Início Educação Distúrbios do Sono e Transtornos de Aprendizagem

Distúrbios do Sono e Transtornos de Aprendizagem

RC: 5808 -
Distúrbios do Sono e Transtornos de Aprendizagem
5 (100%) 2 votes
626
0
ARTIGO EM PDF

ARAUJO, José Pereira de [1]

MELO, Hugo Cristiano Soares [2]

ARAUJO, José Pereira de; MELO, Hugo Cristiano Soares. Distúrbios do sono e transtornos de Aprendizagem. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo Do Conhecimento, Ano 1. Vol. 10, PP. 102-113.  Novembro de 2016. ISSN. 2448-0959

RESUMO

A temática apresentada é de relevância para analisar as causas e consequências da sonolência diurna em ambiente escolar, principalmente nos transtornos ocorridos durante o processo de ensino/aprendizagem.  Objetivou-se através desta analisar os distúrbios do sono e sua relação com os transtornos de aprendizagem. Sendo assim foram analisadas as causas e consequências da sonolência diurna em ambiente escolar, a relação entre a narcolepsia, a hipersonia e os transtornos de aprendizagem, tal qual o papel do educador diante destas situações em sala de aula. O presente estudo foi realizado por meio de revisão literária de forma exploratória e qualitativa. Foram realizadas buscas em livros, artigos científicos, monografias, dissertação, teses, revistas e jornais. Ressaltou-se a existência de diversos distúrbios de sono, destacando entre eles a narcolepsia, assim como suas causas, sinais e sintomas e aparentes consequências. Deste modo, para o profissional da educação é importante reconhecer esses sinais, já que estes podem estar presentes em sala de aula e o mesmo pode indicar quais os caminhos para o tratamento.

Palavras-chave: Distúrbios do sono. Narcolepsia. Transtorno de aprendizagem.

INTRODUÇÃO

Os distúrbios de sono ocorrem com uma frequência cada vez maior e trazem consigo consequências que requerem maior atenção. A qualidade do sono, em geral, afeta diretamente as funções tanto do cérebro quanto do organismo. De acordo com Turco et.al (2011), os conhecimentos sobre o sono e a descoberta de seus principais distúrbios foram desenvolvidos principalmente a partir de 1950 por Aserinsky e Kleitman que diferenciaram os movimentos oculares em lentos e rápidos.

“Por intermédio da polissonografia, pode-se avaliar a alternância desses estados do sono. O estágio dos movimentos oculares rápidos — sono REM (RapidEyeMovement) — que é o sono dessincronizado — ocorre cerca de 90 minutos, após o início do sono, com oscilações da pressão arterial e da frequência cardíaca e com redução dos tônus musculares. Já a fase do sono N-REM, o sono sincronizado, não apresenta movimento ocular, sendo acompanhado de relaxamento muscular e da predominância do sistema nervoso autônomo parassimpático. ” (TURCO et.al, 2011, p. 173)

A partir de então, foram descritos diversos distúrbios do sono.  De acordo com Reimão e Lemmi (1986) a apneia do sono tipo obstrutiva (ASO) e narcolepsia são considerados os principais distúrbios de sono.

De acordo com Nunes e Bruni (2016) a apneia obstrutiva do sono é causada pela somatória de diversos fatores, entre eles anatômicos e neuromusculares, além, é claro, da predisposição genética. Outro importante fator a ser citado é a relação da apneia do sono com a obesidade. “Dados recentes indicam que a apneia obstrutiva do sono em adultos pode ser influenciada por fatores genéticos relativos à obesidade e distribuição de gordura corporal, controle muscular das vias respiratórias superiores, morfologia craniofacial (redução no tamanho mandibular e das vias respiratórias), controle respiratório e sono. ” (NUNES E BRUNI, 2016, p.4)

A narcolepsia é um distúrbio do sono, em que mesmo que a pessoa tenha dormido durante toda a noite terá uma intensa sonolência diurna. Conforme escreveu Varela (2011), portadores de narcolepsia pulam a etapa do sono lento e entram direto no sono REM (RapidEyeMovement ou Movimento Rápido do Olho), no qual os olhos movem-se e o cérebro está em atividade constante, por isso essas pessoas não conseguem descansar como as outras.

