Início Educação Cultura e Sociedade: Um Estudo de Caso sobre Perfil Cultural e Social...

Cultura e Sociedade: Um Estudo de Caso sobre Perfil Cultural e Social dos Alunos no Curso de Pedagogia o Pólo Fael de Cascavel/ PR

RC: 4892 -
Cultura e Sociedade: Um Estudo de Caso sobre Perfil Cultural e Social dos Alunos no Curso de Pedagogia o Pólo Fael de Cascavel/ PR
Classificar o Artigo!
355
0
ARTIGO EM PDF

SILVEIRA, Danielli Maria Neves da. [1]

DIAS, Gilmar [2]

SILVEIRA, Danielli Maria Neves da; DIAS, Gilmar – Cultura e Sociedade: Um estudo de caso sobre o perfil cultural e social dos alunos no curso de pedagogia do polo FAEL de Cascavel/PR – Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 1. Vol. 9. pp. 156-177, outubro / novembro de 2016. ISSN. 2448-0959

RESUMO

O presente artigo pretende abordar a importância da metodologia e adequação com perfil cultural e social do aluno no curso superior a distância, sendo essa um campo de inovações espera-se a constante melhoria e adequação da oferta de Ensino a Distância na modalidade EaD. Pesquisamos as características socioculturais dos alunos que enviaram o questionário respondido bem como pesquisa das aulas e do polo. Assim, como objetivo, visa levantar as dificuldades dos alunos, aspirações em relação ao curso e após o término da faculdade, opinião em relação ao curso, ferramentas e metodologia de aprendizagem. Ressalta a necessidade de práticas pedagógicas adequadas a realidade do aluno na Instituição de Ensino Superior de forma a ampliar a aprendizagem utilizando ferramentas e estratégias que atraem o interesse do aluno e proporcionam qualidade tanto na formação profissional quanto cidadã. A revisão da bibliografia proporcionou referências teóricas envolvendo o tema, contribuindo para a análise de dados coletados através da pesquisa de campo.

Palavras-Chave: Metodologia do Ensino Superior; Educação a distância; Perfil sócio- cultural; Pedagogia.

1. INTRODUÇÃO

A Educação a distância se apresenta enquanto uma alternativa de ampliar o acesso ao conhecimento científico e junto a evolução tecnológica e acesso a essas ferramentas tecnológicas por grande número de pessoas difunde esse conhecimento habilitando e possibilitando as pessoas sem condições de frequentar o ensino presencial por diversos fatores como a falta de tempo; dificuldade de transporte; financeiramente inviável, etc.

Esta pesquisa buscou compreender quais as maiores dificuldades e quais as características socioculturais dos alunos do curso de pedagogia do polo FAEL no município de Cascavel.

A investigação proposta procurou compreender se a metodologia que vem sendo aplicada vem contribuindo para o crescimento intelectual do aluno e auxiliando na busca da identidade profissional que pretende exercer que é uma das finalidades proposta pela instituição.

Pensar na realidade social e cultural dos alunos é se preocupar com uma educação centrada na aprendizagem do acadêmico e buscando atender da melhor maneira possível se adequando e facilitando o acesso ao conhecimento cientificamente elaborado na área de educação para preparar profissionais para lecionarem nas várias modalidades e etapas da educação.

O objetivo desta pesquisa foi o de analisar a realidade dos alunos para melhorar a metodologia e se adequando a necessidade local através de uma analise cuidadosa e buscando compreender o perfil regional.

Essa pesquisa se mostrou importante pelo fato de considerar a diversidade que se apresenta no país e haver características de acordo com o polo de atendimento, se busca a valorização da identidade cultural e social para fortalecer a relação do aluno com a instituição de ensino superior, a relação de maior conhecimento do aluno com que se trabalha e de confiança do aluno para com a instituição tende a melhor preparar o trabalho de ensino- aprendizagem.

A instituição e o professor devem ser parceiros dos alunos na aprendizagem auxiliando pequenas duvidas para que não se torne uma falha maior na formação, trazendo dados desses alunos pode-se refletir sobre a metodologia e a atuação até o presente e alterá-la se necessário visando a melhoria.

A pesquisa tipo estudo de caso possibilitou acompanhar a aula presencial no polo, estruturei a investigação mais detalhada no questionário que foi enviado para os alunos e foi realizada entrevista com os alunos presentes no workshop e com o assistente acadêmico do polo que mantém vincula com os alunos e apresentou características da realidade do curso de Pedagogia no polo.

Fazem-se importante estes três tipos de analise comparando e delimitando pontos em comum e diferenças para melhor compreender a realidade vivenciada pelos acadêmicos e a relação com a atual metodologia empregada tanto nas aulas online quanto na organização dos workshop e avaliações. O comprometimento com a qualidade educacional na modalidade a distância se faz de dedicar a atenção a melhoria constante considerando novas possibilidades metodológicas e adequação então a pesquisa busca analisar o que se mostra importante para percorrer esse caminho.

2. A EDUCAÇÃO SUPERIOR OFERTADA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

O sucesso acadêmico do aluno depende de vários fatores sejam eles no ambiente acadêmico ou fora deste, cabe à instituição de ensino superior ofertar um ensino de qualidade pautado na qualidade de ensino para a formação deste e conhecer a realidade dos alunos para adequar a realidade de cada região. A busca pela EaD no Brasil se constituiu enquanto elemento de evolução educacional, o que não se pode perder de vista é a qualidade da mesma, conforme discute Alonso “[…] é fundamental é necessário localizar demandas e diagnosticar criteriosamente para determinar as políticas a serem utilizadas. ” (2010, p. 1326).

A democratização da educação há muito tempo vem sendo buscada e a modalidade a distância se encaixa com as novas ferramentas tecnológicas e a ampliação de acesso as mesmas até pelas camadas mais populares. Utilizar as ferramentas tecnológicas para a educação gera maior conhecimento ao individuo e amplia enormemente o potencial de uso destas ferramentas com um viés socioeducativo. Segundo Saviani:

No caso do Brasil, o que se constata é que, à exceção dos indígenas, os diferentes grupos respiram a mesma atmosfera ideológica, isto é, regem-se pelos mesmos valores. No entanto, existem grandes diferenças de participação nos produtos culturais, embora as conquistas culturais resultem do esforço conjunto de toda sociedade. Isso significa que grande parte da população participa da produção da cultura, mas não participa de sua fruição. […]. (2007, p. 62).

