias ilíaca internas. As artérias uterinas dão ramos chamados de artérias arqueadas que se localizam em forma circula no miométrio se ramificando em artérias radiais que penetram no miométrio se ramificando em dois tipos de arteríolas antes de entrar no endométrio: arteríolas retas que fornecem ao estrato basal as substancias necessárias para ser formado o estrato funcional e as arteríolas espirais suprem o estrato funcional. As veias uterinas drenam o sangue que deixam o útero para as veias ilíacas. Este suprimento sanguíneo é essencial (JUNQUEIRA, 2013).

PATOLOGIA

No que se refere a patologia é possível destacar que Neoplasia significa um novo crescimento. O neoplasma é caracterizado como uma massa anormal de tecido no qual seu crescimento é excessivo e não coordenado se tornando diferente dos tecidos normais, as células neoplásticas dentro do tumor individual surge de uma única célula que sofreu alterações genéticas. Sendo uma patologia física e psicologicamente mutilante (JUNQUEIRA, 2013).

A neoplasia de colo uterino tem como principal característica o fato de ser decorrente de um descontrolado crescimento e divisão celular. O processo se inicia quando células de algum tecido do órgão começam a crescer sem controle, gerando células anômalas.

O primeiro estágio celular do câncer se dá pelos efeitos que a célula sofre pelo agente que modificara os genes da célula e altera seu ciclo celular, sendo assim as células ficam geneticamente modificadas, porém ainda não e possível detectar o câncer. Em um segundo estágio essas células geneticamente modificadas sofrem o efeito novamente de agentes cancerígenos com o nome de oncopromotores esse processo vai transformar os tumores que são inicialmente benigno em maligno, isso ocorre em processo lento e necessita de um longo contato da célula com o agente. O último estágio e a multiplicação dessas células modificadas geneticamente desordenadamente o que resulta no câncer e seu diagnostico já pode ser feito de forma clara e precisa.

A cinquenta anos atrás a neoplasia de colo uterino era a principal causa de morte por câncer em mulheres com o passar dos anos a taxa de mortalidade foi reduzida por conta da frequência detecção de casos precoces de lesões cancerosas e pre cancerosas graças a eficácia do PCCU que detecta lesões pré-cancerosas cervicais encaminhando a paciente caso seja necessário para uma colposcopia e/ou Biopsia (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2002).

Para MINISTÉRIO DA SAÚDE (2002), o comportamento biológico do câncer de colo de útero tende a ser uniforme. Desenvolve-se sob a forma de lesão exofítica, superficial ou ulcerada, que pode se tornar invasiva. Microscopicamente, câncer de colo de útero é constituído por células escamosas e forma tumorações exofíticas ou ulceradas que infiltram em diferentes profundidades os tecidos vizinhos.  Ocorre mais comumente na JEC (Junção escamo colunar) – cerca da metade dos casos –. A progressão da doença é lenta, e pacientes não tratados em geral morrem de complicações, como infecção inguinal, necrose e erosão dos vasos femorais. O tratamento ira consistir basicamente na histerectomia total ou parcial do órgão.

O estadiamento é possível destacar as lesões pré-cancerosas da cérvice são lesões que surgem antes do carcinoma invasivo de colo de útero propriamente dito, porque esse câncer progride bem lentamente e é precedido por estes tipos de lesões, chamadas de NIC (Neoplasia intra- epitelial cervical), dividas em NIC I (Lesões de baixo grau) e NIC II (Lesões de alto grau). Pode-se diagnosticar essas lesões pelo esfregaço citológico que é obtido no exame de Papanicolau, observando as células encontradas na análise microscópica.

Da infecção até o desenvolvimento da neoplasia invasiva são descritos quatro estágios:

  1. Infecção do epitélio metaplásico da zona de transformação por cepa oncogênica do vírus;
  2. Persistência da infecção;
  3. Progressão de um clone de células epiteliais infectadas para uma lesão pré-cancerosa (displasia; neoplasia intraepitelial).
  4. Desenvolvimento de carcinoma com invasão da membrana basal do epitélio.

Uma NIC pode regredir, persistir ou progredir para se tornar um câncer invasivo. Para as NIC I, tem-se um bom prognostico, já as demais, que são de alto risco, têm uma maior probabilidade de se desenvolver e tornar-se um câncer.

Quando a paciente encontra-se com o câncer confinado no colo do útero (Estádio I), tem-se um prognóstico bem melhor do que aquele que excede esse limite, isso pode ser definido pela visualização do colo uterino.

Em geral, estima-se que a maior parte das lesões de baixo grau regredirá espontaneamente, enquanto cerca de 40% das lesões de alto grau não tratadas evoluirão para câncer invasor em um período médio de 10 anos.            