Segundo Nunes e Bruni (2016) em 1877, Westphal relatou pela primeira vez a narcolepsia, cerca de um século depois, foi relatada a associação entre o antígeno do leucócito humano (HLA) DR2 e a narcolepsia. Em 1999, um segundo gene foi relacionado à narcolepsia: a orexina (hipocretina), localizada no cromossomo 12. Em pacientes narcolépticos há uma deficiência na ligação de hipocretinas. “Já que a hipocretina geralmente participa da manutenção da vigília, a perda dos neurônios que liberam este peptídeo pode permitir que o sono REM ocorra a qualquer momento e determine os ataques catalépticos” (NUNES E BRUNI,2016, p.3)

De acordo com o autor supracitado, a hipótese mais provável é que fatores ambientais levem a um processo autoimune que atingem os neurônios de hipocretina. “A mutação de HLA no cromossomo 6 pode aumentar a susceptibilidade dos neurônios que contêm hipocretina a ataques imunes. ” (NUNES E BRUNI,2016, p.3)

De acordo com Moraes (2011) destacam-se como principais sintomas do transtorno a cataplexia (repentina redução ou perda do tônus muscular, sem perda de consciência), paralisia do sono (dificuldade para mover-se logo ao adormecer ou acordar) e alucinações hipnagógicas ou hipnopômpicas(imagens oníricas que invadem o estado de vigília). Afirma ainda que Guilleminault[1], adicionou como novo sintoma aos narcolépticos a obesidade.

Segundo o autor supracitado, a ICSD (International Classification of Sleep Disorders – Classificação Internacional de Distúrbios do Sono), classificou a narcolepsia em quatro subtipos: Narcolepsia com cataplexia; Narcolepsia sem cataplexia; Narcolepsia devido à condição médica Narcolepsia não especificada. A narcolepsia sem cataplexia é caracterizada por sonolência excessiva é geralmente aliviada por cochilos ao longo do dia, enquanto o sono noturno é normal ou moderadamente perturbado. Narcolepsia devido à condição médica consiste na coexistência de um distúrbio médico ou neurológico, como tumores ou sarcoidose do hipotálamo, múltiplas placas escleróticas danificando o hipotálamo e outras condições. Já na narcolepsia não especificada o diagnóstico é usado temporariamente quando o paciente preenche os critérios clínicos e os do Teste das Latências Múltiplas do Sono (TLMS) para narcolepsia.

Ainda de acordo com o autor acima mencionado a Narcolepsia com cataplexia tem como sintoma fundamental para diagnostico a perda de tônus muscular de ambos os lados, que pode sofrer variações em frequência, padrão e severidade. Na maioria das vezes este sintoma está diretamente vinculado a fortes emoções, como por exemplo, surpresas e crises de risos. Os ataques catapléticos podem ocorrer em apenas algum dos grupos musculares ou acometer todos ao mesmo tempo, podendo ter a duração de alguns minutos ou até mesmo de uma hora dependendo da gravidade do caso. Durante o processo alguns pacientes relatam visão turva, mas a consciência é mantida. Lapsos de memória estão entre as queixas mais frequentes pós-transtorno, sabe-se que esses podem estar relacionados a transição rápida para o sono REM. Sabe-se também que ocorrência de fortes emoções repetidamente podem provocar surtos catapléticos repetidos. “Emoções muito intensas podem provocar sucessivos episódios de cataplexia, a que se denominou “status cataplecticus”, de ocorrência muito rara. ” (MORAES,2011, pág.5)

Segundo Reimão e Lemmi (1986) os dois distúrbios citados anteriormente podem ser facilmente confundidos quando levar em consideração a sintomatologia clínica, necessitando, portanto, de dois exames para o diagnostico preciso: o teste de latência múltipla do sono (TLMS) e a polissonografia durante a noite inteira.