Vivemos em país de extenso território geográfico e consequentemente com uma cultura variada que influi na vida das pessoas de diferentes formas, a informação e o conhecimento não chega da mesma forma para todos e da mesma maneira a estas tem significações e importância de pesos diversificados. O que não se pode perder de vista e uma oferta de qualidade para todos e com um padrão qualitativo que respeite a legislação vigente, conforme afirma o Decreto que regulamenta a educação a distância: “I – obedecer ás diretrizes curriculares nacionais, estabelecidas pelo Ministério da Educação para os respectivos níveis e modalidades educacionais” (BRASIL, 2005, Art. 13).

Conforme Disposições Gerais da LDB “O Poder Público incentivará o desenvolvimento e a veiculação de programas de ensino a distância, em todos os níveis e modalidades de ensino, e de educação continuada.” (BRASIL, 1996, Art. 80).

Se faz necessário seguir a legislação e ofertar as disciplinas de cada curso porém não se pode ter uma visão estreita de que a metodologia é somente uma e adequada a todo cidadão que tenha acesso, é necessário uma flexibilidade com o aluno considerando diversos fatores que influem na aprendizagem e são subjetivos, exige-se uma conscientização que nem todos aprendem da mesma forma e refletir sobre a avaliação para que a mesma se caracterize enquanto instrumento de verificação da aprendizagem valorizando diversas maneiras de a fazer proporcionando ao aluno possibilidades diferenciadas para mostrar o nível de aprendizado.

A Instituição de Ensino Superior de acordo com Shiroma et al., (2003) deve envolver o professor e o pesquisador fazendo uso da autonomia para modernizar e promover a coesão interna da equipe através de treinamentos e do próprio recrutamento.

A sociedade se encontra em constante processo de transformação e a capacitação educacional e profissional deve levar em consideração estas atualizações constantes e segundo Carla Netto “Dependendo do perfil da turma, pode-se facilitar ou prejudicar o aprendizado, devendo-se ajustar as ferramentas de acordo com as possibilidades e experiências dos alunos.” As ferramentas educacionais devem ser ajustadas para o aluno se organizar e de maneira prática efetivar as atividades educativas. (2006, p. 61).

Pensar a EaD constitui enquanto algo além de se limitar ao ensino utilizando a tecnologia mais trata-se também de pensar uma educação voltada para a formação do cidadão crítico, pensa-la de maneira emancipatória e ofertando a oportunidade de o aluno analisar materiais e realizar sua própria interpretação e debater em um espaço democrático e com orientações de um tutor. Para Dourado pensar as novas tecnologias implica:

[…] romper com a mística que acentua o papel das tecnologias da informação e comunicação (TIC) como as protagonistas sociais, remetendo ao necessário desvelamento do Estado em sentido amplo, entendido como espaço de luta política e expressão da condensação de forças entre sociedade civil e política, e de sua materialização no campo das políticas engendradas e materializadas no Estado na sociedade. (2008, p. 905)

Pensar o ensino superior de maneira crítica nos trás o papel social do professor e da educação enquanto instrumento que democratiza conhecimento, a melhoria da mesma não deve ser algo que permita acomodações, da mesma forma que se pensa na evolução dos instrumentos tecnológicos avançando com instrumentos para uso da EaD devemos pensar o quanto isso está auxiliando na busca de melhor distribuição de renda e igualdade de conhecimento e o acesso a ele. Questões culturais e sociais dos alunos entram nesse debate enquanto instrumento de análise desta disseminação para classes populares que veem na Ead uma alternativa que se adéqua a condições de renda, tempo e melhoria social e cultural.

3. A ADEQUAÇÃO SÓCIO- CULTURAL NA EAD

A análise sociocultural dos alunos se faz enquanto ferramenta de estruturação e adequação para melhor metodologia e consequentemente melhor aprendizado por parte do aluno, buscando sempre o melhor aprendizado que se torna algo cada vez mais importante da sociedade, conforme nos afirma Maia:

[…] do mesmo modo que demandamos por mais bens materiais, nesta nova sociedade deveremos demandar por mais conhecimento. A sociedade da informação sintetiza o surgimento de um paradigma técnico/econômico, no qual a informação é o insumo central. (2003, p. 15)

O ensino superior com a proposta de formar cidadãos nas diversas áreas do conhecimento de maneira qualificada e preparando para o mercado de trabalho somada a alternativa da modalidade a distância proporciona uma facilitação no acesso aumentando a abrangência de qualificação, adaptando-se a novas realidades a educação em nível superior vem se tornando mais acessível no Brasil atendendo aos novos tempos e espaços com uma flexibilidade que incorpora diversas classes sociais e diversas peculiaridades de pessoas que não podem atender a requisitos de horário na modalidade presencial e conforme previsto na LDB: “O Poder Público incentivará o desenvolvimento e a veiculação de programas de ensino a distância, em todos os níveis e modalidades de ensino, e de educação continuada.” (BRASIL, 1996, Art. 80).

O aluno na modalidade EaD possui maior autonomia para administrar seus estudos, porém não se pode deixar de lado a qualidade de aprendizagem tendo esse o direito de acesso qualitativo assim como na modalidade presencial. Conforme determina os Referenciais de qualidade para cursos a distância:

Um curso ou programa a distância inserido nos propósitos da educação escolar do país, com ela entrelaça seus objetivos, conteúdos, currículos, estudos e reflexões. […] precisa estar integrado às políticas, diretrizes, parâmetros e padrões de qualidade definidos para cada nível educacional e para o curso específico. (BRASIL, 2003, p. 6).

Ofertar um ensino de qualidade requer estrutura financeira, estrutura tecnológica e pedagógica, além de conhecer o perfil dos alunos tende a melhorar a qualidade considerando as necessidades mercadológicas e sociais no campo em que se concentra a área do aluno. Conforme os Referenciais de qualidade para a educação superior a distância “A natureza do curso e as reais condições do cotidiano e necessidades dos estudantes são os elementos que irão definir a melhor tecnologia e metodologia a ser utilizada. ” (BRASIL, 2007, p. 5).

Esta preocupação com o aluno pode trazer maior sucesso ao Ensino a Distância, capacitando profissionais que se envolvem com o objeto de estudo e com autonomia acadêmica sem perder o foco da formação qualitativa.

Segundo Belloni:

O desenvolvimento de pesquisas sobre metodologias de ensino mais ativas para a educação de adultos, centradas no estudante e tendo como princípio a sua autonomia, passa a ser a condição sine qua non para o sucesso de qualquer experiência de EaD que pretenda superar os modelos instrucionais e behavioristas. […]. (2008, p. 31).