OBJETIVOS

Geral:

  • Sistematizar a Assistência de Enfermagem a uma paciente com neoplasia intraepitelial cervical, assistido em um Hospital de referência ginecológica e obstétrica de Belém.

Específicos:

  • Detectar as Necessidades Humanas Básicas Afetadas (NHB’ afetadas) do paciente;
  • Integrar os conhecimentos das ciências básicas;
  • Identificar os Diagnósticos de Enfermagem, segundo a classificação NANDA
  • Elaborar um Plano Assistencial de Enfermagem de acordo com os diagnósticos identificados.

METODOLOGIA

A presente pesquisa é de natureza exploratória, descritiva, do tipo Estudo de Caso com abordagem qualitativa. Para o estudo foi selecionado uma paciente do sexo feminino, 24 anos de idade, paraense, com diagnóstico médico de neoplasia de colo uterino

A coleta de dados ocorreu no dia 20/09/2016, em um hospital de referência obstétrica e ginecológica localizado no município de Belém, no Estado do Pará. Durante a consulta de enfermagem, foram utilizados dois roteiros: Histórico de Enfermagem e Exame Físico. O Histórico de Enfermagem consistiu na entrevista com o paciente, e na análise de dados do prontuário. O Exame Físico envolveu as quatro técnicas básicas: inspeção, palpação, percussão e ausculta. Para a identificação dos diagnósticos de enfermagem adotou-se a taxonomia da North American Nursing Diagnosis Association (NANDA).

Após coleta dos dados, foi iniciada a análise com base na literatura selecionada, considerando, principalmente, as Necessidades Humanas Básicas Afetadas e os Diagnósticos de Enfermagem identificados. Elaborou-se posteriormente o Plano de Cuidados de Enfermagem, com o objetivo de proporcionar um cuidado de qualidade para o paciente, bem como documentar o método cientifico utilizado durante o processo de enfermagem. Para tanto, realizou-se pesquisa em fontes bibliográficas referentes às disciplinas anatomia, fisiologia, biologia celular, histologia, farmacologia e fundamentos de enfermagem para melhor análise e descrição dos mesmos.

RESULTADOS

O estudo permitiu a identificação de um grupo de diagnósticos de Enfermagem a partir dos quais se elaborou um Plano Assistencial, que atendesse as Necessidades Humanas Básicas (NHB) afetadas do paciente, buscando promover uma melhor intervenção do enfermeiro mediante ao quadro de neoplasia de colo uterino

Os principais diagnósticos identificados de acordo com a taxonomia da North American Nursing Diagnosis Association (NANDA) foram: Desconhece sua patologia, consequências e tratamento, múltiplas lesões cutâneas, mucosas com purulência em formato de verrugas na região genital.

As intervenções de enfermagem com base nos diagnósticos identificados foram: Explicar para o paciente de forma objetiva e clara sobre a sua patologia, consequências e tratamento. Utilizar métodos que sejam de fácil entendimento para o mesmo, avaliar a evolução das lesões e realizar curativo 3 vezes ao dia com clorexidina digermante, optando pelo curativo oclusivo, verificando sinais vitais de 6 em 6 horas.

Histórico de enfermagem

A.V.S., 24 anos, gênero feminino, solteira, 04 filhos, evangélica, ensino médio incompleto. Dona de casa, recebendo bolsa família. Procedente de Ananindeua e natural de Acará, reside com a mãe em uma casa de madeira com 2 cômodos, possui energia elétrica e água encanada, coleta de lixo duas vezes por semana. Informa sobre antecedentes mórbidos familiares, mãe hipotensa e avó paterna com câncer de colo de útero. Ex-etilista e tabagista e sem atividade sexual. Alérgica a dipirona. Emocional comprometido. Procurou atendimento médico com sangramento intenso, dor em baixo ventre, edema moderado de vulva e MMII, realizada biopsia onde as imagens foram compatíveis com neoplasia intraepitelial cervical com expansão para corpo uterino, paramétrios e retossigmoide, com linfonodamegalias inguinal e ilíaca, as maiores a direita medindo 1,3x 1,0 cm e a esquerda 2,3 x 2,0 cm nas cadeias ilíacas internas. Desconhece sua patologia, consequências e tratamento. Ao exame físico encontrava-se calma, não deambulando (acamada). Com dificuldade para se comunicar. Refere dor generalizada, apresentando hipertermia 38 °C; P:135 bpm taquicardica; R:14 ipm, ; PA 120 x 80  mmHg, couro cabeludo íntegro, pavilhão auricular limpo e com acuidade preservada. Narinas sem sujidades. Cavidade oral: lábios desidratados com erupções, mucosa oral com lesões, arcada dentária incompleta, presença de cáries, língua integra, saburrosa sem halitose, orofaringe levemente avermelhada. Região cervical livres de gânglios infartados. MMSS simétricos e edemaciados. MSD com presença de acesso venoso, rede venosa pouco visível, pele hipocorada e ressecada, mãos descamando, unhas íntegras. Tórax simétrico, íntegro com boa expansibilidade da caixa torácica. Ausculta cardíaca com presença de bolhas normofoneticas em dois tempos; Ausculta pulmonar presença de murmúrios brônquios vesiculares. Regiao mamaria e axilar livre de nódulos e gânglios infartados.  Abdome distendido e tenso, timpânico à percussão e doloroso a palpação superficial, região inguinal edemaciada com presença de sujidade oriunda das lesões vaginal. Região genital com edema acentuado no lado direito e moderado no lado esquerdo com alta sensibilidade, presença de verrugas e múltiplas lesões cutâneas mucosas com secreção purulenta e odor fétido. MMII simétricos com edema acentuado e flogose, pele ressecada, pés ressecados e descamando com unhas integras sem sujidade. Funções fisiológicas: Diurese presente através de sonda vesical de demora e evacuação presente com auxílio de laxante.