Outro distúrbio de sono que acomete com frequência crianças e adolescentes em idade escolar, de acordo com Nunes e Bruni (2016), é a síndrome do atraso de fase do sono (SAFS), desenvolvida por envolvimento de dois genes em distúrbios circadianos. A SAFS é caracterizada principalmente pelo atraso de início do sono e a demora e dificuldade para acordar pela manhã, isso comparado á horários considerados convencionais para essas ações.  “Os pacientes típicos normalmente não adormecem antes das 2h da manhã e não acordam antes das 10­12h, apesar da arquitetura do sono poder ser considerada normal. ” (NUNES E BRUNI, 2016, p.3). Os pacientes relatam que, normalmente, estão mais sonolentos pela manhã e mais alertas no período noturno. “Quando o paciente é forçado a acordar mais cedo devido a compromissos escolares, o resultado pode ser a insuficiência crônica de sono e o excesso de sonolência diurna. ” (NUNES E BRUNI,2016, p.4)

DISTÚRBIOS DO SONO E DIAGNOSTICO RELACIONADOS A NARCOLEPSIA

Pode-se definir como distúrbio do sono todas as alterações que ocorrem enquanto o individuo dorme. Dentre essas alterações podemos destacar a insônia, a hipersonia, o sonambulismo, o terror noturno e os transtornos de pesadelo, além é claro da narcolepsia.

Segundo Nunes (2002) insônia é a dificuldade de iniciar o sono, principalmente no período noturno, podendo acometer desde bebês até adolescentes. As causas mais comuns de insônia em escolares incluem alterações emocionais, como a depressão e a esquizofrenia, a ansiedade e a pressão da família em fases de pré-vestibular dos adolescentes, o medo e os pesadelos em crianças e doenças tanto crônicas quanto agudas em ambas as fases.  Dentre as doenças causadoras da insônia podemos destacar inflamações em ouvido e garganta, febre, refluxo ácido e alterações respiratórias.  Para o diagnóstico da insônia utiliza-se de uma anamnese previa relatando hábitos diurnos, a rotina antes de dormir, alimentação noturna, medos e transtornos emocionais. Em seguida realiza-se um exame físico para auxiliar no diagnostico.

A hipersonia, também conhecida por sonolência excessiva diurna (SED) é definida por Giorelli et. Al (2012) como a falta de capacidade para manter-se alerta durante o dia, sedo incapaz de ficar acordado e tendo momentos de sono repentinos. Os níveis de gravidade da hipersonia são variáveis e vão desde distrações momentâneas ao longo do dia até lapsos de sono incontroláveis. Entre as principais causas da SED podemos destacar alterações neurológicas e psiquiátricas, estado geral de saúde, efeitos medicamentosos, o horário habitual de acordar além é claro da qualidade do sono e da quantidade do mesmo. Para o diagnóstico deve ser realizada a anamnese e um detalhado exame físico levando em consideração a pressão arterial e alterações como a obesidade. Logo após realiza-se três exames específicos para auxilio no diagnostico, sendo oestes o teste de manutenção da vigília (TMV), a polissonografia (PSG) e o teste das latências múltiplas do sono (TLMS).

O sonambulismo segundo Varella (2014) consiste em um tipo de parassonia, caracterizada pelo movimento de andar e realizar atividades enquanto parte do cérebro esta adormecido. Normalmente os portadores do sonambulismo não se lembram de nada que ocorreu quando despertam e não aparentam estarem cansados ou com sono. Enquanto perambulam normalmente realizam atividades rotineiras como dobrar as roupas de cama, ir ate a cozinha para se alimentar ou tomar um copo de água e até mesmo ir ao banheiro. Em alguns casos abrem janelas e portas enquanto andam pela casa, mas raramente saem para a rua.  O sonambulismo não possui causas especificas, sabe-se apenas que tem predileção pelo sexo masculino e ocorre também por fator genético (varias manifestações na família). Alguns fatores podem predispor ao aparecimento do distúrbio, como por exemplo, cansaço e elevado estresse, alterações respiratórias, febre alta, distúrbios psiquiátricos e fármacos que causam alterações no sono. Para o diagnostico deve-se realizar uma anamnese detalhada com o paciente e aqueles que convivem com ele no dia a dia e em seguida exames específicos como a polissonografia (PSG) e o eletroencefalograma.

O terror noturno segundo Abreu e Inocente (2005) é mais comum em crianças e normalmente acontece na fase do sono mais profundo. Tem como características principais a criança acordar no meio da noite extremamente assustada e pálida, transpirando excessivamente e voltando a dormir em seguida. Assim como no sonambulismo o portador do distúrbio normalmente não se lembra de nada que aconteceu ao acordar.