A formação do cidadão também deve ser priorizada, um ensino com plano de ação voltado ao mercado de trabalho e a cidadania com um modelo de ação pedagógica fundamentada nos princípios que envolvem as concepções de educação e currículo no processo de ensino- aprendizagem.

O sistema de comunicação deve ser desenvolto e oferecer estrutura para o aluno quando precisar de ajuda, o material didático deve ser de fácil acesso e a avaliação permitir constatar a aprendizagem através de diferentes instrumentos.

A Faculdade Educacional da Lapa – FAEL faz parte do grupo Apollo Global que atua em vários países e a instituição: “[…] procura estimular a criação cultural e o desenvolvimento cientifico formando profissionais especialistas compromissados com a melhoria das condições da realidade histórica. ” (FAEL, 2016, p. 3).

A IES é autorizada pela Portaria N° 1.179/98 do Ministério da Educação e cumpre as normativas do Decreto 5622, conforme respeita as seguintes exigências do capitulo 5 da Lei de Diretrizes e Bases:

Art. 24. A oferta de cursos de especialização a distância, por instituição devidamente credenciada, deverá cumprir, além do disposto neste Decreto, os demais dispositivos da legislação e normatização pertinentes à educação, em geral, quanto:

I – à titulação do corpo docente;

II – aos exames presenciais; e

III – à apresentação presencial de trabalho de conclusão de curso ou de monografia. (BRASIL, 2005, p. 11).

Conforme regimento da instituição: “Os cursos de graduação estão estruturados em disciplinas, áreas, atividades ou estudos básicos gerais, específicos ou profissionais”. (FAEL, 2014, Art. 39°).

A Proposta Pedagógica do Curso de Pedagogia da Faculdade Educacional da Lapa apresenta a carga horária total do curso de 3600 horas com duração de 4 anos subdividida em 16 bimestres e 100 horas voltadas para atividades complementares. O currículo está organizado em oito Núcleos de Conhecimento que agrupam disciplinas pela temática de estudo são esses: Comunicação, Interação e Reflexão; Contextos Históricos e Novos Saberes; Organização da Escola; A Criança, o Mundo e o Conhecimento; Competência para qualidade; Gestão Educacional; Arte e Movimento e Educação para a Diversidade.

A EAD se apresenta como uma alternativa de grande potencialidade se for bem concebida pela instituição, isso requer planejamento e adequação com a condição sociocultural do aluno bem como comprometimento com a qualidade da educação a ser ofertada. Conforme Faria afirma: “Devemos considerar que a facilidade de atualização do conhecimento é uma vantagem que deve ser considerada o que exige que o profissional se renove constantemente para acompanhar o atual mercado de trabalho.” (2006, p. 21).

É necessário superar antigos modelos educacionais para construir maior autonomia tanto para o professor como para o aluno, Oliveira afirma que: “Para alicerçar uma prática pedagógica baseada no paradigma emergente, há necessidade de desencadear uma rede ou teia de abordagens pedagógicas inovadoras”. (2003, p.31), o que nos reforça a pensar que não basta mudar os instrumentos de ensino como renovar constantemente a metodologia de acordo com as novas demandas sociais, a tecnologia não irá inovar sozinha é necessário que o professor saiba conduzir suas ações utilizando novas ferramentas e novas metodologias que correspondam com a realidade do aluno e do mercado de trabalho sem deixar de lado a formação da cidadania através de concepções e métodos.

4. METODOLOGIA UTILIZADA NA PESQUISA

O presente artigo utilizou-se de pesquisa do tipo Estudo de Caso, com uma revisão da bibliografia referente ao tema e com aplicação de instrumentos de coleta de dados como entrevista, questionário e observação in loco. Os dados foram coletados utilizando-se técnicas características da pesquisa qualitativa.  A pesquisa de campo realizou-se na Faculdade Educacional da Lapa no polo de Cascavel especificamente no curso de Pedagogia na modalidade EaD.

Para isso, essa pesquisa foi do tipo estudo de caso que segundo Gil: “O estudo de caso é caracterizado pelo estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos, de maneira a permitir conhecimento amplo e detalhado do mesmo […].” (1995, p. 78).

O estudo de caso tem como objetivo realizar uma investigação detalhada, observando as várias características que compõe o objeto de estudo. Nesta pesquisa o estudo de caso está relacionado ao grupo de 96 adultos que são alunos do curso de Pedagogia.

Realizou-se uma entrevista com o assistente acadêmico do polo que atende os alunos do polo e com o objetivo de conhecer melhor a experiência do polo, as estratégias, a participação dos alunos e respectivas dificuldades. A entrevista realizou-se no polo da FAEL na cidade de Cascavel em que o assistente relatou dados que tem informação e o que percebe da realidade do polo de Cascavel e mais especificamente no curso de Pedagogia.

Foi utilizado também um questionário para os alunos responderem aspectos sócio- culturais alguns foram enviados por e-mail e outros pelo WhatsApp no grupo de alunos de pedagogia da FAEL, segundo Vieira: “Os questionários constituem em instrumentos de coleta de dados, especificadamente elaborados com o objetivo de obter respostas para questões que são importantes para o desenvolvimento das pesquisas. ” (2011, p. 65).

O questionário foi composto de questões objetivas em sua maioria para facilitar o processo de realização para o aluno e sendo descritiva apenas três questões com informações mais pontuais e que havia a necessidade de escrever a resposta. Houve flexibilidade quanto a data de retorno do questionário respondido pelos alunos, alguns foram enviados pelo WhatsApp, outros por e-mail e alguns enviaram as questões objetivas respondidas e as descritivas separadamente em forma de corpo do e-mail. Quando se passaram duas semanas do envio foi solicitado para que enviassem para análise e se possível apressar o processo de resposta ao questionário.

Também se realizou uma observação in loco que teve como objetivo observar a participação dos alunos no workshop presencial para acompanhar o andamento das atividades presenciais. Foi observado o workshop presencial do primeiro bimestre com o tema sustentabilidade e haviam 20 alunos presentes do curso de pedagogia, o mesmo foi realizado em uma sala de aula do Colégio Expressão no qual é o polo da Faculdade Educacional da Lapa e a sala conta com espaço para todos os alunos e equipamento multimídia e lousa para utilizar para explicação e anotações.

O Workshop aconteceu de maneira pontual se iniciando no horário previsto e conforme os alunos terminavam a redação podiam se retirar. Foi utilizada uma carteira no fundo da sala para observar de maneira que a entrevista com os alunos deu-se após o término apenas para não atrapalhar o andamento da atividade prevista, os alunos se mostraram prestativos detalhando informações e se disponibilizando para eventuais duvidas e correspondendo a expectativa de questionamento da pesquisa. O período de observação do Workshop e dialogo com alunos foi de 4 horas, sendo no período noturno em que estava programada a atividade das 18h30min ás 22h30min.

5. ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS

A Faculdade Educacional da Lapa -FAEL pertence ao grupo Apollo Global, um dos maiores grupos educacional do mundo. O polo de Cascavel oferta o curso de graduação em Pedagogia, curso este que tem o maior numero de alunos do polo somando-se noventa e seis alunos. Trabalham no polo dois profissionais o assistente acadêmico e a assistente financeira em turnos diversos conforme necessidade de atendimento.

O polo que atende no Colégio Expressão utilizando parte da estrutura do prédio presta atendimento para os alunos para realização da matricula, para questão de documentação, auxilio a duvidas e/ou problemas, provas presenciais e workshop presenciais. Há uma sala para os assistentes utilizarem para o atendimento, há a sala de informática para os alunos realizarem as provas presenciais, a instituição conta com biblioteca para empréstimo de livros e espaço para o aluno estudar caso o deseje fazer, há também no primeiro andar do prédio cantina para os alunos que desejarem fazer refeição no local. É importante o polo contar com esta estrutura pois conforme nos aponta o artigo 1° do Decreto 5622 que determina sobre a Educação a Distância:

Para os fins deste Decreto, caracteriza-se a educação a distância como modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos. (BRASIL, 2005, p.1)

A utilização da tecnologia se faz presente enquanto instrumento para a EaD, e no caso de o aluno não contar com a tecnologia em casa o polo se caracteriza enquanto local de apoio oferecendo suporte didático e de materiais para o aluno.

Para a referida pesquisa utilizaram-se três instrumentos diferentes: O questionário (que foi enviado para os alunos); a entrevista com o assistente acadêmico do polo e a observação do workshop (momento em que os alunos se reúnem no polo). A entrevista se realizou por meio de dialogo e algumas anotações que correspondiam a números principalmente. O questionário teve como objetivo investigar as características sócio culturais dos alunos e a opinião em relação ao curso e a instituição, trazendo dados do cotidiano e envolvendo a metodologia que vem sendo utilizada. A observação in loco deu-se através da observação do andamento do workshop em uma visita no período noturno como programado pelo polo.

O curso analisado tem em sua maioria mulheres e conforme questionado ao assistente acadêmico há pouca participação nos workshop devido ao baixo peso do mesmo na avaliação. Este fator é algo que trás a análise da importância de se valorizar mais essa ferramenta para que haja interação nela também, para que não fique restringida a avaliação através da prova somente. Maia aponta que: “[…] a interação com o aluno pode se dar de inúmeras formas e todas elas são essenciais ao sucesso da aprendizagem.” (2003, p. 21).

Na observação in loco se observou que a maioria dos alunos presentes no polo para o workshop eram do curso de pedagogia, como o tema era sustentabilidade e por ser indisciplinar outros cursos também estavam presentes. Houve a explicação do conteúdo e respondida uma duvida que houve em relação a elaboração da redação, foram organizados grupos para discussão anterior a escrita da redação para que os alunos conversassem sobre o tema e levantassem problematizações para logo em seguida iniciar a elaboração do instrumento avaliativo.

Esse encontro presencial com tema que envolve a cultura e a sociedade em que vivemos vai de encontro com a concepção de se valorizar o conhecimento do aluno fora da área especifica que estuda e trás debates posteriores de suas ações enquanto profissional e a função da Faculdade enquanto mediadora de temas que trazem reflexões para o aluno enquanto cidadão e isso incorporado ao encontro presencial incorpora um elemento de interação importante de suporte ao aluno da modalidade EaD, Maia afirma ainda que: “Não menos importante que a tutoria é o ambiente de aprendizagem a ser utilizado para dar suporte ao curso, aos alunos e professores.” (2003, p.23)

Após terminar a redação alguns alunos foram pedir auxilio e tirar duvidas em relação a disciplina que estão cursando no bimestre e solicitar auxilio ao assistente em relação a duvidas sobre a utilização do portal. As duvidas em relação a utilização do portal devem ser sanadas visto que o aluno necessita da ferramenta para realizar o acesso e se organizar nesse método de “auto- aprendizagem”. O acompanhamento se constitui enquanto auxilio básico ao aluno da modalidade EaD, conforme Santos comenta:

[…] O controle e o acompanhamento permanente pela coordenação geral do curso do trabalho de professores, dos tutores, dos estagiários de atendimento e da secretaria, são igualmente cruciais, pois a interação com o aluno pode se dar de inúmeras formas e todas elas são essenciais ao sucesso da aprendizagem. […] (2009, p. 5665).

O controle e acompanhamento são necessários e relevantes principalmente na modalidade a distância, pois cada aluno possui peculiaridades e deve ser atendido dentro de suas especificidades, a relação deste com o aprendizado pode variar e a metodologia deve abranger as necessidades do acadêmico.

A avaliação que fica guardada no polo junto a documentação do aluno se fez de forma tranquila e após os alunos irem embora foi realizada a entrevista com o assistente acadêmico bem como solicitado o Proposta Pedagógica do Curso que segundo o mesmo se tem contemplada no Manual do Curso de Licenciatura em Pedagogia- Modalidade a Distância. Se faz importante guardar a avaliação tendo o registro de avaliação do aluno disponível para eventuais duvidas e/ou avaliação institucional, pois, a mesma deve cumprir o compromisso com a melhoria cognitiva dos alunos e conforme no aponta os Referenciais de Qualidade para Educação Superior a Distância: “As avaliações da aprendizagem do estudante devem ser compostas de avaliações a distância e avaliações presenciais, sendo estas últimas cercadas das precauções de segurança e controle de frequência, zelando pela confiabilidade e credibilidade dos resultados.” (BRASIL, 2007, p.17).

A instituição oferta para os alunos que desejarem um curso de nivelamento para suprir necessidades posteriores em algumas disciplinas, neste são ofertados os seguintes conteúdos básicos: língua portuguesa, matemática, metodologia da pesquisa cientifica, ensino à distância (EaD) e informática. Em entrevista o assistente acadêmico afirmou que não vem ocorrendo essa modalidade de atendimento até o presente momento e seria uma ferramenta de auxilio importante para os alunos compreenderem melhor o funcionamento principalmente da web para melhor desenvolverem os estudos acadêmicos.