Plano assistencial

PROBLEMA NHB DIAGNÓSTICO INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM
Desconhece sua patologia, consequências e tratamento. Educação em saúde Conhecimento deficiente: relacionado a limitação cognitiva, caracterizado por percepção incorreta acerca do estado de saúde. -Explicar para o paciente de forma objetiva e clara sobre a sua patologia, consequências e tratamento;

-Utilizar métodos que sejam de fácil entendimento para o mesmo.

Emocional comprometido Segurança Ansiedade relacionado por mudança no estado de saúde caracterizado por preocupação e angustiação. -Tranquilizar a paciente;

-Direcionar equipe psicológica até a paciente.

– Oferecer conforto e ambiente calmo

Paciente não deambulando (acamada) Locomoção Mobilidade física prejudicada relacionado a controle muscular diminuído, caracterizado por instabilidade postural. -Realizar massagem nos MMII, orientar e incentivar a família quanto a massagem;

-Utilizar colchão piramidal, fazer uso de placas hidrocolóides nas proeminências ósseas;

-Realizar mudança de decúbito de 2/2 horas.

Arcada dentária incompleta, presença de cárie, língua saburrosa. Segurança/Proteção Dentição prejudicada: Relacionado a conhecimento deficiente a respeito da saúde dental, economicamente desfavorecido, higiene oral ineficaz, caracterizado por cárie, falta de alguns dentes.

Mucosa oral prejudicada: Relacionado a conhecimento deficiente sobre higiene oral adequada, caracterizado por língua saburrosa.

– Orientação quanto a necessidade de uma rotina diária de cuidado oral;

– Orientação quanto a importância de solicitar auxílio durante a escovação dos dentes, respeitando as limitações do autocuidado;

– Supervisão e controle da higiene oral diária do paciente;

– Encaminhar para a equipe odontológica.

Abdome distendido e tenso, timpânico a percussão e doloroso a palpação superficial Percepção sensorial Dor aguda relacionada por agente lesivo definido por relato verbal de dor – Administrar analgésico conforme prescrição medica;

– Medir a circunferência abdominal diariamente.

MMSS e MMII com pele ressecada, mãos ressecadas e descamando. Hidratação Volume de líquidos deficiente: Relacionado a falha de mecanismos reguladores, caracterizado por pele seca. -Discutir e aperfeiçoar o conhecimento do paciente sobre sua necessidade de ingestão de líquidos;

-Monitorar as áreas ressecadas.      -Orientar quanto a necessidade de uso diário de hidratante;

-Orientar quanto a higiene corporal (cuidados no banho e secar bem o corpo).

MSD com presença de acesso venoso Integridade cutânea

Segurança

Integridade da pele prejudicada, relacionada a fatores mecânicos (gelco) relacionado a rompimento da superfície da pele.

Risco de infecção relacionado a procedimento invasivo e pele rompida.

-Fazer assepsia com gaze e álcool;

-Trocar acesso venoso a cada 72 horas e observar o local de veno-pulsão.

MMII , região genital e inguinal  com edema acentuado e sinais de flogose . Hidratação Volume de líquidos excessivos, relacionado a mecanismos reguladores comprometidos, caracterizado por edema. -Verificar e observar a ingesta hídrica e eliminação de líquido;

Realizar massagem com óleo corporal;

-Mudança de decúbito 2/2hs;

-Avaliar evolução do edema.

