Início Ciência da Religião Teologia, Epigenética e Saúde Pública

Teologia, Epigenética e Saúde Pública

RC: 5211 -
Teologia, Epigenética e Saúde Pública
5 (100%) 1 vote
612
0
ARTIGO EM PDF

Rodrigues, Pr. Guilherme M. M.[1]

Rodrigues, Pr. Guilherme M. M. Teologia, Epigenética e Saúde Pública. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 1. Vol. 9. pp. 349-354, outubro / novembro de 2016. ISSN: 2448-0959

INTRODUÇÃO

Bíblia e ciência sempre estiveram juntas, reconhecer as limitações humanas é romper barreiras estabelecidas pela própria consciência formadora de uma sociedade. Conhecer o indivíduo é base fundamental para o controle social, a ação de sua inconsciência, pode interferir diretamente no planejamento socioeconômico do Estado, principalmente na destruição de um plano de saúde pública. Sendo a Palavra de Deus o manual estabelecido pelo criador do homem, seguir seus preceitos ultrapassa os limites de uma saúde espiritual, ela interfere diretamente para uma condição de mente e corpo saudáveis, reduzindo o custo do Estado por meio da administração da inconsciência do homem.

Palavras-chave: Teologia, Epigenética, hereditariedade, Saúde Pública.

OBJETIVO.

Reconhecendo Deus como criador, o homem pode compreender que não há ninguém melhor para mostrar o caminho correto. Somente quem criou pode estabelecer as regras para que de maneira objetiva, alcancemos a melhor qualidade de vida e consequentemente, reduzir o índice de enfermidades sociais. Através da Palavra de Deus, e da administração correta dos preceitos estabelecidos, conseguiremos alcançar um indivíduo mais saudável físico e mentalmente, obtendo redução no custo dos Estados por meio dos reflexos na saúde pública.

Uma das características mais marcantes do homem é sua consciência racional, ela é formada por um conjunto de fatores adquiridos durante seu desenvolvimento, tendo como principais fontes, as experiências vividas e os conselhos adquiridos através de outras pessoas. Essa consciência racional, forma uma disposição mental equivalente, uma força mental que produz uma “analgesia”, uma convicção que estabiliza o senso crítico próprio, o que para a grande maioria das pessoas que vivem conforme suas próprias convicções, sem padrões estabelecidos pela palavra de Deus, são letais para destruição própria e social. Essa condição age como um piloto automático, vedando a consciência para qualquer tipo de limite que seja estabelecido para limitar suas ações, fazendo com que esta pessoa aja conforme seus sentimentos e emoções momentâneas.

VERDADE E REALIDADE

Quando observamos a Palavra de Deus, vemos escrito em João 17:17: “Santifica-nos pela tua verdade, a tua palavra é a verdade”, sendo assim, fica claro que existe uma verdade e uma mentira. Quando a bíblia diz que “a tua palavra é a verdade”, isso significa que a única fonte onde encontramos a verdade é na Palavra de Deus, ela é inexorável, não muda conforme o tempo, não é influenciada por emoções e sentimentos, não há racionalidade que mude o preceito já traçado por quem criou o homem.

Sendo assim, a verdade está escrita para combater a realidade, que são conceitos e ideias criadas pela razão humana, uma verdade pessoal, influenciada por traumas, sentimentos de amargura, expectativas e experiências vividas. A realidade é uma ação mental de autoconvencimento, trabalhando conforme as próprias convicções, descartando qualquer padrão que venha contra sua disposição mental e sentimentos.

Sendo a realidade uma verdade ilusória e de autoconvencimento, ela impõe sobre a mente do indivíduo falsas propagações de realidade acerca de si mesmo e de sua vida, possibilitando o aparecimento de patologias secundárias como depressão e doenças psicossomáticas, resultado da concepção de pensamentos acerca da vida. Essa condição é explicada pela ciência através dos transtornos mentais, mas a palavra de Deus é objetiva e permite que tenhamos uma clara visão das consequências de uma mente sem princípios e padrões, guiada apenas por si mesma.

AÇÃO MENTAL DA INIQUIDADE OU EPIGENÉTICA

A relação entre a iniquidade e a epigenética é similar, ambas estão impregnadas no homem, e chegam a unir-se quando trata-se de hereditariedade.