Pode-se observar que o nivelamento se faz previsto em documento, porém, não ocorre no polo da cidade de Cascavel, e seria uma maneira de melhorar o acesso dos alunos que possuem dificuldade no manuseio das ferramentas tecnológicas o que diminui a interação algumas vezes, conforme aborda o documento Referenciais de Qualidade para Educação Superior a Distância: “[…] o princípio da interação e da interatividade é fundamental para o processo de comunicação e devem ser garantidos no uso de qualquer meio tecnológico a ser disponibilizado.” (BRASIL, 2007, p.10).

Faz parte da metodologia da FAEL também os Workshops que consistem em encontros obrigatórios (que podem ser no ambiente virtual de aprendizagem ou em local de livre escolha) em que são tratados temas interdisciplinares onde os acadêmicos vivenciam situações que lhes permitam experimentar a realidade profissional, correspondem a 20% da carga horária de cada uma das disciplinas curriculares e tem como objetivo integrar teoria e prática. Esta prática trás à tona o papel social e cultural da faculdade frente a prática social do aluno, conforme o Art. 2° do regimento institucional da Faculdade Educacional da Lapa aponta “ VI- Estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade”. (2014, p.5).

As atividades práticas consistem em realizar atividades propostas e acessar materiais complementares no Polo Presencial além da participação no Fórum de respostas e interação com os professores. Na Web tutoria há uma interação particularizada com comunicação continua e individual entre aluno e professor. O estágio curricular supervisionado proporciona ao aluno conhecimento da realidade profissional. A importância do estágio curricular supervisionado e esta interação com o professor são ferramentas de aproximação com a realidade profissional aproximando o acadêmico de seu objetivo final que é a atuação na área de estudo, conforme previsto nos Referenciais de Qualidade para Educação Superior a Distância: “[…] é oportuno destacar, no âmbito do referido decreto, que o planejamento dos momentos presenciais obrigatórios devem estar claramente definidos, assim como os estágios obrigatórios previstos em lei […].” (BRASIL, 2007, p. 17).

Conforme dados da entrevista constatou-se que a maior dificuldade dos alunos se concentra na utilização das ferramentas tecnológicas, muitos alunos não compreendem com facilidade os meios de navegar pelo portal e para estudar e realizar avaliações, muitas duvidas se concentram em relação a este mecanismo. É importante que esta dificuldade na utilização do computador seja sanada logo no inicio do curso pois se a condição social e cultural do aluno o afasta das ferramentas tecnológicas e seu consequente domínio compete a instituição auxiliar para solução e melhorando o andamento do aluno no processo de aprendizagem, o material didático deve ser acessível ao aluno se este se apresenta no computador o objeto referido deve ser dominado pelo aluno. “O sujeito aprende solitário e no seu tempo e o material didático estático tem um papel muito importante.” (SANTOS, 2009, p.5665).

Faz-se importante conhecer essas dificuldades dos alunos de maneira a se aproximar dos mesmos e pensar soluções não permitir que a modalidade a distância distancie aluno e professor nos termos da aprendizagem, sobre isso Alonso discute:

Se a aprendizagem, para ser validada socialmente, exige processos mais “coletivizados”, no sentido de que ideias e conceitos sejam confrontados, para nós, que trabalhamos com a EaD, mais do que se preocupar com a instrumentalização de seus sistemas, haveríamos que pensar nas formas, possíveis e passíveis, da convivência dos sujeitos. (2010, p. 1328)

Para que o aluno consiga interagir é necessário que domine as ferramentas de aprendizagem, quanto mais a vontade se sentir com o instrumento tecnológico e com o material didático melhor será a interação no ambiente virtual e com os colegas e professores. A adequação com o perfil cultural e social considera todas as dificuldades para saná-las e abordando com uma metodologia que considera essa evolução no decorrer do curso. Conforme Art. 3° do Regimento Institucional da FAEL “[…] VI- A flexibilidade de métodos e critérios, com vistas às diferenças individuais dos alunos, às peculiaridades locais e regionais e às possibilidades de combinação dos conhecimentos para novos cursos e programas de pesquisas.” (2014, p. 6).

Outra insatisfação dos alunos e a demora para entrega de documentos e/ou resolução de problemas como mensalidade, declaração de matricula, histórico escolar, etc. Conforme previsto nos Referenciais de Qualidade para Educação Superior a Distância:

Em suma, o projeto de curso deve prever vias efetivas de comunicação e diálogo entre todos os agentes do processo educacional, criando condições para diminuir a sensação de isolamento, apontada como uma das causas de perda de qualidade no processo educacional, e um dos principais responsáveis pela evasão nos cursos a distância. (BRASIL, p. 11, 2007)

Foi ressaltado pelo assistente acadêmico que a participação no workshop é pequena em vista do grande numero de alunos do polo, e os alunos justificam a falta neste por somar 0,2 esse workshop geral que é realizado no polo então preferem se dedicar as provas que soma 9,0 pontos. Lembrando que a avaliação se da pela soma dos exercícios que não valem nota, pela prova online com o peso de 3,0 pontos, pela prova presencial que soma 6,0 pontos e pelos workshops sendo 0,2 pontos o geral (que foi realizado no polo) e 0,4 na área do curso que são dois deste por bimestre. Somando-se estas notas se chega a 10,0 pontos e no caso de não atingir a média de 6,0 pontos pode-se realizar o exame que é somado a nota do bimestre e divido por 2 resultando assim então a média final.

Considerando este contexto se faz necessário repensar o dialogo com os alunos frente a necessidade de envolver mais o aluno e incentivar aos encontros presenciais, conforme analisa Maia: “Dentre os desafios que a EAD apresenta para as IES um dos fundamentais é a motivação dos alunos, uma vez que não existe o contato diário com o professor ou com os colegas. ” (2003, p.214).

A avaliação presencial tem maior peso e entra em consonância com os Referenciais de Qualidade para Educação Superior a Distância:

As avaliações da aprendizagem do estudante devem ser compostas de avaliações a distância e avaliações presenciais, sendo estas últimas cercadas das precauções de segurança e controle de frequência, zelando pela confiabilidade e credibilidade dos resultados. Neste ponto, é importante destacar o disposto no Decreto 5.622, de 19/12/2005, que estabelece obrigatoriedade e prevalência das avaliações presenciais sobre outras formas de avaliação. (BRASIL, 2007, p. 17)

Durante a entrevista foi levantada a analise de que os alunos no polo não realizam empréstimo de livros, a biblioteca não e um espaço que vem sendo utilizada pelos alunos da instituição, geralmente quando comparecem para a prova presencial é realizada e vão embora, de forma geral se caracterizam por preferir realizar os estudos em casa. Os alunos afirmam que preferem acessar material em PDF disponibilizados na internet entre outros disponíveis on-line, a Faculdade oportuniza a biblioteca o que não obriga o aluno a realizar empréstimo dos materiais, o que não exclui a responsabilidade em atualizar o acervo e estimular os alunos a realizarem empréstimo destes materiais, segundo Maia: “Os alunos precisam reconhecer seus pontos fortes e limitações, bem como compreender os objetivos de aprendizagem do curso.” (2003, p.214). Compreende-se que se o aluno acessa materiais complementares por outros meios este esteja buscando compreender os objetivos do curso conforme suas disposições e sua realidade, no caso de ser mais difícil se locomover ao polo para buscar livros este pode facilitar esse processo de pesquisa e busca.