Os transtornos de pesadelos podem ser definidos de acordo com Andrade (2010) como sonhos que trazem terror e medo extremo, levando a uma sensação de angustia profunda até que seu portador acorde. Ocorre durante o sono REM. Entre as causas principais destacam-se febre alta, reações de medicamentos, abstinência alcoólica ou á fármacos, ansiedade ou estresse excessivos, uso de fármacos indutores do sono e altos níveis de estresse pós-traumáticos causados por acidentes, incidentes ou até mesmo pelo falecimento de um amigo ou parente recentemente.

De acordo com Rodrigues (2012) a cada 100 mil pessoas 25 ás 50 sofrem com a narcolepsia.  Segundo Alóe et. Al (2010) de 15 a 50 pessoas a cada 100 mil são diagnosticadas com esse mesmo distúrbio.

Ainda de acordo com o autor supracitado a predisposição á narcolepsia pode estar diretamente relacionada a fatores ambientais e genéticos.

“O risco de um parente de primeiro grau de um paciente ser diagnosticado com narcolepsia é de 10 a 40 vezes maior que a população geral. A frequência de narcolepsia-cataplexia em parentes de primeiro grau é de 2,90% a 3,20%. A concordância em gêmeos monozigóticos para narcolepsia com cataplexia varia entre 25-31%. ” (ALÓE et.al. 2010. p.295).

Antes de realizar os exames específicos para o diagnostico devem ser observados os sintomas característicos á cada distúrbio de sono. A pentade de sintomas é essencial para o diagnostico da narcolepsia e para sua diferenciação dos demais distúrbios de sono. Alóe et.al (2010) afirma que essa pentade é composta por dois sintomas principais e três sintomas acessórios, sendo estes respectivamente sonolência excessiva (SE) e cataplexia, sono noturno fragmentado, paralisia do sono e alucinações hipnagógicas.  O autor afirma ainda que mais de 90% dos portadores tem como sintoma inicial a SE, que pode ser percebida de diversas formas, que variam de sonolências diurna até ataques de sono.

“Sensação de sonolência, de intensidade constante ou variável, e duração de uma até várias horas, ataques irresistíveis de sono, apesar da tentativa de permanecer acordado, cochilos que aliviam a sonolência por até algumas horas nos adultos, múltiplos cochilos ao longo do período principal de vigília, o alívio da sonolência proporcionado pelos cochilos reflete o grau de intensidade da sonolência e tem valor para o diagnóstico diferencial, a sonolência pode expressar-se como flutuação no nível de atenção e concentração.” (ALÓE et.al. 2010. p.295)

Para complementar os sintomas principais ainda contamos com outra alteração denominada cataplexia. Coelho et. al. (2007) afirma que acataplexia está presente em aproximadamente 70% dos casos de narcolepsia. Esta é caracterizada pela perda repentina dos tônus musculares, mas com manutenção da consciência e normalmente ocorre após emoções fortes, sejam estas positivas ou não, sem alterações na respiração e com termino repentino.

Compondo a tríade de sintomas acessórios temos o sono fragmentado, que de acordo com o autor supracitado consiste em acordar por diversas vezes durante a noite e devido a isso o sono perde a qualidade. Além das características descritas anteriormente Alóe et. al. (2010) acrescenta ainda que durante o sono há excesso de movimentos, o que contribui para diminuir sua qualidade. A paralisia do sono é caracterizada pelo paciente ao acordar não ter capacidade para se mover embora a consciência seja mantida. Assim como os episódios de cataplexia, a paralisia do sono também apresenta termino repentino. “Pode ser acompanhada por sensação de incapacidade para respirar e por alucinações variadas em até 50% dos casos, durando de 1 a 10 minutos (com média de 2 minutos), terminando subitamente após esforço mental ou por alguma estimulação sensorial externa. ” (ALÓE et. al. p.296, 2010)

O ultimo dos sintomas da tríade, as alucinações hipnagógicas-hiponopômpicas (AH), de acordo com o autor supracitado são “experiências oníricas que ocorrem nas transições vigília sono ou sono-vigília, respectivamente”, ou seja, uma espécie de sonho que se confunde com a realidade.

“Ocorrem em 20 a 65% dos narcolépticos. São geralmente visuais, somatossensoriais (sensação de estar “fora do corpo”), mas também são descritas formas auditivas, vestibulares ou multissensoriais. As alucinações podem acompanhar ou seguir os ataques de cataplexia e paralisia do sono. Alucinações hipnagógicasaterrorizantes ocorrem em cerca de 4 a 8% dos narcolépticos” (ALÓE et. al. p. 296, 2010)

Após observar todos esses sintomas um dos métodos para avaliar a sonolência diurna, segundo Coelho et. al. (2007) é através da Escala de Sonolência de Epworth (ESE).