A palavra de Deus denúncia à ação mental da iniquidade, sua dinâmica de atuação e as consequências atreladas a ela, vemos descrito no livro de Salmos 7:14-16:

“Eis que o ímpio está com dores de iniquidade, concebeu a malícia, dá luz a mentiras…”

Para compreendermos quem é o ímpio, são necessários alguns passos: ímpio vem de impiedade, piedade é sinônimo de amor (im=não, sem; piedade=amor) pessoa sem amor, no livro de João 14:21, vemos que para Deus amar, é aquele que obedece a Sua palavra, sendo assim, o ímpio é aquele que não ama a Deus, por não obedecer às suas palavras. Vemos no versículo, que este indivíduo está com dores de iniquidade, esse “de” faz menção à origem, ou seja, a iniquidade deste indivíduo está lhe trazendo dores, sofrimento. Sabendo-se que iniquidade não é algo físico, veremos como ela pode trazer dor a alguém.

Quando observamos a continuidade do versículo, vemos o motivo que levou ao sofrimento e como a iniquidade atua no indivíduo para lhe trazer esta dor:

“concebeu a malícia…”

O original hebraico desta palavra é encontrada no dicionário Grego-Hebraico Strong (H5999), que significa tormento mental, tristeza, ou seja, a iniquidade atuou na mente através do pensamento deste indivíduo trazendo tristeza e tormento mental, isso porque, ele “concebeu”, aceitou, aderiu, deu luz, deu lugar, passando a acreditar naquilo que estava em sua mente, passando a sofrer pela REALIDADE CRIADA.

Tendo este homem sido convencido por seus pensamentos, agora teremos as consequências mentais:

“dá luz a mentiras.”

Diante da realidade imposta como consequência do que foi concebido, a mente deste homem iniciará um processo de produção de realidades, mentiras desenvolvidas que irão produzir ruína moral (Strong H7723). Temos no livro de Isaías 5:20, a descrição perfeita da mente cauterizada de um homem que concebeu aos tormentos mentais:

“Ai dos que ao mal chamam de bem e ao bem, mal; que fazem da escuridade luz e da luz, escuridade; põem o amargo por doce e o doce, por amargo!”

Aqui é descrito a verdade e a realidade lado a lado, ficando claro, uma distorção da verdade, que é desenvolvida pela mente humana, tornando o que é prejudicial em algo favorável.

Essa ilusão da mente para distorção da verdade, é denunciada pela bíblia em dois principais versículos, o descrito acima, e em Salmos 7:16:

“Cavou um poço e o fez fundo, e caiu na cova que fez. ”

Podemos observar que nestes dois versículos o indivíduo exerce com exatidão a escolha do caminho seguido, para ele, suas decisões são corretas, seus sentimentos e emoções guiam suas decisões sempre em busca de um bem-estar maior, um melhor ambiente, uma melhor companhia, uma maior satisfação, uma realidade de falsas alegrias, um caminho de dor, sofrimento e morte, mascarado pelos sentimentos e prazer momentâneos.

A mais fascinante característica da epigenética ou da iniquidade, é o poder de induzir e de produzir através da indução, ou seja, ela induz determinado pensamento ou visão, e o resultado emocional obtido com a concepção deste pensamento, sairá uma semente secundária, ela será a nova semente de destruição, atingindo uma área diferente, e que será somada a semente de indução primária. Através destes marcadores epigenéticos, o homem vai sendo conduzido por sua iniquidade sem saber, seus pensamentos, sentimentos e decisões, todas induzidas por sua natureza hereditária e por ideias concebida ao longo da vida.

Sendo possível a mente humana enganar o próprio homem, colocando-o em desgraça e sofrimento de forma inconsciente, principalmente, por padrões socialmente praticados de forma natural, alguém arcará com as decisões erradas deste indivíduo, alguém terá que arcar com as enfermidades, medicamentos e toda relação de dependência que haja, diante de uma doença emocional ou física, neste momento é que entra os planos de saúde pública, ficando na responsabilidade do Estado, apoiar financeiramente todo período de incapacidade laboral deste indivíduo.

Um dos fatores mais evidentes neste século XXI é a depressão, uma doença secundária, resultante de uma instabilidade emocional e mental, decorrente de fatores hereditários, que atuam na predisposição mental, ou originada pela concepção de determinados pensamentos de incapacidade e autodestruição. A depressão tem retirado mais de duzentas mil pessoas por ano no Brasil do mercado de trabalho para a dependência da previdência, acarretando um ônus para os cofres públicos de aproximadamente 26 bilhões de reais em 2014.