Em relação a participação dos alunos no fórum foi levantado que os alunos do curso de pedagogia são bem participativos, alguns já atuam na área de educação então geralmente são levantadas situações cotidianas dentro do rol de conteúdos realizando a mediação entre teoria e pratica e facilitando até o entendimento dos colegas que ainda não atuam na área. A atividade de comunicação se constitui enquanto um instrumento de grande relevância e conforme o projeto pedagógico do curso em relação aos fóruns. FAEL: “[…] A participação nessa ferramenta é fundamental tanto para a interação entre a comunidade acadêmica, quanto para o aumento da sua aprendizagem.” (2016, p. 9).

Esta ferramenta se constitui relevante no curso de Pedagogia, pois a atividade docente de forma geral fornece muitos debates seja no âmbito acadêmico ou profissional, o aluno deve se abrir para novas ideias desde a participação no fórum e se permitir opinar e dialogar com opiniões complementares ou contraditórias, promove-se o respeito e oportunidade de comunicação no meio acadêmico.

Os questionários levantaram várias questões envolvendo a situação social e cultural dos alunos e se constatou que todos os alunos que participaram da pesquisa possuem acesso as ferramentas de comunicação mais populares como a televisão, o rádio, jornais e revistas e computadores. A televisão se mostra como ferramenta de comunicação mais popular, a maioria dos alunos vem enquanto ferramenta de entretenimento, grande parte dos alunos veem a TV enquanto ferramenta positiva ou negativa dependendo do sujeito. Constatou-se na pesquisa que a televisão como ferramenta de comunicação mais popular demonstra aspectos culturais e sociais dos alunos e essa mídia compõe também uma ferramenta de aprendizagem, porém, informal. Para Santos: “[…] O ciberespaço é muito mais que um meio de comunicação ou mídia. Ele reúne, integra e redimensiona uma infinidade de mídias. Podemos encontrar desde mídias como jornal, revista, rádio, cinema e TV […].” (2009, p. 561).

Em média diariamente os acadêmicos gastam 3 horas na internet, e semanalmente gastam média de 4 horas voltadas ao estudo. Poucos alunos responderam gastar menos de 3 horas estudando dentro da semana e poucos também afirmaram passar menos de 2 horas na internet, houveram alguns que afirmaram passar mais de 3 horas diárias utilizando a internet.

Em relação ao workshop houve um consenso em relação a ser um instrumento de grande importância na avaliação. A média salarial dos acadêmicos e de dois salários mínimos por família. A maioria das mulheres acadêmicas tem filhos e em média 2 filhos. O ensino a distância se torna para esse perfil de aluno algo fundamental para o acesso ao ensino superior, pois a renda e a necessidade de locomover menos vezes trás a acessibilidade principalmente quando se trata do perfil feminino em uma sociedade em que a mulher ainda é vista enquanto responsável pelo lar e pelos filhos. Para Alonso: “No mote da expansão da EaD, dois temas são recorrentes: a democratização do acesso ao ensino superior e a necessidade da formação dos profissionais da educação” (2010, p. 132). Considerando a maior parte dos acadêmicos de pedagogia ser mulheres a ferramenta que possibilita estudar sem sair de casa e flexibilizando horários de estudo é algo democrático e facilitador no processo de conhecimento.

Em relação à atuação no mercado de trabalho algumas alunas já atuam como auxiliar de regência há também estagiarias, do lar e há acadêmicos que trabalham em outras funções como vendedora e atendente. Em relação as atividades no tempo livre a maioria afirmou apreciar passear com a família e com amigos, outra atividade que foi citada por vários alunos foi assistir filmes e culinárias. Alguns acadêmicos citaram caminhada, ir à igreja e apreciar locais de entretenimento da cidade como shopping, restaurantes, eventos culturais, etc. A realidade dos alunos como se constatou é variada e não há um padrão único de perfil social e cultural o que nos leva a acreditar que também não há um ritmo único de aprendizagem para os alunos do curso de pedagogia, a modalidade a distância fornece essa flexibilidade para realização de atividades por parte do aluno em seu próprio tempo e ritmo. Segundo Maia: “O computador pessoal colocou um poder inimaginável nas mãos dos aprendizes individuais. Ele pode permitir que as pessoas trabalhem de suas próprias maneiras, em velocidades variadas. ” (2003, p. 61).

Dentre as expectativas após a conclusão do curso se destacou a atuação como professor e professor de educação infantil, alguns alunos relataram planejar fazer pós- graduação após o término da faculdade e em nenhum questionário se relatou que não se pretende trabalhar na área de educação. Conforme aponta o Regimento Institucional da Faculdade Educacional da Lapa em seu Artigo 2° “II- Formar diplomados nas diferentes áreas do conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira […]”. (FAEL, 2014).

Formar profissionais da educação acarreta ofertar a educação pensando no futuro profissional que deve estar habituado a uma metodologia de qualidade para que o mesmo busque o caminho de sua atuação enquanto docente independente do nível e modalidade que irá atuar na educação, quando se fala em formar o profissional de educação estamos voltados para um aluno que irá desenvolver interferências importantes no uso de sua atividade profissional.

As dificuldades apontadas pelos alunos foram realizar a prova presencial em que muitos afirmaram haver pouco tempo para estudar, outra dificuldade foi habilidade para trabalhar com o computador e compreender alguns mecanismos de ação no portal do aluno e outra dificuldade bastante apontada foi a falta de um tutor para atuar no polo presencial os alunos acreditam ser necessário um tutor para tirar duvidas e auxiliar nos estudos no polo para que seja sanada algumas dificuldades de aprendizagem de forma presencial. Este apontamento conta com respaldo nos Referenciais de Qualidade para Educação Superior a Distância: “Um sistema de tutoria necessário ao estabelecimento de uma educação a distância de qualidade deve prever a atuação de profissionais que ofereçam tutoria a distância e tutoria presencial. ” (BRASIL, 2007, p. 21).