Sujidade na região inguinal. Cuidado Corporal Déficit no autocuidado para higiene íntima: Relacionado por prejuízo perceptivo, caracterizado por incapacidade de fazer uma higiene íntima apropriada. -Orientar equipe de enfermagem e acompanhante quantas vezes necessárias quanto a importância da higiene íntima.
Múltiplas lesões cutâneas, mucosas com purulência e verrugas na região genital.  Integridade da pele prejudicada Integridade tissular prejudicada: Relacionado a circulação alterada, caracterizado por tecido destruído. -Avaliar a evolução das lesões e realizar curativo 3 vezes ao dia com clorexidina digermante;

– Realizar assepsia adequada e optar pelo curativo oclusivo;

-Verificar sinais vitais de 6 em 6 horas.

 

Quadro farmacológico

NOME COMERCIAL PRINCÍPIO ATIVO GRUPO FARMACOLÓGICO INDICAÇÃO CLÍNICA POSOLOGIA
MORFINA DIMORF Analgésico opióide Dor severa 1 ampola 1ml IV 4hs/4hs
ONDANSETRONA NAUSEDRON Antiemético Náuseas e vômitos 1 ampola 2ml S/IV ACM
PARACETAMOL TYLENOL Analgésico Dor ou febre 1 comprimido S/VO ACM
PROMETAZINA  FENERGAN Antialérgico Alergia 1 ampola 2ML S/IM ACM
ENOXAPARINA

SÓDICA

LOVENOX  Anticoagulantes Trombose venosa 1 seringa SC 12hs/12hs
DIMETICONA LUFTAL Antidispéptico Antigases 40 gotas VO 6hs/6hs
SULFATO FERROSO FERRONIL Antianêmico Anemia 1 drágea VO 2x por dia antes do almoço e jantar.

 

CONCLUSÃO

Através deste estudo, obtivemos a oportunidade de compreender mais sobre a patologia que foi abordada, entendendo que a neoplasia intraepitelial cervical apesar de ter um rápido diagnostico ainda se encontra em auto índice no mundo, pois a falta de educação em saúde e acessibilidade ao programa para realizar os exames preventivos contribuem em mais de 90% dos casos notificados. Sendo assim, o processo de Enfermagem é visto como um instrumento facilitador da metodologia de desenvolvimento das ações e avaliação da qualidade da assistência prestada ao paciente de maneira individualizada.

A importância do processo de enfermagem aplicado ao paciente é essencial na cura, tratamento, melhora da patologia e na prevenção de dificuldades associadas, pois tal ação aumenta consideravelmente a probabilidade de cura da patologia, no caso da neoplasia de colo uterino pode até ser evitada a histerectomia parcial ou até mesmo total.

A Sistematização da Assistência de Enfermagem, enquanto processo organizacional é capaz de oferecer subsídios para o desenvolvimento de métodos/metodologias interdisciplinares e humanizadas de cuidado. Entretanto, faz-se necessário que os profissionais de saúde em especial o enfermeiro, continuem na busca do aprimoramento contínuo de sua prática, contribuindo para as ações cada vez mais embasadas em princípios científicos, o que refletirá na melhor qualidade de vida dos pacientes.

REFERÊNCIAS

ATLAS DE ANATOMIA HUMANO, Blogger. São Paulo. 2013. Disponível em: <atlasdeanatomiahumano.blogspot.com/2013/04/sistema-circulatório.html > Acesso em:22.out.2016

TORTORA, G, J; DERRICKSON, B. Princípios de anatomia e fisiologia. 12 ed. Porto Alegre: Guanabara Koogan. 2006. Cap. 21. Pág.1083 a 1084.

JUNQUEIRA, L, C, U; CARNEIRO, J; Histologia Básica. 12 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,2013. Cap. 28. Pág. 412 a 423.

NANDA, N. Diagnostico de Enfermagem da Nanda: Definições e Classificação – 2012-2014 Porto Alegre: Artmed. 2012.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Falando sobre o câncer do colo do útero. Rio de Janeiro, Secretaria Nacional de Assistência à Saúde, 2002. Pag 59.

CARVALHO, E. C.de. Processo de Enfermagem: O Raciocínio e julgamento Clínico no Estabelecimento do Diagnóstico de enfermagem. Universidade Federal de Uberlândia, Anais-III Fórum de Enfermagem Sistematizar o Cuidar, Uberlândia: Rápida, Nov, 2002.

ROBBINS; COTRAN. Patologia bases patológicas das doenças. Elsevier / medicina nacionais, 8 ed. 2010.

[1] Graduanda em Enfermagem

[2] Graduanda em Enfermagem

[3] Graduando em Enfermagem

[4] Graduando em Enfermagem

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here