RELAÇÃO BÍBLIA E SAÚDE PÚBLICA

Não existe caminho mais curto e objetivo do que seguir as indicações de quem criou um produto, um ditado industrial diz: ”quem possui a patente dita o mercado”, assim funciona com o homem, Deus o criou, então ninguém melhor do que Ele para guiar o melhor caminho.

Se observarmos a palavra de Deus, veremos em I Coríntios 11:30-31:

“Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem.
Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. ”

Podemos fazer duas observações acerca do versículo acima: a primeira, é que o homem que anda segundo suas próprias convicções, sem que haja um parâmetro estabelecido sobre sua vida criando limites, ele se torna um problema social, ele se torna fraco espiritualmente, e consequentemente, se torna uma pessoa doente, e muitos que morreram, afetando diretamente o plano econômico de saúde pública de um país. A segunda observação, é que há um juízo sendo exercido sobre o homem, independente de sua vontade, um juízo exercido sobre a iniquidade que o guia, sobre sua inconsciência, seu “piloto automático”, mas as consequências sendo arcadas pelo Estado, que proporcionalmente, quanto maior a busca por tratamento, maior a opressão financeira sobre o país.

Podemos ver essa verdade sendo demonstrada no livro de João 5:1-14, onde relata a vida de um homem que era paralítico, e estava em meio a muitos doentes, porém, temos a causa de sua doença sendo demonstrada no versículo 14, o pecado o levou a ficar doente. Vemos durante os relatos, que este homem estava ali durante trinta e oito anos, e não havia ninguém que o levasse ao tanque, isso demonstra a solidão a qual este homem vivia, não possuía amigos, demonstrando uma pessoa que não analisava as consequências de suas ações ou comportamento. Conseguimos observar que ele não nasceu paralítico, considerando que paralisia é diferente de ser coxo, o coxo seria o paraplégico (cadeirante), já o paralítico, seria aquele que possui uma patologia como a ELA (esclerose lateral amiotrófica), passou a ser em determinado período da vida, devido ao pecado.

Podemos ver esse juízo sendo exercido também em Provérbios 29:1:

“O Homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz, de repente será destruído sem que haja remédio. ”

Todo esse processo de doença até a morte do indivíduo recai sobre o governo, que quanto maior a demanda, maior a necessidade de recuso.

A HEREDITARIEDADE NUMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL.

Vemos que o poder da epigenética está na hereditariedade, é a sustentabilidade, a continuidade e aperfeiçoamento do mal implantado. Quando um país lida com as consequências, é um país problemático, é necessário compreender o indivíduo, suas práticas e necessidades para atuar de maneira profilática e lidar com as causas.

Quando lidamos com as práticas sociais, conseguimos dar um passo à frente, mas quando lidamos com a natureza humana, conseguimos administrar a inconsciência humana, e protegê-lo de si mesmo.

O advento científico da epigenética nos possibilitou buscar uma visão mais profilática, quando tratamos o espírito, a mente e corpo de um indivíduo, estamos tratando de sua descendência, isso significa, que se conseguirmos formar indivíduos que vivam com princípios e limites segundo a palavra de Deus, geneticamente, teremos descendentes mais equilibrados emocionalmente e mais saudáveis, reduzindo drasticamente a demanda hospitalar.

Com uma visão bíblico-científica, compreendemos que é necessário arrancar as sementes que foram implantadas hereditária, social e pessoalmente, em busca de um país mais saudável e mais rico, menos corrupto e mais temente a Deus.

CONCLUSÃO

O mundo espiritual sempre trabalhou de maneira sustentável, Deus criou os céus e a terra, as sementes foram plantadas apenas uma vez, e tudo se formou, o homem foi criado apenas uma vez, e tudo se multiplicou. No reino demoníaco, a corrupção foi plantada nos céus, uma vez, e suas estratégias se multiplicam constantemente, através da sociedade e das gerações através da iniquidade. A formatação de uma disposição mental de um povo segundo os preceitos de Deus vai além de religiosidade, é a consciência social sustentável na busca de uma nação saudável, com seus problemas minimizados e uma saúde pública efetiva.

BIBLIOGRAFIA

Bíblia Dake – Editora Atos.

Bíblia Palavra Chave: Grego-Hebraico – CPAD

http://revistacipa.com.br/mais-de-200-mil-pessoas-no-brasil-receberam-auxilio-doenca-por-transtornos-mentais-em-2014/

http://link.springer.com/article/10.1186/2042-6410-5-8

[1] Pastor (CIADB-0-289), Bacharel em Teologia, Seminarista e Escritor Teologia da Libertação.

Como publicar Artigo Científico

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here