Houve consenso entre os alunos em relação a qualidade da metodologia da instituição em relação a explanação do conteúdo e do método de avaliação de maneira geral acreditam ser satisfatório e acreditam que a grade curricular e a metodologia contemplam a necessidade da formação deles para o mercado de trabalho e para se formarem enquanto cidadãos melhores. Esse fator é positivo, pois, indica que a IES corresponde a grande parte da expectativa e demanda dos alunos do curso de Pedagogia, e a instituição deve se desenhar e se redesenhar conforme a necessidade do aluno e do mercado de trabalho. “[…] A natureza do curso e as reais condições do cotidiano e necessidades dos estudantes são os elementos que irão definir a melhor tecnologia e metodologia a ser utilizada […]” (BRASIL, 2007, p.7).

De forma geral houve consenso entre os alunos de que é necessário um esforço maior do aluno na modalidade à distância, pois, segundo eles é necessário se monitorar bastante para dedicar um tempo do dia voltado para realização das atividades acadêmicas e que estão evoluindo durante o tempo em que estão no curso e se vigiando mais no sentido de dedicar algumas horas voltadas para estudar, segundo eles o desempenho tem sido bom e as avaliações não se demonstram difíceis quando estudam e se preparam bem para as mesmas. Ainda segundo Maia: “O grande desafio do ambiente virtual é recriar a riqueza de possibilidades de aprendizagem do bom campus presencial.” (2003, p. 70). Por ser uma modalidade ainda recente a Educação a Distância se compõe de muitos desafios tanto para a Instituição quanto para os alunos que vem se adaptando bem a nova forma de processo de aprendizagem, existem responsabilidades para a equipe da IES e ao discente o que torna o processo em constante transformação indo de encontro com a realidade social e cultural dos alunos, a abordagem metodológica não pode ser algo estático.

6. PROPOSTAS DE ESTRATÉGIAS DE MELHORIA DA OFERTA DO ENSINO

A oferta de Ensino a Distância requer muito cuidado para estar distante somente fisicamente do aluno e acompanhar o processo de aprendizagem constantemente, sendo flexível e levando em conta as dificuldades e facilidades dos alunos.

Conforme apontado pelos alunos as dificuldades mais agudas são os prazos de recebimento de documentação que lhes são necessárias no decorrer do curso e atendimento de duvidas e resolução de problemas, acredita-se que a equipe de atendimento reveja o numero de funcionário e a qualidade prestada para maior agilidade no atendimento aos alunos. A qualidade de atendimento deve-se dar de maneira eficiente e ágil em via da necessidade do aluno que nessa modalidade apresenta a necessidade de um acompanhamento de qualidade quando necessário em nível de aulas presenciais e atendimento em relação a solicitação de documentos, o termo que se encaixa ao atendimento da Faculdade Educacional da Lapa pode ser mais adequado se dizer semipresencial, pois, preocupa-se em ofertar o atendimento direto ao aluno no polo. Santos aponta:

Na EAD os “outros” só se encontram se a metodologia for híbrida, ou seja, se tivermos encontros presenciais nos pólos ou centros de encontro. Aí já não é mais EAD, é educação semipresencial. O encontro face a face entra para cumprir a função comunicacional de uma interação todos-todos que a mídia de massa não permite. (2009, p. 5669).

Outra dificuldade apontada foi o manuseio do computador e do portal do aluno e a instituição conta com o plano de nivelamento na Proposta Pedagógica para atender essa dificuldade então se faz necessário e de suma importância a aplicabilidade no polo de Cascavel para melhor facilidade dos acadêmicos para realizar as atividades e consequentemente melhorar o processo de ensino- aprendizagem, não basta conhecer a tecnologia temos de dominá-la, conforme afirma Maia:

Hoje em dia, o uso de computadores integrado ao ensino não é mais uma atitude pretensiosa ou uma exclusividade para especialistas da computação. Atualmente diversos trabalhos com o computador vêm sendo realizados dentro de instituições de ensino. São tantos, que não se pode pensar sobre o cenário educacional sem a utilização desta poderosa ferramenta. (2003, p. 61)

Esta atividade de nivelamento se demonstra possível, pois, o prédio do polo possui a sala de informática e os computadores para utilização e irá permitir que duvidas e problemas sejam sanados, aproxima os acadêmicos da faculdade, valoriza o esforço pessoal de encaminhar-se para melhor desenvolver os estudos e oferece ao aluno a chance de dominar as ferramentas tecnológicas que lhe vai auxiliar após o término da formação também enquanto atuante da educação.

Um aspecto que também se mostra importante é conhecer os alunos da instituição de forma a melhor aplicar a metodologia de acordo com anseios e expectativas culturais e profissionais sem perdem de vista o rol de conteúdos e trazendo a consideração da realidade do aluno, conforme nos afirma Belloni:

Um processo de ensino e aprendizagem centrado no estudante será então fundamental como principio orientador de ações de EaD. Isso significa não apenas conhecer o melhor possível suas características socioculturais, seus conhecimentos e experiências, e suas demandas e expectativas, como integrá-las realmente na concepção de metodologias, estratégias e materiais de ensino, de modo a criar através deles as condições de auto- aprendizagem. (2008, p.33)

A IES que oferta o ensino na modalidade a distância precisa estar atenta a toda estrutura e a gama de realidades que se centram no seu interior, por isso conhecer as realidades de cada polo faz com que se melhor domine as necessidades desses alunos atendidos e conforme o perfil repensar métodos no intuito de melhora-los o mesmo vale para a estrutura, pois o professor para oferecer uma aula de qualidade necessita de respaldo físico e tecnológico o que tende a contribuir para formar cidadãos capacitados e conscientes.

Santos traz uma análise da Educação a Distância reforçando a concepção que existe da EaD e os alunos apresentaram em suas respostas ao questionário:

A educação de qualidade independe da modalidade. É possível ter educação de qualidade presencial, a distância, online e em desenhos híbridos. Contudo, o exercício de distinguir e caracterizar cada modalidade educacional nos habilita a dizer de que lugar falamos ou defendemos nossas ideias. (2009, p. 5767)

Pensar em uma melhoria na EaD requer dar continuidade a um processo de evolução nesta modalidade no país e a partir de análise de dificuldades apontadas por alunos e pessoas no meio se faz mais fácil sanar problemas e defeitos e buscar um atendimento qualitativo, pois a mesma só deve se diferenciar do ensino presencial pela maneira e facilidade em se estudar mais jamais perder a oportunidade de agregar bons profissionais e cidadãos.