“É um questionário de oito situações rotineiras em que o paciente gradua de 0 até 3 a possibilidade de adormecer (0: nenhuma chance de adormecer; 3: chance total de adormecer). A sonolência é considerada excessiva quando a pontuação for maior que 9 pontos na ESE. ” (COELHO et. al. p.135, 2007)

De acordo com o autor supracitado outro método utilizado no diagnostico dos distúrbios do sono são os estudos eletrofisiológicos, compostos pela polissonografia (PSG) e pelo teste de múltiplas latências para o sono (TMLS). “Estão indicados a todos os pacientes com SE que não possuam evidência de outros sintomas durante o sono, como ronco e sufocação, movimentos de pernas, automatismos noturnos, entre outros. ” (COELHO et. al. p.135, 2007).

Para Alóe et. Al (2010) para que seja diagnosticada a narcolepsia o PSG deve apresentar como resultado

“Eficiência de sono normal nos pacientes mais jovens, podendo estar reduzida em pessoas com mais tempo de quadro clínico; latência de sono NREM abaixo de 10 minutos; redução da latência de sono REM abaixo de 70 minutos; aumento de o número de micro despertares; aumento de transições entre os estágios de sono e vigília; aumento de tempo acordado após o início do sono. “ (ALÓE et. al. p.299-300, 2010)

Já o TLMS deve apresentar como resultado “Uma latência média de sono inferior ou igual a 8 minutos, com a presença de dois ou mais episódios de sono REM” (ALÓE et. al. p. 300, 2010)

Além disso é importante salientar que devesse atentar para os critérios prévios aos exames para que não haja falso positivo. “Retirar agentes supressores do sono REM, como antidepressivos (tricíclicos, inibidores de monômio-oxidase, inibidores da receptação de monomanias etc.) e estimulantes do SNC. Estas medicações devem ser suspensas por um período de 14 dias antes da realização dos exames (no caso de fluoxetina, seis semanas); retirar sedativos, hipnóticos e anti-histamínicos pelo menos uma semana antes dos testes; substâncias estimulantes, como cafeína e nicotina devem ser reduzidas ou retiradas na semana do exame; manter horários regulares e pelo menos seis horas de sono por noite para dormir e acordar nas duas semanas anteriores ao exame. ” (ALÓE et. Al p.299, 2010).

TRATAMENTO PARA DISTÚRBIOS DO SONO E TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM

O tratamento para os distúrbios do sono em sua maioria costuma ser realizado com acompanhamento psicológico e uso de medicamentos. De acordo com Alóe et al (2010) o tratamento para narcolepsia controla a sonolência excessiva e auxilia o portador do distúrbio a se readaptar a suas atividades.  Atualmente no Brasil segue-se as Diretrizes Brasileiras para o tratamento da narcolepsia, estas são compostas por medidas de higiene de sono, cochilos, medidas sociais, suporte psicológico além é claro do tratamento farmacológico. De acordo com as diretrizes o tratamento farmacológico da sonolência excessivo é realizado utilizando estimulantes do sistema nervoso central que levam a uma diminuição da sonolência.

De acordo com Rovere et al (2006) uma das principais dificuldades para portadores da narcolepsia é o fato de atividades rotineiras, como por exemplo estudar ou até mesmo dirigir e operar maquinas, ficarem comprometidas. Podemos comprovar isso pelo índice de acidentes de transito envolvendo narcolépticos ser aproximadamente seis vezes maior.

Para Turco et al (2011) entre os principais problemas causados devido aos distúrbios de sono em idade escolar destaca-se a dificuldade de concentração e atenção resultando num déficit de aprendizagem. Outro grande problema é que na maioria das vezes o diagnostico é tardio ou errôneo, já que devido a má qualidade do sono, o escolar portador destes distúrbios se torna irritado e sofre variações de humor constantemente, estes sintomas sendo associados com as dificuldades de aprendizagem podem resultar em diagnósticos como depressão ou hiperatividade.