7. CONSIDERAÇÕES FINAIS

A aprendizagem é um processo complexo e a metodologia deve acompanhar as diversas inovações, técnicas e estratégias para alcançá-la de maneira qualitativa e para isso têm o apoio de estudos na área.

Faz-se necessário um comprometimento com a qualidade educacional visando proporcionar uma formação de nível superior de qualidade sem deixar de lado a formação social do aluno e isso se faz com um trabalho em conjunto envolvendo a equipe educacional, principalmente os docentes que não exclui a importância do aparato estrutural necessário visando melhor aplicabilidade das aulas utilizando recursos inovadores disponíveis.

Nessa pesquisa, observamos que a atuação da IES em geral com toda a equipe multidisciplinar influi muito no aprendizado e se tratando da modalidade a distância as ferramentas tecnológicas e recursos em geral também agem com influência no aprendizado do aluno.

As instituições que ofertam a Educação a distância devem proporcionar um quadro de profissionais de qualidade e conhecer a realidade do aluno que atende, as particularidades regionais e culturais tendem a acrescentar aspectos na metodologia a se utilizar podendo assim avançar mais no processo de ensino- aprendizagem.

A presente pesquisa nos traz a reflexão de que o aluno é um sujeito e possui uma caminhada antes de ingressar na faculdade e possui vários fatores externos ao ambiente educacional que interferem no rendimento acadêmico. Acreditamos que todos podem dominar as ferramentas e aproveitar ao máximo o aprendizado proporcionado e também que se pode haver reestruturações conforme necessidade dos alunos e inovações tecnológicas, de pesquisas enfim estruturais de maneira geral, acreditando no continuo progresso educacional para melhor oferta do Ensino a Distância no Ensino Superior o que consequentemente habilitará melhores profissionais e cidadãos.

A Educação a Distância está em constante processo de transformação, então se faz necessárias pesquisas que investiguem e proponham estudos, caminhos e abordagens para melhorar a oferta do Ensino Superior. As Instituições de Ensino Superior que ofertam esta modalidade se constituem enquanto vários e amplos campos de estudo para busca de melhoria da oferta de ensino que aumenta a democratização da educação no Brasil e se constitui como ferramenta de combate a desigualdade proporcionando a um maior numero de alunos o acesso ao Ensino Superior.

Com essa pesquisa podemos concluir que é indispensável conhecer a realidade social e cultural do aluno para melhorar e ampliar as ferramentas metodológicas de acordo com as necessidades e sanando dificuldades para que o processo de ensino ocorra da melhor forma possível, basear-se na realidade do aluno promove práticas contextualizadas e significativas para o acadêmico. Fazer uma sociedade melhor e mais igualitária é possível e trabalhar com esse propósito é aprimorar práticas metodológicas em busca de ofertar o conhecimento de maneira qualitativa.

REFERÊNCIAS

ALONSO, Kátia Morosov. A Expansão do ensino superior no brasil e a EaD: dinâmicas e lugares. Campinas, Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1319-1335, out.-dez. 2010. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acessado em: 10/05/2016.

BELLONI, Maria Luiza. Educação a distância. 5. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

BRASIL. Decreto n° 5622, de 19 de dezembro de 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/portarias/dec5.622.pdf. Acessado em 13/05/2016.

______.  Decreto n° 5773, de 9 de maio de 2006. Disponível em: http://www2.mec.gov.br/sapiens/portarias/dec5773.htm. Acessado em 14/05/2016.

______. LDB, Lei 9.396, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acessado em: 01/04/2016.

______. MEC, Referenciais de qualidade para cursos a distancia. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/par/193-secretarias-112877938/seed-educacao-a-distancia-96734370/12777-referenciais-de-qualidade-para-ead. Acessado em: 03/04/2016

______. MEC, Referenciais de qualidade para educação superior a distancia. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legislacao/refead1.pdf. Acessado em: 03/04/2016

DOURADO, L. F. Políticas e gestão da educação superior a distância: novos marcos regulatórios? Educação e Sociedade, Campinas, v.29, n.104- Especial, p. 891-917, 2008.

FAEL. Regimento institucional. Lapa: FAEL, 2014. Disponível em: http://fael.edu.br/documentos/regimento/. Acessado em: 01/05/2016.

______. Manual do curso de licenciatura em pedagogia modalidade a distância. Lapa: FAEL, 2016.

FARIA, Eliane Turk. EAD: desafios e propostas emergentes  In: FARIA, Eliane Turk (Org.): Educação presencial e virtual: espaços complementares essenciais na escola e na empresa. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

MAIA, Marta C. O Uso da tecnologia de informação para a educação a distância no ensino superior. São Paulo: FGV-EAESP, 2003.

NETTO, Carla. Interatividade em ambientes virtuais de aprendizagem. In: FARIA, Eliane Turk (Org.): Educação presencial e virtual: espaços complementares essenciais na escola e na empresa. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006.

OLIVEIRA, Elza Guimarães. Educação a distância na transição paradigmática. Campinas, SP: Papirus, 2003.

SANTOS, Edméa. Educação online para além da EaD: um fenômeno da cibercultura.  Actas do X Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia. Braga: Universidade do Minho, 2009. Disponível em: http://www.educacion.udc.es/grupos/gipdae/documentos/congreso/xcongreso/pdfs/t12/t12c427.pdf. Acesso em: 11/05/2016.

SAVIANI, Dermenval. Educação: Do Senso comum á consciência filosófica. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

SHIROMA, Eneida Oto; EVANGELISTA, Olinda; MORAES, Maria Célia M. De. Ensino superior em tempos de adesão pragmática. In: MORAES Maria Célia Marcondes de. (Org.). Iluminismo ás avessas: produção de conhecimento e políticas de formação docente Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

VIEIRA. José Guilherme Silva. Metodologia de pesquisa científica na prática. Curitiba: FAEL, 2011.

[1] Aluna do curso de pós-graduação em Metodologia do Ensino Superior na EAD pela Faculdade Educacional da Lapa – FAEL – Professora de Educação Infantil, Historiadora pela UNIPAR.

[2] Matemático, Tecnólogo em Processos Gerenciais, Pedagogo pela UFPR, Mestre em Educação, Especialista em Educação a Distância, Especialista em Adm. Financeira e Informatização e professor do curso de Pedagogia e da Pós-Graduação da FAEL.

Como publicar Artigo Científico

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here