REFERÊNCIAS

ABREU, Geraldo Magno Alves de; INOCENTE, Nancy Julieta. SONO TRANQUILO OU TERROR NOTURNO: UM ENTENDIMENTO PARA UMA MELHOR QUALIDADE DE VIDA. Revista Univap, São José dos Campos, v. 23, n. 12, p.488-491, out. 2005.

AGMONT, Giuliano. A importância do sono na aprendizagem. 2015. Disponível em: <http://educarparacrescer.abril.com.br/comportamento/onde-estou-mesmo-598945.shtml>. Acesso em: 21 mar. 2016.

ALÓE, Flávio et al. Diretrizes brasileiras para o diagnóstico da narcolepsia. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 32, n. 3, p.293-304, set. 2010.http://www.scielo.br/pdf/rbp/v32n3/16.pdf

ALÓE, Flávio et al. Diretrizes brasileiras para o tratamento da narcolepsia. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 32, n. 3, p.305-314, set. 2010.http://www.scielo.br/pdf/rbp/v32n3/aop1410.pdf

ANDRADE, Marcelo Jorge de Souza Leão. Pesadelos. 2010. Disponível em: <http://disturbiosdosono.net/pesadelos.shtml>. Acesso em: 21 ago. 2016.

COELHO, Fernando Morgadinho Santos et al. Narcolepsia. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 3, n. 34, p.133-138, jan. 2007. https://drive.google.com/file/d/0B26E8VoyyQkbMzFvN1ZrNEVWSUk/view

GIORELLI, André S. et al. Sonolência excessiva diurna: aspectos clínicos, diagnósticos e terapêuticos. Revista Brasileira de Neurologia, Rio de Janeiro, v. 48, n. 3, p.17-24, set. 2012. Trimestral.

MORAES, Mirleny Lucena de. Atenção neuropsicológica da atenção e da memória em pacientes com narcolepsia.2011. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/
273445508_Neuropsychological_assessment_of_attention_and
_memory_in_narcoleptic_patients>.
Acesso em: 20 mar. 2016.

NUNES, Magda Lahorgue; BRUNI, Oliviero. A genética dos distúrbios do sono na infância e adolescência. 2016. Disponível em: <http://www.jped.com.br/conteudo/08­84­S27/port.asp>. Acesso em: 18 abr. 2016.

NUNES, Magda Lahorgue. Distúrbios do sono. Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro, p. 63-72. Ago. 2002.  http://www.scielo.br/pdf/jped/v78s1/v78n7a10.pdf

REIMÃO, Rubens; LEMMI, Hélio. NARCOLEFSIA E APNÉIA DO SONO CONCOMITANTES. Neuropsiquiatria Vol. U, 1, Março, 1986, São Paulo, v. 44, n. 1, p.73-77, mar. 1986.

RODRIGUES, Tiago Rafael Lima Pinto Gomes. Narcolepsia: do diagnóstico ao tratamento. 2012. Disponível em: <https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/72426/2/80941.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2016.

ROVERE, Heloísa D. et al. Avanços na qualidade de vida em portadores de narcolepsia. Mudanças – Psicologia da Saúde, São Paulo, v. 14, n. 01, p.74-78, jan. 2006. Semestral.

TURCO, Giovina Fosco et al. Distúrbios do Sono e Qualidade de Vida em Crianças e Adolescentes Obesos. 2011. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/236617042>. Acesso em: 14 abr. 2016.

TURCO, Giovina Fosco et al. Distúrbios do Sono e Qualidade de Vida em Crianças e Adolescentes Obesos – Revisão Bibliográfica. Neurobiologia, Pernambuco, v. 74, n. 02, p.171-180, abr. 2011. Trimestral.

VARELLA, Dráuzio. NARCOLEPSIA. 2011. Disponível em: <http://drauziovarella.com.br/letras/n/narcolepsia/>. Acesso em: 21 mar. 2016.

 VARELLA, Dráuzio. SONAMBULISMO. 2011. Disponível em: <http://drauziovarella.com.br/letras/s/sonambulismo/>. Acesso em: 20 ago. 2016.

[1]  Graduando em Ciências Biológicas pela Faculdade Patos de Minas

[2] Professor titular de Genética e Bioquímica da Faculdade Patos de Minas. Doutor em Genética e Bioquímica pela Universidade Federal de Uberlândia. hugo.some@gmail.com

Como publicar Artigo Científico

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here